70 Anos – CAD -” 40 Anos da Vida de uma Escola” I- (1990)

Colégio no Monte EstorilImagem: Google Street View

     I 

     Fazer a história do colégio do Amor de Deus é quase fazer a história da minha vida de professora – (já vai no vigésimo sexto ano). 

     2 de Outubro de 1950 – nascia uma Comunidade Educativa no Monte Estoril, num chalé  antigo, o número um da Avenida Faial, hoje ainda existente. 

    Eram apenas quatro irmãs que, com todo o carinho e com a ajuda de alguns professores leigos, iniciavam o seu apostolado junto de um pequeno grupo de alunas: apenas 22. 

     Filhas espirituais do Padre Usera, fiéis seguidoras do Mestre, movia-as o desejo de encetar uma obra num recanto do país que lhes oferecia um potencial enorme de ação educativa junto da infância e juventude. 

      Este era um dos campos de ação que o Padre Usera privilegiava. Ele acreditava que “a clarificação da mente, a capacidade de discernir eram condições essenciais para o bem-fazer”. A abertura do Colégio Amor de Deus era, pois, a concretização dos seus desejos. 

    E éramos uma família, uma família pequena, mas muito unida.

     Desde o primeiro instante, a formação integral das alunas foi objetivo pedagógico do Colégio do Amor de Deus e as Irmãs e Professores externos zelavam pelo enriquecimento, não só cultural, mas também espiritual e afetivo das suas alunas.

     Nem mesmo o aspeto lúdico era descurado. Antigas alunas desse tempo não esquecem a gincana que anualmente se realizava, com pompa e ciscunstância, no dia da “Menina Maria” em 21 de Novembro, em comas festas no Teatro  dos Salesianos, cujas instalações nos eram habitual eamavelmente cedidas. 

     Fiquei tão ligada ao Colégio que, enquanto Universitária continuei a frequentá-lo e, durante alguns anos, participei na sua Festa Anual. 

    Acabado o curso, logo as Irmãs me convidaram para ingressar no corpo doecento do Colégio. Era uma consequência lógica: o Colégio nunca deixara de ser meu e tinha agora a oportunidade de transmitir aos meus Alunos a vivência de Escolaque me fora dado experimentar. 

      Haveria tantas mais coisas a recordar…

Professora Maria Helena Pinheiro – 1990

In “Boletim Informativo Do Colégio Amor de Deus”

Celebração dos 40 Anos do CAD

(Fim da I Parte )

70 Anos CAD – Ao Professor -1 – 2002

   Ao professor

   Image by Gerd Altmann from Pixabay 

     Professor,

    Ensina-me o que sabes, quero ficar esperto, quero ser como tu, quero saber, quero aprender, para ter uma boa profissão, uma que eu goste de fazer.

    Para isso preciso de ti, Professor.

    Diz-me o que eu preciso de comprar, que eu compro; eu só quero é aprender. Se me puseres de castigo, tens que ser justo. 

    Eu gosto de ter um professor, gosto também dos intervalos, mas quando mudo de ano, fico cheio de curiosidde sobre qual o professor que me vai calhar!

   Eu queria um Professor um bocadinho severo e um bocadinho brincalhão.

    Que fosse alto, para todos o verem; que fosse justo para todos os alunos, mesmo que um dos alunos fosse seu filho.

   Bem, agora quero dizer:  – OBRIGADA, Professor!

70 ANOS do CAD – JM5B nº16 – 2002

70 Anos – CAD – 44 Anos no “Amor de Deus”

     

  Imagem: Oficina de Escrita 

     O Colégio do Amor de Deus faz 70 anos e eu sinto que faço parte desta sua longa história. 

