Vivências de Equitação

     

Image par ArtTower de Pixabay 

   Desde bebé, eu tenho uma paixão por cavalos. Fui para a escola da Charneca, porque a minha Mãe tinha lá dois cavalos: o Quebec e o Jaguar. 

    Comecei a dar passeios com a Mini, uma pónei de pelo escuro, muito pequenina. Aos seis anos, comecei a fazer volteio com a Garrana; aos nove, fui para a quinta das Cabanas, depois voltei aos dez anos, para a Charneca.

     Fiz volteio com a Quimera e a Formiga. Passado um mês, no redondel, montei solto, na Quimera, no Luxo e na Formiga.

     Em 2 de Outubro, comecei a ter aulas de grupo com a Formiga e depois com o Luxo, muitas vezes. Ainda montei uma vez no XS em ensino. Em seguida, montei o Luxo e saltei com o XS.

Amanhã vou saltar com o XS.

     Os cavalos são bonitos, elegantes, fortes; podem relacionar-se com as pessoas; alguns são meigos e outros são bravos.

    O cavalo à carga é um símbolo de liberdade, pois quando o cavalo dispara ao máximo e nós sentimos o vento a vir para nós, estamos sozinhos e ninguém nos pode impedir, estamos só nós e o cavalo!

JM5A

A Sensação de Sermos Livres…

WikieCommons.org  Creative Commons

     Adoro fazer motocross, brincar, saltar, correr,  brincar com o skate de dedos, conversar.

   Algumas manobras com o miniskate:Flip, Doubles, Quickflip; temos de ter uma pista com escadas, rampas, corrimão, muros…

      Conversar com amigos é divertido, emocionante: trocar ideias, temas novos, falarmos de assuntos giros, inventarmos brincadeiras…

      Comecei a gostar de Arte graças a Van Gogh. Gosto de desenhar coisas que criei. Até estou a criar o desenho de uma jarra mágica. O que quero dizer é que, na jarra mágica eu vou desenhar todas as coisas de que gosto no mundo.

      Quando ainda estou a desenhar estas coisas que estou a criar, é como se estivesse a desenhar todas as coisas de que gosto no mundo e que gostaria que o mundo respeitasse.

    A minha professora do 4ºB contou-nos a vida de Van Gogh no Zoom, eu achei que ele era muito importante para a vida da Arte no mundo e senti-me admirado perante os quadros dele.

    Quando desenho, a sensação é de que somos livres de fazer tudo aquilo que nós quisermos.

SR5A

No Perigo, Invencíveis

Image by 272447 from Pixabay 

    Vimos de muito longe, até  onde brotam as fontes de Água Viva.

   Compomos canções pelo caminho, como quem colhe flores bravas, para oferecer à chegada.

  Treinamo-nos para a liberdade futura, tratando-nos, desde já, como livres.

    Por isso o vento do nosso deserto arrasta consigo um perfume de maçãs e espalha adiante de nós trinados de rouxinol.

Com MA6A e SS6A  – Partilha de Inspirações – OE

A Vida contra o CoVid

Image par succo de Pixabay 

    Depois de 9 anos de vida de estudante, sei que quero ser informático, porque gosto muito de computadores. A minha Tia é engenheira informática, é Chefe no seu serviço, ela inspira-me nessa profissão.

   Prefiro que a Escola seja uma “semana sim” e uma “semana não”; dedicava essa semana livre a ter aulas por vídeo conferências: fazem-nos pensar mais e sermos mais responsáveis.

   A vantagem de termos uma “semana sim” é que podemos estar com os nossos amigos; a desvantagem é que não conseguimos ouvir bem a Stora. Em vídeo conferência é mais fácil de ouvir.

   Na Escola não podemos estar muito juntos, o que não “mete muita piada”. Eu prefiro aprender em vídeo conferência, porque ficamos em casa, podemos descansar mais, os stores também.

   Já que não podemos ficar na escola normalmente, nem tocar-nos, mais vale ficarmos em casa!

   No 7º ano parece que estamos a subir de nível, a subir umas escadas. Físico-Química e Geografia são matérias engraçadas, mas um bocado difíceis.

   Não vamos ter a Festa de Natal da Escola. A maior parte das pessoas não vai poder fazer grupos de Amigos no Meet no Natal, mas durante este semestre sim.

    No nosso dia a dia não há muito convívio; desejo que o COVID não esteja cá para podermos conviver e irmos todos felizes para a Escola sem máscara!

Criação Oral de Texto – LR7D

Galopar é VIDA

Image par Susann Mielke de Pixabay 

  Eu gosto de cavalos porque, para mim, são VIDA, com eles sinto-me muito calma. A minha experiência é que são a minha paixão, não sei o que faria sem eles.

   O cavalo que montei é castanho, de crina preta; é  manso, tranquilo e amoroso; gosta muito de festas.

