Bunny, o Peluche

   

     Eu tenho um lindo peluche que é um coelho muito fofo, do filme do Bambi; ele é beje, branco, rosa e roxo e tem um pompom.

   Quando eu o recebi, era mais nova; fui à loja da Disney e, na entrada, havia um senhor com um peluche na cabeça e eu disse à minha mãe que queria aquele. Ela respondeu que eu tinha de ver primeiro a loja toda e depois escolhia.

   Quando terminei de ver a loja, eu disse que queria mesmo aquele e então, compramos.

   Eu gosto muito desse peluche, porque foi a minha avó que me deu o dinheiro e, quando fui de férias a Nova Iorque, comprei-o, mas, alguns anos depois, a minha avó acabou por morrer. E eu levo-o para todas as minhas viagens.

Escrita Autobiográfica – Histórias de Vida – MLC6C23-24

50 Anos CAD – A Minha Paisagem

     

Image by Anthony Arnaud from Pixabay

     É uma manhã de Domingo, sente-se uma pequena brisa de Outono que entra pela janela aberta do meu quarto.

   O céu está escuro, coberto por nuvens que encobrem o sol, impedindo que a luz, que geralmente ilumina o meu quarto, seja visível hoje, ao contrário dos dias anteriores, cheios de sol.

   Se me fosse pedido para fazer esta descrição há dois anos atrás, tudo seria diferente! A paisagem que então contemplava era um campo verde, repleto de árvores e flores. Eu até conseguia ver o mar! Mas voltando à realidade dos dias de hoje, a minha paisagem mudou. Quando eu olho para baixo, consigo observar a garagem dos meus Pais e a dos meus vizinhos. Em frente às garagens corre uma pequena estrada sem movimento onde eu e o meu irmão costumamos brincar.

     Olhando em frente, vislumbro alguns prédios em construção que, infelizmente, me tapam a vista para o mar. Junto a estes prédios ainda a construir, encontram-se outros concluídos há pouco tempo, e que se começam a encher de novas famílias que chegam para lá viverem. Perto, aparece um terreno onde crescem ervas desordenadas. Um dos prédio chama-me a atenção, pois no útltimo andar abre-se um terraço enorme, cheio de flores e arbustos parecendo uma estufa.

    Muitas vezes, quando estou à janela, distraio-me a apreciar um gato preto que gosta de passear no parapeito do quarto andar desse prédio em frente, o que me tem causado alguns sustos, pois estou sempre a pensar que ele pode cair.

    Ao longe, consigo admirar algumas vivendas com os seus terraços grandes cheios de bicicletas, bolas e outros brinquedos que não consigo ver bem o que são, mas que me mostram que lá vivem crianças, pois consigo ouvir as suas vozes de contentamento enquanto brincam umas com as outras.

   Por detrás das vivendas consigo observar alguns pinheiros que conseguiram resistir a esta invasão de prédios e obras. Hoje, como é Domingo, não se ouve o barulho das obras que normalmente me rodeia, mas que, felizmente, tem vindo a diminuir.

    Neste momento, já estou habituado a esse som de máquinas e pessoas a trabalhar, mas ao princípio custou um pouco, pois o meu quarto antes debruçava-se obre um campo verde e a única coisa que se ouvia eram os sons próprios da natureza.

    O que continuo ainda a ouvir por vezes é o ladrar de alguns cães, vindo de casas situadas à esquerda do meu prédio. Quando estou á janela e olho para a direita, distingo a janela do quarto do meu irmão e outros prédios já mais antigos.

   Gostava que a minha paisagem fosse a mesma de antigamente, quando eu conseguia contemplar o mar ao longe e os campos ainda eram verdes e cheios de flores de várias cores. Quando eu estava à janela, sentia-me no meio da Natureza.