    Primeiro, porque fui aluna do colégio no Monte Estoril, durante 5 anos, tinha ele acabado de nascer, onde tive  uma grande proximidade com as Irmãs.
Bé alunaImagem: Gentileza da Autora
     Depois porque, mal acabei o curso da faculdade fui convidada, pelas Irmãs, aos 22 anos, para fazer parte do corpo docente do colégio, onde permaneci como professora de Inglês durante 39 anos.
   Não foi um percurso qualquer, foi sim uma longa experiência de vida, de enriquecimento humano, como pessoa e como profissional.
 
    O Colégio foi, sem dúvida, para mim, uma segunda casa, onde cada dia de trabalho representava a alegria do encontro, da entrega, da partilha e do convívio, com alunos, Irmãs, colegas de trabalho e funcionários. 
Bé ProfessoraImagem: Gentileza da Autora
   Foram anos muito felizes e de grande realização pessoal e profissional. 
   Desejo que muitos anos ainda venham, em que cada professor possa testemunhar a mesma alegria e o mesmo prazer que eu tive em fazer parte da Comunidade Educativa deste Colégio.
Professora Helena Pinheiro 44 anos de CAD

A Benção Urbi et Orbi

imagem: cadescrita.org

     “É preciso encontrar a coragem de abrir espaços onde todos se sintam amados, permitir novas formas de hospitalidade, fraternidade e solidariedade. É preciso abraçar o Senhor, para abraçar a esperança”

Texto completo do Papa Francisco partilhado pelo Professor Bento: Imissio

Papa Francisco – 27/03/2020

Que os Santos Apóstolos Pedro e Paulo,  dos quais no poder e julgamento confiamos, estes intercedam por nós até o Senhor.

R / Amém.

Que por meio das orações e dos méritos da Santíssima Sempre-Virgem Maria, de São Miguel Arcanjo, de São João Batista, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e de todos os santos, o Deus omnipotente mostre compaixão à vós, e (quando) perdoados todos os vossos pecados, Jesus Cristo vos conduza à vida eterna.

R / Amém.

Que o Senhor Todo Poderoso e misericordioso vos conceda indulgênciaabsolvição, e remissão de todos os vossos pecados, espaço para um verdadeiro e frutuoso arrependimento, (mesmo) o coração arrependendo(-se) sempre, e a benção da vida, a graça, a consolação do Espírito Santo e perseverança final nas boas obras.

R / Amém.

E que a bênção de Deus Todo Poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo desça sobre vós e permaneça sempre.

R / Amém.

70 Anos – CAD – “VERBUM CARO” – 1998

Verbum CaroImagem: Oficina de Escrita Autor: Alexandre Estevão

    Em Lisboa, na Igreja de Nossa Senhora de Fátima, pode contemplar-se um quadro fulgurante e inesquecível, visitando o templo pelas 17h de uma tarde de sol: o famoso vitral de 100 metros quadrados, do genial Almada Negreiros, virado a poente, incendeia-se, criando no interior da nave uma luminosidade sobrenatural.

    Mas o vitral que ontem foi colocado numa rasgada janela, virada a poente, de minha residência, é também uma obra de génio!

    Alexandre F. Estevão é um notável artista, de Cascais, na arte de conceber e concretizar mensagem através de um vitral. Ele soube descobrir e combinar os princípios utilizados pelos artífices da Idade Média, com uma nova arte de preparação dos vidros. […]

      Não se trata de arte abstrata, trata-se de arte, neste vitral que, pelas formas e cores, exprime as irradiações das bençãos sobre a Virgem, vindas do alto, onde paira um estilizado par de asas brancas.

     A silhueta azul da Virgem impressiona pela postura de recolhimento, de graciosíssima leveza a que os raios luminosos, formando um conjunto de harmonia cromática que define e releva com perfeita nitidez a sua primordial finalidade.

     A mensagem do início no inefável mistério: o Criador vai tomar a forma humana no seio da Santíssima Virgem!

   No meu lar existe agora um foco de inspiração, para todos meditarmos o mistério da Encarnação do Verbo, na sublime humildade de Maria. 