   O que eu gostei mais foi de lhe dar uma maçã: o focinho fazia muitas cócegas! 

   Agradeço muito ao meu avô, por me ter feito andar de cavalo. Se o meu avô não fosse aventureiro, nunca teria encontrado este maravilhoso cavalo.

   Alguns dias atrás, consegui convencer a minha Mãe para entrar numa escola de Equitação.

   Gostaria de saltar com um cavalo muito maravilhoso!

   Para mim, andar a cavalo é vida e, ao galopar, é como não termos ninguém para nos perturbar, É VIDA!

CR5B

XS, O Veloz

Image par Miguel Muñoz Hierro de Pixabay

     O pónei XS é um pónei e um cavalo. A cor do seu pelo é esta: um castanho muito claro e o pelo é muito macio!

     Ele tem uns olhos muito lindos e o focinho muito fofo!

    Uma qualidade dele é que é muito rápido a pôr a galope, um defeito é que é difícil a pôr a sela, porque ele morde muito e a crina é difícil de escovar!

     Eu gosto muito de dar passeios com ele, eu sinto que ele é livre e adoro!

     Na equitação, eu gosto de lhe libertar as crinas e de lhe dar um banho!

     E esse é o cavalinho XS que eu adoro imenso!

VG5B

CAD em Isolamento – My Unforgettable Summer Holidays

   horse riding by the sea

Image par My pictures are CC0. When doing composings: de Pixabay 

    First of all I would go horse riding, in a beach, walking slowly, by the sea.

   Then, I and Sara would go play paintball in the park. It’s so funny!

  After that party, we would make a picnic, have lunch, under a rock, in a sort of natural shelter.

   As my friend Rita is a Surf expert, she is going to teach me.

   In another day, I will spend the whole weekend with my Mom and we will go camping and we will enjoy the beauty of the shining stars.

  At the end of the day, as it would be too hot, we would go Canoeing in a peaceful river.

Criação Oral de Texto – CM6C

CAD em Isolamento – “As 3 PASSAGENS”

Leitura alternada e partilha de comentários do Manual de EMRC pelas Alunas IM8B e CA8A

páscoaPhoto par formulaire PxHere

 “Páscoa” significa “Passagem”

  • Para os judeus, celebra a passagem da escravidão do Egito para a liberdade através da presença de Deus e de atuação de Moisés.
  • Para os cristãos, é a celebração da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo.
  • Pessoalmente, é a passagem de cada crente rumo a uma vida em liberdade.

Páscoa implica sempre  Liberdade

nuve coraçãoPhoto par formulaire PxHere

  • Da escravidão socio politica, para o povo de Israel.
  • Da morte do ser humano, para Jesus.

    A Liberdade é afirmada e reconquistada no êxodo do judeus –  (ex – para fora) (ôdos – caminho)  – que saem do Egito em busca da terra prometida: uma terra de sonho.

   A Liberdade é reinventada na Ressurreição de Jesus pela ação de Deus.

   O Deus Bíblico quer a Liberdade e a Vida;  recusa a escravidão e a morte.

   Ele é o Deus da Vida e da Liberdade. Foi para a Liberdade e para a Vida que criou o ser humano.

 A Páscoa Cristã

cruzpxhere.com

 Que pretende Jesus, o ex-carpinteiro de Nazaré?

    Há algum tempo que Israel se agitava por causa deste homem de 30 anos que tinha deixado a carpintaria para ser Pregador.

    Dizia anunciar uma Boa Nova que vinha de Deus: A sua fama cresceu ainda mais quando começou a realizar milagres; o grupo dos que o seguiam aumentava sempre; de entre eles escolheu 12, os Apóstolos; seguiam Jesus para onde fosse, ouviam a sua pregação, tinham reuniões especiais com ele e rezavam em conjunto.

Últimos dias de um condenado: Jesus

    Como todos os anos, também neste Jesus celebrou a Páscoa dos judeus.

    Durante a Ceia Pascal, pegou no pão, partiu-o abençoou-o e deu-o a comer dizendo que era o Seu Corpo que ia ser entregue à morte.

   Depois pegou no cálice e abençoou-o dizendo que aquele vinho era o seu sangue que havia de ser derramado pela humanidade.

    Depois da refeição foi para o jardim das Oliveiras onde foi preso por indicação de Judas.

    Perante tribunal judaico tentaram acusá-lo falsamente. Acabaram por condená-lo à morte.

   Na manhã seguinte levaram-no à presença de Pilatos, o Governador Romano que tinha o direito de condenar à morte.

     No tribunal acusaram -no de revoltar o povo contra o Imperador. Dizia ser “o Rei dos Judeus”.

     O Governador não acreditou. Mas teve medo dos judeus: entregou Jesus para ser crucificado.

