Projeto em Curso

projetoImagem de Mari Ana por Pixabay

O nosso amigo TB – que visita a Oficina de Escrita desde o seu 1º ano – veio partilhar connosco o projeto que anima o seu Grupo neste momento:

Transversalidade

 Juntamos 3 disciplinas:

     A Português estamos a fazer um Guião sobre um filme, inspirando-nos na Disney, “Descendentes” 1, 2 e 3.

    Em Educação Física, o professor vai proporcionar instrumentos e aparelhos de EF  – como colchões, trampolins, plintos e outros obstáculos – que ficarão numa sala, durante algum tempo e reservada pelo professor. Será como uma sala de espiões, em que nós tentamos chegar “aos maus”.

    Em Educação Musical, queremos transformar o nosso trabalho, em parte, num “musical”: usamos música da Disney, compomos outras e criamos as coreografias.

 

O Tema do Projeto (Spoiler)

     O tema do nosso Projeto é a Amizade. Este filme vai ter muitos desgostos de amor como de amizade. Vou fazer um vídeo clip em que vou estar frustrado, pois, por uma espécie de veneno que me deram, vou tornar-me mau, mas sem saber. Fico frustrado porque não me reconheço.

Objetivo do Projeto

     O nosso objetivo é dar a conhecer às pessoas que o dinheiro não é tudo, que devemos valorizar a Amizade na vida.

Conversas na Oficina – TB6B

Definir uma Rota

     bayler convés e mar

     Image parPexels de Pixabay 

    Algo que gostei muito de fazer, no Passado, foi ter andado no barco, ter ajudado o meu Pai a bordo, compreender como funciona a bússola e a sonda, que indica a profundidade ou a proximidade de objetos.  Para ajudar o meu Pai, tive de prestar atenção, tentar fazer o que ele ensinava. 

     No Presente, estou bem, mesmo sem grandes coisas. Tive 90% na Ficha de Ciências e 72% no Teste de  Matemática. Para isto tenho precisado de estudo, concentração, dar o melhor que sei, acreditar que eu consigo, que não é difícil e que vou ter uma boa nota. É isto que devemos pensar para obtermos resultados e empenharmo-nos no estudo. 

    No Futuro, espero ter uma boa casa, um trabalho de que eu goste, um carro, um barco e uma mota. Sei que a gasolina é cara, mas vou comprar um barco um bocadinho melhor que o do meu Pai, que é um semi-rígido. O meu vai ser um Bayler Capri, que é rígido. 

    Semi-rígido é insuflável, isto é, pode ter a parte de baixo insuflável ou dura. São barcos brancos; nos rígidos a camada é dura, são barcos brancos. Os que têm boias são semi-rígidos. São mais baixinhos de lado, parecem mais uns chouriços; alguns, como o do meu Pai, podem ser pretos ou cinzentos. 

  Tenho de ter um bom trabalho, empenhar-me, trabalhar, para conquistar estes objetivos. Quem me dera que o dinheiro nascesse das árvores!

   Ainda não sei a profissão que quero ter. Por exemplo, ser Pescador tem uma coisa ou outra de que não gosto. Para ser pescador é preciso estar dia e noite no mar e às vezes, não fazemos quase nada. Mas prefiro ser eu a apanhar os peixes, a fazer as coisas  e que o que eu fizer continue a ser um desporto e uma diversão.

    Por exemplo, ser Piloto ou comandante, estar dias e dias dentro de um barco sem me mexer, não é a minha cena. Meses sem ver a Família? Não, não é para mim. 

   Ser militar, recebe-se mal. Não, não vou ser mesmo militar. 

   Já pensei em fazer como o meu Pai, ser Professor de Educação Física; não é mau, mas não é muito bem pago. Quero pegar na Colónia de Férias do Pai e dar-lhe continuação; no Natal, por exemplo. As 4 semanas que o Pai faz no Verão esgotam logo. Em cada semana vão 45 a 46 miúdos e o autocarro não tem espaço.

    Gostava de continuar no Clube Estoril Praia; peço a Patrocinadores para virem trabalhar comigo, num bom barco. Faço os mesmos patrocínios, como na Ford, em que nos emprestam carros. Fomos ao Gerês com uma carrinha de nove lugares.  Há Patrocínios que gostaria de continuar e outros novos. A Páscoa é para a Família e no Natal, faria duas semanas, não mais e fora das Festas.

Conversas na Oficina – ZD5A

Os Dois Planetas

planeta azulImagem de SUMITKUMAR SAHARE por Pixabay

     Creio que o nosso Planeta é azul, porque tem mais água do que terra. Moro na Zona Temperada do Norte, num local que tem dias de sol e dias nublados. Aqui, ao pé do mar, é difícil haver neve. Gostava de explorar qual o clima no centro da Terra: deve ser muito quente, mas não sei quão quente.

