A Vida de T. em Quarentena

fortnitePexels.com

     As minhas Disciplinas favoritas são EF CN e HGP. Educação Física, por poder divertir-me a correr e a mexer o corpo. Ciências, porque  gosto de estudar os animais e as plantas. HGP, porque acho engraçado estudar o passado, saber sobre as pessoas do passado.

     O meu animal favorito é o cão. Tenho um pastor alemão, e um pastor belga Malinois. Chamam se Jungle e  Stark. Às vezes vamos passear com o meu Pai.

      Durante a Quarentena, normalmente leio um livro, jogo um jogo, almoço, brinco e leio mais. Faço EF em casa, com a minha Mãe.

    Ando a ler BD: Astérix e Obélix, vou começar a ler o Tintin.

   Jogo o Cluedo à noite com o meu Pai e com o meu irmão; jogo vídeo jogos – Fortnite, GTA – com o meu Irmão ou com o meu vizinho.

     O momento que aprecio mais é a manhã. Porque gosto de acordar, jogar um bocadinho de Fortnite como hoje fiz, e fazer Educação Física.

    Às vezes é difícil a situação que vivemos, porque parece que já não aturo ninguém cá em casa. Mas tenho privacidade, posso estar sozinho, tranco o quarto para ninguém entrar, e leio.

    Da janela do quarto vejo os meus vizinhos. Dizemos “Olá” – jogo fortnite com o meu vizinho, às vezes.

   Os meus cães estão no jardim a brincar. Posso ir ao jardim sempre que quero e correr!

    Desejo aos meus amigos em casa que nos devemos manter fortes em relação à Quarentena e espero Abraçá-los em breve!

CAD em Isolamento – Conversas na Oficina – TB6A 

70 Anos CAD – 40 Anos da Vida de uma Escola II- (1990)

     cad

   Imagem: Colégio Amor de Deus

     Entretanto, o Colégio foi crescendo e as pequenas salas do chalé viram-se impotentes para comportar os alunos cujo número aumentava de ano para ano.

    Urgia um edifício novo com instalações próprias e adequadas. Este foi o segundo grande sonho que a comuniddade viveu e coonseguiu concretizar.

     No ano de 1973 inauguravam-se as instalações do Colégio do Amor de Deus, na Avenida de Sintra, em Cascais. 

    É então que se inicia a grande caminhada na construção duma nova comunidade, agora mais alargada e, portanto, mais exigente também, mas que se queria continuadora do espírito atento, carinhoso, afetivo e acolhedor que sempre fora vivido no nosso Colégio.

    A partir de então, a direção da Escola não se poupou a esforços na formação do seu pessoal docente, consciente de que as Irmãs e Professores constituem a alma e o coração da escola. Aliás, esta já era uma das grandes preocupações do Padre Usera. 

     O nosso colégio tem um estilo educativo muito próprio, em que os Pais acreditam e, por isso, cada vez mais o procuram. 

   É de referir que, nos últimos anos, de uma turma por ano passámos a três, triplicando, assim, o número de alunos .

     Para além disso,  em 1983, abriu-se, no Ciclo Preparatório e depois no Curso Unificado, a frequência na rapazes, numa tentativa de dar resposta às solicitações dos Encarregados de Edudcação e conscientes de que o regime de coeducação é propiciador de um crescimento integral mais harmónico e equilibrado.

    Mas, chegados ao final do nono ano, era com muita mágoa que os nossos alunos se viam obrigados a deixar o Colégio.

Professora Maria Helena Pinheiro – 1990

In “Boletim Informativo Do Colégio Amor de Deus”

Celebração dos 40 Anos do CAD

(Fim da II Parte )

70 Anos CAD – O que Vejo da Janela do meu Quarto (2010)

   janela sobre o ponete

     Photo by Tarik Haiga on Unsplash

     Observo, adiante da janela do meu quarto, a beleza do que está lá fora.