     Depois de ter sido flagelado, levaram-no par uma colina e foi crucificado. foi depositado num túmulo escavado na rocha.

     No domingo de manhã algumas mulheres, viram o túmulo vazio. Ficaram surpreendidas mas disseram que Jesus lhes apareceu de repente.

     Afinal Jesus tinha vencido a morte e estava Vivo.

     A Comunidade Cristã

Photo par formulaire PxHere

     Depois de acalmarem, começou um movimento religioso: durante a festa dos Pentecostes (cinquenta dias) começou a pregação de alguns Apóstolos do grupo dos 12, sobretudo de Pedro: estes homens que tinham fugido cheios de medo, estavam agora a anunciar sem medo e com coragem a sua Ressurreição.

   Muitos homens e mulheres aderiram e foram batizados. Da sua mensagem destaca-se:

    Jesus continua a ter uma amizade pessoal, direta, e  misteriosa com cada um de nós.

    Jesus está presente na comunidade dos crentes que forma um povo sem fronteira a que chamamos Igreja.

CAD em Isolamento – Tertúlia de EMRC – CA8A e IM8B  

70 Anos CAD – A Vida Real Somos Nós – (2013)

Nota prévia da Oficina de Escrita: Esta breve e poética reflexão resultou da junção de dois exercícios de Escrita Criativa, propostos no livro de Margarida Fonseca Santos e  inventados de improviso, pelo Autor, em Setembro de 2013.

O nosso  inesquecível Aluno, filho de outra inesquecível Aluna, vive atualmente na Irlanda, com a sua Família,  tendo feito 18 anos ontem, 18 de Abril.

PARABÉNS DUARTE!

só o corajoso é rebeldeImage par Oberholster Venita de Pixabay 

    A Beleza é uma parte da pessoa ou de uma  coisa e que define se ela “É” mais ou não.

   A Beleza está em tudo de formas diferentes.

   Tem inúmeros sentidos, sendo impossível determinar algo profundo, de forma a, talvez, desvendarmos outro algo, que não é a vida real.

    Porque a Vida Real somos Nós, não o que os outros dizem.

   A Partilha é algo que põe os outros felizes, com a Ajuda, que nos vai marcar para a Vida, e nos dará Alegria, pela qual nós queremos estar lá – na Liberdade da Vida  –  que permite também a tristeza, quando nos sentimos sozinhos.

   Mas a Rebeldia é a Ajuda que nos protege, porque só o Corajoso é Rebelde.

70 Anos CAD – Duarte P –  6ºC – 2013

Um Mapa da Minha Vida

     mapa

     Image by S. Hermann & F. Richter from Pixabay 

     Os pontos mais importantes no Mapa da minha Vida seriam, por exemplo, a minha casa, a sala de aula com o Str. António Costa e com os meus Amigos. 

     A minha casa é o ponto mais importante de orientação, porque tem tudo o que é meu: 

    •  Os meus Pais, que me amam;
    • A minha cama fofinha para sonhos maravilhosos;
    • O meu sofá, onde faço sonecas, em vez de TPC;
    • Os meus livros de Aventuras, como “The Canterville Ghost”;
    • A minha varanda, de onde aprecio as árvores dos meus vizinhos e os seus gatinhos. 

     Os valores que me guiam são, Paz, Lealdade, Confiança, Cavalheirismo, Simpatia – porque eu gosto de ser assim. 

     O mundo precisa de ser transformado: aqui, na Escola, eu reciclo no caixote certo. Ás vezes, junto-me com os meus amigos, pegamos no lixo que está no chão e reciclamo-lo. 

     Mas sei que o Mundo precisa de parar com a guerra e começar a Paz; os colégios serem gratuitos e as pessoas  pobres terem dinheiro, dado pelo Estado e por nós. 

     Nada me impede de ser livre: sou eu que tenho de fazer as minhas escolhas; não são as outras pessoas que têm de decidir a minha liberdade; por exemplo, os meus pais, eles também não podem decidir. 

    E, no imenso Universo, quem me apoia são os meus pais, a minha psicóloga, os meus amigos, os meus avós e os meus tios. 

mapa com agradecimento

background Imagem:  Image by S. Hermann & F. Richter from Pixabay 

AB6B

Albert Casals: a Partilha Incondicional

     Albert assiando livro

     Wikimedia.org Atribution: Creative Commons 4.0 Share Alike

     “Cuando tú eres nómada, lo que más sentido tiene para sobrevivir es compartir incondicionalmente”.

in “El Periodico

     Albert procura o que dá um sentido crescente à sua vida, o que lhe traz profunda realização enquanto jovem, o que imprime um impulso sempre novo à sua liberdade.

     Hoje com 28 anos, iniciou, desde os 14, uma Viagem de aventuras que nunca mais teve fim. Com a sua cadeira de rodas, uma pequena tenda e uma máquina de fotografar, Albert percorreu já mais de 30 mil quilómetros, um pouco por todos os continentes.