50 Anos CAD – Inesquecíveis Alunos – 2005/2006  Rodrigo Veloso 

 Pintor em Nova Iorque

Dia Mundial da Bondade – 13 de Novembro

Image by Md Abdul Rashid from Pixabay

     O Dia Mundial da Bondade celebra-se em todo o Mundo, a 13 de Novembro, desde que nasceu o Movimento Mundial pela Bondade, em 1998, em Tóquio. O objetivo desta festa é sensibilizar as pessoas para o sentido da Bondade que espontaneamente floresce nos corações humanos que, como disse Shakespeare, “beberam o leite da ternura humana”.

  Atualmente, muitas centenas de Escolas de diversos países se organizam para viver este dia ao sabor da criatividade inesgotável e da bondade natural das crianças e adolescentes.

   Em harmonia com estas iniciativas, os Alunos que participam nas oficinas de escrita têm contribuído com as suas incomparáveis sugestões, alargando o alcance dos atos de Bondade para além do círculo da sua faixa etária, com a oferta de uma imensa variedade de propostas adaptadas aos seus professores e aos seus Pais. 

    O intencional exercício de uma genuína compaixão ou um gesto de inventiva empatia  podem libertar energias ocultas no coração humano cuja vocação primeira é estar ao serviço do Bem, como se demonstra de forma liminar no bom-humor deste vídeo: 

 

Olhar+: Iluminar – Novembro 13 – Dia Mundial da Bondade Alunos e OE

O Amor de Desenhar II

Gentileza da Autora Jy7a23-24

     Com zero anos, até agora, eu sempre me ajudei e adoro o meu rosto, a minha letra, a minha família, os meus desenhos, os meus amigos, os meus pensamentos, a minha casa… adoro tudo!

     Antes, eu odiava fazer “sketch”, eu só queria fazer uma coisa em que fosse capaz de fazer muito bem. Antes, eu adorava desenhar princesas e ainda adoro desenhar, só que o “sketch”, para mim, é muito difícil! 

   Mas não desisti, continuei a treinar até agora e consegui fazer desenhos bons de que eu gosto muito! 

   Um dia, fui mostrar um dos meus melhores desenhos à minha professora e ela ficou surpreendida; disse que eu desenho melhor do que alguns alunos mais velhos! Fiquei muito feliz, tão feliz que até chorei. Finalmente, cumpri os meus objetivos! 

    Mas esta história não acabou; eu vou sempre esforçar-me e cumprir os meus novos objetivos, pois sempre adorei desenhar! 

Escrita Autobiográfica – Objetivos de Vida – JH7A23-24

A Natureza no nosso Parque

cadescrita

      A Natureza, para mim, é bonita e tem cores maravilhosas.

     Costumo passear ao ar livre e sentir a frescura do vento. Gosto de apoiar a Natureza, porque posso dar mais vida à Terra; também posso plantar plantas e tenho duas gatas e um gato.

     O Parque Carmona é um dos refúgios da Natureza em Cascais: aí , no lago, logo à entrada e perto da estátua, vejo galinhas, patos, tartarugas, pavões, e muito mais. Até observo os pássaros, nas árvores, no lago, a cantar à Natureza!

   Também já fui a um evento de Natal, muito giro e tenho saudades de andar por lá.

Escrita Autobiográfica – A Natureza – BR6C23-24

Melhores Lembranças de Viagens

Image par 31774 de Pixabay

     No verão de 2023, fiz um cruzeiro com a M. e fui à Grécia, Itália, Montenegro e Croácia. Ia ao bar e recebia bebidas grátis, a M. recebia uns puzzles que eram ímanes e nós íamos à água e brincávamos ao peixe M.1 e ao peixe M.2.

Image par Ibrahim Asad de Pixabay

    No verão de 2019 fui às Maldivas com a V. Ela não sabia que ia viajar comigo: foi uma surpresa! Sempre que os outros iam mergulhar, eu e a L. – irmã da V. – íamos brincar para um coração, construído em areia, onde os caranguejos não entravam. Depois, quando voltávamos, eu e a L. parecíamos uns croquetes!

