A Roda da Vida – 2

Gentileza da Autora

    Algumas das minhas “coisas” favoritas na vida são a Familia, os Amigos, Eu Própria, Hobbies, Colegas.

    Para mim, a Família é uma das “coisas” que todas pessoas devem ter, com a Família há felicidade, carinho e muito mais “coisas”.

    Os Amigos ajudam em muitas “coisas”, por exemplo, ajudam em momentos difíceis que os Pais não podem ajudar, porque temos vergonha de lhes dizer.

    Há Amigos de quem nós gostamos mais. por exemplo, os nossos melhores Amigos. Neste aspeto, eu gostava de socializar mais.

     Outra “coisa” de que eu gosto muito são os hobbies; por exemplo, Ginástica Rítimica, Voleyball e Natação.

        Os Colegas são com quem eu gostava de falar e brincar mais. Por muito que nós gostemos imenso destas referências de Vida, nós temos de ter mais tempo para nós próprios.

       Nós fazemos sempre o que as pessoas gostam e deixamos passar o que nós realmente gostamos; por exemplo, eu tenho de fazer trabalhos para a Esola e depois não posso ficar a conversar com os meus amigos e a jogar com eles.

       Eu, normalmente, quando estou sozinha, gosto de pensar sobre o que quero ser quando for grande e de ler um livro de um filme chamado “Harry Potter”.

SS6C

A Roda da Vida -I

     

Gentileza da Autora

    Quais as referências de vida mais importantes? Elas são, em primeiro lugar, a Família; em segundo, os Amigos; em terceiro, Eu própria.

      A Família é a melhor “coisa” que se pode ter; a Família está sempre ao nosso lado, quando precisamos de ajuda ou quando estamos mais em baixo; às vezes, há conflitos entre irmãos e os pais estão lá para ajudar. O que eu gostava de melhorar nesta parte é a minha relação com os meus irmãos, especialmente com o mais velho.

      Os amigos são quem nos pode ajudar nas dúvidas do Colégio e também nos podem ajudar noutros aspetos;podemos combinar com eles o que quisermos, mas nem sempre as nossas relações são a 100%. Há amigos de quem gostamos mais e amigos com quem nos damos menos, e eu gostava de ter uma melhor relação com eles.

     Os nossos Amigos, normalmente, são os nossos colegas, mas há quem não saiba que a Família também é. Os nossos colegas são quem nos ajuda na parte escolar, e a Família, na parte pessoal. Há quem não admita que a Família é a nossa melhor amiga e, em 2º lugar, os colegas.

     Eu: eu própria – todos nós temos que ter o nosso espaço pessoal, precisamos de tempo para nós; hoje em dia, as pessoas fazem os seus deveres de uma forma apressada e esquecemo-nos de nós; as pessoas fazem os trabalhos que têm de fazer e esquecem-se do que realmente gostam; todos gostmos de estar um tempo sozinhos, desligar de tudo o resto que nos rodeia, fazer aquilo de que mais gostamos, sem ninguém nos interromper, ouvir música e descansar, sem termos de estar a trabalhar.

BB6C

Aprendizagem Socio-Emocional – A Escada de Inferências-7

Image par 愚木混株 Cdd20 de Pixabay

    Esta ferramenta de Coaching Educativo pode ser aplicada a inúmeras situações do contexto escolar em que surja um conflito, mas precisa de ser adaptada às diferentes experiências de vida e níveis de conhecimento do mundo, conforme as idades dos nossos Alunos.

      Ela exige, de entrada, que se esclareça a base teórica que a fundamenta: o nosso cérebro é portador de uma herança milenar em que as primeiras estratégias de sobrevivência ficaram impressas e continua a exercer uma influência dominante em relação às conquistas mais recentes da nossa capacidade reflexiva.

     Assim, nos imprevistos da vida quotidiana, é mais natural adiarmos o esforço de suspender o juízo, tomar distância e apreciar em perspetiva, antes de inferir a conclusão que nos permitirá assumir uma atitude adequada.

       Sob o impulso premente da arcaica estratégia reativa, muitas vezes nos precipitamos numa observação parcial do que acontece; selecionamos apenas o que parece servir os nossos fins ocultos, interpretando os factos em função de uma defesa ou de um ataque apenas pressentido; avaliamos as atitudes dos outros a partir dessa leitura oblíqua para, finalmente, reagirmos em consequência dela e, quantas vezes, em prejuízo de um relacionamento justo e cordial.

      A “Escada das Inferências” proporciona uma estratégia  reflexiva que denuncia e desmonta os pressupostos neste encadeamento acrítico de interpretação e reação.

