Como os Meus Pais se Conheceram

casalImagem de Alexas_Fotos por Pixabay 

     Tudo começou quando eles nasceram na mesma maternidade; as suas mães, como tinham uma gravidez de risco, ficaram em repouso no mesmo quarto de hospital e, com isso, tornaram-se grandes amigas, por terem conversado tanto sobre como iriam educar os seus filhos – e já posso dizer que nada correu como elas planeavam – sem ofensa, avó.

     Nasceram os dois no mesmo dia e no mesmo quarto de hospital, pequenino mas a transbordar de amor maternal.

     A mãe de meu pai, a minha avó, não resistiu e faleceu antes de ouvir o som do choro do seu filho. A minha outra avó, com o choque, desmaiou. Pegaram no meu pai e, rapidamente, com falta de informação, puseram-no na adoção.

     Quando a mãe da minha mãe acordou, sentiu como uma vertigem: tudo a andar á roda, mas manteve-se direita para perguntar á enfermeira, que dissesse o mais rápido possível onde estava o filho da sua amiga recém-falecida.

     A enfermeira, com o rosto fechado, respondeu baixinho e lentamente, que o filho da sua amiga, como não tinha mais Família, tinha sido levado para Adoção e que não havia mais nada que pudessem fazer.

     A minha avó, exausta, só queria relaxar, pois tinha acabado de ter uma filha e queira passar algum tempo com ela.

      Mas ela não desistiu e continuou a procurar o filho da sua querida e falecida amiga, durante anos.

       Enquanto isso, a minha Mãe foi crescendo e já tinha completado oito anos; mal ela sabia que, com dez anos iria conhecer o amor da sua vida, o meu Pai.

      Mas voltando à história: a minha Avó procurava em todos os orfanatos possíveis e o que ela mais ouvia era: “- Não sei do que está a falar!” ou “- “Aqui não está com certeza.” Mas ela não perdia a esperança e continuou, todas as semanas, durante dois anos, a fazer essas ligações.

      Até que um dia, recebeu uma chamada telefónica de uma Diretora de um orfanato no Norte de Portugal, a dizer que ali havia passado um menino nascido no mesmo dia e ano da minha Mãe e que tinha sido adotado por uma senhora chamada Ana Lúcia.

      A minha Avó ficou com um sorriso de uma orelha à outra e, juntamente com a diretora do orfanato, procuraram e encontraram o filho da sua falecida amiga que já tinha completado 10 anos, juntamente com sua “Mãe”, Ana Lúcia.

     Decidiram então mudar-se para o Norte e, por coincidência, para a casa ao lado da Dª Lúcia.

     Com isso, os meus Pais conheceram-se, porque a minha Avó não desistiu.

(Continua)

CC9B

Voltas às Ilhas

     açores

     Image by Carla M. from Pixabay

     Com a nossa Viagem aos Açores pretendemos conhecer mais paisagens, animais e pessoas.

     Ela deve durar dois meses. Vamos fazer duas paragens: uma nos Açores e uma na Madeira. Partimos da Baía de Cascais e ancoramos no Porto de Funchal.

    Vamos com o Duarte, Maria e Salvador num submarino da N.O.A. Nós conduzimos por turnos; enquanto um descansa, o outro trata dos almoços e o outro faz de comandante. Dormimos nos beliches do submarino.

    Precisamos de levar roupa: macacão, mosquetão, uma corda, comida que tenha muita validade: congelados, bolachas, enlatados, leite em pó, esparguete, atum, carne e massas desidratadas.

    Planificamos as expedições: de manhã tiramos o carro da água, abrimos as portas e ele deve estar todo alagado.

    Vamos tirar fotos às paisagens de montes vulcânicos, às pastagens de vacas brancas e pretas e às falésias de rocha sobre a água cristalina do mar. Vamos a restaurantes com carne na grelha; e vamos ver os plantadores de  ananás nas estufas.

LM6B

Tubarões, os Maiores Predadores

     Tubarões: os maiores predadores dos ambientes aquáticos. Admiro muito o Tubarão Cabeça-Chata, porque, pela primeira vez na história, conseguiu ser mais perigoso e agressivo do que o Tubarão-Branco.