     À minha esquerda, observo a piscina do condomínio,  tapada, porque ainda não estamos na época balnear; á volta da piscina, pássaros que não param de piar e as folhas das árvores que não param de cair para dentro da piscina.

    À minha direita observo as flores lindíssimas que a minha Mãe plantou; o ar cheira a um perfume maravilhoso de flores, e as flores têm umas cores muito exóticas.

    Ambos os lados são muito engraçados: distinguem-se mais de dia, mas, de noite, observo-os como se fossem um paraíso.

     De frente, admiro o belíssimo jardim, com flores e algumas árvores. Avançando um pouco mais, encontram-se umas espantosas orquídeas que fazem com que o jardim fique perfeito. 

     Aprecio, um pouco mais longe, uma rua a estender-se, com um passeio muito estreito e umas casas bastante grandes, que se estendem por cerca de cem metros.

    Vejo carros a passar por mim, muito rápidos. À minha esquerda, reparo que existe um largo redondo, grande, com uma estátua no meio e várias pessoas à volta da estátua.

     Um pouco mais à frente existe um restaurante “snack Bar” onde se pode comer e beber vários alimentos;  mesmo ao lado, existe uma papelaria grande, com revistas e jornais expostas à volta; o senhor que está sempre lá a vender é de estatura média, magro e habitualmente com  óculos na ponta do nariz.

     Mais à frente, erguem-se uns pequenso prédios e alguns ainda a ser construídos.

     Ainda mais ao longe, consegue-se distinguir o “Cruzeiro”, o primeiro centro comercial do país, a esta hora fechado; olhando à esquerda, grandes casas, algumas abandonadas; se olharmos para a direita, distingiguimos logo o Hotel Palácio, um edifício imponente e luxuoso.

70 Anos  CAD FC6A nº2 – 2010

O Astronauta Louco

     foguetão entre as estrelas   Image par succo de Pixabay

    O Astronauta louco tinha um nome:Tomás Silva; ele tinha 26 anos, e media um metro e oitenta e seis.

    Nunca tinha cumprido uma única regra,  como por exemplo, as regras que a NASA lhe dava; mantinha sempre o fato de trabalho, nunca tirava o seu fato, nem o capacete, – exceto para tomar banho –  por isso não se sabia a cor dos olhos nem do cabelo. Até mesmo para comer ele apenas usava uma abertura na máscara. 

   O seu sonho secreto era  destruir a Lua e as estrelas com uma bazooka; ele só queria fazer isto porque adorava a escuridão da noite.

   Quem o estava a ajudar era a Família, o seu melhor amigo e alguns amigos.

    Enquanto ele construía o foguetão numa zona subterrânea que ele tinha escavado por baixo da casa, a alguns metros de profundidade, para onde descia num elevador; a parte de cima abria para o quintal e ele colocava o foguetão de pé.

     Entretanto, os amigos distraíam quem estava contra o seu sonho: o Estado era uma das principais dificuldades, porque ele tinha atropelado o cão do Marcelo.

     Acabou por conseguir porque tinha comprado um foguetão para ir para o Espaço por volta da meia-noite, sem ninguém na rua, ele descolou e conseguiu cumprir a sua Missão.

    Chegou a aterrar na Lua e já aí disparou a sua Bazooka que fez explodir a Lua.

    Por sua vez, a explosão da Lua, o foguetão também explodiu com os pedaços que bateram com força no combustível: provocou-se uma reação de explosões em cadeia pelas estrelas.

    Mas, com pena das saudades com que a Família e os amigos ficaram, ele morreu feliz por ter cumprido a Missão!

AB6B

70 Anos- CAD – Uma Horta para Partilhar – I

horta-mapa-paritlharImagem: Gentileza da Autora

         Sempre quis ter uma horta. Primeiro pensei em fazer um jardim Japonês; depois pensei num espaço Zen para meditar. Ainda fiz um estudo, ligado ao Mário Linhares, que tem o curso de Paisagística.

