Carta ao Planeta

     

       Image par Mystic Art Design de Pixabay 

       Caro planeta,

     Tenho ouvido falar muito de ti e fiquei bastante preocupada! Estás a ser destruído pelos humanos, e lamento imenso por isso. 

        Eu tenho várias preocupações, como exemplo: os  humanos são muito cruéis; como é óbvio, há  exceções, nem todos são maus. No instagram passam videos de pessoas a matar animais por prazer, e o problema é que não são para serem ingeridos pelos humanos. Imagina lá tu que vi um grande grupo de homens com um taco na mão e a bater num animal até ele morrer. 

            A outra preocupação que eu tenho é que as pessoas deitam tudo e mais alguma coisa no chão. Eu apanho um ou outro plástico que está no chão, mas eu acho que cada pessoa devia ser responsável pelo lixo que faz. No verão, eu costumo ir à a praia e, uma das vezes quando eu fui, vi que o mar estava cheio de lixo, até tive nojo de tocar na água.

       Agora há um vírus no ar e temos de usar máscaras, mas isso nem é o pior, o pior é mesmo quando encontro máscaras usadas no meio do chão e não posso poder fazer nada.

     O mais grave desta situação do vírus é que as pessoas sabem que é uma doença da qual milhares de pessoas já morreram, ou estão internadas, e não têm rigorosamente rigorosamente cuidado com eles, nem com o próximo.

    Ao tirar a máscara num espaço público estão a pôr em causa a sua própria saúde e a saúde de outras pessoas, colocando-as em risco. Eu sei que é desagradável usar máscara e eu própria também não gosto, mas eu sei que tenho de a usar para não pôr em risco ninguém. Só espero que esta pandemia passe rápido e que as escolas não fechem.

        Com isto da pandemia ouvi falar que muitos animais foram abandonados, que desilusão! Os animais não têm culpa nenhuma do de que se está a passar, se os donos não queriam os animais,  o mais sensato era dá-los para a adoção.

         O que eu vou falar agora não tem muito a haver com o planeta, mas sim com a população, mas não deixa de ser grave.

         Eu tenho reparado que, de ano para ano, as tecnologias estão a avançar; até agora não é grave, porque até é bastante bom. O que eu quero dizer é que à medida que as tecnologias avançam,  as crianças e adolescentes passam mais tempo agarrados aos aparelhos eletrónicos, em vez de brincarem e de saírem com os amigos.

     No tempo dos meus pais, os pais é que “ralhavam” com os filhos por não passarem tempo em casa com a família. No meu tempo é o contrário, os pais ralham com os filhos por passarem demasiado tempo à frente de um ecrã.

     Se as crianças ou adolescentes não se mexerem, vão acabar por ficar obesos e isso é grave para a saúde de uma pessoa; pode não fazer mal no momento, mas pode vir a fazer no futuro. As pessoas podem ganhar problemas cardíacos, diabetes, entre outras doenças.

    Estou a falar nisto, porque é importante, se passarem demasiado tempo a jogar, vão acabar por ser ignorantes relativamente ao que se está a passar no mundo.

    Claro que podem jogar, mas têm de saber gerir o tempo para não passarem o dia todo e as férias inteiras num computador, telemovel, tablet, entre outros. Eu acho que passar um dia inteiro não há de fazer mal, até sabe bem, eu própria estas férias fiquei um ou outro dia a ver séries.

     Este ano é compreensível que se tivesse ficado mais tempo nos aparelhos eletrónicos, porque não dava para fazer grandes combinações nem ir viajar. Eu tenho consciência de que eu própria passei demasiado tempo à frente do computador e não me orgulho disso. 

                    Com os melhores cumprimentos, 

                                                                           MB101B

Trabalho de Português para a Prof. Raquel Vaz

CAD em Isolamento – A maior Influência: TECNOLOGIA

technology

Piqsels.com

    No século XXI, quase tudo no mundo já vive à base de tecnologias, ou seja, nos dias de hoje, nós, seres humanos, já conseguimos trabalhar e até viver a nossa vida normal através das redes sociais e não só, mas a partir de qualquer meio existente no telemóvel, nós conseguimos fazer a nossa vida, desde que seja trabalhar ou até mesmo chegarmos ao ponto de fazer as compras para casa através de lá!