Image par Walkerssk de Pixabay

     Em janeiro de 2020, fui às ilhas Seychelles e, quando entrei no hotel, deram-me um urso de peluche com uma t-shirt com o nome do hotel. Aí, havia um cão e um gato que eram as mascotes do hotel; eram muito fofos e o cão ficava na beira da piscina.

Image par -Rita-👩‍🍳 und 📷 mit ❤ de Pixabay

     Em abril de 2019, fui a Nova Iorque e comprei a minha Bunny de peluche! Apanhei várias temperaturas como frio, muito frio e quente, muito quente. Uma vez em que estava a lanchar com a minha Mãe, pedi umas panquecas; eu pensei que eram uma ou duas, mas afinal era uma torre com dez panquecas!

     Eu gostei muito destas viagens, porque, para mim, foram as de que tenho as melhores lembranças.

Escrita Autobiográfica – Viagens – MLC6C23-24

Situações Inspiradoras

Image par Gordon Johnson de Pixabay

      O que me faz voar é jogar futebol no Estoril-Praia. Sinto-me inspirado quando brinco com os meus amigos S. V. e V. e quando leio comédias. 

   Eu fico inspirado quando vejo jardins e flores para desenhar; também fico inspirado quando vejo poemas de amor. Gosto de brincar e divertir-me; eu nunca fico sem imaginação.

VHC5A23-24

     Em mil Fontes, passeei e fui à praia com os meus Avós e tios: corri, saltei e brinquei  com o meu primo. Li um livro sobre o Alentejo com a minha Avó e estive em Família, a jogar, nos meus anos.

FV6C23-24

     O que me inspira é quando vou brincar com os meus cães para o jardim; o meu cão Bock é um Labrador e o meu cão Hulk é um Jack Russell. Fazem-me feliz; vou para o jardim sempre que me sinto em baixo, e, se me sinto triste, e estiver a chover, eu fico dentro de casa com a minha cadela Tokyo. Ela é muito divertida e atira a bola com o focinho se ninguém lhe der atenção. 

MC7D23-24

     O que me inspira é estar com a Família e os Amigos. O que me entusiasma é jogar futebol sozinho ou com os meus amigos; gosto mais de ser guarda-redes, as minhas equipas favoritas são o Benfica e o Estoril. 

MM6A23-24

     A   situação que me inspira é estar a sonhar e a brincar; aprende-se muita “coisa” com isso. E não só se aprende, há tantas “coisas” além disso, que nos tornam felizes! Eu adoro brincar e estar com os meus amigos. Os meus anos são o dia mais feliz da minha vida!

MC7D23-24

     Uma situação inspiradora pode ser muito ou pouco, como, por exemplo, tirar uma garrafa de plástico do mar e até colocar o lixo no lugar certo; mas, se realmente se quiser inspirar “o Mundo”, então crie uma empresa de reciclagem ou vá numa missão em África.

MC8C23-24

 

Prova de Vela em Viana do Castelo

Image par 512893 de Pixabay

      No primeiro dia em que eu fui para Viana, ia com o meu Clube de Vela; durante a Viagem para o local onde acontecia a prova, estava muito frio, logo eu apanhei uma constipação.

   No segundo dia em Viana do Castelo, as regatas começaram, mas com muito pouco vento, por isso, o meu grupo de regatas não conseguiu fazer nenhuma. Só às 16h é que mandaram o “Alpha” (1) e o nosso Grupo ficou muito contente, pois estávamos  a apanhar “uma seca”.

   À noite fomos comer umas deliciosas febras a um restaurante chamado “Foz do Lima”.

    Já no terceiro dia, nós conseguimos fazer regatas, mas agora, fora da barra (2), onde estava muita ondulação; mas eu não enjoei, pois o nosso treinador, chamado Pedro Bolina, avisou a minha equipa para levar comprimidos de enjôo.