     Depois pensei numa horta, pois sempre é uma ajuda ao final do mês. Entretanto, veio o meu cão e o espaço tornou-se dele. Há dois anos, pensei novamente em tratar a terra para fazer a tal horta. Andei dois anos a tratá-la: tiram-se as invasoras, cava-se, lavra-se, revolve-se, rega-se… enfim, cuida-se.

      Entretanto,  veio a Pandemia e ajudou logo este Projeto. Arranquei as ervas e, à medida que ia arrancando, o Sol ia secando e retirava-as.  Lavei os muros com uma máquina de lavar à pressão, que o vizinho me emprestou, num serão depois das aulas.

    Fiz uma cerca com todos os bocadinhos da madeira que tinha em casa.

     No meio da horta, uma Cameleira; no meio do relvado, uma Oliveira chamada “Usera”.

mapa da hortaImagem: Gentileza da Autora

     Semeei manjericão , salsa, coentros; numa zona entre a Oliveira e as arómaticas, duas espécies de rabanetes; junto à parede, cenouras brancas; do lado esquerdo, courgetes; ao lado, uma zona verde com espinafres, cebolas, tomate cherry, alfaces, quiabos, e nabos em frente às cenouras; as cores  jogam para fazer uma parede verdinha. quero que pareça um jardim.

      Fiz uma cerca com todos os bocadinhos da madeira que tinha em casa. 

    (Fim da I Parte)

70 Anos CAD – CAD-em Isolamento 

Conversas na Oficina Virtual – Professora Paula Xavier

Um Cantinho Favorito

florestaImage par My pictures are CC0. When doing composings: de Pixabay

    O meu cantinho favorito é uma aldeia na Pampilhosa, em Pescanseco

    É um dos sítios, em particular, de que eu gosto mais, porque lá não temos internet: então, nós brincamos todos juntos.

     Nós somos quase todos primos, tios e tias. Um dos sítios que eu mais gosto em Pescanseco  é a ribeira: ela é verde, com muito musgo, fica ao pé de um rio que tem cobras, a água é muito fria. Nós entramos à mesma. A parte mais divertida é que saltamos de uma ponte, só que, às vezes, os nossos pais não nos deixam.

    Houve uma vez em que eu, com os meus primos, levei umas bonecas e começamos a pôr musgo por cima delas.

   Vamos apanhar amoras silvestres, num campo perto da minha casa.

   Em Agosto, à noite, nós fazemos umas festas, ficamos todos acordados até às 3 da manhã.

    A única parte má é que há um almoço que é a matança do porco, e temos de ver o porco no espeto. Mas nós, em vez de comermos porco, comemos tostas mistas.

  Se eu tivesse um porco em casa, nunca comeria fiambre ao pé dele.

    À noite, vemos morcegos a esvoaçar.

   Uma vantagem muito boa é que lá não há ladrões: nós podemos andar à vontade, sozinhos, nas casas uns dos outros.

   Uma vez, saímos de jangada a descer o rio e ficamos lá presos imenso tempo, porque os meus tios e o meu pai foram ver quanto tempo demorava de canoa e era muito mais rápido.

   Tínhamos a jangada das raparigas e a jangada dos rapazes.

  De jangada demorou mais, nem chegamos ao nosso acampamento, tivemos de acampar noutro sítio.

     Vamos voltar a repetir, só que, desta vez, de canoa.

    O que tiro de conclusão desta Aldeia é que é o melhor sítio para se estar: há convívio, muita amizade sem fim, há segurança e também não há polícias!

(Em parte Ditado) – Com o CAD em Isolamento – MF5B

Informações para Evitar o SARSCOV -19 –

     sarscov-19   Flickr.com  Domínio Público

    Já houve outros SARS em 2006, 2012 e 2019; por exemplo, o SARS dos camelos, de 2006, é transmitido pelo camelo.

    Durante a aparição do SARS, em 2012, na China, fizeram uma procura de outros SARSCOV em animais; por exemplo, o morcego, o tamanduá, a cobra e outros animais.

