CAD em Isolamento – À Beira da Liberdade

Estes dias vividos…

Image par PIRO4D de Pixabay 

    Quando começamos a Quarentena foi difícil, porque nunca tínhamos experimentado uma coisa assim tão diferente.

     Ao início, pensava que não ia fazer aquele esforço para sair de casa, que ia ficar tranquila aqui, mas, a certa altura, comecei a ficar muito stressada e a querer sair de casa.

    Já saí algumas vezes, fomos comer pão com chouriço a uma rulote…

 Abrir os Braços às Férias…

unicórnioImage par Kaitlyn Millet de Pixabay 

    A Mãe e eu podemos ir para o jardim do prédio, fazer um bolo, dormir bem, sem limites, ver um filme na Netflix, desenhar e pintar, arrumar o quarto, regar as flores.

    (Um dia, estava sozinha e o Tobias subiu para cima das plantas e deitou um vaso abaixo…)

   Também posso gozar a companhia do Tobias, tentar fazer coisas novas, como por exemplo, andar a cavalo, criar um diário de recortes e ainda as sugestões da Mãe.

Por um novo ano letivo “digital-presencial”…

   Tenho expectativas : aprender Espanhol e Inglês; contar estrelas em Físico-Química na imensidão dos céus; aprender a desenhar e a pintar pessoas; receber feed back dos Professores; aventurar-me mais na escrita.

Questões que surgem no coração…

heartImage par Martin Eklund de Pixabay

    Por que é que nós estamos no Planeta Terra, se vamos morrer? Por que é que nós morremos? Para onde vamos?

     Quando estamos a ler um livro, pensamos que a pessoa está mesmo ao pé de nós…

 Aprendendo a Viver em situações sempre novas…

Image par Annalise Batista de Pixabay

     Enquanto estivemos aqui todo o tempo, poluímos muito menos; em vez de testes, tarefas: ficamos mais autónomos com as nossas tarefas e conseguimos aprender mais por nós.

    Se continuarmos aqui dentro, aprendemos e não poluímos, mas em vez de estarmos em casa fechados, podemos alternar com as aulas e ir à Escola para ver e estar com as outras pessoas.

     A máscara é sufocante, mas protege-nos à mesma.

 Criação Oral de Texto CM6C

CAD em Isolamento – A Verdadeira Vida na Aldeia

   boi com franja

Imagem de Pexels por Pixabay 

     É bom viver na Aldeia, na situação da Covid-19, porque há ar puro e muito espaço livre.

   A Aldeia dá-nos liberdade e alimento. A liberdade de fazer piqueniques no nosso terreno, brincar e correr.

ovelha e cordeiro

   Imagem de 272447 por Pixabay 

     Os animais, no campo, como porcos, coelhos, galinhas, ovelhas, estão ao ar livre, a correr, também podemos caçar javalis, perdizes e lebres;  aquilo que criamos, ou vendemos ou comemos.

  Na Agricultura, tem de se trabalhar no duro para sobreviver; também fazer as nossas próprias cabanas e engenhocas.

cebolasImagem de Couleur por Pixabay 

  Já plantei feijão, tomate, pepino, abóbora, melancia, batata, cenouras, alface  couves e alho.

   No ritmo dos dias na Aldeia, o trabalho é intenso, mas tranquilo porque se ouvem os pássaros a cantar e às vezes, temos que acordar ás sete e despegar às sete da tarde ou oito da noite, já com o sol a pôr-se numas nuvens laranja.

hortaMuséum de Toulouse

  Na Aldeia há muito convívio, como por exemplo, se alguém nos ajudar, nós, em troca, damos almoço, lenha ou outros mantimentos.

   Também se conhecem uns aos outros exceto os mais pequeninos. 

   Por isso é que as Aldeias têm que ser respeitadas e estimadas.

TS6D

A Magia do Ténis

ténisFlickr.com Max Elman

    Se pudesse, eu inventava a magia: isto seria, claro, nos desportos, mais no Ténis. O Ténis é o meu Desporto preferido.