    Quando acabamos o dia, tivemos de arrumar os barcos no atrelado, para os levarmos de volta ao Barreiro. No final, aconteceu uma Festa enorme para os vencedores e para as pessoas que participaram.

    O mar é uma aventura muito grande , pois estamos no meio do nada e não se sabe o que pode acontecer; eu tive algum medo, pois estava muita ondulação. Às vezes, o mar, para mim é um momento de paz e de retrospeção interior.

(1) – Bandeira utilizada para indicar que podemos ir para terra.     

(2) – Lugar onde pára o mar para a ondulação bater na barra. 

Escrita Autobiográfica – Desporto favorito – MA8C23-24

O Que Traz a Chuva

Image par Avelino Calvar Martinez de Pixabay

     A chuva traz a vida, a felicidade e a tristeza, o amor e o ódio. Traz cores e a escuridão, a brincadeira e a meditação.

    A chuva traz a vida da Natureza, espalhando e reutilizando a água; assim, ela faz o mundo ficar colorido como nos contos de fadas; mas é pena que as pessoas a achem triste, pois toda a gente fica “preso” em casa, já que não se querem molhar.

    Porém, alguns gostam da chuva: abrindo um sorriso na cara, eles vão a correr, brincar e pular nas poças d’ água.

  A chuva traz o amor, unindo famílias para ficarem em casa, em convívio, seja debaixo dos cobertores a ver filmes, seja a fazer tarefas domésticas em conjunto; traz o amor, dando um motivo de brincar e de se molhar em família, criando momentos inesquecíveis.

   A chuva traz ódios, atrapalhando o progresso do dia, molhando as várias coisas e escurecendo logo o momento em que eu me ia bronzear.

   Mas para alguns, a chuva traz energias negativas, é um peso na alma, criando assim um momento perfeito para meditar e filtrar essas energias.

     A chuva é, afinal, o que cada um quiser fazer dela.

Escrita Livre – Variações sobre a Chuva – MC8C23-24

Irmã Natureza

Image by Juni Kang from Pixabay

     Quando estou sozinha, a Natureza acalma-me, com o vento a bater-me na cara.

    Todas as paisagens me envolvem; todas são diferentes, por isso todas são belas! Mas se quiserem mesmo que vos conte sobre a minha paisagem favorita, foi uma paisagem cheia de pinheiros, com uma vista linda para o mar.

     Na verdade, não cheguei a dizer ainda a minha opinião sobre por que é que a Natureza existe. Acho que a Natureza existe para as pessoas, quando estão nervosas ou tristes, e andam de um lado para o outro, chegam a parar só na Natureza. Essas pessoas olham para as lindas paisagens e sentem o vento na cara; elas acalmam-se de imediato e relaxam durante algum tempo.

     E é por isso mesmo que eu gosto da Natureza.

Escrita Autobiográfica – Natureza – LR6C23-24

O Que Constrói A Minha Vida

Image par Johnny Gunn de Pixabay

    Olá, eu sou a M. e adoro Desporto! 

     Há  9 anos que faço natação e já fui a imensos campeonatos com a Escola; estou nos mais avançados e o meu professor é o meu Pai.

     Também jogo vólei e faço teatro. Eu faço qualquer desporto, é a minha vida, mas a amizade, o amor e as séries de drama amoroso, completam a minha vida.

       Quanto aos vídeos do Tiktok e do Instagram, os pais muitas vezes nos dizem:  “- Parem!” Mas são formas de nos comunicarmos e nos elogiarmos uns aos outros, como os Pais no Facebook.