    Estou no Planeta Terra há dez anos, ou há 120 meses, ou há  cerca de 3600 dias.

    Existe vida humana desde há muitos milhares de anos; quando começou, era uma vida extremamente diferente da nossa. Os homens caçavam, faziam armas, procuravam alimentos, alimentavam e protegiam as Famílias, enquanto as mulheres cuidavam das crianças e faziam roupas.

   As peles que vestiam, não era tanto por causa da nudez, mas porque fazia frio. A descoberta do fogo foi muito importante, porque se puderam aquecer; o fogo era também um símbolo de força.

    À luz da fogueira, os homens e mulheres podiam fazer gravuras e pinturas rupestres; faziam tinta com urina e sangue de animais…As Gravuras eram feitas com pontas de pedra que riscavam as paredes das cavernas; podiam gravar ou pintar memórias de caça; também usavam sons de búzio para se comunicar.

    No nosso Planeta interior, há tempestades quando estamos zangados, o dia está nublado quando estamos tristes e chove quando estamos a chorar. Mas quando há sol é porque estamos felizes e descontraídos.

     Gosto do meu Planeta interior.

    Acho que ele tem zonas inexploradas; por exemplo, na Adolescência, temos dores nos pés: significa que estamos a ficar maiores; as borbulhas na cara – há quem lhe chame “puberdade” – é quando começamos a entrar na Adolescência. À medida que envelhecemos, os ossos cada vez ficam mais frágeis, menos protegidos e a pele desidratada. 

    À medida em que formos crescendo, vamos descobrir “coisas” que há dentro de nós, que antes, quando éramos mais novos, não sabíamos que existiam…

Conversas na Oficina – FM5C

Leitura e comentário de “Os dois Planetas” em Exploradores Emocionais

 Ecologia Emocional para Crianças, de Mercé Conangla e Jaume Soler 

Net Segura

net seguraAutor: Ollie Bray Tradução Livre Flickr.com CC-By-NC-SA

     Na aula de Português também temos TIC e a professora explicou que não devíamos entrar em determinados sites, a não ser recomendados pela Família ou Amigos. Isto faz parte das Regras de Segurança para navegar na Net.

    Vimos uma Animação em que um miúdo foi à Biblioteca e alguém lhe disse: 

    – Toma lá este endereço para jogar jogos grátis.

   Ele foi e afinal, era um Tablet de onde saltava um outro miúdo que avisava:

    – Cuidado! Isto pode levar-te a sites muito perigosos!

   O primeiro miúdo respondeu:

   – Eu tenho anti-vírus.

    Mas o miúdo do Tablet disse:

   – Tens de atualizar sempre o teu anti-vírus!

Conversas na Oficina – ZD5A

Metas Globais: Ajudar o Planeta

meta 14

Gentileza de ODS.pt

A Vida no Mar

     Pesquisando na Net, podemos ver que há uma grande quantidade de poluição no mar. Em 2050, se continuarmos assim, vai haver mais plástico do que peixe, no Mar. 

meta 6

 Gentileza de ODS.pt

Água Potável e Saneamento

     Agora imagine que, ao tomar banho, enquanto uma pessoa põe o gel de duche, desliga a água. Já estamos a ajudar, porque há muitas pessoas no mundo que não têm água potável.

     Durante os Ciclones, em Moçambique, as pessoas ficaram sem água; beberam lama e ficaram doentes com cólera.

meta 1Gentileza de ODS.pt

Acabar com a Pobreza 

      A Professora mostrou um vídeo, em que, jovens em vários países fizeram algum Projeto para ajudar o Planeta. 

    Na Turquia, inventaram uma ideia de que eu gostei muito: criaram sacos e objetos com cascas de banana!

     Na Índia, havia muitas casas de banho públicas. Uma miúda criou um Projeto em que, ao puxar o autoclismo, se gastava menos água.

     Uma senhora, na Síria, ajudou as mulheres a aprenderem. Antes eram muito mal tratadas e não tinham escolas. 

ondaPixabay License Image by Gerd Altmann from Pixabay 

Projeto Solidário em Curso

     Fizemos um trabalho escolhendo, cada um, uma criança que precisa de ajuda.

     A minha é uma menina, chamada Wayna; tem 8 anos de idade, vive nas Filipinas, em Manila; quer ser veterinária – na foto aparece com um cãozinho ao colo.

    O que posso fazer para ajudar? Eu posso fazer pulseiras para angariar dinheiro; compro-lhe roupas e envio para lá.

Conversas na Oficina – FM5C

Estrelas do Mar entre as Rochas

Havia estrelas do mar entre as rochasImagem: Gentileza de HZ5D

     Vi duas estrelas do mar. Algumas espécies têm veneno. Vi as duas estrelas do mar na praia que fica ao fundo da rotunda, quando se vai sempre em frente.