12 de Abril de 1998 – Artur Alves Pinto

(Os pais dos Professores também pertencem à Família “alargada” do Amor de Deus.)

70 ANOS-CAD – Um Fiel Companheiro- 1992

     Momentos de conforto e paz

     Photo by British Library on Unsplash

     Está a anoitecer. Estou sentada na minha cama e, ao meu lado, uma caneca com chocolate quente. Virando-me para trás, vejo as portas castanhas do meu armário, um poster muito especial e cativante, onde dois elefantes olham o céu estrelado com uma eterna felicidade.

    Entre a minha cama e a do meu irmão, ambas amigas dos nossos sonos, está um tapete branco no chão e uma mesa de cabeceira escura com quatro gavetas. Em cima, um candeeiro que ilumina as minhas leituras, à noite, na cama, um despertador que chama para cumprir os meus deveres e alguns bibelôs.

    Ao meu lado esquerdo está um móvel castanho, com três prateleiras, onde estáo bonecos de peluche que desde há muito me fazem companhia, livros da minha infância que tanto me divertiram, livros de Aventuras onde encontro o mistério e a excitação.

      Ao seu lado, fica uma mesa redonda coberta poruma colcha rosa, em cima desta um rádio que dá um som ótimo, alguns pequenos bonecos de criança a quem me afeiçoei, perfumes com aromas frescos; um palhaço de olhos azuis, nariz vermelho, vestido com um fato-macaco às riscas vermelhas e laranja, com um grande sorriso nos lábios; este recorda-me de todas as gargalhadas e gritos de alegria que dei até hoje e uma bolsa de remendos feita pela minha bisavó.

    Quando os cortinados, brancos e delicados, estão abertos, a luz do sol ilumina o meu quarto com vaidade e os seus raios penetram até ao mais íntimo.

    À noite, em frente de uma imagem de Cristo, que fica por cima da mesa de cabeceira, rezo com confiança e fé.

    No meu quarto vivo momentos de pleno conforto e paz. Seu ambiente é agradável e sereno.

    É nele que leio, ouço música, brinco, durmo e converso sozinha; por vezes interrogo-me, procuro desafios e sinto que sou escutada.

    O meu quarto é um verdadeiro espelho onde a minha personalidade e maneira de viver estão refletidas. Ele combina com aquilo que sou. Eu adaptei-o a mim, para que tudo se torne mais sintonizado.

    O meu quarto é um fiel companheiro. 

70 Anos do CAD – JRP -nº20 – 6ºB – 1992

70 ANOS – CAD – “O Meu Quarto Acolhedor” – 1992

   

 Photo by Vidar Nordli-Mathisen on Unsplash

     Quando se entra, o nosso olhar é logo atingido pelos pequenos ramos de flores estampados no branco limpo do papel que forra as paredes, tornando o meu quarto confortável e acolhedor.

     Logo depois, a nossa atenção é chamada pelo leve tic-tac que vem da mesa de cabeceira, onde um pequeno e antigo despertador verde dá um ar misterioso ao quarto, fazendo-nos pensar que este está a meditar.

    Também nesta mesinha está um pequeno naperon que, com suas cores claras condiz perfeitamente com um pequeno candeeiro de pé de madeira que à noite ilumina uma imagem de Nossa Senhora, que, tão simples, mas tão bela, parece incendiar-se com a luz.

     No meio do quarto, uma mesa de madeira muito lisa e brilhante, faz-nos convencer que pertence a um grande armário, onde, do lado direito, bonecos diferentes parecem representar uma peça de teatro.

     Em cima da cómoda estão vários livros, uns em cima dos outros, prontos para serem lidos e cujos títulos variados despertam curiosidade.

    A grande janela, que dá para uma pequena varanda, alegra muito o quarto, principalmente quando os cortinados estão fechados e a luz passa através do amarelo vivo destes.

    Tudo isto serve para sonhar e talvez, em toda as gavetas e até atrás dos ponteiros do antigo despertador, estejam pequenos sonhos à espera de serem realizados.

