Entre a Dança e o Sonho

   

Image par Brigitte is always pleased to get a coffee de Pixabay 

      Era uma vez uma menina chamada Madalena; ela era linda: era alta, de cabelos castanhos, longos e brilhantes. Os seus olhos castanhos, que se iam tornando cada vez mais verdes, expressavam esperança.

     Era uma pessoa ágil, nunca parava de dançar; era querida, sempre, para as suas cadelas, principalmente para a mais velhota; era meiga: sempre a ajudar todos de forma a que eles ficassem bem.

    Todos os dias, ela adorava dançar; fazia piruetas e muitos passos de dança; ia ao hip hop e ao Jazz duas vezes por semana.

    Ela sonhava ser professora de Dança: Hip hop, Jazz, Ballet, Barra no Cháo e Ginástica Acrobática e ter centenas de Alunos.

CAD – 2º Confinamento – M5C

Os Meios da Liberdade

     

Image par Patou Ricard de Pixaba

     Os Tempos livres significam, para mim,  a Liberdade do Galope, a liberdade do Cavalo e só estamos Eu e o Cavalo!

      Jogar Ténis e bater com a máxima força na bola: a prática do ténis ajuda-nos psicologicamente; ganhamos paciência…capacidade de manter a concentração quando se está a perder, treinamos também a boa educação – às vezes há jogadores que se irritam e partem a raquete!

   Na bicicleta, pedalamos com muita velocidade! Estamos ao ar livre, a sentir o  vento quente a bater-nos na cara.

    Na equitação, já estou a saltar no picadeiro grande, com a Quimera, que é uma égua russa e branca,  maior que o XS e muito mansinha.

    Vou começar a montar o Artista, mas também vou continuar com o XS. Vou ter muita adrenalina com o Artista, um cavalo russo, branco, com muitas pintinhas pretas, de estatura média, crinas brancas e curtas de focinho macio.

    Ele é vivo, um pouco assustadiço, mas já melhorou a sua mania de dar coices no volteio e de dar camgochas nos saltos; o Artista é um cavalo forte e encorpado, que salta muito alto.

     O Artista é um cavalo fino, a quem não se pode dar muito com o esporim, senão ele zanga-se connosco. É rápido, tem uns andamentos bonitos, levanta o casco ao andar e galopar. É um cavalo que esconde a verdadeira idade, pois tem muita energia.

CAD – 2º Confinamento – JM5A

Vivências de Equitação

     

Image par ArtTower de Pixabay 

   Desde bebé, eu tenho uma paixão por cavalos. Fui para a escola da Charneca, porque a minha Mãe tinha lá dois cavalos: o Quebec e o Jaguar. 

    Comecei a dar passeios com a Mini, uma pónei de pelo escuro, muito pequenina. Aos seis anos, comecei a fazer volteio com a Garrana; aos nove, fui para a quinta das Cabanas, depois voltei aos dez anos, para a Charneca.

     Fiz volteio com a Quimera e a Formiga. Passado um mês, no redondel, montei solto, na Quimera, no Luxo e na Formiga.

     Em 2 de Outubro, comecei a ter aulas de grupo com a Formiga e depois com o Luxo, muitas vezes. Ainda montei uma vez no XS em ensino. Em seguida, montei o Luxo e saltei com o XS.

Amanhã vou saltar com o XS.

     Os cavalos são bonitos, elegantes, fortes; podem relacionar-se com as pessoas; alguns são meigos e outros são bravos.

    O cavalo à carga é um símbolo de liberdade, pois quando o cavalo dispara ao máximo e nós sentimos o vento a vir para nós, estamos sozinhos e ninguém nos pode impedir, estamos só nós e o cavalo!

JM5A

Quando Desenho…

   

Image par Nestall de Pixabay 

   Faço o meu dia dependente do desenho que eu vou fazer. Se for uma cara, eu faço um círculo, uma linha no meio e uma linha para o nariz, olhos e boca. Para o cabelo não preciso de molde, pois cada pessoa pode desenhar o cabelo como quiser.

   Pego no meu lápis, na minha borracha, na minha caneta, e depois faço um molde e desenho por cima.

   Faço o molde a lápis, é um guia para desenhar. É um auxiliar que orienta o meu traço. Tento fazer coisas novas para aprender mais.

   Quando quero desenhar, eu pesquiso no google ou no Youtube o que quero fazer de diferente. Aparecem vários tutoriais de como fazer uma cara, como fazer vários cabelos, etc.