    No entanto, também existem pontos negativos relativamente ao avanço rápido das novas tecnologias, tais como: as crianças, nas escolas, hoje em dia, passam cada vez mais o dia a olhar para um pequeno ecrã em vez de socializar e de estar com outras pessoas no recreio e não só, sempre que andamos na rua, é raro ver pessoas que estão a andar sem o telemóvel na mão, o que só provoca cada vez mais acidentes e cria vícios que ninguém pode parar.

   Globalmente, o avanço da  tecnologia afetou todo o mundo com as suas vantagens e desvantagens, mas até é possível perceber o quanto isto nos ajudou na maior meta de aprendizagem e de medicina no mundo, porque foi através da tecnologia e do saber que a parte da medicina que salva vidas conseguiu evoluir cada vez mais!

JP12

CAD em Isolamento – Sente-se Mais Interesse Pelos Livros

Aplicações Digitais

digital learningImage by Sandra Schön from Pixabay 

1.1  Tarefas – Classroom

    Não gostei muito das Tarefas. Gostava que houvesse no 7º, às vezes por caderno e às vezes no Classroom. Não gostava de ficar muito tempo a olhar para o telemóvel. É preciso que todos os alunos tenham acesso a uma boa conexão de rede e computador, o que não é o meu caso. Mas o Classroom ajudou-me a organizar.

1.2. Google Docs e Slides Acho bom, no sentido em que servem para guardar trabalhos; para o 7º ano, no Google Slides podemos fazer power points e serve para estudar, para fazer resumos também.

1.3.  Escola Virtual – A EV é útil para os professores; numa aula mostram o livro maior, é mais fácil, tem as respostas. Para os alunos prefiro o Classroom.

1.4. Aulas-Zoom – Tem desvantagem: o profesor explica uma matéria de que eu não gosto, eu desligo a câmara e vou para outro sítio. Ou fico a jogar no telemóvel. As aulas cansam muito, porque estamos no écrans e nem piscamos os olhos.

Tem vantagem: os professores podem compartilhar a tela e nós podemos aumentar a imagem.

Em conclusão, estou mais distraído nas aulas zoom, mas não muito.

Qualidade da Aprendizagem

e-bbokFoto de mohamed hassan formulário PxHere

2.1. Sinto que aprendi nas aulas-zoom? Sim, acho que sim, mas nas aulas presenciais eu aprendia mais.

2.2. Sinto que aprendi com as Tarefas?

    Aprendi um pouco em algumas Tarefas,  noutras em que tinha mais dúvidas, não percebia, esquecia-me de escrever aos professores.

2.3. Sente-se mais interesse pelos livros por ficarmos tanto tempo em casa, já me chateia jogar jogos.

2.4 Comparação entre o sistema de aprendizagem por Tarefas e o sistema de aprender por Testes – Prefiro Testes, porque têm uma preparação; as tarefas, vamos fazendo, como quaisquer outras tarefas, e vamos fazendo ao longo do tempo, mas o teste tem uma data e temos de estudar antes da data. Mas os testes contam para passar de ano,  as  tarefas contam, mas como avaliação formativa.

Conversas na Oficina SG6B

CAD em Isolamento – “Trabalhei Melhor Assim”

1. Aplicações Digitais

toolsImage par mcmurryjulie de Pixabay 

Tarefas de Classroom Acho que trabalhei melhor assim no Classroom; ao menos acho que muitas das pessoas faziam tudo em Google Docs. A organizar-me melhorei: “eu agora faço isto, depois aquilo” e assim organizo-me melhor. Gostei de poder comunicar com os professores através dos comentários.

Google Docs e Google Slides – Gosto, prefiro o Google Docs; melhorei nas aulas online a teclar, agora sou melhor a mexer nas aplicações.

Tutoriais Não me consigo concentrar muito bem.

Aulas Zoom – Gostei, mas ensinaram menos, prefiro as aulas Zoom porque trabalhamos menos, temos mais tempo para viver.

2. Qualidade da Aprendizagem

como aprendi

Image par Clker-Free-Vector-Images de Pixabay

 Sistema de Tarefas versus Sistema de Testes – Eu prefiro assim porque não há testes e temos de estudar menos; mas aprende-se com as tarefas. Aprendemos menos, não fica bem na memória, não é bem quase todos os dias uma matéria nova, mas é quase todos os dias. Seria preciso mais revisão.

Eu gostava de ter tutorias online, mas o que me anda a acontecer no zoom é que não consigo ligar a câmara…

Plano Semanal de Estudo – Gostei eu aprendi muita coisa e não consigo escolher.

