O Crocodilo Estudioso

crocodilo sorridente

   Pixabay Atribuição CC0

      Havia um crocodilo chamado Fluffy. Ele tinha escamas verdes e duras, os dentes muito afiados e um olhar que metia medo a toda a gente. Um dos seus maiores sonhos era ir para a Universidade, a fim de aumentar a sua inteligência e experimentar novas e diversas realidades.

    Fluffy vivia numa ilha exótica, rodeada por um mar de esmeralda, onde os dias se alongavam até o sol traçar um sulco dourado no horizonte.

     Os amigos de Fluffy não lhe davam descanso: os macacos peludos pregavam-lhe partidas todo o dia: atavam-lhe latas à cauda ou atiravam-lhe cascas de manga para a boca ,sempre que o apanhavam a dormir ao Sol com a bocarra escancarada.

     Os Tucanos de bico alaranjado deliciavam-se a catar pequenos insetos por entre as suas escamas, quando ele boiava, de manhã, no riacho da ilha.

     Porém, o perigo fatal que a todos ameaçava, era a presença de caçadores furtivos que infestavam a ilha.

     Eles moravam a bordo de um barco pirata que estava atracado ao largo da ilha.

     Fugiam sempre para lá depois de armar emboscadas e os animais não se conseguiam defender.

     Porém, um dos caçadores, o Roberto, acabou por sucumbir ao encanto da Floresta tropical que cobria toda a ilha. 

      O seu coração começou a pulsar ao ritmo da Natureza e encheu-se de amor pelos animais. 

       Entretanto, Fluffy nunca chegou a realizar o seu sonho pois não tinha notas nem dinheiro para isso. 

     Mas o barco pirata acabou por tornar-se numa escola flutuante: os piratas caçadores tornaram-se vegetarianos e passaram a dedicar-se a compreender as mensagens com que os animais comunicavam entre si.

     O crocodilo entrou em depressão. O caçador Roberto foi ajudá-lo, pagando-lhe aulas particulares de Matemática e de Surf.

PC7B e OE

O Tesouro dos Pobres

pastores que vão para o Presépio

   PixaBay Atribuição CC0

     Tarde de 24. Terão chegado já ao Presépio?

     Quando souberam, subitamente, que não havia lugar para eles na estalagem?

     Quando é que o mundo decidiu que eles estavam a mais?

     Mas a própria Natureza se encarregou de os abrigar: uma gruta, alguma palha, dois animais. Pois era um Nascimento iminente. E toda a Criação não “geme com dores de parto”?

     E os pobres? Os pobres acudiram. Talvez eles próprios lhes tenham indicado o caminho para o abrigo.

     Depois voltaram,  a partilhar alimento e agasalho para confortar os pais e proteger o Recém-Nascido.

      Talvez, entre eles estivesse uma mulher que, muitos anos depois daquela Noite singular, já viúva e exausta,  deitou a sua última moeda entre as oferendas do Templo.

      Os pobres nunca falham.

OE

Escutar a Família – III

ursinho na árvore de Natal
                                                             Max Pixel Atribuição CC0 Public Domain

         Escutar a Família é…

     Ajudar nos momentos mais tristes. Brincar muito com os meus cães, porque eles são muito brincalhões.

     E eu também estou normalmente com os animais pois ajudo os meus Pais a tratar deles.

     O Natal reúne todos os seres vivos numa harmonia especial: escutar a Família inclui também esta atenção dos animais que são nossos amigos fiéis.

     No dia a dia, quando nos magoamos, se estamos ao lado dos nossos cães, eles dão-nos muitas lambidelas e começamos a ficar de novo cheios de alegria.

      Nos meus projetos de Natal está ajudar em casa:vou enfeitar a casa dos Pais e a da Avó; vou pôr a mesa, ajudar a fazer as sobremesas, às vezes até o prato principal, que é bacalhau espiritual.  Aprendi escutando-os.

      E ajudá-los é escutar, ir ao  encontro do que eles precisam.

Texto a 3 Mãos: AV6A, ZG6B e OE

Escutar a Família – II

coração num ramo de árvore de natal
                                                            Max Pixel Atribuição CC0

     Escutar os outros é muito bom, mas escutar a Família é maravilhoso.

     Podemos fazer a surpresa de oferecer um pequeno pacote de perguntas a cada pessoa da Família e oferecê-lo embrulhadinho com um grande laço!

     Estarmos todos em Grupo é magnífico, porque estamos em conjunto a perguntar e, ao mesmo tempo, estamos a escutar como se fosse uma Notícia a passar entre nós.

    A Notícia de Natal é sabermos da nossa Família: festejar é conversar com cada um.

     Risos e canções: há magia no ar, a estrela brilha na árvore e uma Esperança Viva brilha nos olhos de todos.

Texto a 3 mãos: ZG6B, AV6A e OE

A Fonte da Liberdade

 Imaculada Conceição de Murillo
Wikimedia Commons – Murillo  – A Imaculada Conceição Public Domain

     Uma alegria diferente sobe no espaço feliz que se abriu, para nossa surpresa, no mais íntimo.   

         Mais que o antigo sonho da Humanidade ter sido finalmente realizado, a fonte do espanto nasce da nota original com que Deus o consumou e superou, realizando, antes, o Seu próprio sonho.   

          A Imaculada Conceição de Maria inaugura Outro Universo dentro do Antigo onde vivemos e que o atrai para si.   

          Por isso os povos contemplam esta Luz de Aurora que tingiu a expectativa dos Séculos passados e futuros com um timbre de Esperança totalmente novo.       

       Assim, confluimos Hoje, com as gerações do Passado e do Futuro, para o Momento único onde se abre a fonte da Liberdade.                                                                                                                                                                                                                                              OE

Escutando o Coração

6816067847_2f50e61e4f_z-mini

Atribuição: CC2.0 Autor: Michael Coghlan imagem: Flickr

     Recordar é trazer ao coração, é viver de novo, mas recriando o que aconteceu e ainda retocando-o de gratidão, mesmo se foi um momento sofrido.

    Recordar é abraçar algo que já conhecemos, mas que agora chega como uma notícia fresca  e refletida, na distância do tempo que se abriu.

    Tantos desafios nos desfiaram a túnica da alma, nos revestiram de uma coragem que não conhecíamos e por vezes nos deixaram à míngua de luz, inventando um rumo para o passo seguinte.

     Voltamos uma e outra vez ao tesouro de um perdão sempre vivo para nos presentearmos mutuamente: é assim que podemos escalar o abismo do fracasso, e ainda, sentando-nos lá no alto, com as pernas balançando no vazio, brindamos ao futuro, com seus desafios sempre novos, tornando-os bem-vindos desde já.

Oficina de Escrita