   Como exigência de inteligibilidade que é, além do seu papel purificador, também oferece orientações para elaborarmos deliberadamente hipóteses mais positivas, quando soletramos a vida de modo confiante e buscamos um agir que se ajuste, solidário dos outros, convivial e lúcido. 

Aprendizagem Sócio-Emocional-7

Com Teach Write Edu, Outubro 20- Partilha de Inspirações – OE

Outubro 2020 Dia 5

Encontram-se outras variedades de aplicação desta ferramenta de Couching Educativo no livro de Juan Fernando Bou Pèrez Ferramentas de Coaching Educativo“ – Porto Editora.

Ir Devagar para Chegar Depressa – I

   

Author: Lothar J Seiwert

   “Como Chegar Depressa indo Devagar” de Lothar J Seiwert é uma maravilhosa reflexão sobre o modo como  a nossa vida pode ser articulada em torno de certas áreas essenciais, com o fim de a levar a atingir a harmonia dinâmica em que pode revelar todo o seu potencial de sentido.

    De acordo com a orientação do livro “Como chegar depressa, Indo Devagar”  não se deve considerar inútil escrever explicitamente as intenções que perseguimos a curto e a longo prazo, bem como as tentativas de ação que vamos forjando. Este esforço ritmado, que dilucida a caótica riqueza do quotidiano, vai abrindo o acesso a uma outra forma de escandir o tempo.

   Em relação ao trabalho, muitos dos nossos alunos se dedicam na sua execução, sentem-se responsáveis pelas tarefas atribuídas, desejam evoluir na qualidade do seu desempenho, de onde a importância que reconhecem a esta área da sua vida.

  Mas, na surpresa do Dia que nos invade, levanta e arrasta como uma imensa onda suave, é preciso que se abra uma clareira  de vida, protegida e gratuita, para depois da Escola.

   A todos os Alunos assiste o direito de aceder a uma determinada cultura  – não a uma coleção de saberes avulsos repetíveis ad nauseam –  mas sim àquela cultura que permite à pessoa humana exercer a nobreza e a urgência do seu poder interrogante face a si própria, aos outros, ao mundo e à totalidade do real.

   Encontramos, neste livro cativante, o convite e as sugestões concretas para uma escrita que reflete e sonda as pistas de uma orientação unificadora para a vida de cada um.

   Ao reconhecer-se o fio de ouro que perpassa através da aparência múltipla e desencontrada, é a própria pessoa, no seu íntimo, que  finalmente se distende e repousa.

   É aí que os Alunos descobrem o que trazem de único para dizer e com  as suas próprias, insubstituíveis palavras

Com Lothar J Seiwert  partilha de inspirações – OE

Com Teach Write em Outubro 2020, Dia 4

Aprendizagem Sócio-Emocional – 6 “Desenhar o Caminho”

    Sugestão de Escrita para realizar um exercício de “reflexão-emocional” com a ferramentaPlanifica o teu Caminho“.

desenho de um caminho autónomo

 

  Image par PublicDomainPictures de Pixabay 

    Esta ferramenta de coaching educativo visa apoiar os Alunos a determinarem os seus Objetivos pessoais, sociais ou académicos, bem como a esclarecer as etapas do caminho para os atingir.

        1 – Distribuir uma folha A5, de papel cavalinho, para desenho,  uma folha A4 com uma tabela de 2 entradas,  uma folha A4 com exemplos de possíveis Metas Académicas e respetivos possíveis Obstáculos, Recursos e Estratégias.

      2 – Convidar cada Aluno a articular os seus Objetivos Académicos   

      2.1 – Que competências quero exercitar?

      2.2. Que conhecimentos pretendo consolidar?

    3 – Apoiar cada Aluno no reconhecimento de obstáculos possíveis, com base na sua experiência de vida e numa lista de sugestões:

      3.1. Dificuldades internas, próprias  a cada pessoa.

       3.2. Dificuldades externas, próprias a cada contexto.

  4 – Encorajar cada Aluno a escolher, de entre vários recursos e estratégias, aqueles que lhe parecem adequar-se melhor para o traçar do seu “caminho”, rumo aos Objetivos.

   5 – Talvez com uma música suave de fundo, permitir aos Alunos irem delineando, a cores, uma sequência de etapas que se possam representar como o desenho de “um caminho”.

    6 – Este plano de ação pode ser distribuído em momentos-chave a agendar, preenchendo a Tabela de 2 entradas, com as etapas a cumprir ao longo do tempo.