Sinto a falta do Colégio, uma colega fez dois convívios e já fui a um. Gostei de ter escrito um texto.

Os meus cães nunca foram tão bem tratados: são tratados pela minha prima, ela tem 7 anos,  adora cães, antes não tínhamos tanto tempo para eles. As minhas duas primas aprenderam a andar de bicicleta, dávamos sempre voltas ao quarteirão.

Conversas na Oficina – DC5A

CAD e Isolamento – Virtual versus Presencial

Ferramentas Digitais

learning toolsImage par Gerd Altmann de Pixabay

Vantagens do Classroom Sem dúvida o melhor, em termos de entrega de trabalho e para a organização dos alunos; tem uma lista a dizer “a fazer”, indica os trabalhos que não estão concluídos e os que não têm data fixa. Temos um stream para cada aluno, vamos vendo e está lá apontado tudo o que nos falta fazer.

Desvantagens da Escola Virtual – Gosto imenso, mas como estão muitas escolas a usá-la a determinadas horas. Que é quando me dá jeito, por exemplo, à tarde, fica muito lento e não se mexe. Uma vez tentei de manhã, estava menos lento. Em termos de organização também é muito bom.

Qualidade da Aprendizagem

learningAuthor: Geralt Pixabay license

  Nas Aulas-Zoom estamos distraídos. Estava habituada a as professoras nas aulas me chamarem para estar atenta; ainda não tenho autonomia a estar concentrada nas aulas Zoom e aposto que há mais alunos com esta opinião, temos de ser sinceros, mas alguns alunos estão no telemóvel, durante as Aulas-Zoom. As aulas virtuais são interativas, mas são muito menos interativas do que na Escola.

 Tarefas versus Aulas

     Nas Tarefas aprendi mais do que propriamente nas Aulas. Os professores mandavam as tarefas e sei que eram de acordo com a matéria que davam na semana; mas como não estava tão atenta, nas Tarefas recuperava. Sentia-me mais autónoma, mais ativa, tinha o Google para pesquisar, tinha os livros, perguntava aos amigos. De manhã, as aulas são às 9h 30 e ainda não acordamos.

   Aulas Presenciais versus Aulas Virtuais

    Disciplinas mais fáceis de aprender online: não gosto de nenhuma disciplina online, mas se tivesse mesmo que ser, as mais fáceis seriam de Moral. Em EV, depende dos trabalhos, eu era dependente do professor, mas agora consegui, o Professor descobriu maneiras de ajudar.

    História e Geografia também poderiam ser online. As disciplinas essenciais para serem presenciais são Matemática e Português. Inglês também, pois preciso da Professora.

    Físico-Química também deve ser presencial. Eu gostava imenso de Físico-Química e agora desinteressei-me. No sétimo ano não tinha muito boas notas, mas com explicações com o meu Avô comecei a gostar. Agora, no 9º ano, tinha notas decentes, mas se conseguisse estudar um bocadinho mais tenho consciência de que seriam brilhantes. Eu estava sempre a olhar para a Professora: sinto que tenho de estar ali na linha; agora. online. perdi o interesse.

     Há muito menos alunos a fazer perguntas do que presencialmente. Ontem, estava a entrar para a aula de EV quando  a minha Mãe estava a entrar na Escola e fiquei super-triste porque  soube que um dos melhores vigilantes vai-se embora.

Conversas na Oficina – MB9C

CAD em Isolamento – Preparando o Ano Letivo 2020/21

net tree

Image by Gerd Altmann from Pixabay  

  Aplicações a Manter no Trabalho do Novo Ano

   Uma aplicação que usamos agora, o Classroom, ajudou-me a aprender: há datas a dizer quando se deve entregar as tarefas, o que facilita a nossa organização.

   Quando vamos buscar material levantamo-nos; se usamos o Classroom no tablet, é mais rápido, a própria diversidade dos modos de realizar as tarefas, alternando entre o manual e o digital, torna o trabalho mais leve.

     O Google Slides dá muito jeito para preparar as apresentações: ajuda a dividir o que estamos a criar em partes pequenas e a descobrir como elas se ligam.

   Um outro aplicativo que comecei a usar mais foi o G-Mail, quando recebemos os e-mails dos Professores, a dizer “Muito bem” ou um link para uma aula, ou a marcar um trabalho…

Estratégias de Trabalho a Manter no Novo Ano

back to schoolImage par Oberholster Venita de Pixabay 

   Senti-me com mais atenção às aulas. Na sala tens muita coisa para distrair e aqui não, estás em casa. E já não existe aquela desculpa “Ah, não quero ir às aulas” – agora estamos sempre em casa.