Escrita autobiográfica – MC7D23

 

Como Lidar com a Exigência

Image par 愚木混株 Cdd20 de Pixabay

      Existem diversos tipos de exigência: 

      • Exigência muito rigorosa –  é muito abusiva e demasiado feia, porque uma exigência também não precisa de ser rigorosa, deve ser moderada.
      • Exigência “tipo tropa” – toma o domínio sobre o nosso corpo inteiro, permanece em vigor até morreres e também não faz muito bem à saúde, pois podes ficar muito ansioso e isso é mau. Digo isto porque sofro de ansiedade e sei o que isso é.A exigência de “tropa” podia ser mais calma: quando faço uma coisa, não preciso que alguém grite comigo, pois nesse caso, fico muito nervoso e passo muito mal. Além disso, quando estou a fazer algo, sei que consigo, não desisto e acredito que vou ter sucesso: este é o meu pensamento positivo.
      • Exigência mais tranquila – esta é a melhor exigência que há, porque não ficamos tão nervosos como com a anterior. Esta exigência é uma paz de alma, porque não gritam de modo muito bruto connosco; o grito desta exigência é mais sereno do que as outras que referi há pouco.
      •  Esta exigência permite-nos mostrar mais os nossos conhecimentos; quem a transmite é uma pessoa mais tranquila; quando a recebemos, também nós devemos transmiti-la às outras pessoas.

JB7C23-24

“Cruzinho” e “Teddy”, os Ursos Amigos

Image par Alexa de Pixabay

     O meu Peluche chama-se “Cruzinho” e recebi-o no hospital onde nasci, que se chama “Cruz Vermelha”; como ele é pequenino, chamei-lhe “Cruzinho”.

    Quando eu for adulta, vou guardá-lo e dá-lo aos meus filhos. Levo-o sempre comigo nas viagens e nos passeios.

    Também tenho um urso de peluche enorme, que se chama Teddy; ganhei-o nos meus anos.

   O Cruzinho é um urso pequenino, castanho e o Teddy é um urso grande, castanho e eles ficam sempre no meu quarto. A carinha deles é muito fofinha. Às vezes, eu ponho as minhas T-shirts no Teddy e cabem-lhe.

   O significado deles, para mim, é segurança e sorte; por exemplo, dão-me sorte nos testes!

 Escrita Autobiográfica – Memórias de Infância – LB6C

Desporto, minha Vida

Image par G.C. de Pixabay

     O Desporto é a minha vida – e a vida de muita gente. Quando estou triste, só me apetece fazer desporto ou estar com os meus cães. O meu bem-estar só funciona quando estou com desporto; gosto de todo o tipo de Desporto: ténis, padel, surf, vólei, basket, baseball, football: o Desporto faz-me feliz! 

     Ténis – é o melhor desporto do mundo! Foi o primeiro que apareceu na minha vida  e já o jogo há nove anos.

     Comecei Padel há dois anos, com amigos; pratico só de vez em quando, ainda não estou inscrita em aulas; estou a achar que é giro e terapêutico. 

    Surf é um desporto que exige muita força e em que eu estou há cerca de 5 anos; a escola chama-se Shorebreak e as minhas praias preferidas são as da Costa, Carcavelos, Torre…

     Só estou há um ano no Vólei, e divirto-me muito porque estou com as minhas amigas, no Estoril-Praia, que joga cá na Escola. 

     Basket é um desporto que só aprecio jogar durante as aulas de EF, porque estou com amigas e me divirto a jogar na equipa delas. 

     Futebol é um jogo em que só participo nas aulas de EF, no qual se corre muito e eu adoro correr. 

    Resumindo: DESPORTO é a MINHA VIDA – e ninguém me pode dizer o contrário .

Escrita Autobiográfica – O que Me Inspira –  MCC7A23-24

75 Anos CAD – Ao Professor -7

Transformação de: Image par Myriams-Fotos de Pixabay 

       Durante as JMJ, no seu encontro com os jovens Universitários, a 3 de Agosto, o Papa Francisco recordou a iniciativa do Pacto Global, com os setes princípios que o estruturam, e insistiu: “Convido-vos a estudar o Pacto Educativo Global, a apaixonar-vos por ele.”

   A exortação do Papa traz, aqui, alguma ressonância, à interpelação do nosso Antigo Aluno Bruno, que, em 1995, lançava já os desafios da sua própria “aliança educativa” com a missão do Professor. 