    Se me dissessem para eu escolher uma magia, eu iria escolher a magia do Ténis: no Ténis, jogavam todos muito bem, mas eu ficava com uma magia que ganhava a toda a gente.

     Como eu jogava bem, dava sempre os passos que eram precisos para bater na bola, levava a raquete sempre até onde já não pudesse.

    Tinha muita técnica: amortis, uma bola curta, bola comprida, fazê-la correr, meter sempre a bola onde eu queria e os serviços fabulosos!

     A Portuguesa Michelle Brito ganhou à Maria Sharapova, que é a melhor do mundo! E eu, se lutar, posso ganhar a muita gente!

    Já fui a torneios internacionais e nacionais, A, B e C: o C é torneios nacionais em Lisboa; B – torneios nacionais mais perto de Cascais; A – torneios nacionais longe, como no Porto, por exemplo. Nos Internacionais, ainda só consigo jogar C, como ir a Madrid.

    Há algum tempo, fui a Madrid; perdi na primeira ronda contra uma holandesa; fui depois ao quadro B e perdi com uma espanhola nas meias finais. O quadro B significa que, quando uma pessoa perde a primeira ronda, tem uma segunda oportunidade para jogar e até pode chegar a ganhar taças.

    Lembro-me de uma jogada fabulosa que até me surpreendeu: um smash contra o Francisco B!

Adoro Ténis.

70 Anos CAD – Criação Oral de Texto LR de P, 6B 2013/14

Uma Festa Inédita

Image by Free-Photos from Pixabay 

     Se eu criasse uma Festa nova, eu chamava-a “O Dia dos Amigos”.

     Seria no dia 11 de Setembro. Às 10 da manhã iríamos todos para o Parque da Gandarinha e, depois, para o Cascais Shopping.

     À noite, íamos dormir todos para a Praia, em tendas, e tínhamos uma fogueira acesa.

     Ficávamos todos a falar. Comíamos marshmellows e dávamos imensas risadas!

     Sentados na areia, à volta da fogueira, com o céu escuro mas cheio de estrelas, sempre lindo.

     Estava calor, o mar liso e calmo, tão bom! E nós tranquilos, a ouvir o mar e a conversar sem fim!

MM6D

Definir uma Rota

     bayler convés e mar

     Image parPexels de Pixabay 

    Algo que gostei muito de fazer, no Passado, foi ter andado no barco, ter ajudado o meu Pai a bordo, compreender como funciona a bússola e a sonda, que indica a profundidade ou a proximidade de objetos.  Para ajudar o meu Pai, tive de prestar atenção, tentar fazer o que ele ensinava. 

     No Presente, estou bem, mesmo sem grandes coisas. Tive 90% na Ficha de Ciências e 72% no Teste de  Matemática. Para isto tenho precisado de estudo, concentração, dar o melhor que sei, acreditar que eu consigo, que não é difícil e que vou ter uma boa nota. É isto que devemos pensar para obtermos resultados e empenharmo-nos no estudo. 

    No Futuro, espero ter uma boa casa, um trabalho de que eu goste, um carro, um barco e uma mota. Sei que a gasolina é cara, mas vou comprar um barco um bocadinho melhor que o do meu Pai, que é um semi-rígido. O meu vai ser um Bayler Capri, que é rígido. 

    Semi-rígido é insuflável, isto é, pode ter a parte de baixo insuflável ou dura. São barcos brancos; nos rígidos a camada é dura, são barcos brancos. Os que têm boias são semi-rígidos. São mais baixinhos de lado, parecem mais uns chouriços; alguns, como o do meu Pai, podem ser pretos ou cinzentos. 

  Tenho de ter um bom trabalho, empenhar-me, trabalhar, para conquistar estes objetivos. Quem me dera que o dinheiro nascesse das árvores!

