A Viagem da Vida

à proa de navio que avançaImage parEvren Ozdemir de Pixabay Pixabay License

     Algo que me motiva a avançar, neste momento, é o Projeto de Matemática, que fazemos em Grupo, sobre “O que é a Matemática para mim.”

    Também me motiva o trabalho em Grupo, sobre a revista “Cais”, que está entregue aos Sem Abrigo e onde se trata de apoiar os Pobres e a salvar o Planeta. (cais.pt/revista-cais/)

     O Professor mostrou-nos um vídeo com ondas de Tsunami, que arrastavam tudo. Como se fôssemos arrastados por ondas de Tsunamis, assim são as adversidades da vida.

     O que nos ajuda a não desanimar é ser-se bom nadador e ter boa resistência às correntes do Tsunami, para podermos escapar e sobreviver.

    Isto corresponde a pensarmos nas virtudes da vida para conseguirmos esquecer o que nos acontecer de mal.

     Esta Viagem da vida também é como se fosse embarcar num veleiro e convidasse um amigo para vir comigo: assim tenho em quem posso confiar na vida.

     Estar com os amigos ajuda-nos a ter mais liberdade. A eles posso dizer o que penso, mostrando quem sou.

    O que traz harmonia à minha vida é o Amor da Família e pela Família.

    A Viagem da minha vida é única, porque não há ninguém como eu.

AB6B

Questões do Início

veleiro aventuraPixabay License Image by Hanne Hasu from Pixabay 

     “Pensar em problemas possíveis com antecedência, e encontrar soluções, tornou-se, para mim, um hábito. O meu Pai costumava incutir-me esta atitude mental quando eu ia navegar, ainda criança.

     Ela acabou por tornar-se num dos melhores e mais úteis  exercícios mentais; ainda me surpreendo a agir desta maneira, em toda a parte, sem me dar conta sequer. ”

Laura Dekker

     Na primeira etapa de um Trabalho de Projeto, com a expectativa apaixonada que é própria de todo o pondo de partida inaugural, configura-se a esperança, colocam-se as perguntas cautelosas, ponderam-se os perigos: 

questões de projeto 

      A Jovem navegadora testemunha de uma lição de vida, que é também uma herança paterna.

     Veio a tornar-se um movimento tácito da alma:  é um traço próprio no seu querer sempre partir do conforto pessoal; é uma força íntima no seu rumar ao desconhecido; é uma estratégia de triunfo no seu modo de viver a coragem.

     E no nosso Projeto: com que problemas nos podemos deparar?

   As questões com que vamos carpinteirando este início dos nossos trabalhos aparelham o novo Ano Semestral para uma aprendizagem diferente: mais em conjunto refletida, mais ativamente conquistada, mais arriscadamente navegada.

Em visita aos 6B e C – OE

Que Razões para Aprender?

 o planeta como aldeia globalImage parskeeze de Pixabay

     “Uma maneira criativa de aprender ainda não é uma razão para aprender”

 Michael Wesch

     Este autor fala da importância crucial de uma Narrativa Global emergente que consiga convocar a pluralidade das culturas e unificar as energias desperdiçadas pela crise generalizada de sentido que atinge todas as gerações.

     Para este professor, estamos a tomar plena consciência de que a nossa situação real, no momento presente, consiste em estarmos globalmente conectados, em constituirmos todos juntos uma aldeia planetária comum, e em estar, assim, o destino futuro da nossa humanidade dependente de cada um, em estreita união com os outros. 

     Para Michael Wesch, esta é a Narrativa Global que se apresenta com a força de uma intimação suficientemente poderosa e atraente para substituir o papel que desempenharam, em épocas anteriores, outras narrativas globais, designadamente, as grandes religiões que difundiram a sua mensagem transversalmente a múltiplas culturas ou os ideais políticos que suscitaram impérios, unificando diferentes povos numa visão comum.

     Esta inspiradora visão de uma aldeia global,  ao repor o desafio da responsabilidade nas mãos dos simples cidadãos,  pode devolver-nos a vontade de construir o mundo de outra forma,  desencadear o esforço multifacetado por um desenvolvimento sustentável e mesmo, finalmente, motivar a Geração mais Jovem a Aprender.

     Que temos a dizer sobre esta Questão? Quais são as nossas Razões para Aprender?