C R 6º, 1992

70 ANOS do CAD

(Texto escolhido para a Prova Global de 1992)

70 ANOs – CAD – “Um Poder Novo” – 2010

lerPhoto by Nong Vang on Unsplash

      O meu livro preferido são as “Aventuras de Teodora” e gosto muito de o ler, porque é muito entusiasmante e desperta-nos a atenção, o que nos faz ficar agarrados ao livro.

     Eu adoro ler, é uma das minhas atividadesfavoritas. Faz-me aprender, mas não sei explicar porque gosto de ler, só digo que adoro, porque é mesmo.

     Os meus tipos preferidos de livros são os de aventura e mistério. O livro que eu li e de que não gostei nada foi “A Bruxinha Lili e a Cidade Submersa”, pois não me despertou muito a atenção, não era bem o meu género de livro e tinha palavras demasiado fáceis, pouco implícitas e eu gosto muito de explorar livros com palavras difíceis, pois é um desafio para mim.

     O primeiro livro que eu li foi um livro para pequeninos, mas o meu primeiro livro a sério foi no final do primeiro ano, “Geronimo Stilton e o grande Segredo do Conde”.

      Quando eu não sabia ler, antes de ir para a cama, obrigava os meus Pais ou a minha Avó a ler, nem que fosse só uma página. Desde pequenina que aprecio muito lerem para mim e ler também sozinha. Quando comecei a ler, senti um poder novo, um poder de viver aventuras sentada ou deitada, a ver letras a passar.

IB5A – nº18 – 2010

70 ANOS – CAD

Imagem: Oficina de Escrita    

     O nosso amado Colégio faz 70 anos. À exceção do pequeno oásis das Irmãs, a situação inédita que vivemos parece ter reduzido a nossa segunda casa a uma casca vazia: corredores escuros, salas desertas, janelas fechadas.

     Mas não é assim: tal como a Igreja não é formada pelos seus templos, mas pelas “pedras vivas” que são as Pessoas, assim também o verdadeiro Colégio não é o edifício sito na Avenida de Sintra, mas a Comunidade Viva que formam as nossas Irmãs, os nossos Alunos, as nossas Assistentes Educativas, os nossos Pais, os nossos Professores.

    O Colégio Amor de Deus é também, como cada Pessoa, a totalidade da sua História. O Colégio inclui o trajeto completo, de comunhão vivida entre tantos,  desde a remota origem no Monte Estoril, em 1950, depois o percurso pela  espessura dos seus 70 anos de vida partilhada, e ainda a clareira iluminada do nosso “Hoje” em que celebramos o caminho andado.

    O Colégio Amor de Deus está ainda misteriosamente voltado para a abertura de um Futuro desconhecido, que faz parte da sua essência e que – aconteça o que acontecer – sabemos estar “destinado à lei do Amor”, nas palavras do nosso Padre Usera.

   A Oficina de Escrita une-se à celebração de todos estes elementos que pulsam no coração da Escola, passando a publicar algumas vozes juvenis do passado, que conservam a frescura e a energia da primeira manhã.

     São as vozes preciosas dos nossos inesquecíveis Alunos, que com tantos outros, foram tecendo, passo a passo, na interminável paciência do trabalho vivido nas aulas, a alma vibrante do nosso Colégio.

70 Anos – CAD  OE

Carnaval: Festejar a Imaginação

carnavalImage par growupmidiadigital de Pixabay 

    O que é o Carnaval para vocês?

   Para mim é uma época muito gira em que se festeja a Imaginação.

    Toda a gente vem disfarçada, ou, pelo menos, algumas pessoas.

    No Carnaval, acho que não faz sentido as pessoas não virem mascaradas, porque um dos supostos é fazerem-se passar por uma pessoa que não são e isso, às vezes, torna-se muito engraçado!

     O Carnaval é uma espécie de brincadeira em que toda a gente deve participar, para se divertir.