   O que me atrai nos desenhos são os cabelos e os monumentos. Acho que os cabelos podem ser de várias formas e jeitos: encaracolados, lisos, loiros, castanhos; os monumentos são uma forma muito boa de demonstrar o próprio país.

  Estou a fazer um trabalho de EV que é para desenhar uma cena da Obra “O Cavaleiro da Dinamarca” em que temos de escolher cinco ou uma cor de vários tons no desenho.

   Só que a cor mais escura tem de ficar mais próxima de nós e a cor mais clara mais longe. Também temos  de fazer cinco planos: no meu caso, o primeiro plano são as árvores, o segundo plano, os castelos, o terceiro plano, as montanhas, no quarto plano, o céu e, no quinto plano, as nuvens.

    Quando desenho, sinto-me bem e relaxada. Às vezes ponho música…

CM7C

Os Desportos Radicais São Aconselháveis Aos Jovens?

     

Image par Rolanas Valionis de Pixaba

     Em relação aos jovens praticarem desportos radicais, eu considero que pode ser muito perigoso.

    Em primeiro lugar, os jovens podem sofrer lesões ou traumatismos graves, como por exemplo, no Parkour, os jovens, quando saltam de um edifício para outro, podem tropeçar e, se falharem um passo, podem até morrer.

    Por outro lado, ganham mais confiança ao fazer algo qe acham que é impossível e ao enfrentararem os seus medos, como vencer as vertigens no Parkour e nas escaladas, e o desequilíbrio nas manobras de skate, ao fazer o Ally.

    Contudo, a auto-confiança e o orgulho da vitória são importantes, mas não valem a pena de se correr o risco de perder a vida.

    Em conclusão, não é aconselhável fazer todo o tipo de desportos radicais e, sempre que se praticar algum tipo de desporto radical, deveremos ter muito cuidado.

BB6C

Leitor Procura Livro

Commons.Wikimedia.org

     Como plano para conseguir fazer uma boa apresentação, vou ler um livro adequado para a nossa idade. Encontro muitos infantis, que não me favorecem muito.

    Estou a tentar encontrar um que seja bom e interessante; vou ver filmes que possam ter a sua história descrita em livros. De preferência, vou pedir ajuda à minha Mãe, ela tem muito bom gosto em livros.

SS7C

Aventura no Mar

Imagem: Oficina de Escrita

     No dia 11 de Agosto de 2020, estava um dia lindo de sol sem uma nuvem à vista. Havia seis crianças aborrecidas, quando uma se lembrou de que havia umas pranchas para alugar e foi a partir desse momento que a Aventura começou.

     Os seis amigos foram com as pranchas de Paddle, para muito longe da costa, jogar verdade ou consequência, no meio do mar.

      O jogo começou: a Bi desafiou o Vasco a ir até ao máximo fundo que conseguisse e ele aceitou. Ficou lá 20 segundos e, quando voltou, disse que tinha visto peixes, mas ninguém acreditou quando alguma coisa bateu contra a prancha.

     Os amigos ignoraram, mas aconteceu uma e outra vez, até que percebemos que eram mesmo peixes!

(Continua)

MA6A

Wakeboard, o 1º Campeonato

   

    O Wakeboard é um desporto muito divertido para mim. Primeiro, desde os três anos, eu andava com o meu Pai.

    No primeiro dia em que aprendi, estava com medo, mas depois já não fiquei: caí muitas vezes, mas depois de algum tempo consegui.

    Alguns anos depois, fui para um campeonato, tinha 7 anos; eu era muito pequeno e competi contra meninos de 12 anos e fiquei com algum medo.

     Quando comecei, a onda do barco era maior do que eu. Mas, no final, fiquei em 3º lugar. 

GE5A

A Sensação de Sermos Livres…

WikieCommons.org  Creative Commons

     Adoro fazer motocross, brincar, saltar, correr,  brincar com o skate de dedos, conversar.

   Algumas manobras com o miniskate:Flip, Doubles, Quickflip; temos de ter uma pista com escadas, rampas, corrimão, muros…

      Conversar com amigos é divertido, emocionante: trocar ideias, temas novos, falarmos de assuntos giros, inventarmos brincadeiras…

      Comecei a gostar de Arte graças a Van Gogh. Gosto de desenhar coisas que criei. Até estou a criar o desenho de uma jarra mágica. O que quero dizer é que, na jarra mágica eu vou desenhar todas as coisas de que gosto no mundo.