    7 Deixar que cada Aluno redija o seu breve texto reflexivo, que pode incluir os pontos acima sugeridos ou outros que ele próprio deseje acrescentar.

    8. Encorajar a partilha e a publicação dos textos, como atitude livre e voluntária, sempre no respeito pela inviolável privacidade de cada pessoa.

Imagens: Clip Art Creative Commons

     Google Docs – Adaptação da Ferramenta “Desenha o teu Caminho”

Aprendizagem Sócio-Emocional

Sugestões de Escrita – OE

Encontram-se outras variedades de aplicação desta ferramenta de Couching Educativo no livro de Juan Fernando Bou Pèrez “Ferramentas de Coaching Educativo“ – Porto Editora.

Aprendizagem Sócio-Emocional 5 – “MAFO” – Adaptado

     Sugestão de Escrita para realizar um exercício de “reflexão-emocional” com a ferramenta ”MAFO”  – em Inglês SWOT – acrónimo de “Melhorias, Forças, Ameaças, Oportunidades.

Images: Max Pixel, Panasonic Lumix, Pxhere

     1 – Distribuir uma folha dividida em quatro colunas indicando cada uma o tópico a desenvolver e outra folha com quatro listas de exemplos para cada tópico.

     2 – Expor brevemente ao Aluno o conteúdo essencial dos 4 tópicos, comentando os exemplos da lista e convidando-o a sugerir outros.

3 – Trabalhar cada tópico com questões específicas que apoiem a reflexão do aluno, como por exemplo:

3.1. O que gostarias de Melhorar?

      • Aspetos em dificuldade na vida de Estudante?
      • Competências que gostaria de consolidar?
      • Qualidade de comunicação e colaboração com os Outros? 

3.2. Quais são as tuas Forças?

      • Quais são os dons que aprecias mais em ti?
      • Em que atividades te destacas?
      • O que te torna único?

3.3. O que pode ser Obstáculo? 

      • Que exigências atuais te parecem acima do que podes fazer?
      • O que te desencoraja?
      • Que atitudes queres evitar?

3.4. Quais as Oportunidades? 

      • Quem te apoia e encoraja?
      • Que situações te seriam mais favoráveis?
      • Naquilo que te rodeia, o que é que te inspira mais?
      • Nesta fase e neste contexto atual, o que é que te apaixona?

mafo adapatdoImages from Max Pixel, Panasonic Lumix, Pxhere

Google Docs – Adaptação da Ferramenta MAFO

4 –  Encorajar a partilha e a publicação dos textos, como atitude livre e voluntária, sempre no respeito pela inviolável privacidade de cada pessoa.

Aprendizagem Socio-Emocional

Sugestões de Escrita – OE

Encontram-se outras variedades de aplicação desta ferramenta de Couching Educativo no livro de Juan Fernando Bou Pèrez “Ferramentas de Coaching Educativo“ – Porto Editora.

Aprendizagem Sócio-Emocional 4 – A Roda da Vida

Sugestão de Escrita para realizar um exercício de “reflexão-emocional” com a ferramenta ” A Roda da Vida“.

sS6DGentileza de SS6D

1 – Distribuir 1 folha com o Octógono ou o Círculo dividido em oito partes e uma folha com uma lista de valores e temas ou referências de vida.

2. Convidar o aluno a escolher os termos com que pretende dar título a cada uma das secções do Octógono.

3. Pedir a cada um uma definição dos termos que escolheu.

4. Partilhar as definições criadas por cada um com os outros elementos do Grupo para apurar e enriquecer mutuamente as definições. 

5 – Dar um tempo de reflexão para cada Aluno calibrar a sua apreciação de cada Valor ou Tema de Vida que escolheu:

    • Qual a qualidade da sua vivência em cada valor ou Referência de Vida?
    • Em  que medida gostaria de projetar um progresso em alguma ou algumas dessas instâncias que considerou essenciais?
    • Como poderia empenhar-se para alcançá-lo?
    • Como seria mensurável o resultado?

ss6dGentileza da Autora

6. Deixar que cada Aluno redija o seu breve texto reflexivo que pode incluir os pontos acima sugeridos ou outros que ele próprio deseje acrescentar.

7. Talvez com uma música suave de fundo, permitir aos Alunos colorir as 8 divisões do seu Octógono, variando a altura e intensidade das cores até ao nível onde situam a sua vivência atual.

8. Encorajar a partilha e a publicação dos textos, como atitude livre e voluntária, sempre no respeito pela inviolável privacidade de cada pessoa.