    Os morcegos que têm o SARS não ficam doentes, porque os vírus não suportam altas temperaturas a mais de 50 graus;  os morcegos não ficam doentes, porque o voo aumenta a sua temperatura.

     Os sintomas do SARSCOV-19 são,  em pessoas saudáveis, só uma pequena febre;  as pessoas  com o modo de vida mais sedentário, têm febre, náuseas, tonturas e vómitos, e, em alguns casos, diarreia.

    As pessoas mais velhas e com o sistema imonológico fraco ou com doenças terminais vão ter febres altas, náuseas, vómitos, diarreia, pneumonia e, infelizmente, a morte.

   A transmissão dá-se pelas gotículas da saliva, que podem ir até mais de 1 metro de distância, e pelo espirro que vai até mais de 5 metros.

    Nós apanhamos, se tocarmos em alguma coisa que foi infetada pelo vírus e, se, depois, nós tocarmos na boca, nariz, olhos, cortes e borbulhas.

    A forma de tartamento faz-se com antibióticos fortes e soros de outros SARS. 

     A melhor cura é a quarentena para não ser contaminado, usar alcóol em gel e lavar as mãos com sabão. 

   Se tivermos de sair, quando nós entramos, devemos lavar as superfícies, como as maçanetas de fora, com uma toalha com alcóol e pôr um spray de álcool nas solas dos sapatos. Depois de voltar a casa, um banho. 

CAD em isolamento – ZH6D

As Várias Dimensões da Realidade

hipercuboImagem: Wikipedia

     Ultimamente tenho estado interessado na Quarta Dimensão.  

    Descobri este assunto num vídeo que eu estava a ver, sobre jogos. Os jogadores costumam falar muitas vezes sobre temas que não têm a ver com os jogos. Um começou a falar com o outro sobre a Quarta Dimensão. 

     Sei que  tem a ver com a primeira, segunda e terceira dimensões, como por exemplo: 

      • Um ser vivo que exista na primeira dimensão só se consegue deslocar e ver de um lado para o outro, da esquerda para a direita ou da direita para a esquerda, sem ir para a frente, embora vá para a frente na sua visão, mas basicamente só pode mover-se numa linha reta.
      • Na segunda dimensão, além disto, o ser também consegue deslocar-se para cima e para baixo;
      • Na terceira dimensão, tem as mesmas características mas também se tem a noção da distância, da perspetiva.
      • Finalmente, na quarta dimensão, alcança-se uma visão que vai mais além do que a nossa.

    Por exemplo, imaginem uma linha:  já é  a primeira dimensão, em que se consegue deslocar de um lado para o outro; depois, na segunda dimensão, já pode existir um quadrado, pois pode-se ir de um lado para o outro, de cima para baixo.

    Na terceira dimensão, basicamente um quadrado atrás desse primeiro quadrado, conectam-se as pontas, formando um cubo, que corresponde aproximadamente à nossa visão.

     Na quarta dimensão, no cubo da terceira dimensão, imagina-se um cubo mais pequeno dentro daquele, conectam-se de novo as pontas do cubo mais pequeno para o maior.

    Isto faz com que surja uma certa realidade que o ser humano não consegue interpretar. Essa figura de um cubo dentro do cubo chama-se “hipercubo”. Se uma pessoa pesquisar, encontrará uma figura que o cérebro humano não consegue interpretar facilemente. 

   Não sei explicar porque acho este assunto  tão interessante; abre-me uma visão para além do que nós vemos. 

   Gostaria de aprofundar o mesmo que muitas pessoas que estudam isto gostariam de aprofundar,  que seria saber mais exemplos da quarta dimensão, e também aprofundar melhor como funciona; também o facto de haver mais dimensões, para saber o que são, como são e mais exemplos.

   O estudo foi começado por um grupo de 4 pessoas que se apresentaram a um concurso de Ciências.

