Projeto Educativo e Escrita Pessoal

jovem dançando sobre livro giganteImage parJonny Lindner de Pixabay 

         O carisma educativo Useriano serve o ideal de cada aluno vir a ser pessoa integral, à imagem de Cristo, que abre, para o ideal de um humanismo cristão, o mais amplo horizonte de sentido.

      Projeto Educativo: espaço de vida em que se exercitam as  orientações comuns que visam a união harmoniosa dos esforços de todos os que estão ao serviço na nossa missão educativa.

    O seu “Porquê” é o próprio sonho do Fundador, mas inclui também toda a riqueza acumulada pela  experiência de vida das comunidades educativas que  seguiram na esteira deste sonho ao longo de mais de 150 anos.

      No recanto da Oficina de escrita, a criação de textos constitui a mediação entre a pessoa do aluno em formação e o seu advento como pessoa integral – ou pessoa “crística” no sentido do Carisma.

         Que efeitos reais tem esse exercício pessoal de escrita?

      Como é que ele contribui para deixar transparecer um novo Mundo que está neste, em gestação, e precipita o seu Advento? 

      O poder transformante da escrita oferece a possibilidade de criar as condições onde a inspiração única de cada um se possa tornar articulável. 

        Os exercícios sugeridos para desencadear a elaboração escrita mais livre possível favorecem que a intuição original de cada um se mostre viva.

       A energia da inspiração brota dessa intuição original; a sua força viva não é cega, mas inteligente: ela imprime uma forma inteligível à vivência de cada um e ao  próprio acontecer da sua escrita.

         Visamos proporcionar o meio vital onde os alunos possam dar forma à sua experiência do mundo, tornar nítido o seu próprio pensamento, articular com clareza  os tópicos para um projeto pessoal.

   Trata-se de criar o espaço humanizado onde possam emergir rostos únicos; o que também significa, segundo o Carisma, o sentido último, o advento da Pessoa.

    Esta resposta final já não é apenas humana, e, enquanto “resposta”, nada encerra, mas tudo abre  e liberta como esperança divina.

OE

Três Lições para uma Cantora

rouxinol, canário e piriquito sobre fundo verde

     Rossignol PixaBay Perruche PixaBay Canari PixaBay Pixabay License

     Era uma vez uma menina que se chamava Carlota. O seu cabelo era louro como o Sol, os olhos azuis, a boca rosa, o nariz perfeito. Era imensamente simpática e muito bonita.

     A Carlota era sempre fiel, mas irritava-se um bocadinho algumas vezes. Gostava muito de tocar viola. Tinha um sonho desde pequenina: ser cantora.

     A Carlota tinha muitos amigos, mas tinha três melhores amigos: o Piriquito Piu, o Rouxinol Kai e o Canário Vé.

    A Carlota pediu aos amigos para lhe darem aulas de canto para realizar o seu sonho.

      O Piu ensinou-lhe as notas mais graves, as agudas, as curtas e as longas. O Kai ensinou-lhe o “Hino da Alegria” e o “Olha para Mim”, duas canções clássicas, uma em clave de sol e a outra em clave de fá.

     Todos os dias ela ia para três árvores diferentes, pois adorava trepar.

      O Piu ensinava-a no carvalho: subiam até lá acima para verem o pôr do sol.

    O Kai brincava no Pinheiro Manso, porque desde pequeno brincava ali e queria partilhar.

     O Vé gostava muito de ir para os sobreiros, porque tinham bolotas lindíssimas.

       Assim, a Carlota tornou-se numa maravilhosa cantora.

CT5A