        Ordem dos Tubarões mais Perigosos do Mundo

ordem dos tubarões Pixabay:comClker-Free-Vector-ImagesOpenClipart-Vectors toshiyuki tajima   Clker-Free-Vector-Images

     Estes tubarões, normalmente, são encontrados no Sudoeste da Austrália, no Pacífico Temperado e, principalmente, ao largo das Américas.

     Em vias de extinção estão o Tubarão-Tigre e o Tubarão-Martelo; o primeiro é conhecido como “a lixeira do mar”, ou seja, tudo o que encontra na água, ele come.

    Já foram encontrados, na sua barriga, pedaços de pneus, metal, sacos de plástico… Isto faz com que a espécie desapareça facilmente. Quanto ao Tubarão-Martelo, está em vias de extinção pela caça intensiva: ele atrai os caçadores pela forma da sua boca.

FM5C

O Arco-Íris da Vida

arco-írisImage by Steve Bidmead from Pixabay

       Eu estou no Planeta Terra há 139 meses ou perto de 4.170 dias. Estamos há 250 mil anos aqui e nós somos os últimos descendentes.

     O que eu queria muito era acampar na floresta da Flórida; gostava muito de ir ver bichos perigosos de perto.

       Sei o que há dentro de mim: AMOR, PAZ, ALEGRIA. E o que há mais dentro de nós é gostarmos dos nossos Pais.

    Quando a nossa Mãe está triste, não nos dá vontade de fazer nada. Mas as pessoas com energia e felizes, dão-nos energia para fazer tudo.

      Ir do início do Arco-Íris até ao fim: dizem que há o tesouro da Origem. Quando chove, os baldes ficam cheios e o reflexo das moedas a juntarem-se na água faz o Arco de 7 cores.

    O que gosto mais no Arco-Íris é o Vermelho, porque é o Benfica, o Amarelo, pois é o Sol, o Laranja, porque é a cenoura – eu gosto de cenoura – e o Azul, porque é o Céu.

   A minha irmã Carolina disse que ia do princípio ao fim do Arco-Íris.

     Eu disse: – Vai, mas tem cuidado!

LR6A

O Ninho

ninho-susana

Imagem: Oficina de Escrita

      Eis um lugar que procuramos, uma e outra vez, não só como a origem, mas sobretudo como um fim último, que recupera aquela e a transforma num eterno recomeço.

      Eis um lugar que pode ser entretecido por fios de tempo, de penugens de afeto, de palhinhas de conversas, com raminhos partidos das decisões marcantes.

      Eis um lugar ao abrigo da intempérie, camuflado de folhagem, ousadamente equilibrado no cruzamento de  dois ramos sobre o abismo, como um desafio que a confiança ingénua do ser opõe ao nada.

     Eis um lugar frágil e, ao mesmo tempo, inexpugnável, que ninguém pode tomar de assalto, e é apenas acessível por convite, mas que o primeiro vento da tarde pode derrubar, na sua desarmada exposição a qualquer força errante.

Com SL – Partilha de Inspirações – 05/17 – OE

A Beleza, como Lixo no Chão

paisagem

Image by polytonejoe from Pixabay

     A palavra “Beleza” no dicionário: “Carácter do ser ou coisa que desperta sentimentos  de êxtase, admiração ou prazer dos sentidos.”

     Na sociedade de hoje, a definição de “Beleza” é o contrário de singularidade,  de unicidade, havendo padrões para o seu caráter ímpar, que faz com que a totalidade do real seja similar, o que, de acordo com a sociedade, é o que a “Beleza” deve aparentar. 

   A Beleza está a ser jogada como lixo no chão,  que a sociedade não apanha e não recicla. A unicidade está no fundo do poço, por onde toda a gente passa, desvia e não se atira a ela, com medo de se enterrarem no buraco da escuridão.

    Tudo com regras, tudo desenraízado, tudo artificial: redes sociais que mostram a “Beleza” como se fosse o jogo de quem supera os outros…

   Retirem a vossa maquilhagem, por trás dela é que está a BELEZA. 