Fontes: Youtube    http://anth101.com Anti-Teaching: Confronting the Crisis of Significance.pdf Uma perspetiva crítica: Prof Jake Keyel

OE

Sondando o Futuro – II

lua cheiaGoodfreephotos.com Atribution: CC0 Public Domain

      Existe um canal no you tube chamado “Ciências para os Jovens”, que mostra como as gotas nas nuvens atingem a densidade necessária para chover.

     A atmosfera e a água estão cada vez mais poluídas, por causa das fezes das vacas, porque elas libertam um gás altamente tóxico para a atmosfera que também faz efeito de estufa.

      Como ficará a Terra sem a Lua? Os mares ficarão mais agitados e não haverá maré alta nem maré baixa. Antigamente, a Lua estava mais afastada, mas a gravidade da Terra, a cada órbita que descrevia, puxava-a mais um bocadinho.

     Descobriram uma futura Terra, que é bem parecida com a nossa, mas três vezes maior. Já encontraram água gasosa e líquida, mas não sólida. A Estrela dela é mais fraquinha; fica muito longe, a uns duzentos anos luz para se chegar lá. Comparando, a distância da Terra até Júpiter: uns noventa anos luz.

Conversas na Oficina, HZ5D

HUMANIDADE EM AUTODESTRUIÇÃO

I

Podemos Ter Noção da Beleza que é o Mundo


o mundo numa mão aberta
Image by Okan Caliskan from Pixabay

      Alô! Está aí alguém?

      Amigos, colegas, pais, irmãos, família e restantes seres humanos:

     Realmente acho que não há esperança. Custa me ver os meus amigos tão pouco interessados com este problema da Humanidade.
Neste momento, estou na janela do meu quarto a olhar para uma paisagem tão verde e cheia de vida e fico triste por saber que daqui a uns anos tudo vai acabar, apenas porque o ser humano não sabe dar valor ao que tem.

    A maior parte sente-se superior, por serem ricos ou por terem carros de luxo, mas poucos percebem que a maior riqueza é estar em interação com a natureza e acima de tudo protegê-la.

     Somos uns sortudos por sermos seres vivos com consciência, pois de facto é uma sorte podermos ter noção da beleza que é o mundo à nossa volta. Contudo, com esta indiferença toda, assinamos a nossa sentença de morte e a de tantos outros animais que nem culpa têm.

    É impressionante como o ser humano é o ser mais inteligente mas ao mesmo tempo o ser mais burro.

    Como foi possível chegarmos a este ponto? Pondo em causa até a nossa existência? Será que somos tão egoístas ao ponto de acabar com a nossa própria espécie?

    Será que com o pouco tempo que resta não vamos fazer nada para tentar evitar essa extinção? Vamos apenas dizer “não vale a pena, já estamos mortos”?

II

BEM, EU AINDA RESPIRO, E VOCÊS?

natureza conservada entre duas mãos em conchaImage by Mystic Art Design from Pixabay

    Até ao dia em que deixarmos de sentir o coração a bater, haverá sempre algo que podemos fazer e, cabe a cada um fazer, não apenas dizer que a responsabilidade não é nossa e por isso os outros que façam.

     O que se passa no mundo é responsabilidade de todos, pois os problemas existem e a responsabilidade não é apenas de quem os criou, mas sim de todos pois deixamos que eles o fizessem.

     Como é possível que em pleno século XXI consigamos ser tão retrógrados? Ser mesmo tão burros? Com o ritmo atual da evolução da ciência e da tecnologia em vez de as usarmos para salvar a humanidade, usamo-las preocupados apenas em melhorar os poucos anos que ainda nos restam.

     Não sei quanto a vocês, mas eu quero que os meus filhos saibam o que é plantar uma planta na terra e vê-la crescer, reconheçam os animais, saibam o seu valor e o seu papel. Basicamente, perceber, proteger a natureza e aprender com ela.

III

Aprender com  a Naturezacabeça jovem de ficção, prateadaImage by DrSJS from Pixabay

     Sim, aprender com ela, porque o futuro que estamos a criar é para que os nossos filhos nasçam, vão para a escola, para serem injetados com coisas que pouco interessam e quando dão por isso, pelo menos 20 anos da vida deles já passaram.