    Para mim, uma das minhas épocas festivas favoritas é o Carnaval. O Carnaval deixa o clima muito alegre e eu gosto muito de ALEGRIA.

SS6D

Celebrar todos os Estilos de Pessoas

Carnaval, balõesImage par Pixaline de Pixabay 

     No Carnaval, celebramos todos os estilos de pessoas e aprendemos a ser outros, mas com o mesmo gosto.

    Aprendemos a ser outras pessoas, mas, ao mesmo tempo, somos nós; então, os nossos amigos, os familiares, os que nos rodeiam, veem-nos com outra aparência, mas gostam à mesma de nós.

     Apreciei umas raparigas que vieram mascaradas de Bebé, um rapaz mais velho que veio disfarçado de Corona Vírus; outro veio de lutador de Sumo; um rapaz que veio de enfermeira com soutien de esferovite e uma peruca loura. Foram estes em que eu senti mais valor, eram bastante originais.

     Escolhi o disfarce de Gótica, porque a minha Mãe é sempre uma inspiração para mim; ela é um bocadinho Gótica, não é assim tanto como eu vim, mas eu gosto imenso do estilo dela; pedi-lhe e ela achou uma boa ideia, até me emprestou a sua roupa e maquilhou-me.

CA5A

Em Honra dos Namorados

árvore em forma de coraçãoImage par skeeze de Pixabay 

     O dia dos Namorados é um dia para celebrar o AMOR e a PAZ entre os Namorados.

    Não podemos chegar ao pé de um rapaz que acabamos de conhecer e dizer logo a palavra “Amor”: o Coração é que decide. 

       Começamos a repartir o Amor a dois. O tempo de ser Criança é infinito, como o do Amor. 

       O Futuro que os Namorados querem é o que os espera: 

     – Podemos ser diferentes, mas o nosso Amor é único! Confio que o meu Amor está seguro contigo.

declaração de amor

LS5B

Gratidão pelo Passado, Esperança de Futuro

ponte, estruturaImage by moritz320 from Pixabay

    O meu dia especial é quando faço anos, porque é quando posso começar uma vida nova.  Está sempre calor, pois faço anos a 13 de Junho.

   O ano passado, esse dia foi muito bom, porque pude convidar amigos. Fomos ao Paintball, disparamos bolas de tintas e, ao fim da festa, eu e dois amigos meus ficamos no Playbowling a brincar, enquanto as mães conversavam.

     No meu aniversário, celebro a minha mãe ter-me dado à luz, vivo, há tantos anos. 

    Também celebro a minha história até ao meu dia atual; ela tem sido boa, pois não tive nenhum acidente grave até hoje.

    Além disso, ainda celebro a minha esperança de futuro, que é ser Agricultor ou, mais recentemente, Armador de Ferro.

    O meu tio constrói pilares de prédios e de vivendas.Às vezes vou com ele; tem alguns empregados, como o João, que é pedreiro e cimenta os blocos.

    Primeiro constrói-se o muro, deixa-se um espacinho no meio e na ponta do muro; depois põem-se  tábuas à volta do buraco, enfia-se o pilar de ferro e pomos massa à volta para encher o buraco. As tábuas impedem a massa de sair fora. Uma máquina que vibra ajuda a consolidar a massa. Deixa-se secar e retiram-se as tábuas.

TS6D

Em Festa com os Amigos

balões Image by Prawny from Pixabay 

     Neste fim de semana, quando houver a pausa letiva, vou fazer uma festa em que os meus amigos vêm dormir a minha casa.

     Quando eu fiz anos, tinha já feito uma festa destas, mas agora vai ser mais fixe.

    Na Festa dos meus anos, ficamos toda a noite a ver televisão e a jogar telemóvel no meu quarto!  Divertimo-nos a fazer “pranks” ou “trollagens” a noite inteira…

    Acho que nesta festa de Amigos, vamos dormir para a sala,  nos sofás, e vamos ver toda a noite, Netflix e jogar no telmóvel, sempre às escuras.