   IM10 Artes                        

Ao Largo do 5º Ano

ao largoImage by David Mark from Pixabay 

     O que me está a motivar este ano são os professores, principalmente o professor António Costa! Os meus amigos  e amigas estão a ajudar-me a ter mais concentração e melhores notas, quando vamos fazer os tpc na piscina.

     Há muitos momentos difíceis: os meus e aqueles em que estou envolvida; por exemplo, o estudo. Às vezes, eu tenho muita dificuldade em Matemática e então tenho de pensar numa forma de superar isso; por exemplo, posso criar um Grupo de Estudo no Whatsup: “As Génias do Estudo”.

    Entretanto, também há aqueles problemas em que eu já estou envolvida demais para desistir de ajudar: por exemplo, um colega que tenha alguns problemas e, na turma, vou continuar a ajudá-lo imenso.

    Nesta Viagem do 5º ano, queria levar comigo a minha mais chegada amiga  da Oficina, a C. Ela vai-me acompanhar com imensa alegria e diversão!

    Com quem me sinto mais à vontade é com a minha irmã C. Ela ajuda-me a superar os momentos mais difíceis e, sempre, quando chegamos a casa, conversamos sobre o nosso dia.

    O que me torna única é a minha personalidade: o meu bom humor, a minha boa disposição… Adoro quando faço rir as pessoas, porque basta um sorriso para alegrar uma pessoa.

   Desejo que o QUINTO ANO DE TODA A GENTE CORRA LINDAMENTE!

CA5B

Os Dois Planetas

planeta azulImagem de SUMITKUMAR SAHARE por Pixabay

     Creio que o nosso Planeta é azul, porque tem mais água do que terra. Moro na Zona Temperada do Norte, num local que tem dias de sol e dias nublados. Aqui, ao pé do mar, é difícil haver neve. Gostava de explorar qual o clima no centro da Terra: deve ser muito quente, mas não sei quão quente.

    Estou no Planeta Terra há dez anos, ou há 120 meses, ou há  cerca de 3600 dias.

    Existe vida humana desde há muitos milhares de anos; quando começou, era uma vida extremamente diferente da nossa. Os homens caçavam, faziam armas, procuravam alimentos, alimentavam e protegiam as Famílias, enquanto as mulheres cuidavam das crianças e faziam roupas.

   As peles que vestiam, não era tanto por causa da nudez, mas porque fazia frio. A descoberta do fogo foi muito importante, porque se puderam aquecer; o fogo era também um símbolo de força.

    À luz da fogueira, os homens e mulheres podiam fazer gravuras e pinturas rupestres; faziam tinta com urina e sangue de animais…As Gravuras eram feitas com pontas de pedra que riscavam as paredes das cavernas; podiam gravar ou pintar memórias de caça; também usavam sons de búzio para se comunicar.

    No nosso Planeta interior, há tempestades quando estamos zangados, o dia está nublado quando estamos tristes e chove quando estamos a chorar. Mas quando há sol é porque estamos felizes e descontraídos.

     Gosto do meu Planeta interior.

    Acho que ele tem zonas inexploradas; por exemplo, na Adolescência, temos dores nos pés: significa que estamos a ficar maiores; as borbulhas na cara – há quem lhe chame “puberdade” – é quando começamos a entrar na Adolescência. À medida que envelhecemos, os ossos cada vez ficam mais frágeis, menos protegidos e a pele desidratada. 

    À medida em que formos crescendo, vamos descobrir “coisas” que há dentro de nós, que antes, quando éramos mais novos, não sabíamos que existiam…

Conversas na Oficina – FM5C

Leitura e comentário de “Os dois Planetas” em Exploradores Emocionais

 Ecologia Emocional para Crianças, de Mercé Conangla e Jaume Soler 

Variedades do Coração

   coração

   Photo by Nick Fewings on Unsplash

     O que sei sobre o meu coração é que tem muitos sentimentos. Adoro-o tal como é; há muitas zonas dentro de mim que ainda não visitei.

    O meu coração protege-se pela Alegria, repõe energias e alimenta-se pela Felicidade.

    Quando gosto de alguém, sinto que tenho uma força interior imensa. Senti-a, quando comecei a descobrir o que era o Amor.

   Isto pode parecer um pouco romântico, mas, para mim, o Amor tem de ser Amor verdadeiro. Por Amor de Deus!