CAD em Isolamento – VE7C

A Vida E Os Seus Segredos

mundoImage par Lars_Nissen de Pixabay 

     Pensando bem, os humanos estão a pensar só no lado negativo do Corona Vírus, mas também um muito bom.

    Na minha Escola, nós andávamos a fazer trabalhos sobre como ajudar o planeta e acho que esta vai ser a melhor forma para o fazermos, porque, assim, o planeta não vai ter tanta poluição nem tantos pés em cima da Terra.

    Agora ela vai poder respirar e perceber o lado bom da Vida.

    Acho que Deus, tal como ajudou os humanos, estes anos todos, agora está a ajudar os animais.

    Além de ter ajudado os animais, também nos ajudou a ter uma ideia de como ajudarmos o Planeta.

    Esta situação só nos está a enriquecer de força pois era dela que precisávamos.  Para nos erguermos, para nos levantarmos, para nos pormos de pé, para nós percebermos os erros da vida.

    Nós precisávamos deste tempo para refletirmos sobre o que a Vida nos dá.

    Acabei me apercebendo que todos os dias em que eu passava no paredão, ao pé da minha casa, havia pássaros a cantar belissimamente.

    Antigamente, não me apercebia, porque os carros passavam com ruído, todas as vezes em que eu caminhava no paredão.

   Por causa das ações dos seres humanos, acabamos por não nos aperceber de certas coisas lindas que ainda há para ver e ouvir.

Com o CAD em Isolamento  – SS6D

70 Anos do CAD – “A Minha Bisavó” – 2007

bisavóImage by Oberholster Venita from Pixabay 

     A minha Bisavó brincava muito comigo, porque gostava muito de mim e eu dela.

     Eu vi-a muitas vezes, só que, quando chegava a casa dela, estava a dormir, porque ia do Porto para casa dela, mas depois eu acordava.

      Uma vez, fiquei muito contente, porque, no Natal, deu-me muitas prendas e até me deu uma moto-quatro.

      Depois, quando ela morreu, fiquei muito triste, e eu, os meus Pais e os meus Irmãos choramos muito.

    Quando ia dormir, estava sempre a sonhar, quer dizer, a pensar nela. Às vezes os sonhos eram bons, estava-me a lembrar das brincadeiras que fazia com a minha Bisavó. 

    A minha Bisavó foi uma amiga muito especial para mim e para a minha Família. 

    Gosto muito de ti, Bisavó.

70 Anos do CAD FV5C 2007

70 Anos – CAD -” 40 Anos da Vida de uma Escola” I- (1990)

Colégio no Monte EstorilImagem: Google Street View

     I 

     Fazer a história do colégio do Amor de Deus é quase fazer a história da minha vida de professora – (já vai no vigésimo sexto ano). 

     2 de Outubro de 1950 – nascia uma Comunidade Educativa no Monte Estoril, num chalé  antigo, o número um da Avenida Faial, hoje ainda existente. 

    Eram apenas quatro irmãs que, com todo o carinho e com a ajuda de alguns professores leigos, iniciavam o seu apostolado junto de um pequeno grupo de alunas: apenas 22. 

     Filhas espirituais do Padre Usera, fiéis seguidoras do Mestre, movia-as o desejo de encetar uma obra num recanto do país que lhes oferecia um potencial enorme de ação educativa junto da infância e juventude. 

      Este era um dos campos de ação que o Padre Usera privilegiava. Ele acreditava que “a clarificação da mente, a capacidade de discernir eram condições essenciais para o bem-fazer”. A abertura do Colégio Amor de Deus era, pois, a concretização dos seus desejos. 

    E éramos uma família, uma família pequena, mas muito unida.

     Desde o primeiro instante, a formação integral das alunas foi objetivo pedagógico do Colégio do Amor de Deus e as Irmãs e Professores externos zelavam pelo enriquecimento, não só cultural, mas também espiritual e afetivo das suas alunas.

