Gratidao

  duas pessoas correm na praia à beira das ondasCreative Commons License BK via Compfight

    Dedicado à nossa antiga e querida aluna Filipa Sáragga    

 Cristal: Gratidão

     A  nossa Princesa, depois da sua primeira e arriscada viagem até ao extremo do seu próprio medo, recebe das mãos da sua Mestra, o terceiro “Cristal” que contém o poder de nos tornar agradecidos.

  A jovem vai reconhecer, então, como, mesmo no meio do  sofrimento, tropeçamos em muitas alegrias. Os amigos estão entre as maiores. E no seio precioso destes, os que pertencem à categoria especial de verdadeiros mestres, que nos ensinam a escutar as nossas próprias perguntas: as mais genuínas e as de mais longo alcance.

  Este “Cristal” há de ser operante até em situações hostis, quando o adversário a enfrentar pode ser perigoso e pôr em risco a nossa própria vida. As vivências dolorosas revelam então oportunidades ocultas de crescimento para nós e para os outros. “Como é interessante a vida  – dirá a Princesa – Quem diria que até a tristeza teria sentido.”

Este “Cristal” consiste num potencial acumulado de gratidão por todos os abraços partilhados e pelas ocasiões privilegiadas em que pudemos cuidar dos outros. O estado interior de gratidão abre-nos ao momento presente e alonga o nosso olhar sobre um novo horizonte.

 A jovem Princesa fará também a experiência de que quanto mais agradecidamente se vive, mais facilmente se perdoa; mais livremente nos relacionamos com os outros; mais vivo é o nosso interesse; mais usufruímos de emoções intensas.

 Mas como praticar a gratidão nos momentos dolorosos? Há que compará-los sempre com outros mais graves, sofridos por pessoas mesmo desconhecidas ou que vivem muito longe de nós.  Assim, a Princesa vem a reconhecer o invencível desequilíbrio de raiz entre o bem e o mal “Aquilo que tens para agradecer será sempre maior do que aquilo que tens para lamentar.”

  Estamos na despedida do nosso blog, em obediência às novas Leis da Europa sobre os Dados Pessoais dos Alunos. Já à beira do mês de Junho, terminamos o périplo pelas etapas transformadoras que percorreu a Princesa Azul e concluímos a floração dos Valores que coroou este ano; é hora de também nós agradecermos, quer à gentil autora que nos inspirou, quer aos alunos que nos acompanharam. E fazemos nossas as palavras que a Princesa do Reino da Luz dirigiu às amadas flores do seu jardim secreto:

“Queria agradecer-vos por todos os dias

em que me escutaram com atenção.”

OE