Aprendizagem Socio-Emocional

Sugestões de Escrita – OE

Encontram-se outras variedades de aplicação desta ferramenta de Couching Educativo no livro de Juan Fernando Bou Pèrez Ferramentas de Coaching Educativo – Porto Editora.

Aprendizagem Sócio-Emocional – II

Flickr.com Atribution:  CC BY -NC-ND 2.0 Author: Salzburg Global Seminar

                                        Apontamentos da Formação dada por Teresa Cabaço e Sara Simões

     No novo enfoque que reabilita a centralidade da qualidade das relações humanas no ecossistema da aula, o professor concebe-se ainda como um líder.

     Agora, ele deve gerir e dinamizar, para além do processo cognitivo de aprendizagem, outras três dimensões. Elas revelam -se como condições necessárias do êxito dessa mesma aprendizagem: o ambiente comum, as relações humanas e as tarefas em curso.     

          O AMBIENTE 

      O professor deve estabelecer as condições que permitam  deixar emergir um sentimento de segurança, de pertença e de acolhimento recíprocos entre todos os alunos.

    Esta primazia dada ao estabelecimento de um ambiente favorável à aprendizagem deriva do pressuposto de que  a energia para mobilizar as funções executivas da cognição brota da qualidade das relações entre os intervenientes no processo.

            Se os alunos se sentirem aceites, acolhidos e protegidos e a diversidade das expressões for valorizada, nenhum aluno se sentirá estranho à aventura comum de aprender e cada um se poderá sentir motivado a contribuir com o seu melhor.

           Na segunda Formação sobre Aprendizagem Sócio-Emocional seremos iniciados nas várias estratégias a que o Professor pode recorrer para instilar no ecossistema da aula esta atmosfera positiva e inspiradora para todos. 

Aprendizagem Sócio-Emocional – Formação do SPO

Aprendizagem Sócio-Emocional – I

     sel - flor- 1

Salzburg Global Seminar  CCBYNCND2.0 Flickr.com

                                                Apontamentos da Formação dada                                            por Teresa Cabaço e Sara Simões

     No passado dia 16 de Outubro,  a comunidade de Educadores do CAD acolheu a primeira partilha de uma série de Formações oferecidas pelas nossas colegas da Unidade de Serviços de Psicologia,  sobre a centralidade de que se reveste a Aprendizagem Sócio-emocional,  para um sistema educativo que, nos nossos dias, entrou em profunda renovação. 

       O papel do Professor, neste novo contexto, é entendido como o de um líder, mas não apenas um líder na sua especialidade académica, que deve continuar a dominar com rigor e maestria.

     Agora, esta liderança é aprofundada e  alargada a outros aspetos que estruturam  a vida de uma Escola, na medida em que esta se entende, em primeiro lugar, como uma Comunidade de Pessoas que se orientam por Valores comuns.

         Tais valores, consignados no nosso Projeto Educativo e diretamente inspirados no Ideário das Escolas Amor de Deus, harmonizam-se, na sua essência, com o reconhecimento das Pedagogias atuais de que a qualidade do relacionamento humano permanece a pedra de toque do sucesso efetivo da “Aventura Educativa”. 

       Tentaremos acompanhar de perto, bem como partilhar com os nossos alunos, o enriquecimento que esta reflexão inspiradora e  prática virá trazendo à construção empenhada de um aperfeiçoamento –  sempre a caminho –  das nossas aprendizagens e do nosso viver em comum. 

Aprendizagem Sócio-Emocional – Formação do SPO

Aprendizagem Sócio-Emocional – III

 

salzburgo-sel

 Flickr.com Salzburg Global Seminar Atribution: CC-BY – NC – ND 2.0 Author: Wolfgang Irber

A Relação Professor-Aluno

                                     Apontamentos da Formação dada por Teresa Cabaço e Sara Simões

   A Presença Pedagógica refere-se à Relação Professor-Aluno: aprender é aprender com o outro. As interações estão no foco para favorecer a aprendizagem, com um clima de tranquilidade que se deve à Presença Pedagógica do professor.

     A aprendizagem é relacional e afetiva: há que reconhecer a singularidade de cada um. O vínculo é essencial. Espera-se uma atitude inclusiva e persistente, há que fornecer feedback e reforço apropriado.

     Envolver o aluno: promover uma atitude consciente e responsável. Só procurar conhecê-los já lhes dá autoestima. O professor não desiste de nenhum aluno. Quando a avaliação está quase no 3, dar um encorajamento.

     Envolver o aluno é trabalhar a responsabilidade do aluno. Às vezes têm capacidade cognitiva, mas pensam que não são competentes na escola.

“Aprendizagem Sócio-Emocional” – Formação do SPO