     Nem mesmo o aspeto lúdico era descurado. Antigas alunas desse tempo não esquecem a gincana que anualmente se realizava, com pompa e ciscunstância, no dia da “Menina Maria” em 21 de Novembro, em comas festas no Teatro  dos Salesianos, cujas instalações nos eram habitual eamavelmente cedidas. 

     Fiquei tão ligada ao Colégio que, enquanto Universitária continuei a frequentá-lo e, durante alguns anos, participei na sua Festa Anual. 

    Acabado o curso, logo as Irmãs me convidaram para ingressar no corpo doecento do Colégio. Era uma consequência lógica: o Colégio nunca deixara de ser meu e tinha agora a oportunidade de transmitir aos meus Alunos a vivência de Escolaque me fora dado experimentar. 

      Haveria tantas mais coisas a recordar…

Professora Maria Helena Pinheiro – 1990

In “Boletim Informativo Do Colégio Amor de Deus”

Celebração dos 40 Anos do CAD

(Fim da I Parte )

“- Como se Atrevem?”

     greta thunberg

     Imagem de Tibor Janosi Mozes por Pixabay 

       No Parlamento Europeu , Gretha THunberg disse:

     “– Estamos no início de uma extinção em massa e tudo o que vocês falam gira em torno de dinheiro e um conto de fadas de crescimento económico eterno. Como Assim?”

     Por um lado, tomemos, como exemplo, o caso dos icebergs nos Polos Norte e Sul estarem a derreter, o que pode originar uma extinção dos ursos polares e uma elevação das águas nos oceanos.

    Isto leva a um completo desinteresse, da parte de alguns Governos, no caso da extinção de algumas espécies animais e no caso de se acabar com algumas ilhas.

     Por outro lado, o crescimento económico é muito importante para o país e para o mesmo se desenvolver, mas isso não pode desvalorizar ou destruir o ambiente.

    Tomemos como exemplo os países que destroem florestas ou retiram animais das mesmas, para pôr em Zoológicos ou para venderem a Empresas e, assim, praticarem o Comércio.

    Em suma, é importante haver uma mudança de atitude para o bem dos países e repensar de forma generalizada, rever o futuro e não  focar apenas no presente.

CAD em Isolamento – Trabalho de  Aula – VL10

70 Anos CAD – Ao Professor -1 – 2002

   Ao professor

   Image by Gerd Altmann from Pixabay 

     Professor,

    Ensina-me o que sabes, quero ficar esperto, quero ser como tu, quero saber, quero aprender, para ter uma boa profissão, uma que eu goste de fazer.

    Para isso preciso de ti, Professor.

    Diz-me o que eu preciso de comprar, que eu compro; eu só quero é aprender. Se me puseres de castigo, tens que ser justo. 

    Eu gosto de ter um professor, gosto também dos intervalos, mas quando mudo de ano, fico cheio de curiosidde sobre qual o professor que me vai calhar!

   Eu queria um Professor um bocadinho severo e um bocadinho brincalhão.

    Que fosse alto, para todos o verem; que fosse justo para todos os alunos, mesmo que um dos alunos fosse seu filho.

   Bem, agora quero dizer:  – OBRIGADA, Professor!

70 ANOS do CAD – JM5B nº16 – 2002

A Revolta das Guitarras

guitarrasImagem: Piqsels.com

     Era uma vez uma Escola de Música onde só havia 27 Alunos. Quando os alunos iam tocar, tocavam sempre desafinados.

    Houve um dia  em que as guitarras tentaram afinar-se umas às outras, porque pensavam que tocavam mal, pois nunca mais tinham sido afinadas.

    Mas quando os alunos voltaram a tocar, ainda tocavam mal. E cada vez mais desafinados.

    Então, chegou um certo dia em que as Guitarras se fartaram. Foi aí que aconteceu a revolta. A revolta começou com elas a desafinarem-se e as cordas a rebentarem.

   A seguir, nas pautas dos cadernos dos Alunos, começaram a trocar-se as notas: os “Mis” trocavam-se por Dós” agudos, os Rés por “Fás”, os Fás por “Soles”, os Fás sustenidos por Rés sustenidos!