      Quando ainda estou a desenhar estas coisas que estou a criar, é como se estivesse a desenhar todas as coisas de que gosto no mundo e que gostaria que o mundo respeitasse.

    A minha professora do 4ºB contou-nos a vida de Van Gogh no Zoom, eu achei que ele era muito importante para a vida da Arte no mundo e senti-me admirado perante os quadros dele.

    Quando desenho, a sensação é de que somos livres de fazer tudo aquilo que nós quisermos.

SR5A

O Estábulo POCABELA

 

     Image by Uki_71 from Pixabay

     Era uma vez uma menina que passava a vida toda a pensar em póneis e em que um dia os ia conhecer.

    Então, quando ela já tinha 9 anos, decidiu ir à procura. A Bela já estava à procura há muito tempo, até que, um dia, parou.

    Quando já era de noite, seus pais foram dormir, mas a Bela começou a ouvir barulhos a vir do seu jardim. À primeira, estava muito assustada, mas de repente, começou a ouvir barulhos de cavalos. Resolveu ir ver.

     A menina viu um pónei e, cheia de lágrimas de felicidade, ela foi a correr e deu-lhe um abraço. A menina foi logo pegar cenouras e ervas para lhe dar, mas também lhe fez um cantinho para o pónei ficar. O pónei ficou aconchegado.

     No dia seguinte, Bela foi logo ver o pónei, mas ele já não estava lá. Bela ficou muito triste. Começou a poupar para uma casinha, comida e acessórios, tudo só de póneis.

    Assim que Bela conseguiu ter dinheiro, comprou tudo e, quando era noite, o pónei já estava lá. Então Bela fez-lhe uma pergunta; a pergunta era: “Queres ficar comigo?”

    O pónei abanou a cabeça para cima e para baixo. Bela ficou muito feliz; todos os dias brincava e fazia muito mais diversões.

     Certo dia, o pónei morreu. Bela ficou muito triste. Quando chegou aos 21 anos, decidiu comprar um estábulo; comprou-o e também póneis e cavalos, foi muito giro!

    Bela queria mostrar ao mundo que cavalos e póneis não são perigosos. O seu estábulo “Pocabela”  ficou muito famoso e Bela ficou muito feliz.

CR5B

As Palavras Cintilam

   Image by WikiImages from Pixabay

    Voltar é reconhecer o caminho e recordar a Aventura da partida.

   Voltar é reconhecer-se grato; e recordar – trazer de volta ao coração – é  retomar o fôlego da Aventura interminável. 

   A úlitma Aventura: a que já não se avista daqui, mas se adivinha no fugidio brilho das palavras.

   As palavras cintilam, como as estrelas.

  Como os olhos das crianças, as palavras – deslumbrantes – perseguem-nos, orientam-nos.

   Estrelas-Guia, as palavras rodopiam no céu noturno do coração e seduzem-nos a dobrar o mais longínquo. 

     As palavras abrem espaço que não havia antes, para respirarmos o desafio que sopra do infinito e se aninha no estreito abrigo vazio que é o amor de escrever.

Com IF9D – Partilha de Inspirações – OE 

Tudo Converge para a Melhor Pessoa do Mundo

Image par Gerd Altmann de Pixabay 

   Não estou a ter muita possibilidade de ficar em casa no meu conforto, a brincar com os meus amigos no computador, porque a Escola em presença não está a deixar.

  Se fosse Escola em vídeo-aula, havia TPC que nos mandavam nesse horário, em Tarefas, e nós ficávamos preparados e fazíamos logo.

    Quando estamos na Escola, nós trabalhamos, mas quando chegamos a casa, temos um monte de TPCs! Antes, nós ficávamos mais responsáveis com as Tarefas. Eu fiquei mais responsável quando tinha aulas por videoconferência.

   Estou a ouvir uma música de TikTok em que as pessoas dançam; A música abre-me os sentimentos; gosto muito de uma pessoa, ainda não lhe pedi namoro, mas estou preparado.

   Eu gostava de uma música que foi filmada por uma Amiga minha com a pessoa de quem eu gosto e outras amigas. Esta Amiga filmou de propósito, é uma música que me põe triste; ela mandou-me esta música só para eu poder ver este Alguém tão especial.