     A Pessoa no Centro

     A iniciativa surge do próprio Aluno, que se adianta, inaugurando uma relação pessoal, colocando-a no centro do processo:

– Contigo..

    Apresenta então o seu projeto pessoal, enquanto protagonista da sua própria decisão:

– Vou aprender.” 

      Destaca a excelência dos objetivos de Aprendizagem que motivam a sua determinação, nada menos do que:

… Coisas maravilhosas“.

    No espírito do Pacto Educativo, serão … novas formas de conceber a política, a economia, o progresso”, para os colocar ao serviço da pessoa humana, o que obriga a “rever os currículos e os planos de estudo“.

  Serão as “ideias inovadoras” a poder tornar “maravilhosas” as “coisas” que se oferecem à Aprendizagem. 

     Para o Bruno, parece fazer parte integrante do maravilhoso a sua utilidade para o futuro:

– Que vão servir para o meu Futuro.

      É também a atitude de um discípulo disposto, na sua expectativa exigente,   a entrar numa relação de “escuta paciente”:

– Ensina-me.

  De onde decorre o otimismo confiante de que a sua atitude acolhedora dará fruto:

“- E eu aprenderei.”

       A convicção de que a relação ao Outro é incontornável torna-se uma questão vital no coração daquele que se adianta para pedir:

– Ajuda-me“.

    Finalmente, o sentido de que o dom gratuito suscita a gratidão torna possível reconstruir “o tecido das relações fraternas”, valor supremo que anima toda a dinâmica do Pacto Educativo:

E eu dir-te-ei: Obrigado.”

Com o Bruno – 1995, o Pacto Global e JMJ 23

– Partilha de Inspirações – OE

Olhar+: Focar-se II

Gentileza de Bing IA da Microsoft

    Estratégias simples para ajudar a manter a atenção concentrada ao longo das exposições, durante as aulas:

           Por parte do Professor:

      • fazer pausas regulares na exposição, intercalando-a com atividades – exercícios, partilha de pares, tempo de questões –  para os Alunos poderem processar  concretamente os dados que estão a interiorizar.

         Por parte dos Estudantes:

      • evitar ativamente distrações como telemóvel ou conversas paralelas, pois podem levar a perder o foco do conteúdo em exposição;
      • participar ativamente na aula, fazendo perguntas ou comentários;
      • fazer  anotações rápidas, para seguir melhor as articulações entre as etapas da exposição.

Texto sugerido por Bing IA da Microsoft e elaborado por OE

Slava Ukraíni

Image par Tetiana Garkusha de Pixabay

       Hoje celebramos – também Portugal, mediante a presença do nosso Presidente em Kyev –  a independência da Ucrânia, que nasceu a 24 de Agosto de 1991, por votação de maioria absoluta da população. Os países  que, sucessivamente, assinaram o  reconhecimento da  identidade Nacional e soberania do povo Ucraniano, comprometeram a credibilidade da palavra dada como um compromisso de honra. 

     Ao longo de 32 anos, este país irmão sofreu diferentes e contínuas tribulações, culminando as ameaças à sua democracia com a angustiada situação de guerra, que já se estende por mais de 500 dias.

      O Papa Francisco, durante as Jornadas Juvenis, também falou deste viver em sobressalto, por estar “uma guerra mundial feita aos pedaços” a  transformar em ruínas tantos espaços vivos da nossa Casa Comum.

     “Sinto grande dor pela querida Ucrânia, que continua a sofrer muito.”

     Falou-nos do “caráter incompleto” que nos torna “peregrinos… desejosos de sentido, com saudade do Futuro”.

      Ele bem sabe que, na convicção das novas gerações, as  diferenças humanas – “nações, línguas, histórias” – estão aparelhadas para unir-nos, são desafio a um crescimento mútuo, são as primícias para um diálogo destinado a proteger a preciosa Paz.

Com JMJ 23 e Ucrânia – OE