    Depois vão para o mercado de trabalho onde passam 40 anos a correrem atrás de dinheiro; pelo meio, embora tardiamente, lá arranjam tempo e constituem família e um ou outro lá dão ao mundo novos escravos da sociedade.

    Assim funciona a vida humana neste momento, uma vida sem “dar ouvidos” ao nosso interior e sem ouvir os sons que existem à nossa volta.

     Temos tanto a aprender com os nossos animais, esses que achamos serem meros seres que não pensam e que achamos que estamos no direito de acabar com as vidas deles sem qualquer justificação, apenas para proveito próprio.

     Esses animais nascem crescem aprendem a amar a natureza…aprendem a dar lhe valor…quando constituem família apenas se dedicam a família e mais nada interessa.

     E agora quem é o animal irracional? Seremos nós ou eles? Pois eu olho para a minha espécie e só vejo indiferença pelo próximo.

     Vejo que a mente das pessoas apenas se foca no dinheiro e como ganhar mais e mais. Vejo que não têm tempo nem para eles, quanto mais para a família. Vejo escravos da sociedade que apenas nascem para dar vida a outros.

    É isto que queremos para os nossos filhos? Sim refiro-me a minha geração, pois a geração dos nossos pais já não conseguirá mudar, mas, e nós?

    Temos o exemplo deles! É isto que queremos? É isto que queremos que seja a vida dos nossos filhos?

     Perguntar a uma criança de onde vem o leite e ela responder “do supermercado”?!! Vê-la crescer apenas para ser mais uma?!

    Ou queremos ensinar-lhe o valor da vida e o respeito! Ensinar-lhe que temos que alimentar a vaca, tratá-la bem para que ela nos possa fornecer leite! Ou vamos querer mostrar-lhe o sofrimento que os animais passam nos matadouros!? É essa crueldade que lhe queremos mostrar?

     Mas a desculpa é sempre a mesma: “nada podemos fazer, isto é assim e pronto”.

IV

Unidos,  Iremos Conseguir

ajuda a subir rochedo contra fundo de poente

     Image by Sasin Tipchai from Pixabay

      Pois bem, então eu sinto-me diferente, pois eu olho para isto como algo que pode ser resolvido! Temos ideias, temos meios! Só não as pomos em prática porque achamos sempre que não vale a pena! Lamento, mas eu prefiro morrer e saber que tentei dar um futuro aos meus filhos, aos meus netos do que morrer e saber que nada fiz para o mudar.

    Olho para trás e os problemas sempre foram raciais ou religiosos… mas, pessoal, abram os olhos! Os problemas atuais não tratam de se és branco ou preto! Se és islão ou cristão! Trata-se de um problema da Humanidade!

      E estamos mais preocupados se o Benfica ganhou ontem ou não? Muitos irão ler este texto e dizer: “Sim Madalicas, ok, isto é um problema claro, preocupa-nos a todos, mas de que serve eu mudar se há 7 milhões que não irão mudar?”

     E eu respondo: se o pensamento é sempre esse,  é óbvio que nunca se vai mudar,  mas se cada um fizer um mínimo esforço! Unidos iremos conseguir.

    Os povos sempre estiveram em guerra uns contra os outros, mas talvez este fosse o momento de percebermos que não serão só os brancos a morrer ou só os do Islão a morrer! Trata-se de uma extinção em massa, em que brancos, pretos, amarelos, às bolinhas! Seja o que for!

     Todos temos que nos unir e mudar os nossos comportamentos! Ou é isto que queremos? É este o mundo que queremos deixar para os nossos filhos? Criá-los para morrerem? Podem achar isto um exagero, mas já pensaram em informar se um pouco mais e ver como está o mundo? O mundo não é o nosso umbigo!

V

O Ser Humano é Mais…

globo no mar rodeado de chamasImage by Gerd Altmann from Pixabay 

    Há tanta coisa que se está a passar e ninguém sabe! Acham que isto é um exagero? Então as demais espécies que extinguimos! Então e estas tempestades todas! Então e toda esta alteração do clima que já nem estações existem, é normal? Que todo este desgelo é normal?

    Ah, espera, já sei, a desculpa: “- Ah e tal, isto a vida passa por vários ciclos e neste momento está a mudar!”