    Umas horas antes de os meus amigos chegarem, o meu Pai e eu vamos fazer uns folhados muito bons. 

   O sentido da diversão é fazer-nos felizes. Nesta felicidade é fundamental a presença dos amigos, pois eu não sou totalmente eu sem os meus amigos, porque eles me ajudam em tudo e eu a eles.

DJ6D

O Fogo de 2020

fogo de artificio e 2020Image by Linus Schütz from Pixabay 

     Passei o Ano Novo no barco do meu Tio, no rio Tejo, em Lisboa. No barco, estava muita gente: toda a minha Família, uma Amiga da nossa idade e dois Tios emprestados.

     Fui avisando que horas eram a cada minuto que passava. Sentia como é giro experimentar uma coisa nova e como foi bom voltar a andar de barco.

     Quase à meia-noite, disse para toda a gente, até para as outras pessoas do barco vizinho: “- Já são 23h 59!” E preparei o telemóvel para filmar.

     Quando começou o fogo de artíficio estava um pouco escuro, só se viam as luzes de navegação e das casas.

    O fogo estava cheio de cor e vida; nós estávamos mesmo por baixo: cada forma ia em diferentes cores: às vezes como estrelas brancas, com riscas verdes e azuis. Outras vezes, o fogo parecia dizer “2020” numa explosão de cores!

     Quando acabou o fogo de artifício, estávamos todos contentes por ter começado um Novo Ano, uma Nova Década! Começamos a festejar, demos trocas de Abraços, fizemos votos de Alegria e eu berrei:

“2020” 

BB5B

A Menina Gozada por Todos

máscara, serpentinas e confetisImage by Thanks for your Like • donations welcome from Pixabay 

     Era uma vez uma menina chamada Carolina; ela era gozada por toda a gente, porque lhe chamavam de “Feia” e “Gorda”.

      Até que chegou o dia que, para ela, iria ser um dia horrível, mas, na verdade, vai ser o melhor dia da vida dela:  será o dia em que vão parar de gozar com ela!

     Esse dia calhou no Carnaval, por isso desde aí, ela começou a AMAR o Carnaval.    

     Ela foi vestida de Gótica, toda de preto e até chegou a pôr um piercing falso. Quando ela entrou na escola, toda a gente estava  a rir: ” – Ah ah ah…”

     Até chegar o momento inesperado: o desfile das máscaras!

     Com muita coragem, ela  conseguiu desfilar calmamente e com um sorriso brilhante na cara! Passado algum tempo, ela descobriu que tinha ganho: o juri dera-lhe a mais alta pontuação!

    Toda a gente ficou de boca aberta!

   A partir desse momento, em vez de se rirem dela, até imploravam que lhes perdoasse e lhes desse um autógrafo!

    Com isto sabemos que cada pessoa é linda à sua maneira.

SS6D

Um Dia Tão Especial

balões de festaImage par Prawny de Pixabay 

     Fiz anos no dia 7 de Janeiro, terça-feira; estava ansiosa e, ao mesmo tempo, nervosa, mas correu muito bem. O meu bolo estava enfeitado com uma banda coreana chamada Black Pink.

     O presente de que eu mais gostei foi um microfone que , ao mesmo tempo é uma coluna. A minha madrasta deu-me esse microfone porque eu canto muitas vezes.

     Marquei a minha festa no dia 25 de Janeiro, porque estou com gesso na minha mão esquerda e se fizesse no dia 11, não tinha piada. A minha festa vai ser na Micolândia, em Sintra, Têm vários programas e eu decidi fazer aquele em que se dorme lá!

     Agora pergunto…

Porque celebramos este dia tão especial para nós?

CM6C

Alguém Toca um Sino…

sino natalImage par Ольга Бережна de Pixabay 

     Este Natal decorei a minha casa com a árvore de Natal e com luzes à volta da casa.