    Quando os Alunos chegaram, não notaram nada; quando foram tocar nos Xilofones, as Guitarras esconderam-se. O professor começou a ralhar com os Alunos por estarem a tocar tudo mal.

   No fim das aulas, os Xilofones foram ter com as Guitarras e perguntaram:

       – Por que é que foram trocar as notas? 

     – Porque já estávamos fartas de os ouvir a tocar mal. Por isso agora chegou a hora da nossa Revolta! – Exclamaram as Guitarras.

  As Guitarras deixaram as notas como elas tinham posto e esconderam gravadores pela sala; assim, quando os Alunos fossem tocar, os gravadores iam gravar.

   Quando os alunos chegaram à sala, começaram a tocar e os gravadores puseram-se a gravar.

   No fim da Aula, as Guitarras puseram, como alarme e toque nos telemóveis dos Alunos, a gravação deles a tocarem. E foi assim que os Alunos resolveram tocar melhor.

Com o CAD –  em Isolamento – BB5B

70 Anos – CAD – 44 Anos no “Amor de Deus”

     

  Imagem: Oficina de Escrita 

     O Colégio do Amor de Deus faz 70 anos e eu sinto que faço parte desta sua longa história. 

    Primeiro, porque fui aluna do colégio no Monte Estoril, durante 5 anos, tinha ele acabado de nascer, onde tive  uma grande proximidade com as Irmãs.
Bé alunaImagem: Gentileza da Autora
     Depois porque, mal acabei o curso da faculdade fui convidada, pelas Irmãs, aos 22 anos, para fazer parte do corpo docente do colégio, onde permaneci como professora de Inglês durante 39 anos.
   Não foi um percurso qualquer, foi sim uma longa experiência de vida, de enriquecimento humano, como pessoa e como profissional.
 
    O Colégio foi, sem dúvida, para mim, uma segunda casa, onde cada dia de trabalho representava a alegria do encontro, da entrega, da partilha e do convívio, com alunos, Irmãs, colegas de trabalho e funcionários. 
Bé ProfessoraImagem: Gentileza da Autora
   Foram anos muito felizes e de grande realização pessoal e profissional. 
   Desejo que muitos anos ainda venham, em que cada professor possa testemunhar a mesma alegria e o mesmo prazer que eu tive em fazer parte da Comunidade Educativa deste Colégio.
Professora Helena Pinheiro 44 anos de CAD

A Benção Urbi et Orbi

imagem: cadescrita.org

     “É preciso encontrar a coragem de abrir espaços onde todos se sintam amados, permitir novas formas de hospitalidade, fraternidade e solidariedade. É preciso abraçar o Senhor, para abraçar a esperança”

Texto completo do Papa Francisco partilhado pelo Professor Bento: Imissio

Papa Francisco – 27/03/2020

Que os Santos Apóstolos Pedro e Paulo,  dos quais no poder e julgamento confiamos, estes intercedam por nós até o Senhor.

R / Amém.

Que por meio das orações e dos méritos da Santíssima Sempre-Virgem Maria, de São Miguel Arcanjo, de São João Batista, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e de todos os santos, o Deus omnipotente mostre compaixão à vós, e (quando) perdoados todos os vossos pecados, Jesus Cristo vos conduza à vida eterna.

R / Amém.

Que o Senhor Todo Poderoso e misericordioso vos conceda indulgênciaabsolvição, e remissão de todos os vossos pecados, espaço para um verdadeiro e frutuoso arrependimento, (mesmo) o coração arrependendo(-se) sempre, e a benção da vida, a graça, a consolação do Espírito Santo e perseverança final nas boas obras.

R / Amém.

E que a bênção de Deus Todo Poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo desça sobre vós e permaneça sempre.

R / Amém.