    Senti esse impacto, numa Festa de aniversário, em que estava “superbem” e uma jovem adulta, me disse: “- Quando tiver uma filha, vai ser igualzinha a ti!”

    Senti-me muito bem.

    Também me sinto mais forte e  confiante quando os rapazes me dizem que sou bonita. A minha Família diz-me que sou bonita, mas é natural, pois gostam de mim tal como sou, mas há rapazes que não conheço, que dizem que sou bonita, e eu fico mais feliz.

     Dentro de mim há muitos tesouros por explorar…

SS6D

Questões do Livro Exploradores Emocionais!” Ecologia Emocional para Crianças – Mercé Conangla y Jaume Soler

Erradicar a Pobreza

meta 1ods.pt

     Escolhemos a Meta “Erradicar a Pobreza” para o nosso trabalho. Fiz com a CM; também faço com ela os trabalhos de Artes. O nosso trabalho é sobre uma menina chamada Taíra que tem várias necessidades.

     Ela vive na Mongólia, que faz fronteira com a China; tem mais de 3 milhões de habitantes e quase um terço vive em extrema pobreza.

     Escolhemos o objetivo 1, porque achamos que a Pobreza é o maior problema do mundo, que está a existir agora, principalmente em países que fazem fronteira com países muito ricos. Sabemos que também há pobreza na China, mas por outro lado, este país está em grande desenvolvimento.

CA5A

Um Mapa da Minha Vida

mapa artesanalImage by Pexels from Pixabay 

     Se eu fizesse um mapa da minha vida, escolhia a minha casa, a escola Amor de Deus e as casas das minhas amigas. 

   Os momentos que quero guardar são o jantar de Finalistas nos Salesianos do Estoril, quando entrei no Amor de Deus e quando comecei a ser a melhor amiga da Rita.

     No mapa, as casas seriam corações, as escolas seriam estrelas e os momentos seriam ondinhas.

     O que me impede de ser eu própria é as pessoas gozarem comigo; o que me ajuda a ser eu própria são as amigas: com as minhas amigas tenho liberdade, confio nelas e sinto-me bem.

      Na Escola de Ténis do André, aprendo a estar concentrada; canso-me muito, mas, acima de tudo, eu gosto imenso.

        No Colégio, recebo Sabedoria e Amizades novas; se eu for uma pessoa má, consigo aprender com os outros e tornar-me numa pessoa melhor.

MM6D

Um Momento Louco

escorrega de água

     Image by Zsolt Oravecz from Pixabay

     No Acqua show, este verão, diverti-me ao máximo com os meus amigos.

      Andei num dos maiores escorregas de água da Europa; fui com o Pai, a Mãe e a irmã; mas eles tiveram medo da experiência .

   Senti dor nas costas, ao descer, e não conseguia respirar, porque a corrente era muito rápida, a uma altura de 20 ou 30 metros, em que a água caía quase a pique.

     Entrávamos numa espécie de cápsula e ficávamos parados. O Senhor que nos lançava disse-me: “Um…Dois…”  e atirou-me logo!

     Ouvia explosões de água, gritos e risos das pessoas.

    Este foi um dos melhores dias do verão 2019!

DJ6D

Sondando as Fontes da Energia Humana

ecologia das emoçõesGentileza de Edicare.com

     Continuamos a partilhar a leitura do livro de Ecologia Emocional para Crianças  – “Energias e Relações para Crescer” de Mercé Conangla e Jaume Soler –  dedicado às  várias modalidades de energia que influenciam o destino do Mundo.

    Já vimos que as fontes de energia emocional, que subtendem o nosso agir e pensar  e orientam a qualidade da nossa comunicação, têm analogia com o dinamismo vivo da Natureza.

   Todos reconhecemos as energias básicas: alegria, amor, raiva, medo… mas para além do ato em que transbordam em nós e nos conduzem, podemos acolhê-las quando afluem e sermos nós a conduzi-las?

   Vimos que as energias limpas e superabundantes podem ser utilizadas sem limite: não cessam de promover a vida, de harmonizar o equilíbrio dos ambientes, de suscitar o convívio dos seres.