   Gostava de continuar a receber mails dos professores, fazer os tpc com as minhas amigas, de continuar a trabalhar no classroom.

   Sugestão para Avaliações: o professor manda um anexo com uma ficha para fazermos, como nos formulários Google e nós depois fazíamos sozinhos.

Conversas na Oficina – CM6C

O Desafio Internacional de Blogs de Estudantes

Desfio Internacional de Estudantes

Image:m: The Students Blogging Challenge

     O Desafio de Blogs de Estudantes é um evento digital de amplitude Global que a Comunidade Virtual “Edublogs”, dedicada à causa da Educação,  promove a cada semestre, desde há cerca de 11 anos, reunindo milhares de Alunos de todo o mundo.

      A partir de 6 de Outubro, ao longo de 8 semanas, cerca de 1200 Estudantes de 23 Países, inscritos individualmente ou por Turma, pelos seus Professores, escrevem, gravam, ou filmam sobre um tema comum semanal.

       Ao mesmo tempo, comentam nos artigos publicados pelos Colegas, visitando-se entre países e continentes diferentes. Envolvem-se em conversas enriquecedoras e estabelecem laços duradouros de amizade. Aperfeiçoam a sua literacia digital  ao aprender a utilizar novas formas de comunicação colaborativa e de expressão criativa.

     Entretanto, uma equipa de Comentadores Voluntários visita os blogues que foram atribuídos a cada um, encorajando o trabalho dos estudantes e as múltiplas conversas que se vão entrelaçando nos comentários.

    Em 2008,  teve lugar o 1º Desafio Internacional – em que duas Turmas de 6º ano do nosso Colégio participaram – fundado por Sue Wyatts, uma Professora da Tâsmania, agora reformada, mas que continua a apoiar incansavelmente o Desafio nos bastidores, depois de entregar a sua gestão visível à Professora Primária Kathleen Morris

Desafio de 2019Comentador no Desafio de Blogs de Estudantes 2019

    Após anos de participação como Comentadora, a Oficina de Escrita do CAD participa, desta vez, a partir do próprio site, a fim de partilhar, com os nossos Alunos, esta experiência de viva camaradagem Global.

    Na verdade, cremos que ela contribui para abrir aos mais jovens um espaço seguro de partilha generosa e esboçar um Futuro mais aberto à confiança entre todos os povos.

OE 

Net Segura

net seguraAutor: Ollie Bray Tradução Livre Flickr.com CC-By-NC-SA

     Na aula de Português também temos TIC e a professora explicou que não devíamos entrar em determinados sites, a não ser recomendados pela Família ou Amigos. Isto faz parte das Regras de Segurança para navegar na Net.

    Vimos uma Animação em que um miúdo foi à Biblioteca e alguém lhe disse: 

    – Toma lá este endereço para jogar jogos grátis.

   Ele foi e afinal, era um Tablet de onde saltava um outro miúdo que avisava:

    – Cuidado! Isto pode levar-te a sites muito perigosos!

   O primeiro miúdo respondeu:

   – Eu tenho anti-vírus.

    Mas o miúdo do Tablet disse:

   – Tens de atualizar sempre o teu anti-vírus!

Conversas na Oficina – ZD5A

A Internet em Perigo

hacker da netImage parPete Linforth de Pixabay 

     A internet pode acabar qualquer dia, porque se os hackers fizerem dinheiro com os seus vírus, podem depois vir a acabar com os jogos e até com a própria internet.

       Se o fizerem, ficam cada vez mais fortes e ninguém os consegue parar; eles tornariam a internet insegura. As pessoas poderiam recomeçar a escrever em papéis e haveria mais roubos com chantagem como há agora online. As pessoas teriam de comprar alarmes e cofres para esconderem os seus documentos.

      Se acabarem com a segurança na internet, vão começar a haver mas roubos, até pessoas que se matam – por estarem sob chantagem.

     A internet é importante porque os ficheiros guardados nos bancos valem alguns milhares de euros. Se forem roubados, os ladrões ficam mais fortes, e o mundo entra em loucura, começa a haver mais suicídios.

     Já houve aviões que chocaram:  um bateu numa asa do outro e caiu em parafuso, até ao mar, e todos morreram.