      Ok, então esses ciclos surgem passados milhões de anos, mas é normal mudanças tão grandes em apenas 20 anos? Que tal deixarmos de arranjar desculpas e perceber que há um problema que precisa de ser resolvido com atitudes e não com desculpas!

     Ok, já sei:”E tu, Madalicas, que esforço tens feito?” Ok, não tenho feito muito. No que posso tento sempre ajudar o ambiente! Mas este texto não serve para acusar ninguém! Serve para tentar mudar mentalidades e uma sociedade que nos acabará por exterminar ou por não garantir um futuro para as novas gerações.

    E em vez de nos culpar uns aos outros devíamos unir-nos e provar que o ser humano é mais do que tem demonstrado ser estes anos!

    O mundo já está cá há muito tempo. E muitas extinções existiram. E nós, parvos , ainda achamos que conseguimos lutar contra a Mãe Natureza! Pois bem, agora estamos a levar com as consequências desses pensamentos

     Agora cabe a cada um pensar…

     Eu ainda respiro, e vocês!?!?!?!

    Lutarei até ao dia em que o meu Coração parar, pois aí morrerei de consciência tranquila, por ter tentado tudo para que os meus filhos pudessem ter um mundo melhor…

                                                                                             Madalicas 24/3/19,

Uma Jovem ainda com Esperança na Humanidade

Mapa para um Texto Futuro

astros, planeta, homem sobre fund onegro

PixaBay PixaBay License

Em Busca da Verdade sobre o Mundo

      Os humanos sobrevivem para a morte, mas não vai servir de nada, pois com  certeza irão morrer ao fim de um tempo.

     Um dia, um amigo meu perguntou ao Pai:

     – Porque nascemos para depois morrer?

     E o Pai dele respondeu com uma pergunta:

    – Porque te dou de comer, se vais morrer?

mapa de ideias sobre a origem de todos os serescontnuação  do mapa remontando até antes do bib bangImagens: Oficina de Escrita Autor RF7D

RF7D

Família e Fraternidade

menina acolhendo pomba contra fundo azul

PixaBay PixaBay License

Partilha informal sobre os temas para o Teste de EMRC

BL – Família, é uma palavra de origem latina.  Para mim, significa o amor aos Pais, aos Irmãos e, um dia, aos Filhos, quando os tivermos.

CM – Família é a nossa primeira companhia, é onde nasce a vida. Família é mãe que nos dá vida.

BL – Tem a ver com a Arte de Amar, que inclui a confiança, o respeito e a responsabilidade.

CM – Um exemplo de confiança é o facto de podermos contar segredos à Família. Um exemplo de respeito é o facto de falarmos bem com os Pais; um exemplo de responsabilidade é ajudarmos os irmãos mais novos a apertar os sapatos ou a secar o cabelo. Também podemos ajudar os Pais: pomos a mesa, arrumamos o quarto dos Pais quando eles estão doentes…

BL – A Escola é uma segunda casa para nós, onde até passamos mais tempo do que em casa.

CM – A Escola é onde aprendemos factos. Aprendemos a conviver com pessoas que não são da Família e é onde encontramos as grandes Amizades.

CM – Os Avós têm um papel importante na Família: primeiro, foram eles que criaram os nossos Pais; segundo, eles dão-nos sempre doces, amor e carinho.

BL – O meu Avô está sempre a ir almoçar fora connosco: leva-nos às Pizzas.

CM – As Avós ensinam-nos a tricotar.

BL – A Avó da Luísa ensinou-a a costurar. Ontem ela comprou um Slime e é alérgica. Perguntei se era mesmo e era, mas ela disse que tinha comprado para dar aos meninos que não têm.  Ela está a fazer pulseiras para angariar dinheiro para os outros que precisam. É só no 5º D.

BL – Somos Irmãos: uma Fraternidade, porque temos uma origem comum – Deus. Eu sempre me perguntei para onde vão as pessoas que morrem.

CM – Como é haver um “Lá”?

BL – Desde que era da Pré, sempre quis ser uma chita quando morresse. Ou então um búfalo: seria o símbolo de estar alerta, sempre pronta para ajudar os outros, mesmo que fosse ameaçada por leões, porque se o meu amigo está a morrer, eu vou sempre ajudar. As chitas não têm família: as mães vão embora muito cedo, as crias ficam sozinhas.  Eu pensava que assim podia mostrar aos outros que elas não têm que ficar sozinhas e também queria ser uma chita porque gosto de correr.