    Mas a natureza escondida das suas fontes implica um esforço para encontrá-las; depois outro para trazê-las à superfície: desejamos canalizá-las para agirmos de um modo transformador.  

     De que natureza é esse esforço que faz a prospeção das energias? 

   Conseguimos distinguir como crescem e sobem em nós, influenciando ou até dominando a nossa reação, a nossa comunicação com os outros?

    Conseguimos reconhecer a maré crescente de uma emoção pelas reações do nosso próprio corpo?

    Poderá ser útil investigar em nós as alterações que a maré de uma emoção provoca?

    Conseguimos explicar como o que sentimos influencia o nosso agir?

    • Podemos fazê-lo através de um diário? 
    • Podemos tentar uma reflexão através de  diálogos com amigos?
    • Pode ajudar-nos a experiência de um adulto em quem confiamos?

Com Prof Paula Xv – Partilha de Inspirações OE

Férias no Campo

campo de abóborasPexel.com

     Na minha primeira semana de verão estive a ajudar os meus avós a tratar do Gado, a regar a horta, a carregar lenha do moinho, a carregar sacas de farinha de 30kg, a cozer o pão.

     Nas duas semanas seguintes, estive a trabalhar para a minha madrinha e o meu padrinho.

     Primeiro, estive a cortar erva para os bois: apanhamos um reboque cheio.

     Fomos plantar abóboras e beterrabas, carregar farinha para cozer pão, lavar os parques do bois: eu estava lá dentro dos parques com o pau a enxotá-los para não saírem enquanto a máquina limpava o esterco.

     Nas melhores noites no campo, andava no trator à noite, trabalhava à noite, por exemplo: “esparrar”, porque está fresco. Ou ia brincar com os primos às apanhadas e passear até S. Martinho; à noite ia à feira de S. Bernardo.

    Ser agricultor é ter uma vida ocupada e bonita, temos muito espaço para brincar e ganhamos muito dinheiro, o ar é mais puro, temos  muitas tarefas para fazer e nunca paramos, só à noite, às vezes às 9 h 30 ou 10h 45.

TS6D

Uma Luta Real

   Os noivos reais

     Era uma vez um Príncipe Guerreiro que amava uma Princesa Boa.

     Certo dia, uma Princesa Malvada, que era bonita, descobriu que o Príncipe Guerreiro amava a Princesa Boa.

     Ela convidou o Príncipe Guerreiro para o seu Castelo e ele aceitou.

    No dia seguinte, o Príncipe Guerreiro foi ter com a Princesa Malvada, tomar um chá com ela.

     A princesa Malvada, meteu no chá uma poção de amor, mas um certo macaco, como tinha super-poderes, descobriu que o chá estava enfeitiçado.

     O macaco foi a correr ter com o Príncipe guerreiro para o impedir de tomar o chá. Como o macaco ainda não tinha chegado a tempo, ele bebeu o chá e o macaco apanhou-os aos beijos.

    O macaco foi ter com a aia e disse-lhe que o Príncipe Guerreiro estava apaixonado pela Princesa Malvada. E a aia, nesse mesmo dia, tirou o feitiço ao Príncipe guerreiro , para poder casar com a princesa boa.

    No dia seguinte, o Príncipe Guerreiro casou-se com a Princesa Boa, tiveram 4 filhos e viveram felizes para sempre. 

JV6A

O Leão Que Comia Morangos

leão, modificadoImage parLulilanne de Pixabay 

     Era uma vez um Leão chamado Alberto. Era grande, tinha umas largas patas e uma juba cor de pêssego. Era um leão carinhoso, mas cauteloso.

     Ele vivia numa floresta onde havia muitos morangueiros e pessegueiros. Esse leão era muito diferente, pois ao contrário dos outros todos, não gostava de comer outros animais, como veados e vacas. Ele não comia carne, comia morangos!

     Mas um dia, ele comeu mais morangos do que devia comer. Então, começou a ficar com borbulhas cor de rosa em todo o lado. Alberto ficou desesperado, pois não sabia o que havia de fazer.

     Até que teve uma ideia: foi ter com o macaco que curava várias doenças com ervas.

