Definir uma Rota

     bayler convés e mar

     Image parPexels de Pixabay 

    Algo que gostei muito de fazer, no Passado, foi ter andado no barco, ter ajudado o meu Pai a bordo, compreender como funciona a bússola e a sonda, que indica a profundidade ou a proximidade de objetos.  Para ajudar o meu Pai, tive de prestar atenção, tentar fazer o que ele ensinava. 

     No Presente, estou bem, mesmo sem grandes coisas. Tive 90% na Ficha de Ciências e 72% no Teste de  Matemática. Para isto tenho precisado de estudo, concentração, dar o melhor que sei, acreditar que eu consigo, que não é difícil e que vou ter uma boa nota. É isto que devemos pensar para obtermos resultados e empenharmo-nos no estudo. 

    No Futuro, espero ter uma boa casa, um trabalho de que eu goste, um carro, um barco e uma mota. Sei que a gasolina é cara, mas vou comprar um barco um bocadinho melhor que o do meu Pai, que é um semi-rígido. O meu vai ser um Bayler Capri, que é rígido. 

    Semi-rígido é insuflável, isto é, pode ter a parte de baixo insuflável ou dura. São barcos brancos; nos rígidos a camada é dura, são barcos brancos. Os que têm boias são semi-rígidos. São mais baixinhos de lado, parecem mais uns chouriços; alguns, como o do meu Pai, podem ser pretos ou cinzentos. 

  Tenho de ter um bom trabalho, empenhar-me, trabalhar, para conquistar estes objetivos. Quem me dera que o dinheiro nascesse das árvores!

   Ainda não sei a profissão que quero ter. Por exemplo, ser Pescador tem uma coisa ou outra de que não gosto. Para ser pescador é preciso estar dia e noite no mar e às vezes, não fazemos quase nada. Mas prefiro ser eu a apanhar os peixes, a fazer as coisas  e que o que eu fizer continue a ser um desporto e uma diversão.

    Por exemplo, ser Piloto ou comandante, estar dias e dias dentro de um barco sem me mexer, não é a minha cena. Meses sem ver a Família? Não, não é para mim. 

   Ser militar, recebe-se mal. Não, não vou ser mesmo militar. 

   Já pensei em fazer como o meu Pai, ser Professor de Educação Física; não é mau, mas não é muito bem pago. Quero pegar na Colónia de Férias do Pai e dar-lhe continuação; no Natal, por exemplo. As 4 semanas que o Pai faz no Verão esgotam logo. Em cada semana vão 45 a 46 miúdos e o autocarro não tem espaço.

    Gostava de continuar no Clube Estoril Praia; peço a Patrocinadores para virem trabalhar comigo, num bom barco. Faço os mesmos patrocínios, como na Ford, em que nos emprestam carros. Fomos ao Gerês com uma carrinha de nove lugares.  Há Patrocínios que gostaria de continuar e outros novos. A Páscoa é para a Família e no Natal, faria duas semanas, não mais e fora das Festas.

Conversas na Oficina – ZD5A

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.