CM – Na Festa do Pijama, em casa da Luísa, a Mãe disse que depois de morrermos, talvez fôssemos para um sítio onde pudéssemos corrigir algo que na nossa vida não estivesse bem, antes de mergulharmos no Amor.

BL – Há o Porco Havaiano da Moana – no filme: a Avó da Moana morreu dizendo que ia ser uma raia e havia de acompanhar a neta até ao mar para salvar o mundo, porque havia alguém mau que ameaçava o mundo. Ela trazia ao pescoço a pedra da Deusa Natureza: sem a pedra, tudo se tornaria escuridão.  A Avó morreu, mas deu a pedra à neta e a neta é que salvou o mundo.

CM – Há o que nos aproxima e o que nos separa. O que nos aproxima é o amor, a amizade, a paz, a alegria, o estudo, o trabalho, termos projetos em comum.

BL – O que nos separa é a falta de camaradagem, porem-nos de parte, quando não servimos, fazerem troça das nossas fraquezas.

CM – A dignidade humana é que todos somos capazes de amar, pensar e ser livres.

Conversas na Oficina  – BL e CM

Aquecimento Global e Alternativas Criativas

gráfico do aumento gradual da temperatura no planetaEarth Observatory NASA

Introdução de CA7A

     Nos últimos cem anos, a média das temperaturas tem sido cada vez mais alta. Como sintoma, as espécies que só sobrevivem em climas mais frios, começam a extinguir-se. Zonas já muito quentes, começam a tornar-se desérticas, com risco para a flora e a fauna.

mapa da vegetação segundo o observatório da Nasa

Earth Observatory NASA

Desenvolvimento de AF7B

     O Aquecimento Global está a causar problemas no dia a dia  de todos nós. Mas se pensarmos bem, porque há estes problemas e por que é que nós sofremos com eles?

     Em primeiro lugar, os problemas acontecem pois o gasóleo, a gasolina, de que os carros fazem a combustão, podem levar à subida do nível da água do mar.

     Como? Estes gases vão destruir parte da camada de ozono permitindo passagem de mais luz solar. Isto, por sua vez, vai levar a derreterem-se os glaciares.

     E quem faz isto e quem é que sofre?

     Somos nós que sofremos e alguns sofrem, mas acham que não acontece nada. E quem faz com que nós soframos? Somos nós que estamos a causar estes problemas e sabemos disso. Mas a questão é que nos estamos “nas tintas” para o assunto, quer dizer, alguns de nós.

     Mas há uma vantagem, e, felizmente, alguns de nós já olham para ela: é que podemos mudar isto. A pergunta é: COMO?

     De várias maneiras: em primeiro lugar, arranjarmos outros modos naturais de pormos carros a andar. Consumimos demasiada carne de vaca e isso dá motivo a haver cada vez mais vacas. Elas também poluem com as emissões de metano que atacam o ozono.

     Por isso devíamos comer mais peixe, embora isso possa levar a um risco de extinção de algumas espécies de peixe.

     Mas estas maneiras de ajudar já são muito boas.

Colaboração da Oficina de Escrita

círculo nos círculos de kandinsky

   Wassily Kandinsky Fonte: Wikipedia Commons Public Domain

     Aproximamo-nos de um momento crucial na vida da Humanidade; melhor dizendo, já o atingimos.

    Segundo os autores do Instituto Momentum alcançamos o fim da “Era do Antropoceno”, isto é, conseguimos sair de uma época em que o ser humano dominou o planeta e o seu ambiente envolvente e vital como se de mero objeto manipulável se tratasse.

     Agora, face ao afundamento das estruturas que suportavam o mundo conhecido, os desafios lancinantes que se colocam às novas gerações pedem a todos nós o melhor da nossa solidariedade e espírito inovador.

Texto de AF7B

com duas colaboradoras

O Poder Lucrativo e o Poder Pessoal

pena a cair no céu estrelado formada por uma nuvem
                                                    Max Pixel Atribuição: CC0

     A riqueza, para uns, é maravilhosa; para outros é como uma pena a cair do céu estrelado: não tem valor!

     Na maioria das vezes, quem valoriza mais o dinheiro é quem não constitui um ciclo de vida prazeroso!