   Ainda não sei a profissão que quero ter. Por exemplo, ser Pescador tem uma coisa ou outra de que não gosto. Para ser pescador é preciso estar dia e noite no mar e às vezes, não fazemos quase nada. Mas prefiro ser eu a apanhar os peixes, a fazer as coisas  e que o que eu fizer continue a ser um desporto e uma diversão.

    Por exemplo, ser Piloto ou comandante, estar dias e dias dentro de um barco sem me mexer, não é a minha cena. Meses sem ver a Família? Não, não é para mim. 

   Ser militar, recebe-se mal. Não, não vou ser mesmo militar. 

   Já pensei em fazer como o meu Pai, ser Professor de Educação Física; não é mau, mas não é muito bem pago. Quero pegar na Colónia de Férias do Pai e dar-lhe continuação; no Natal, por exemplo. As 4 semanas que o Pai faz no Verão esgotam logo. Em cada semana vão 45 a 46 miúdos e o autocarro não tem espaço.

    Gostava de continuar no Clube Estoril Praia; peço a Patrocinadores para virem trabalhar comigo, num bom barco. Faço os mesmos patrocínios, como na Ford, em que nos emprestam carros. Fomos ao Gerês com uma carrinha de nove lugares.  Há Patrocínios que gostaria de continuar e outros novos. A Páscoa é para a Família e no Natal, faria duas semanas, não mais e fora das Festas.

Conversas na Oficina – ZD5A

Férias no Campo

campo de abóborasPexel.com

     Na minha primeira semana de verão estive a ajudar os meus avós a tratar do Gado, a regar a horta, a carregar lenha do moinho, a carregar sacas de farinha de 30kg, a cozer o pão.

     Nas duas semanas seguintes, estive a trabalhar para a minha madrinha e o meu padrinho.

     Primeiro, estive a cortar erva para os bois: apanhamos um reboque cheio.

     Fomos plantar abóboras e beterrabas, carregar farinha para cozer pão, lavar os parques do bois: eu estava lá dentro dos parques com o pau a enxotá-los para não saírem enquanto a máquina limpava o esterco.

     Nas melhores noites no campo, andava no trator à noite, trabalhava à noite, por exemplo: “esparrar”, porque está fresco. Ou ia brincar com os primos às apanhadas e passear até S. Martinho; à noite ia à feira de S. Bernardo.

    Ser agricultor é ter uma vida ocupada e bonita, temos muito espaço para brincar e ganhamos muito dinheiro, o ar é mais puro, temos  muitas tarefas para fazer e nunca paramos, só à noite, às vezes às 9 h 30 ou 10h 45.

TS6D

10º Ano – Perspetivas

steve JohnsonAutor: Steve Johnson Unsplash.com

     Ano Novo, Etapa Nova. O 10º ano é um ano diferente, tudo muda. Ainda não estou preparada para mudar espiritual e mentalmente.

     O 10º ano exige uma grande mudança. Em 3 meses temos de crescer e de refletir sobre o nosso Futuro. Todas as nossas decisões preverão o Futuro.

      Artes é o meu futuro Profissional. Sempre foi e sempre será a minha Paixão. Ajuda-me a expressar os meus sentimentos e, cada vez que desenho, quero desenhar cada vez mais. É como um vício, um bom vício.

Junho/19

     Cheguei, finalmente, cheguei!

     Artes é uma Paixão, criatividade é a inteligência a divertir-se! Até ao momento tem sido uma experiência inesperada e realmente fascinante.

     As aulas não são aulas tradicionais, aborrecidas e desmotivantes; são aulas construtivas e cheias de luz projetada na folha de papel por desenhar.

     A partir de agora, o Futuro é o meu foco. Qualquer ação irá definir o meu Destino de uma maneira precisa ou vaga.

      Qualquer decisão definirá o meu rumo profissional e pessoal, o que me irá ajudar a criar uma mentalidade aberta  e mais realista.

       Que o 11º Ano seja outro Ano que me ajude a crescer e a tornar-me o meu “Eu” ideal!

Outubro/19 –  IM