     Quase não havia água: só havia poças entre rochas, muitas rochas, cobertas de limo. Fui saltando de pedra em pedra com a minha Mãe.

     Pequei numa estrela e achei que a minha mão estava muito fria. Depois, meti-a de novo na poça.

     Saltei de pedra em pedra com os chinelos e ia escorregando sem querer. Então, deixei-os perto da areia e fui descalço.

    Havia rochas instáveis, cheias de musgo, que escorregavam, mas outras eram mais planas. Achei que não devia haver tantas pedras, que o Mar devia estar mais para trás do que o normal.

    Fiz umas fotos no Instagram da minha Mãe: uma estrela do mar, um sítio esburacado cheio de poças, com bordas redondas, como a dos recifes de corais.

Conversas na Oficina – HZ5D

Enquanto Nado, Penso no Futuro

   quando nado penso no futuro

   Imagem de David Mark por Pixabay 

     Em EV participei num Projeto de um Animal: Era um gato – como a gata Ticha,  preta. Tem de se pôr a cabeça do animal ligada com o nosso corpo. Eu pus-me numa pose de Judo, embora eu não goste muito de Judo.

     Gosto muito de Natação, porque nos tornamos mais rápidos e porque gosto de mudar de elemento. 

       Estava a fazer uma prova de costas, cheguei em primeiro lugar, mas não sei se toquei numa corda;  alguns começaram a fazer “Buuu” e o Professor disse que ia reiniciar a contagem do tempo.

       Enquanto nado, penso no Futuro.

     Espero que no Futuro haja uns carros e umas motas menos poluentes, ou que andem sozinhos, sem o condutor.

    Espero que não haja guerras. A Paz é um processo difícil: obriga a que as pessoas não morram, a que os animais não se extingam. 

     A minha Bisavó e o meu Bisavô morreram, mas a Páscoa, que é quando Jesus morreu – significa que eles estão lá no Céu. Creio que nos acompanham e inspiram.

     Eu acho maravilhoso as plantas, as nuvens e o Sol…

Conversas na Oficina – DR5C

Detalhes que Salvam o Planeta

pulseiras ecológicasImagem de Oficina de Escrita

    O Objetivo do nosso Trabalho

CCv O nosso trabalho é para apresentar na disciplina de Tic com Ciências. Vamos vender pulseiras a preços baixos e temos uma placa de cartão com fotos chocantes sobre os efeitos do aquecimento global e da poluição, para consciencializar as pessoas de que podem ajudar a salvar o  planeta.

Talvez tenhamos  uma caixa com papéis onde escrevemos mensagens tais como: “hoje vou apanhar 10 pedaços de lixo que encontro no chão”, “hoje não vou usar o telemóvel durante meia-hora”; “hoje vou reciclar todos os plásticos que vir.”

Maria – É melhor transmitir a mensagem oralmente, ao vender cada pulseira, para não gastarmos papel.

Queremos levar as pessoas a salvar o planeta através de pulseiras que simbolizam mensagens ecológicas.

missangas para as pulseirasImagem: Oficina de Escrita

Vender Quando e Onde?

B (convidada) – Vamos vender no Colégio durante os recreios, uma banquinha no recreio. Se sobrarem podemos vender no paredão.

Esta Estratégia será Eficiente? 

MS – As pessoas se estiverem a andar por aí, vão apanhar peças de lixo ou de reciclagem.  As pessoas vão se lembrar, ao ver o lixo, da mensagem que lhes foi transmitida ao comprarem a pulseira.

caixa de recursosImagem: Oficina de Escrita

Como fixar os Preços?

CCv– As pulseiras podem ser vendidas por preços baixos para recompor a nossa poupança; temos dívida para com as Mães; eu usei dinheiro que os avós dão por termos gasto imenso dinheiro a comprar estes materiais.

Imagens que Interpelam

MS – Vamos buscar imagens à net, imprimimos e colamos num cartaz preto; como por exemplo, um urso polar muito magro, imagens do lixo no oceano, um pássaro cheio de petróleo, crianças na lixeira de plástico…

E escrevemos uma frase a dizer:

Tu podes ajudar a salvar o planeta”

fios para as pulseirasImagem de: Oficina de Escrita

Distribuição de Contributos

CCv – Eu comprei fechos, argolinhas para colocar nos fechos e também as medalhas e fios. O fio mais fininho, de nylon, é o melhor. Aproveitei as missangas que já tinha em casa e peças de colares já partidos. 

B (Convidada) – O meu contributo foram todos estes saquinhos de missangas. Os melhores fios são os de elástico ou os de nylon.

Escolho as missangas pela cor e pelo tamanho.

Maria – Combinamos as cores aproximando as missangas para ver se as cores ficam bem juntas.

CCv e B – Nós também combinamos imaginando as combinações de cores, testando mentalmente se ficam bem.