     Em consequência de uma doença grave, perdeu o uso das suas pernas a partir dos cinco anos. Contudo, nunca considerou a sua deficiência como um obstáculo; substituiu a ausência de alguns movimentos pela perícia no uso dos braços e do tronco, tornando-se exímio em trepar, saltar, rastejar e movimentar-se rapidamente sobre as suas duas rodas em qualquer caminho.  

    Depois de terminar os estudos de Liceu, tem-se dedicado ao estudo da Filosofia, que vai entremeando com as suas inadiáveis Viagens. Mais do que um interregno, uma pausa entre deveres, elas tornaram-se o seu verdadeiro e mais genuíno modo de viver, que a própria Filosofia ajuda a interpretar e certamente inspira. 

   Escritor de 3 livros, em diferentes etapas da sua maturação, Alberto partilha, nos seus relatos, a imensa riqueza de diálogos numa colorida variedade de culturas com que se cruza e cujos traços singulares sabe acolher e partilhar; encontros múltiplos, que transbordam de humanidade, pois a forma desamparada e franca com que ele se confia à bondade dos desconhecidos nunca o deixou desiludido.

     “Nueve de cada diez veces no aprendo de una cultura como tal, sino de una persona en particular que ya ha pensado por sí misma y ha encontrado sus propias soluciones a los dilemas de la vida: son esas personas, por encima de todo, lo que justifica viajar.”

in El Periodico

     Autónomo, andarilho apaixonado pela Natureza solitária, não receia montar a sua tenda leve nas areias de praias desertas ou em recantos de parques sossegados.

    Em comunhão com o silêncio do Universo, também se sente acolhido no abrigo natural que a paisagem mais singela oferece ao peregrino, quando a generosidade dos homens não se adiantou ao anoitecer.

   Os lucros da venda dos seus livros são distribuídos por ONGs da sua confiança, pois não só viaja sem dinheiro, como, de cada vez que regressa à Catalunha, sobrevive em Comunidade onde todos os bens são postos em comum.

     “Para mí el amor no tiene nada que ver con poseer algo, tiene que ver con apreciar la belleza de un proceso de transformación”

 in “El Periodico

Visita ao 6ºA e 6ºC – Apresentação de Viagens – OE

Entrevista de 2016 em Castelhano

Realidade Virtual e Realidade Real

realidade virtualImage parHarri Vick de Pixabay 

     Qual a diferença entre estas duas circunstâncias: Realidade virtual e realidade real? Para mim, a liberdade na realidade virtual é magnífica, porque, por exemplo, nos jogos, posso partir carros ao meio e na vida real, não.

      Por exemplo, no GTA V, têm lojas de armas como se fossem um supermercado! Quando se vai à frente de um polícia, ele fica logo desesperado e ganha-se. Mas na vida real, se vamos à frente de um polícia, ele não faz nada.

     Quando  estou a fazer vídeos para o grande YouTube, sinto-me bem, mas quando alguém vê os vídeos ao pé de mim, fico envergonhado.

      Às vezes tento ter ideias, mas não consigo pensar, porque, por exemplo, tenho que estudar, fazer tpc, e, com tantas tarefas, a inspiração, num estalo de dedos, vai-se embora.

     Assim, no mundo real, os momentos de liberdade são muito mais difíceis de segurar.

LJ6A

Livres na Amizade

Rapariga e Rapaz conversando face a face sentados num pórtico

       Flickr.com Atribuição: CC Share Alike 2.0 

      O à vontade é uma sensação incrível. Podermos estar à vontade é muito bom, pois sentimo-nos livres e, poder estar livre com as pessoas de quem mais gostamos, é ótimo: podes ser quem tu  realmente és, sem estar com a preocupação de ouvir comentários destrutivos sobre ti.

      Há quem não se liberte, nem com os amigos mais chegados, porque têm medo que eles não gostem de si. Mas, se não gostam de ti como tu és, é porque não são realmente teus amigos.

      Claro que não és perfeito, porque ninguém é perfeito, cada um tem os seus defeitos. Mas não têm de ter medo de ser quem realmente são. Não mudes a tua maneira de ser para agradar os outros.

      Muitas pessoas dizem que os amigos rapazes são sempre falsos, mas eu acho exatamente o contrário; por vezes, os rapazes são até mais fiéis do que algumas raparigas.

     Ter um melhor amigo rapaz a quem podes contar tudo e confiar é muito bom, pois é importante ver o ponto de vista dos rapazes também.

      Mas ainda há igualmente raparigas muito fiéis; algumas até acabam por se tornar como uma irmã para nós.

      Das qualidades que mais aprecio nos meus amigos são                a sinceridade, o carinho que me dão, o apoio, e muitas outras maneiras de ser que eu admiro.

MB8C