     Se observarmos bem, quem tem a necessidade de obter dinheiro são as pessoas mais ricas e mais dependentes dos bens materiais.

      Se formos a África e criarmos uma conversa com um menino mais necessitado, este nunca dá tanto valor ao dinheiro como as pessoas que realmente não necessitam de tanto!

     Mas, por outro lado, as pessoas humildes dão muito mais valor a um simples bem. 

      Imaginem uma caneta azul, com uma escrita suave e fina: para as pessoas abastadas é uma simples caneta que, se a perderem, compram outra, mas para os carenciados, essa caneta dá origem à aprendizagem para um mundo diferente e podem não vir a ter outra.

      Resumindo, os estratos sociais mais favorecidos dão muito mais valor à riqueza; mas, por sua vez, os mais humildes dão mais valor a objetos insignificantes para os ricos, mas que, para aqueles, são um objetivo alcançado.

A Vis

Sondando o Futuro

     cartaz deanimais primitivos

     Wikimedia Commons Atribuição CCO Autor Adolphe Millot

     Gostei muito das Quartas Feiras: saíamos mais cedo e a mochila não é muito pesada; à 2ª feira é muito pesada.

     A minha disciplina favorita é Ciências, porque gosto de animais, da água… é mais divertido.

      Também gosto muito de HGP, porque fala da História, da pré-História, do Futuro… do Futuro nem tanto. 

     Cada vez mais os glaciares estão a derreter: então, algum dia, pode haver quase nada de terra e nós, no futuro, podemos ficar apertados.

      A África pode ficar inundada; pode haver cada vez mais animais aquáticos e cada vez menos animais terrestres.

      Sem as abelhas não vamos ter cenouras, laranjas, até maçãs – só teremos as frutas que não são polinizadas pelas abelhas.

      Vários outros animais estão em perigo, como os cupins, vão precisar muito de ervas, mas como vamos ficar muito apertados, vamos cortar a relva.

      No Futuro, também podemos ficar extintos: cada vez mais pessoas pode levar à superpopulação. E como é que as pessoas vão viver sem a terra? Depois, vão ser extintas.

      Se for assim, pode parar a poluição, as calotes polares podem recongelar de novo, pode haver mais terra e os peixes podem evoluir para animais terrestres.

     Antigamente havia uns peixes com as barbatanas fortes; houve uma extinção em massa e aqueles que sobreviveram foram para as partes mais rasas, mais perto das praias.

      Eles conseguiram evoluir para a terra. Os primeiros mais conhecidos foram uma espécie de lagartos; depois evoluíram para animais maiores.

      O primeiro maior era uma espécie de lagarto com escamas bem duras e a cauda bem grande.

Conversas na Oficina HZ5D

De Castigo…

visão em ângulo picado uma menina corre numa clareira junto á floresta onde estão adultosFlickr.com   Atribuição:  Domaine Public  

     Aaaaah! – exclamou a Luz, quando acordou. Saiu da cama, vestiu-se e foi tomar o pequeno-almoço.

     A Mãe aproximou-se dela com uma cara “chateada” e começou a gritar com ela, a dizer que, depois de sair da rua, limpasse os sapatos no tapete da entrada!

      Luz não percebia o que a Mãe estava a tentar dizer, mas depois lembrou-se  e viu as pegadas de lama.

     Ficou muito aflita, pois não sabia como explicar aquilo.

     Mal ia dizer qualquer coisa, a Mãe interrompeu, dizendo que ela ia ficar de castigo.

     A Luz, muito triste e contrariada, foi, sentou-se numa cadeira e ficou a olhar para a parede, a pensar como a sua vida era injusta.

     Ficou imenso tempo no castigo e até tentou fugir. Mas foi logo apanhada.

     Percebeu que não podia sair do castigo, mas perguntava-se o que ia fazer.

     Então, ficou a pensar na vida, a olhar pela janela, até que percebeu que estava a refletir.

     Chamou a Mãe e perguntou se podia explicar-lhe o que era refletir.

     A Mãe, já com um sorriso no rosto, respondeu:

    – Conseguiste!

     Luz não percebeu o que a Mãe lhe havia dito, mas tentou entender. 

     – Conseguiste – continuou a Mãe – Passaste no meu teste. A razão por estares de castigo, não foi só por teres sujado o tapete, também foi para refletires sobre os teus erros e pensares o que tinhas de mudar. 