     Na escola, na minha turma, estamos a fazer um cabaz de Natal, para onde dei muitos alimentos e artigos de higiene.

     Este Natal desejo, para a minha Família, muito amor; para os meus amigos, desejo um Bom Natal. A mensagem que enviaria para o mundo seria: “Sejam Felizes. Tenham Boas Festas”.

     No dia 29 vou jantar a casa dos meus Avós paternos e com os Primos. Primeiro, jantamos e, depois, à meia-noite, levam-nos para o quarto com a minha Avó.

    Ela começa a fazer-nos perguntas sobre o Natal, enquanto os meus Pais e Tios põem as prendas na sala. Depois, alguém toca um sino; então, nós saímos do quarto, começamos a abrir as prendas e a sala fica uma confusão!

     No dia 25, vou almoçar a casa da mnha Avó materna; abrimos as prendas e é sempre muito mágico. Ao jantar, vou para casa do meu Avô materno; depois do jantar, o meu Avô dá um presente a cada um e ficamos muito felizes. 

     Este ano, sou eu que vou fazer algumas perguntas à minha Avó materna, sobre a sua vida no Brasil, as suas grandes recordações, as suas expectativas de futuro.

CA7A

Inspirações de Vida

bailarina e lua cheiaImagem de DarkWorkX por Pixabay 

     Eu adoro escrever. De noite, podia escrever mil textos!

     Além do canto, a escrita, e ainda falta uma: a dança!

   Comecei a cantar desde os meus 3 anos. Não escolho um momento para cantar, eu canto e pronto.

    O meu irmão tem aulas de guitarra, não aqui na escola. Vai aprender a música preferida da minha bisavó. A mãe da minha avó morreu há pouco tempo e nós cantamos a música preferida dela no Natal.

    A dança representa, para mim, a Alegria. Quando estou triste ou contente, faz-me desanuviar e esticar um pouco, faz com que eu me sinta bem.

   O que gosto mais de dançar são dois tipos de dança: HipHop e outro que é mesmo dança clássica, ballet. Danço por instinto. Aos quatro anos inscrevi-me no ballet e saí aos seis anos, então sei os passos.

   Nas outras atividades favoritas, participo no coro do Colégio e escrevo muito.

Conversas na Oficina – LS5B

Incêndio no Natal

   velas de natal

   Image par TizzleBDizzle de Pixabay 

     Há muito, muito tempo, atrás, em 2010, Sara, uma menina de 12 anos de idade, com cabelos loiros, curtos, provocou um incêndio, no inverno, em sua casa. A história começa assim:

   Num dia lindo de Natal, também nos anos da Sara, estavam todos os familiares reunidos para jogar ao amigo secreto. Em seguida, iam abrir os presentes que estavam debaixo da árvore.

    E a parte que a Sara mais adorava: iam cantar-lhe os Parabéns, porque o bolo de chocolate de três camadas, com chantilly, estava á sua espera.

  No jogo do amigo secreto, Sara calhou com a sua avó Clara. A Sara ofereceu-lhe um pijama com flores, tal como a avó tanto lhe pedia. Então, todos deram e receberam os presentes.

  De seguida, foram abrir as prendas que estavam debaixo da árvore. Ela recebeu um cão, capas para o telemóvel, fones, dinheiro…

  Finalmente chegou a hora que Sara mais esperava; arregalou os olhos e, com toda a sua Felicidade, exclamou:

   – Finalmente, o momento chegou!

  Como Sara era muito desastrada, quando ia soprar a vela, caiu e pegou fogo à toalha da mesa, que depois passou para a parede. Todos estavam a correr e a passar por cima da Sara.

   De repente, pisaram-lhe o joelho e Sara começou a chorar. O Pai foi ao pé da filha, agarrou-a e correu para longe.

  Foram morar para casa da avó Teresa e acabou por ficar tudo bem.

Trabalho de Português – MF5B