    Desde quando caíram as torres que a Casa Branca está em perigo.

     Gostava de ser “ácaro” de uma empresa, como a GNR – tentar entrar em ficheiros que não se podem ler, mas se trabalhamos para a NASA ou para a Polícia Judiciária, ou para o Exército, não é crime.

     Os EUA foram atacados por um hacker; onde a minha mãe trabalha, parece-me que foram atacados; a minha mãe desconfiava que um ácaro entrou nos ficheiros da Central de Táxi.

Conversas na Oficina –  LJ6A

Web Segura, Videojogos, Cyberbullying

imagem de computador eirradiando cores sobre o mundo PixaBay PixaBay License

Comentário livre à sessão de Formação realizada pelo Dr. João Faria por um Aluno do 7ºB: 

Dependência da Web, Videojogos e Cyberbullying

     A progressão dos telemóveis evoluiu até chegar à geração dos smartphones; e cada vez vão evoluir mais até chegarem a substituir talvez mesmo funções vitais.

     Os ipads usam se nas escolas; o psicólogo pensou, primeiro, que os profes não os querem usar, mas ele disse depois, “vocês ainda não usam”, porque, na verdade, um dia, vamos usar.

     Quando perguntou quem tinha conta no Instagram – todos meteram o braço no ar. Então, perguntou se sabíamos com que anos podíamos ter essa conta: é apenas com 16.

     Devemos ter cuidado com o que pesquisamos no Instagram: podem enviar-nos pedidos para nos seguir e as pessoas podem ser mal- intencionadas.

    Em relação aos Jogos – foi dito que só devemos jogar duas horas por dia, ou estar nas redes socias apenas duas horas, no máximo; o excesso começa a fazer mal à saúde, pode provocar adicção:

  • Também podemos perder amigos;
  • Ter sentimentos tristes ou muito agressivos no jogo;
  • Ou até gastar muito dinheiro.

     Em termos positivos, o facto de jogarmos também nos permite desenvolver conhecimentos: 

  • Nome de armas;
  • Sítios nos planetas;
  • Nomes de planetas;
  • Nomes de livros;
  • Enfim, há jogos sobre tudo.

     Também há melhoria nas línguas: já joguei jogos russos, tive de meter legendas em inglês.

     Discutiu-se também o Cyberbulling – o facto criminoso de se enviarem vídeos sexuais a pessoas. Em casos desses,  devemos avisar logo um adulto, embora a maioria das pessoas a quem acontece isto tenha vergonha ou medo de dizer.

      Uma amiga minha tem uma pessoa que está a mandar mensagens por instagram e assina “Madalena the Freack” mas é uma pessoa desconhecida.

      Mas, por outro lado, podemos fazer novos amigos: no Fortnite, já joguei com crianças de França, dos EUA.

    Uma vez era um miúdo de seis anos com voz super fofinha e os irmãos. Eles pensavam que eu era um homem qualquer, mas deixaram-no jogar enquanto nos vigiavam.

     O Psicólogo explicou que os jogos estão a evoluir cada vez mais: quando o seu filho tinha dois anos e meio, deu lhe um comando da play station; ele agarrou-o e pôs as mãos na posição certa. Ou seja, os jogos estão pensados para uma pessoa, logo à primeira vista, adivinhar como deve fazer.

       Mas vimos uma  escola inovadora em que o professor tinha “uma coisa” com quadrados pretos e passou no ipad do aluno e apareceu no ipad em 3 D .

      Nessas outras escolas inovadoras vão percebendo funções do ipad,  funções que estão escondidas atrás.

     Há pessoas mesmo muito viciadas,  que ele também é psicólogo e conheceu um rapaz que dizia que ia à casa de banho, quando estava à mesa, mas  ele não tinha de fazer nada,  era só o medo de não saber as últimas novidades nas redes sociais.

      Com as pessoas a serem pressionadas pelas redes sociais no namoro, há mais dispositivos a dar dinheiro.

      Vamos falar à nossa Diretora que queremos que a nossa escola fosse mais desenvolvida .

    Eu acho que nós devíamos ter mais aulas criativas digitais e ter mais cuidado com o que fazemos na Web.

Conversas na Oficina – PC7B

Sites relacionados: Tristan Harris, Cal Newport – engenheiros da web e suas posições. Humanetech.com – site criado por Tristan Harris para apoiar a libertação de dependências online.