Projetos de Futuras Estudantes

MS e CCv – No Futuro, queremos mostrar às pessoas o que realmente está a acontecer. Há pessoas que não ligam, não sabem o quão grave é.

MS – Pensam que estão a fazer uma diferença enorme, só porque estão a reciclar, mas não é caso para vangloriar-se disso. Por exemplo, no refeitório não compensa: pôr os sacos de reciclagem em todo o lado da Escola, torna-se inútil, mas em casa das pessoas é que é necessário.

No pingo doce dão uns sacos que eu uso para o almoço aqui no colégio, reutilizo tudo o que posso em plástico.

Uma amiga minha do Algarve esteve numa campanha cheia de cartazes a dizer “Salvem o Planeta” para consciencializar as pessoas para o aquecimento global.

Podemos comprar camisolas no Chinês e depois pintá-las e decorá-las: assim temos roupa original e não gastamos muito dinheiro.

Conversas na Oficina – CCv8B, MS8B e B8C – Convidada

Sugestões e Sonhos

sobre uma corda rodeada de cataratasImage parLothar Dieterich de Pixabay 

Novos Tempos Livres

     Em relação ao sétimo ano, estou cheia de medo de ficar com uma turma que não conheço. Gostaria de ficar com um Grupo de amigos.

    O lugar onde os alunos aprendem é muito desconfortável. Tal como termos de usar fardas. A minha mãe já arrumou a minha farda toda. Estou farta. Agora uso roupa que eu gosto.

    Tenho pena de não podermos almoçar com as pessoas que comem comida de casa; tenho 4 melhores amigos assim e fico isolada.

     Não devia haver aulas de manhã; devíamos ter  um sítio onde pudéssemos brincar com água no verão. Há uns dias, eu e os amigos, compramos garrafas de água e andámos a molhar-nos. Foi tão bom! Mas uma Vigilante tirou-nos a garrafa e mandou-nos ir para o Sol a arder, para secarmos.

    A piscina podia abrir durante os recreios para grupos que se inscrevessem: aí podia-se brincar com água e ter ondas artificiais para Surf e um mini escorrega água.

    Em frente ao Pavilhão, podíamos usar balões de água e refrescar o chão, dividindo os tempos de recreios por grupos de inscritos.

cãezinhosImage parUlrike Leone de Pixabay 

Projetos de Festa

     A minha Festa de aniversário vai ser dia 27, na quinta de S João, em casa dos meus tios – Vai ter piscina, insufláveis, trampolim, animais bebés, a cadela teve cachorrinhos, há  coelhinhos, patinhos… São duas quintas: o meu tio vai ficar com um cãozinho bebé e a minha avó, com uma cadelinha bebé; são rafeiros do Alentejo. Vamos de pijama e dormimos lá.

Votos de Boas Férias aos Adultos

    Espero que descansem muito, pois há coisas que nem sei como vocês aguentam. Se eu fico doida com alguns colegas, imagino vocês. Desejo boas férias e que possam aproveitar com a vossa Família assim como nós vamos aproveitar com a nossa.

Conversas na Oficina – LM6A

Invenção de Tempos Livres

skating sobre iphoneImage parFunkyFocus de Pixabay 

     Eu acho que na escola atual se demora muito tempo em aulas e há muitos testes.

    No fim do período também não se devia trabalhar. Deviam fazer-se brincadeiras.

    Podíamos jogar futebol, mata, hokey em patins num ringue de patinagem; podia haver zona de diversão aquática com mangueirada, escorregas de água, piscina aberta.

   Podíamos ter atividades em zona coberta, como ateliers de construção de Legos, ateliers de culinária para minichefes, formação de bandas em ateliers de música, uma escola de dança moderna.

    No início das aulas, podíamos praticar desportos ou atividades físicas e só a partir das 10 30 é que começávamos a trabalhar com a cabeça. À tarde, por volta das 14h, trabalhávamos em Grupos, revendo o que tínhamos aprendido de manhã, com apoio dos professores que iam orientando.

    Por voltas das quatro horas já estávamos prontos para sair da Escola e viver. Eu, por exemplo, prefiro ir para casa e dedicar-me ao que eu gosto: jogar playstation, jogar futebol, ver youtube sobre jogos.

   Espero que as inovações que sugeri possam mesmo vir a acontecer!

DJ5D

Salvar Animais em Vias de Extinção

pintura de ornitorrincoPlatypus by Lewin Wikimedia.org Public Domain

     Só existe uma espécie de morcego que chupa sangue e espalha uma doença que dá raiva. Também existe uma espécie de morcego gigante que só come fruta e vive nos ramos.

