CAD em Isolamento – A Quarentena Feliz

Foto de Pikist

    Eu estava todos os dias aborrecido em casa até chegar a Ruby.

   Na Escola em tempo normal, os professores dão  mais coisas, para fazer em casa e para estudar. A Escola online não manda imensos trabalhos. Faço exercício físico que os professores mandam.

     Eu acabo sempre cedo, mas às vezes demoro mais tempo.

    Quando não tenho nada para fazer, brinco com o meu irmão de quatro anos.

     Estar na Escola é muito melhor.

    Contato com os amigos, vejo-os nas aulas online.

    Estou a ler o “Príncipe Nabo”. “A Vida Mágica da Sementinha” era muito difícil.

    Só fui duas vezes ao Parque. A primeira vez que fui, pude brincar, mas na segunda vez só dei uma volta de trotinete e voltei para casa. Agora saio de casa só dentro do Condomínio porque a Ruby ainda precisa de levar a segunda vacina.

    A minha Mãe diz que se não tocarmos em nada, só na trotinete, podemos brincar um pouco.

    Quando saímos, a minha Mãe diz que, se não tocarmos em nada, a não ser na trotinete, podemos brincar um pouco.

   Na garagem há um sítio de jogos – por exemplo, matraquilhos –  onde ando de  trotinete com o meu Irmão, mas agora não, porque  arriscamo-nos a apanhar um coronavírus nas rodas. A minha Mãe avisa quando é preciso lavar as mãos.

    Tenho um novo cão de água Português, chamada Ruby. Ela gosta muito de brincar comigo e com o meu irmão. Ainda é bebé. A sua atividade favorita é correr. Atiramos a bola e ela vai a correr buscar.

    Ela fica numa enorme caixa de grades que parece uma prisão, onde come, bebe e dorme.

CAD em Isolamento – Conversas na Oficina – OA5B

Lua, a Cadela Maior do Mundo

cão setter com flor rosa na bocaPhoto by Celine Sayuri Tagami on Unsplash

     Era uma vez uma cadela que se chamava Lua; ela era muito grande, a cadela maior do mundo, e o seu dono chamava-se Zé.

     O Zé adorava ser como ela, porque era pequenino e a Lua era grande e o Zé gostava de ser imenso.

     Um dia, mesmo à tarde, o Zé desejou intensamente ser como ela.

      No dia seguinte, Zé apercebeu-se de que tinha patas enormes, viu-se ao espelho e assustou-se, mas, ao mesmo tempo, sorriu.

     Quando foi lá para fora, viu a Lua a brincar muito com ele e ficou muito assustado, porque nunca tinha visto a sua cadela tão brincalhona. Ela nunca tinha tido amigos e ficava só, a dormir sozinha.

      A partir desse dia, a Lua ficou muito mais brincalhona do que o normal.

    Entretanto, Zé apercebeu-se de que não podia ser um cão e, para a Lua não ficar sozinha, comprou-lhe um cão igual a ela. Viveram os dois felizes para sempre e fizeram uma criação de cachorrinhos.

ZG6B

A Minha Julieta

bebé tshih-tzu

     Pexels.com Atribuição: Pexels License

     A minha cadela é linda e muito fofa. Ela tem 2 anos, o pelo branco e é uma Shih-Tzu.

      Eu amo a minha Julieta.

     Acho muito engraçado quando ela tenta ver, através do muro, as galinhas do meu vizinho. Às vezes, quando acho que ela quer ver as galinhas, chamo-a, ela salta para cima de mim e eu mostro-lhas.

     A minha cadela não pode ir para o sofá, mas, às vezes, sorrateiramente, vai encostar-se a mim e adormece.

      Eu vi a minha cadela pela primeira vez, quando tive de sair da Equitação e o meu Pai me disse:

      – Eu sei que tu gostavas muito de ter um cão e, já que saíste da Equitação e gostas tanto de animais, compro-te um cão.

      Quando vi a ninhada de cães, houve um que me veio cheirar e eu disse: 

      – Pai, é esta cadelinha que eu quero.

      Peguei nela, fomos para casa e nunca mais a vou esquecer.

MM5A

“Jumbo” – Um conto de Natal

labrador velhinho deitado vendo-se só a cabeçaPixabay Atribuição CC0

     No Natal de há dois anos, o meu Avô salvou um cão que estava atropelado ao pé do Jumbo: por isso lhe chamou “Jumbo”. Levou-o para casa, mas como tinha muita idade, deixou-o no canil.

    Os meus Pais queriam fazer-me uma surpresa e foram buscá-lo ao canil. Mas eu, ao vê-lo tão grande, tive medo. Fui-me habituando a ele a pouco e pouco.

     No dia de Natal, fomos buscar o meu Avô que o tinha salvo. O cão foi para a sala e os dois reconheceram-se!

     A data de nascimento, como não a sabíamos, registamos no meu dia de anos, a 4 de Março.

     Mas ele já era muito velhinho e coxo: morreu em Janeiro, muito bem cuidado e cheio de Paz.

BL5C