70 Anos – CAD – “VERBUM CARO” – 1998

Verbum CaroImagem: Oficina de Escrita Autor: Alexandre Estevão

    Em Lisboa, na Igreja de Nossa Senhora de Fátima, pode contemplar-se um quadro fulgurante e inesquecível, visitando o templo pelas 17h de uma tarde de sol: o famoso vitral de 100 metros quadrados, do genial Almada Negreiros, virado a poente, incendeia-se, criando no interior da nave uma luminosidade sobrenatural.

    Mas o vitral que ontem foi colocado numa rasgada janela, virada a poente, de minha residência, é também uma obra de génio!

    Alexandre F. Estevão é um notável artista, de Cascais, na arte de conceber e concretizar mensagem através de um vitral. Ele soube descobrir e combinar os princípios utilizados pelos artífices da Idade Média, com uma nova arte de preparação dos vidros. […]

      Não se trata de arte abstrata, trata-se de arte, neste vitral que, pelas formas e cores, exprime as irradiações das bençãos sobre a Virgem, vindas do alto, onde paira um estilizado par de asas brancas.

     A silhueta azul da Virgem impressiona pela postura de recolhimento, de graciosíssima leveza a que os raios luminosos, formando um conjunto de harmonia cromática que define e releva com perfeita nitidez a sua primordial finalidade.

     A mensagem do início no inefável mistério: o Criador vai tomar a forma humana no seio da Santíssima Virgem!

   No meu lar existe agora um foco de inspiração, para todos meditarmos o mistério da Encarnação do Verbo, na sublime humildade de Maria. 

12 de Abril de 1998 – Artur Alves Pinto

(Os pais dos Professores também pertencem à Família “alargada” do Amor de Deus.)

70 ANOS-CAD – Um Fiel Companheiro- 1992

     Momentos de conforto e paz

     Photo by British Library on Unsplash

     Está a anoitecer. Estou sentada na minha cama e, ao meu lado, uma caneca com chocolate quente. Virando-me para trás, vejo as portas castanhas do meu armário, um poster muito especial e cativante, onde dois elefantes olham o céu estrelado com uma eterna felicidade.

    Entre a minha cama e a do meu irmão, ambas amigas dos nossos sonos, está um tapete branco no chão e uma mesa de cabeceira escura com quatro gavetas. Em cima, um candeeiro que ilumina as minhas leituras, à noite, na cama, um despertador que chama para cumprir os meus deveres e alguns bibelôs.

    Ao meu lado esquerdo está um móvel castanho, com três prateleiras, onde estáo bonecos de peluche que desde há muito me fazem companhia, livros da minha infância que tanto me divertiram, livros de Aventuras onde encontro o mistério e a excitação.

      Ao seu lado, fica uma mesa redonda coberta poruma colcha rosa, em cima desta um rádio que dá um som ótimo, alguns pequenos bonecos de criança a quem me afeiçoei, perfumes com aromas frescos; um palhaço de olhos azuis, nariz vermelho, vestido com um fato-macaco às riscas vermelhas e laranja, com um grande sorriso nos lábios; este recorda-me de todas as gargalhadas e gritos de alegria que dei até hoje e uma bolsa de remendos feita pela minha bisavó.

    Quando os cortinados, brancos e delicados, estão abertos, a luz do sol ilumina o meu quarto com vaidade e os seus raios penetram até ao mais íntimo.

    À noite, em frente de uma imagem de Cristo, que fica por cima da mesa de cabeceira, rezo com confiança e fé.

    No meu quarto vivo momentos de pleno conforto e paz. Seu ambiente é agradável e sereno.

    É nele que leio, ouço música, brinco, durmo e converso sozinha; por vezes interrogo-me, procuro desafios e sinto que sou escutada.

    O meu quarto é um verdadeiro espelho onde a minha personalidade e maneira de viver estão refletidas. Ele combina com aquilo que sou. Eu adaptei-o a mim, para que tudo se torne mais sintonizado.

    O meu quarto é um fiel companheiro. 

70 Anos do CAD – JRP -nº20 – 6ºB – 1992