     O Ornitorrinco, quando está a nadar, fecha os ouvidos, o nariz e os olhos – o nariz tem uns minipelinhos que, quando lança cargas elétricas e elas rebatem numa superfície que se mexe, volta com outra carga elétrica: assim ele percebe o caminho e faz um rastro invisível no seu cérebro. 

     Debaixo das patas, o Ornitorrinco tem um tipo de espinho como os cães, que é para causar náusea e fazer dormir os adversários.

     O Falcão peregrino, tem uma doença contagiosa: quando voam, estas aves largam um pozinho branco que provoca febre e diarreia e pode causar a morte. De 5 pessoas infetadas, só uma consegue sobreviver. Mas antigamente, não era tão grave.

     Quando eu crescer vou gostar muito de ser uma das pessoas que fazem Ciências; vou fazer reviver animais que estão quase extintos – como o Rinoceronte Branco. Só existe um macho e duas fêmeas. O macho já morreu.

     Antes os povos caçavam, porque pensavam que o seu chifre curava doenças. As morsas também têm dentes sempre a crescer. Antigamente já havia focas e lanças feitas com os dentes de marfim.

Conversas na Oficina – HZ5D

Segredos Vegetais

     orquídea drácula vampira

   Imagem de Andreas Kay Flickr.com Atribution CCNC SA 2.0

Porque é que as folhas são de cor verde?

       Tinham a oportunidade de serem pretas, porque o preto absorve mais luz. Mas uma teoria diz que antigamente, durante a evolução das plantas, havia uma espécie de alga que era preta e com a luz que deixou passar, por baixo dela cresceu uma alga verde.

     A alga preta foi extinta, só sobrou a alga verde e a alga verde evoluiu para plantas terrestres.

      Existe um tipo de flor que nasce em pedra, em troncos de árvores: ela rouba os nutrientes.

       A semente parece um cacho, parece uma castanha. Ela engana fungos e outras plantas: como é uma semente, os fungos dão-lhe nutrientes e ela suga todos os nutrientes possíveis; nasce em sítios mais pobres, porque não tem tanto trabalho para estabilizar.

     Hoje em dia, essa espécie de flor – há várias – está quase extinta; é muito bonita. Há pessoas que queimam florestas para terem a certeza de que não sobra nenhuma e vão vendê-las no mercado negro. Existe uma espécie que se chama “Orquídea Dracula Vampire” e está a ser cultivada pelos Americanos.

Conversas na Oficina –  HZ5D

Escutando a Escola, a Família e o Mundo

Gentileza de Amor de Dios.net

      Este trimestre consegui alcançar os meus objetivos a Ciências, pois subi para 60%, quando antes tinha sempre negativas.

    Esta melhoria deve-se à minha avó ter-me ajudado a estudar: fazendo-me perguntas, e eu, ao responder, ia decorando.

     Um bom momento deste período foi receber estas notas e conviver com as minhas amigas.

     Se o ano só tivesse dois semestres, seriam dois períodos longos para nos ensinarem e melhorarmos as notas. Mas eu prefiro os 3 períodos: nas férias sinto sempre a falta dos colegas, pois estou quase sempre sozinha em casa.

campanha da helpo a favor de MoçambiqueHelpo

     Se eu mandasse, ajudaria Moçambique enviando comida, cobertores – por causa do frio – medicamentos, água limpa e roupa. As pessoas também precisam de carinho, eu daria logo, mas não estou ali. Os meus pais enviam ajuda.

     Também na Festa da Comunidade, os pais e as outras pessoas, vão gastar o máximo dinheiro que puderem – espero eu – nas atividades pagas, como nas rifas, nos pastéis, no algodão doce, e noutros Projetos, em favor da Campanha Solidária para Moçambique.

    Nesta Primavera vou viver uma Páscoa criativa. A partir de 3ª feira, vou cinco dias para Londres, visitar os meus tios!

     Vou cozinhar bolos com a minha avó: sei fazer gelatina e muitas outras receitas, porque a minha avó ensina-me sempre. É a minha avó que fala Inglês.  Ela gosta de fazer receitas portuguesas. Eu já aprendi a fazer Cupcakes para ela.

     Nunca falho um presente, estou sempre a trazer presentes; às vezes compro-os, outras vezes faço-os eu. Uma vez trouxe pastéis de nata ao professor de Matemática –  sei que ele adora – pois eu já sabia quando ele fazia anos.

Conversas na Oficina –     CR6A

Do Trabalho e Da Arte

love em pintura de várias cores

PixaBay PixaBay License

     O meu objetivo para o 3º período é melhorar a Ciências. Estou contente com as minhas notas: Mat – 88, 81, 82; HGP – 81; Port – 75; Ingl – 71,5; CN – 70.

     No Projeto de EV fiz um Boneco com arame e espuma e fita cola; a minha amiga ainda não definiu bem o nome dele, mas chamamos-lhe José boca de banana.

     No Projeto de ET fizemos Ulisses em Ítaca feliz, com a Família.