     Quando chegou e explicou o que tinha acontecido ao macaco, este fez um chá de ervas. O leão bebeu e, ao fim de alguns dias, as borbulhas cor de rosa foram desaparecendo.

      Assim que desapareceram, o Alberto voltou a comer morangos. Quantos mais morangos comia, mais borbulhas lhe voltavam a aparecer.

     O Leão foi então ter outra vez com o macaco. Este, ao fim de muitos testes, chegou à conclusão que o Leão tinha ficado alérgico aos morangos.

     Alberto, ao receber a notícia, ficou muito triste, pois sempre que comesse morangos ficaria com borbulhas cor de rosa, mas também não podia fazer nada.

     Quando voltou para a floresta, a única coisa que então podia comer eram os pêssegos. Nunca lhe fizeram mal e deram à sua juba aquele tom de fogo vivo.

AB7A

A Raposa Cor de Rosa

 Foto: Miguel R   Grafiti Street Art – Lisboa

    Era uma vez uma raposa cor de rosa que tinha uma coroa e uma coleira com uma estrela. Ela adorava purpurinas e brilhantes e vivia no seu Reino.

     O nome dela era Rosa; o seu trabalho era passar tempo com crianças e brincar.

     Ela não era a única importante; havia outras três que se sentavam com ela e eram as guardiãs: a “Branco” que era uma leoa, a “Amarelo” que era um veado e a “Azul” que era uma coruja.

     Cada uma delas tinha um Mundo próprio: o mundo da “Branco” chamava-se “Terra Natal”, o mundo da “Amarelo” era “As Luzes de Outono” e o da “Azul” era “As Lágrimas do Oceano”.

     Mas a Rosa não tinha o seu próprio mundo; se ela tivesse um mundo, ela levaria para lá todas as crianças que não tinham casa, comida, e sentiam frio. Mas com o seu coração, ela aqueceria essas crianças; com o coração mais amável do mundo, o mais brilhante e lindo do mundo – assim o disse às guardiãs.

     Então, as Guardiãs começaram a olhar umas para as outras e disseram:

     – Sim, nós vamos deixar-te ter o teu próprio mundo.

      A Rosa começou a chorar lágrimas de felicidade. Chamou ao seu mundo “Onde os sonhos de todas as Crianças se tornam Realidade”.

      Depois de milhares de anos, o Reino continuava a evoluir, cada vez maior, cada vez com mais crianças, cada vez com mais amor no Mundo.

CR7A

Implicar-se na Aventura

   veleiro farol

   Imagem: Aluno do Colégio Amor de Deus

     Pessoas Novas, que são muito amigas, que dão umas às outras o que gostam, é isso que me motiva! 

    O destino deste 6º ano é eu ir aos Estados Unidos, aprender Inglês.

     Podem aparecer rochas à frente, que podem furar o barco. É como poder ser suspenso do Colégio no 6º ano. Esses momentos dão-nos força para combatermos os maus. 

    Posso levar todos comigo… Atrás, amarrada ao barco, numa prancha segura: são as pessoas de quem nós gostamos.

    Mais perto, vai comigo o Matias, que é o meu melhor amigo.

    Estamos sempre a apanhar ar fresco, ao contrário de ir de avião, onde não podemos apanhar ar fresco: sinto-me livre a jogar Fortnite com os meus Amigos.

    A Beleza desta viagem é como irmos todos a uma Festa e virmos fantasiados. Espero que este 6º ano seja perfeito!

LR6A

Memórias do 4º Ano

luta de almofadasPhoto by Allen Taylor on Unsplash

      Os Amigos, no primeiro Ciclo, eram, entre outros, o Zé, o Santiago R, o Martim e o outro Santiago…

       Brincavam comigo, ajudavam-me em algumas coisas, eram pessoas em quem eu podia confiar. A Professora era querida, e, às vezes, punha vídeos no Youtube.

         Das Visitas de Estudo gostei muito e foram muito giras.

        As minhas disciplinas preferidas eram Ginástica e Matemática. No recreio gostava de brincar à apanhada, às escondidas e a jogar futebol.

       Já fui  visitar a Professora Anabela com dois amigos: o Zé duvidou muito que já estivemos sentados naquelas carteiras tão pequenas!

DC5A