Criação Oral de Texto

LR7D

A Galopar, Sinto-Me Livre!

Image par ArtTower de Pixabay 

     Eu gosto muito de Cavalos, porque, quando monto num, sinto-me livre e estou sempre pronta para uma aventura!

    Já montei num branco, que se chama Mozart, montei num cavalo castanho claro e esse chama-se Emotivo; o último é castanho escuro e chama-se Tsunami. Eu gostei de todos.

    O cavalo dos meus sonhos era um cavalo branco, mas a sorte minha foi quando, finalmente, pude andar num.

    Um dia, gostaria de entrar numa Competição de Saltos. É desde sempre o meu sonho!

    Quando galopo, sinto-me livre, e sem ninguém para me parar.

    Cavalos são uma parte de mim: sem eles, a minha vida não seria completa!

     ADORO CAVALOS!

EM5B

A Vida contra o CoVid

Image par succo de Pixabay 

    Depois de 9 anos de vida de estudante, sei que quero ser informático, porque gosto muito de computadores. A minha Tia é engenheira informática, é Chefe no seu serviço, ela inspira-me nessa profissão.

   Prefiro que a Escola seja uma “semana sim” e uma “semana não”; dedicava essa semana livre a ter aulas por vídeo conferências: fazem-nos pensar mais e sermos mais responsáveis.

   A vantagem de termos uma “semana sim” é que podemos estar com os nossos amigos; a desvantagem é que não conseguimos ouvir bem a Stora. Em vídeo conferência é mais fácil de ouvir.

   Na Escola não podemos estar muito juntos, o que não “mete muita piada”. Eu prefiro aprender em vídeo conferência, porque ficamos em casa, podemos descansar mais, os stores também.

   Já que não podemos ficar na escola normalmente, nem tocar-nos, mais vale ficarmos em casa!

   No 7º ano parece que estamos a subir de nível, a subir umas escadas. Físico-Química e Geografia são matérias engraçadas, mas um bocado difíceis.

   Não vamos ter a Festa de Natal da Escola. A maior parte das pessoas não vai poder fazer grupos de Amigos no Meet no Natal, mas durante este semestre sim.

    No nosso dia a dia não há muito convívio; desejo que o COVID não esteja cá para podermos conviver e irmos todos felizes para a Escola sem máscara!

Criação Oral de Texto – LR7D

Galopar é VIDA

Image par Susann Mielke de Pixabay 

  Eu gosto de cavalos porque, para mim, são VIDA, com eles sinto-me muito calma. A minha experiência é que são a minha paixão, não sei o que faria sem eles.

   O cavalo que montei é castanho, de crina preta; é  manso, tranquilo e amoroso; gosta muito de festas.

   O que eu gostei mais foi de lhe dar uma maçã: o focinho fazia muitas cócegas! 

   Agradeço muito ao meu avô, por me ter feito andar de cavalo. Se o meu avô não fosse aventureiro, nunca teria encontrado este maravilhoso cavalo.

   Alguns dias atrás, consegui convencer a minha Mãe para entrar numa escola de Equitação.

   Gostaria de saltar com um cavalo muito maravilhoso!

   Para mim, andar a cavalo é vida e, ao galopar, é como não termos ninguém para nos perturbar, É VIDA!

CR5B

70 Anos CAD – Jovens Leitores – 2009

     

   Oficina de Escrita – 2009

     Embora não goste muito de ler, os livros que mais aprecio são livros de aventura, embora também goste dos outros.

     Um dos livros de que mais gostei foi “Os Tontos“; esse livro não foi escolhido por mim, fui, sim, obrigada a lê-lo, mas quando o comecei a ler, adorei.

     No dia a dia, nem sempre temos tempo para ler, só mesmo ao fim do dia ou no intervalo – livros de histórias – e no fim de semana, mas com os livros de escola é diferente: leio-os quase durante todo o dia, nas aulas.

    Mas não é só nas aulas  e no estudo que nós lemos, por exemplo: na rua, no nome das lojas, nas publicidades, em casa, nas legendas dos filmes, nas receitas de culinária e muitas outras coisas. 

     No caso de não gostarem muito de ler, sei que os livros, por exemplo, me ensinam coisas novas, explicam-me como se fazem coisas que não sei, basicamente ensinam-me e explicam-me um pouco sobre tudo o que eu possa querer saber.