     Como estratégia de estudo, já que tenho uma irmã pequenina, sinto que preciso de barulho, preciso de sentir que tenho gente ao meu lado, que não estou sozinha, senão fico desesperada.

    Adoro desenhar – Tenho um desenho que vou trazer para publicar: é um coração como o do livro de ciências. A minha bisavó pintava quadros. Eu tenho lápis de pastel de óleo e lápis Caran d’ Ache que se molham e fazem efeito de aguarela.

     O que me inspira para pintar é a minha vida, a vida de quem está perto de mim, e os meus sonhos.

      Tenho um caderno onde ficam as minhas pinturas, outras colo na minha parede, outras guardo numa gaveta.

LM6A

Ponderando o Trimestre

livros abertos na relva

        PixaBay License Image parcongerdesign de Pixabay

     A minha evolução nas notas tem sido razoável.  Uma estratégia que resulta bem é que estudo só aquilo em que tenho dificuldade. Estou muito atento nas aulas.

     Depois, ao chegar a casa, tenho tempo para o Surf, pois faço treinos 3 dias por semana. 

     Estudo revendo, faço perguntas, tapo as respostas e depois vejo; ou peço ao meu Pai que faça as perguntas.

     Estudei Matemática com outro truque: vejo em cada página, a teoria; não costumo fazer exercícios, só no apoio de Matemática.

     Estudei o sistema cárdio-vascular alterando as posições: face direita mais magra, para saber qual dos lados do coração se tratava.

    As catástrofes naturais, como os furacões, com os quilómetros que vão percorrendo, vão ganhando volume e vão ficando mais fortes. Devemos socorrer Moçambique ajudando todos nas dificuldades pelas quais as pessoas estão a passar.

Conversas na Oficina SCB6C

Ponderando o Trimestre

 

batalha de aljubarrota

     Wikipedia.org Atribution: Creative Commons:Public domain

      Um bom momento deste período foi a Visita de Estudo ao Mosteiro da Batalha e ao Centro Ciba. Gostei de ver o filme do Ciba. Abriu-se o chão do palco e surgiu um livro com um filme.

     Os estudos vão otimamente bem. Os próximos objetivos são manter as notas. A estratégia de estudo que deu mais resultado foi fazer muitos exercícios.

     Para orientar o quotidiano em tempos de trabalho, ao fim do dia: primeiro, chego a casa, vou lanchar, a seguir vou trabalhar. Depois tomo duche, ponho a mesa, arrumo a mochila e vou jantar. Lavo os dentes, vou fazer xixi, e vou para a cama.

     Tenho o sono muito leve e se a minha Mãe faz um passinho que seja, mesmo no corredor, eu acordo logo. Tenho de ficar 15 minutos com os olhos fechados, sem fazer nada, para adormecer.

    No trabalho de EV escolhi um leopardo, com o meu corpo, com as mãos a segurar um carrinho do Harry Potter.

    No projeto “Divertidamente”, criamos o “Raiva”como emoção. Fizemos um polícia – está mesmo parecido, até tem umas botinhas de polícia. Quando ele fica irritado tem de ter ali os seguranças.

     Em Música estamos a fazer um grupo e temos de criar uma letra e de compor uma música. Somos 4  e letra é sobre: ”Escutar”:

letra da musica para a festa

     A melodia é em flauta tocada por um flautistas enquanto os outros cantam.

     Para o Sarau, eu sou um dos oito vocalistas, vamos cantar “The Best Day of My Life” com outras pessoas a fazer o piano, o xilofone, o metalofone, outros com bongos e a bateria (NB 5C)!

     Na Páscoa, gostava de ir fazer a caça aos ovos!

Conversas na Oficina – MI5C

Um Jovem Convidado

bola de ´tenis contra fundo de terra vermelhaPhoto by Siamak Mokhtari on Unsplash

 Poesia e Ténis: Fontes de Inspiração

      O que mais gosto de escrever é poesia. Fazer poemas é um dos meus talentos; sigo-os até ao fim, tal como o ténis.

     Nas férias posso jogar mais jogos do que habitualmente. No treino habitual tem-se mais trabalho; joga-se muito menos; fica-se mais cansado. Temos de fazer os gestos até nos cansarmos. Há serviços que saem bem, outros mal.

rosas sobre livro de poesiaPhoto by Thought Catalog on Unsplash

A Escrita como Herança

    A minha Mãe gosta de escrever; foi professora de Francês. Ela nasceu na Roménia e estudou na Moldávia.

Passatempos

     Gosto muito de jogar xadrez com o meu irmão de 7 anos.

Sobre o nosso Mundo

     O maior problema parece-me ser a poluição. Consigo colaborar reciclando; posso ser ainda mais voluntário; participar nos Ateliers de Limpeza; aproveitando: o suporte da minha mesa de pingue pongue é uma tábua velha.

