O Dia em que as Cores surgiram nas Flores

flores coloridas de diferentes espécies dispostas em círculo

     Commons Wikimedia Atribuição: CC0 Share Alike 4.0 International

      A Floresta, antes de ser encantada, não era monótona, pois todas as tonalidades de verde e de castanho enfeitavam a espessura dos arbustos e a folhagem dos ramos sussurrantes. Mas faltava-lhe a magia do Arco-Íris, a beleza misteriosa que, com sete cores simples, multiplica os tons da Vida até ao infinito.

     Numa noite com muitas estrelas, nas clareiras junto da Floresta, havia muitas flores, só que as flores eram brancas, não tinham cor. Nessa noite aconteceu um milagre: caiu um pozinho estelar sobre umas flores e, de repente, ficaram todas coloridas.

     Pela noite estrelada, um bando de renas apareceu perto de uma clareira da Floresta, a ver se já tinha brotado algo para comer.

    Quando se aproximaram das flores, um estranho milagre tinha acontecido:

     Algumas flores ficaram com as pétalas enroladas e ganharam uma cor rosa: o nome da flor tornou-se ROSA. Umas ficaram como arco-íris e azul-marinho  em forma de onda e chamou-se MAR. Uma tulipa em forma de sino lilás, tornou-se o SININHO; o malmequer, em forma de abelha amarela, tão gira, tornou-se a ABELHINHA.

     As renas viram, pela primeira vez, as Rosas, que eram cor de rosa, de pétalas enroladas; as Margaridas, que eram brancas e laranja, tinham a forma das saias das bailarinas quando estão a fazer piruetas; as Begónias rosadas, brancas e vermelhas, lindas, com a forma de um coração.

      As renas adoraram o cheiro das flores: as Rosas cheiravam a chupa-chupa; as Margaridas cheiravam a laranja e as Begónias a chocolate.

       As renas ficaram espantadas com todas aquelas cores fantásticas e brilhantes. A partir daí, todos os seres da Floresta Encantada começaram a irradiar alegria.

CG6B, LM6A, OE

    

A Menina das Estrelas – Um Conto de Natal

PixBay Atribuição CC0

     Na noite de 24 de Dezembro – véspera de Natal – à frente da minha janela, apareceu uma rapariga de pele roxa, cabelos azul turquesa, olhos cor de esmeralda. Ela parecia assustada.

     Depois de esfregar os meus olhos, perguntei: 

        – Estás bem?

      Ela respirou fundo e disse com uma voz estranha: 

     – Não, eu não sei o que se passa. Estava a passear pelos planetas, até que vi o vosso e vim por curiosidade. Por que há tantos brilhos, luzes, árvores enfeitadas e música?

      Eu, a tentar acalmá-la, expliquei: 

      – Porque hoje é Natal. 

      – O que é o Natal?  – perguntou a menina.

       Eu, espantada, exclamei: 

       – Tu não sabes o que é o Natal? O Natal é a Festa de que eu mais gosto no ano. É o dia em que tu juntas a tua Família e Amigos e fazem uma Festa cheia de risos, magia, canções e convívio: celebramos o nascimento de Jesus!

      Além disso, vocês trocam presentes com a vossa Família.

      A menina, depois de ouvir o que eu disse, falou:

     – Ah, Ok. Obrigada! Agora vou voltar para minha casa e contar isto tudo no “Jantar da Liberdade”. É parecido com o vosso Jantar de Natal.

     E lá foi ela, a voltar para casa, voando por entre as estrelas.

     Ela até me deu a morada, mas eu disse que só podia ir visitar em 2072. Espero que, quando chegar esse dia, já existam carros voadores que me levem tão longe.

LM6A