    Mas para quem não goste muito de ler, se calhar, prefere a Internet, porque, embora seja ler da mesma forma, pode ser mais divertido e interessante; mas nem smpre é a melhor escolha, pois os livros, às vezes têm conhecimento mais útil e mais fácil de organizar. 

Catarina Lourenço, nº4 – 6º B 

Setembro de 2009

XS, O Veloz

Image par Miguel Muñoz Hierro de Pixabay

     O pónei XS é um pónei e um cavalo. A cor do seu pelo é esta: um castanho muito claro e o pelo é muito macio!

     Ele tem uns olhos muito lindos e o focinho muito fofo!

    Uma qualidade dele é que é muito rápido a pôr a galope, um defeito é que é difícil a pôr a sela, porque ele morde muito e a crina é difícil de escovar!

     Eu gosto muito de dar passeios com ele, eu sinto que ele é livre e adoro!

     Na equitação, eu gosto de lhe libertar as crinas e de lhe dar um banho!

     E esse é o cavalinho XS que eu adoro imenso!

VG5B

Agricultura Francesa

Image par Julia Casado de Pixabay     

    O que eu posso desenvolver é cultivar mais na minha horta, este inverno, com as minhas botas. Em termos académicos, aquilo que eu gostaria de melhorar é o Francês. 

    As minhas forças pessoais são o gosto pela Agricultura e a Criação de Animais.

Oficina de Escrita

   As melhores oportunidades para o que estou a desenvolver são fazer os TPC, consultar a Tutora, participar na Aula e Recordar o que aprendi. 

  Para a horta vou levar as botas de inverno; quando chove não é preciso regar; se não chover, é dia sim dia não. Posso podar a vinha e as oliveiras; ainda posso semear.

Faíscas enquanto Escrevo

    Então… eu gosto de Agricultura e de Francês, como já podem ter reparado!

  Aplicação Livre da Ferramenta de Coaching Educativo – MAFO

TS7A

70 Anos CAD – Descobertas de Jovens Leitores (2007)

Partilha de perspetivas sobre a função e importância da Leitura na vida dos nossos Alunos de 5ºA, em Novembro de 2007. Questão de Teste sobre a história de um Jovem Leitor.

OFICINA DE ESCRITA

     Ao ler os livros, ele foi aprendendo a viver a vida e, como cada história tem um contexto diferente, o narrador aprendeu a viver a vida de várias maneiras para o bem e enfrentando o mal e o terrível.

Tomás, 29

   

     Na leitura podemos encontrar um “monte de coisas”, como, por exemplo; os livros trazem ideias sobre o mundo, dizem as coisas importantes para nós sabermos, e também nos fazem mais inteligentes e espertos. 

João, 15

    Com a leitura, qualquer coisa fantástica podia acontecer e  ele era levado para o belo mundo da imaginação. 

Cláudia, 5

     Ninguém é capaz de viver sem ler uma coisa que seja. Porque ler faz “explodir” a nossa cabeça de imaginação!

Sara,26

    Ao ler iam-se descobrindo novos mundos, como se estivéssemos a voar.

Tomás, 28

A atitude dos pais foi muito “amiga” para com ele: respeitar as suas vontades, isto é um pequeno passo para ele começar a ser mais autónomo.

Diogo, 8

Pela leitura, ele entrava nas histórias onde acontecia tudo dos sonhos de qualquer criança.

Catarina, 4

Para conseguirmos ser alguém na vida, temos de começar a dizer o que sentimos – a ter liberdade de expressão.

 

70 Anos CAD – Questão de Teste – Novembro de 2007

70 Anos CAD – O Poder da Leitura (2012)

readingImage by SvetlanaKv from Pixabay 

    O meu livro preferido é Alice no País das Maravilhas, porque é uma história emocionante e o País é País encantador.

     Eu adoro ler, pois aprendo mais e ler é sempre muito bom. O meu tipo de livros é livros de ação e de muita aventura, mas eu, que me lembre, nunca odiei um livro. 

      Agora, os livros para a minha idade são todos muito giros.

     O primeiro livro que li foi do “Ruca”, mas ainda era muito pequenina. Os meus pais ou os adultos nunca me liam livros; eu, a pouco e pouco, comecei a ler com a minha mãe.

     Quando comecei a ler muito bem, o poder que senti foi que já não tinha vergonha para ler à frente de toda a gente.

Este texto foi escrito por Mariana C, 5B 2011/2012