Em Viagem

     Já fiz tantas viagens… fui a bordo de um barco de Cruzeiro, passando por Espanha, França, Itália e atraquei em Malta. Também gostei do Arquipélago da Madeira. Uma vez as ondas ficaram muito fortes.

Conversas na Oficina

AV5D – Aluno Convidado

Casa-Família e Casa-Escola

casinha de madeira na relva

PixaBay PixBay License

Inspirados no livro “Ecologia Emocional para Crianças” de Mercé Conangla, tentamos relacionar as “4 Casas” que habitamos: a Casa-Família, a Casa-Escola, a Casa-Planeta e a Casa-Invisível, onde se esconde o nosso verdadeiro “Eu”, por todas as outras nutrido e desafiado.

1.   O que aprecias mais na tua Casa primeira?

R – Aqui aprecio os meus Pais me apoiarem: quanto tenho uma nota má, eles dizem que depois consigo melhorar. Os meus Pais alimentam-me, fazem por mim tanto, só que não se consegue descrever ao limite.

Não apenas me apoiam mas também me mostram como vou ser em grande, como a vida é. Eles abrem-me as portas para quando eu for maior poder formar a minha nova “Casa-Família”.

2 – O que Aprecias mais na Casa-Escola?

      MM – Aprecio os professores me ajudarem,  quando necessito. Gosto de Inglês porque os meus Pais, tanto a Mãe como o Pai, me transmitem o que é, e assim aprendo que, quando um dia necessitar do Inglês, aprendi que, se nós soubermos, até é divertido.

     Gosto de Matemática porque gosto de puxar por mim, mas, por outro lado, também é algo que às vezes, se não estou muito concentrada, também não posso ser a melhor, porque leva muito estudo.

     E, às vezes, acontece na Matemática, pode parecer que sei tudo, mas às vezes, nas vésperas dos testes, eu penso que só preciso de estudar aí e então, depois, devia aprender que devia estudar todos os dias.

    Não todos, mas pelo menos alguns dias antes, e por etapas. Ainda por cima tenho uma festa de anos na véspera deste teste!

(Continua)

MM5A – Conversas na Oficina

Família e Fraternidade

menina acolhendo pomba contra fundo azul

PixaBay PixaBay License

Partilha informal sobre os temas para o Teste de EMRC

BL – Família, é uma palavra de origem latina.  Para mim, significa o amor aos Pais, aos Irmãos e, um dia, aos Filhos, quando os tivermos.

CM – Família é a nossa primeira companhia, é onde nasce a vida. Família é mãe que nos dá vida.

BL – Tem a ver com a Arte de Amar, que inclui a confiança, o respeito e a responsabilidade.

CM – Um exemplo de confiança é o facto de podermos contar segredos à Família. Um exemplo de respeito é o facto de falarmos bem com os Pais; um exemplo de responsabilidade é ajudarmos os irmãos mais novos a apertar os sapatos ou a secar o cabelo. Também podemos ajudar os Pais: pomos a mesa, arrumamos o quarto dos Pais quando eles estão doentes…

BL – A Escola é uma segunda casa para nós, onde até passamos mais tempo do que em casa.

CM – A Escola é onde aprendemos factos. Aprendemos a conviver com pessoas que não são da Família e é onde encontramos as grandes Amizades.

CM – Os Avós têm um papel importante na Família: primeiro, foram eles que criaram os nossos Pais; segundo, eles dão-nos sempre doces, amor e carinho.

BL – O meu Avô está sempre a ir almoçar fora connosco: leva-nos às Pizzas.

CM – As Avós ensinam-nos a tricotar.

BL – A Avó da Luísa ensinou-a a costurar. Ontem ela comprou um Slime e é alérgica. Perguntei se era mesmo e era, mas ela disse que tinha comprado para dar aos meninos que não têm.  Ela está a fazer pulseiras para angariar dinheiro para os outros que precisam. É só no 5º D.

BL – Somos Irmãos: uma Fraternidade, porque temos uma origem comum – Deus. Eu sempre me perguntei para onde vão as pessoas que morrem.

CM – Como é haver um “Lá”?

BL – Desde que era da Pré, sempre quis ser uma chita quando morresse. Ou então um búfalo: seria o símbolo de estar alerta, sempre pronta para ajudar os outros, mesmo que fosse ameaçada por leões, porque se o meu amigo está a morrer, eu vou sempre ajudar. As chitas não têm família: as mães vão embora muito cedo, as crias ficam sozinhas.  Eu pensava que assim podia mostrar aos outros que elas não têm que ficar sozinhas e também queria ser uma chita porque gosto de correr.

CM – Na Festa do Pijama, em casa da Luísa, a Mãe disse que depois de morrermos, talvez fôssemos para um sítio onde pudéssemos corrigir algo que na nossa vida não estivesse bem, antes de mergulharmos no Amor.