     – Então isso é que é refletir.  – Concluiu a Luz. 

     – Sim, e agora que já sabes o que é, podes sair do castigo.

     – A sério? – exclamou Luz.

     – Sim – sorriu a Mãe – mas só depois de limpares o tapete!

CC8B

Segue os Teus Sonhos e Sê como És

duas bicicletas e os jovens seguem um adiante dando a mão ao que vem atrásUnsplash by Everton Vila on Unsplash   

     Para mim,  ter apoio dá-me segurança.

     Sabe sempre bem ter Amigos ou até a Família a dar-me apoio. Por exemplo, sempre que quero fazer uma coisa, mas não tenho motivação, eles apoiam-me sempre, motivam-me, e isso faz-me ganhar coragem e fazer o que sempre quis fazer.

     Acho mal as pessoas julgarem as outras pela aparência. Por exemplo, lá por uma pessoa ser feia e tímida, não significa que seja má amiga,  simplesmente não é perfeita.

     Mas ninguém é perfeito; cada um tem os seus defeitos, mas devem todos ser tratados da mesma maneira.

     Só acho que ninguém devia mudar a sua aparência ou maneira de ser por causa da opinião dos outros.

    Sejam quem são e não mudem por pontos de vista críticos, pois essas perspetivas diferentes são impostas por pessoas que têm inveja de seres como és e acham que fazer-te mudar vai ajudar…

     Deviam antes pensar que, com esses comentários, estão a pôr uma pessoa triste, sem razão.

MB8C

Claridade e Combate

o que está claro nas palavras está claro na vida

 imagem: oficina de escrita

     É verdade, pois temos de ser claros para nós mesmos. Ser claro para mim mesmo, vivendo o máximo que consigo e não deixando dúvidas para trás. 

Citação: Arthur Ashe   imagem: oficina de escrita

     Nós só devemos parar de lutar quando tivermos terminado o nosso sonho e atingido os nossos objetivos importantes na vida. Todos nós temos de combater e, sempre que formos abaixo,  devemos tentar mantermo-nos no topo sem parar de nos esforçar. 

SCB 6A

Perguntas a Mim Mesmo

relógio, relâmpago e caminho
                                                                  CC0       Max Pixel

    Hoje de manhã estava feliz, agora também estou feliz, mas se calhar, às oito estarei triste. Não sei se vou morrer daqui a uma hora; o tempo não espera por mim e eu admiro-me.

    Às vezes faço perguntas estranhas a mim mesmo: o que vou fazer quando morrer?

     Muitas vezes não durmo só de pensar nisso.

    E também estou sempre a mexer com esta pergunta: de onde viemos?

     Nós estamos aqui a falar normalmente, mas se calhar há outros seres, planetas, galáxias…

SG5B

O Que Merece Continuar

ponte de madeira que avança sobre um lago em direção á lua no horizonte

   Stencil 

    De onde vem tudo? Será que Deus existe?

    Será que fomos criados para ter um único destino?

    Será que reencarnamos noutro Universo?

     As realidades que merecem continuar são novos Seres Vivos, a Evolução, a Alegria, a Riqueza – não de ser rico – a Paz e as Crenças.

    A Alegria, para sermos um Povo bom; a Riqueza, para haver igualdade; a Paz, para não haver conflitos e as pessoas serem simpáticas e bondosas.

    As Crenças, para se melhorar a inteligência. Se temos uma crença, temos de explicar por que é que temos essa crença. Por exemplo, se penso que o cancro existe por uma causa, devo explicar.

   Tenho amigos com crenças, enquanto eu tenho outras. Então podemos debater; temos curiosidade de compreender as crenças uns dos outros.

PC7B

Enigmas do Infinito

jovem  em paisagem noturna com o símbolo do infinito

     Photo by freddie marriage on Unsplash

     O Espaço abriga triliões de planetas e dizem que é infinito! Isto causa-me espanto.

    Se repararmos, uma bola, tal como os planetas, também é infinita, nunca mais acaba.

    Se calhar os cientistas disseram que o espaço é infinito devido aos números, pois estes também são infinitos.

    Se passarmos para o outro lado do Universo conhecido, talvez haja outros seres desconhecidos!

EM6a