BL – Há o Porco Havaiano da Moana – no filme: a Avó da Moana morreu dizendo que ia ser uma raia e havia de acompanhar a neta até ao mar para salvar o mundo, porque havia alguém mau que ameaçava o mundo. Ela trazia ao pescoço a pedra da Deusa Natureza: sem a pedra, tudo se tornaria escuridão.  A Avó morreu, mas deu a pedra à neta e a neta é que salvou o mundo.

CM – Há o que nos aproxima e o que nos separa. O que nos aproxima é o amor, a amizade, a paz, a alegria, o estudo, o trabalho, termos projetos em comum.

BL – O que nos separa é a falta de camaradagem, porem-nos de parte, quando não servimos, fazerem troça das nossas fraquezas.

CM – A dignidade humana é que todos somos capazes de amar, pensar e ser livres.

Conversas na Oficina  – BL e CM

Web Segura, Videojogos, Cyberbullying

imagem de computador eirradiando cores sobre o mundo PixaBay PixaBay License

Comentário livre à sessão de Formação realizada pelo Dr. João Faria por um Aluno do 7ºB: 

Dependência da Web, Videojogos e Cyberbullying

     A progressão dos telemóveis evoluiu até chegar à geração dos smartphones; e cada vez vão evoluir mais até chegarem a substituir talvez mesmo funções vitais.

     Os ipads usam se nas escolas; o psicólogo pensou, primeiro, que os profes não os querem usar, mas ele disse depois, “vocês ainda não usam”, porque, na verdade, um dia, vamos usar.

     Quando perguntou quem tinha conta no Instagram – todos meteram o braço no ar. Então, perguntou se sabíamos com que anos podíamos ter essa conta: é apenas com 16.

     Devemos ter cuidado com o que pesquisamos no Instagram: podem enviar-nos pedidos para nos seguir e as pessoas podem ser mal- intencionadas.

    Em relação aos Jogos – foi dito que só devemos jogar duas horas por dia, ou estar nas redes socias apenas duas horas, no máximo; o excesso começa a fazer mal à saúde, pode provocar adicção:

  • Também podemos perder amigos;
  • Ter sentimentos tristes ou muito agressivos no jogo;
  • Ou até gastar muito dinheiro.

     Em termos positivos, o facto de jogarmos também nos permite desenvolver conhecimentos: 

  • Nome de armas;
  • Sítios nos planetas;
  • Nomes de planetas;
  • Nomes de livros;
  • Enfim, há jogos sobre tudo.

     Também há melhoria nas línguas: já joguei jogos russos, tive de meter legendas em inglês.

     Discutiu-se também o Cyberbulling – o facto criminoso de se enviarem vídeos sexuais a pessoas. Em casos desses,  devemos avisar logo um adulto, embora a maioria das pessoas a quem acontece isto tenha vergonha ou medo de dizer.

      Uma amiga minha tem uma pessoa que está a mandar mensagens por instagram e assina “Madalena the Freack” mas é uma pessoa desconhecida.

      Mas, por outro lado, podemos fazer novos amigos: no Fortnite, já joguei com crianças de França, dos EUA.

    Uma vez era um miúdo de seis anos com voz super fofinha e os irmãos. Eles pensavam que eu era um homem qualquer, mas deixaram-no jogar enquanto nos vigiavam.

     O Psicólogo explicou que os jogos estão a evoluir cada vez mais: quando o seu filho tinha dois anos e meio, deu lhe um comando da play station; ele agarrou-o e pôs as mãos na posição certa. Ou seja, os jogos estão pensados para uma pessoa, logo à primeira vista, adivinhar como deve fazer.

       Mas vimos uma  escola inovadora em que o professor tinha “uma coisa” com quadrados pretos e passou no ipad do aluno e apareceu no ipad em 3 D .

      Nessas outras escolas inovadoras vão percebendo funções do ipad,  funções que estão escondidas atrás.

     Há pessoas mesmo muito viciadas,  que ele também é psicólogo e conheceu um rapaz que dizia que ia à casa de banho, quando estava à mesa, mas  ele não tinha de fazer nada,  era só o medo de não saber as últimas novidades nas redes sociais.

      Com as pessoas a serem pressionadas pelas redes sociais no namoro, há mais dispositivos a dar dinheiro.

      Vamos falar à nossa Diretora que queremos que a nossa escola fosse mais desenvolvida .

    Eu acho que nós devíamos ter mais aulas criativas digitais e ter mais cuidado com o que fazemos na Web.

Conversas na Oficina – PC7B

Sites relacionados: Tristan Harris, Cal Newport – engenheiros da web e suas posições. Humanetech.com – site criado por Tristan Harris para apoiar a libertação de dependências online.