A História dos Bombis – II

menina com asas num mundo mágicoPixaBay  PixaBay License

      Na cabeça de Flor só passavam maus pensamentos, não se via a sair daquele sítio misterioso e assustador. 

     Ouviu um barulho estranho e logo depois sentiu uma comichão nos pés. Flor pensou muitas vezes antes de abrir os olhos, mas, cheia de curiosidade, porém a tremer, finalmente abriu-os.

     Devagarinho, abriu os olhos e, muito espantada, deparou-se com imensas, mas muitas pequeninas criaturas, coloridas e nunca antes vistas.

     Esfregou os olhos com a esperança de que fosse um sonho ou alucinação, olhou para baixo e percebeu o que lhe estava a fazer comichão: nada mais era do que mais uma daquelas criaturas místicas coloridas.

     Cheia de medo, aproximou-se e tocou  o seu pelo vermelho e macio. A bolinha de pelo fez um som parecido ao dos gatos quando estão a gostar do carinho.

     Flor perdeu logo o medo e mudou o seu pensamento quanto às criaturas fofinhas e coloridas. Tentou comunicar com elas, mas parecia que tinham um dialecto próprio que mais ninguém percebia.

      As bolinhas explodiram e os seus membros foram para dentro: Flor percebeu que era assim que se movimentavam mais rapidamente. Seguiu-as…

(Continua)

CC8B

Bob, um Roqueiro Tranquilo

     boneco do projeto de ET

       Imagem: Oficina de Escrita

      A Construção da nossa personagem no Projeto “Divertidamente” – trabalho de BL C e B do 5C.

      Fizemos o cabelo com um pincel, à volta pedrinhas pretas coladas na cabeça, que era uma esfera de esferovite. O  Pescoço é de um arame, revestido de fita cola preta. O corpo é um novelo de lã cor de laranja. As pernas são feitas com pequenos rolos de tintas. Os pés, tal como as orelhas, são duas bolas de esferovite cortadas ao meio. O nariz é feito de algo inapropriado que não deve referir-se aqui.

      Chama-se Bob, é um Roqueiro de estilo Punk: compõe as suas músicas e canta-as, tocando guitarra. É muito bonito, um rapaz engraçado.

     Ele representa a emoção da raiva, porque odeia barulho, ele gosta de calma, de estar sem ninguém à volta a importunar.

BL5C e Colega Convidada

Carta do Reino Misterioso

árvores fotografadas de baixo para cima fundindo as copasPhoto by kazuend on Unsplash

  Reino Misterioso, 21 de Agosto de 2086

      Excelentíssimo Responsável pela Floresta Encantada,

      Queria informá-lo de que não está a cuidar bem da Floresta Encantada:

  •      Muitos animais estão feridos;
  •      As suas flores estão murchas;
  •      Está tudo arruinado.

     Gostaria que soubesse que, se continuar a tratar mal a maravilhosa Floresta Encantada, vai ser dispensado.

     Adeus.

    Reino Misterioso

    P.S. Espero que volte a cuidar bem da Floresta.

CG6B

 

A Família é a Maior Maravilha da Vida

mão aberta segurando bola transparente com família dentro

     PixaBay PixaBay License

     Quando for mais velha, o mais importante para mim vão ser os meus filhos e os meus netos.

      Para quem não sabe, a Família é a maior maravilha da vida.

     Quando eles tiverem idade, o que lhes vou dar é um álbum de fotografias: acho que é importante ver o nosso crescimento com os pais, amigos e primos.

     Temos de nos lembrar sempre dos nossos amigos.

     Quando eu era mais nova, achei que os melhores presentes que eu dava eram aqueles que se compravam.

      Mas no Natal, quando eu dei o presente à Mãe, achei até que a Mãe não ia gostar, mas quando a Mãe o abriu começou a chorar de felicidade: o presente era um “Pote dos Desejos”.

     O “Pote dos Desejos” tem tudo o que eu gosto de fazer com a Mãe.

     Agora vou-vos dizer que não sei quantos netos vou ter, mas espero que tenha, no mínimo, quatro.

     Se me perguntarem os seus nomes, vão ser Sofia, Inês, Francisco e Luís. “Sofia”, porque é o nome da melhor Mãe que já existiu, “Inês” porque é o meu nome preferido, “Francisco”, porque é o nome do melhor irmão do mundo. E “Luís” por ser o melhor Pai do mundo.

      Mas pronto, era só para saberem que a vossa Avó vai adorar-vos. 

LP6C

 

O Que Eu Gosto

ciclista erguendo as rodas de trás

   PixaBay PixaBay License

      Olá, eu sou o Lu!

     Gosto muito de bicicleta e de Hoverboard!

     A Família é  muito gira. Temos uma cidade enorme de Lego e tínhamos uma mota. O Pai vendeu-a no dia dos seus anos.

    Este Natal ganhei uma bicicleta cor de laranja fluorescente, desportiva. Costumo andar com os meus amigos da Escola antiga, a levantar as rodas da frente e as de trás.

      Gosto de passear pelo país todo: um dos sítios que mais apreciei foi Bragança: fui a uma Festa de Lego: havia imensas casas e cidades feitas por adultos: vendem-se, compram-se, recebem e gastam…

      Gosto muito de estar na minha escola e de estar com as “Ineses” e os meus amigos, como o C, o Z…

     Uma amizade vale toda a vida, porque toda a vida nunca nos vamos esquecer dos nossos colegas de Escola e ainda vamos poder continuar a tê-los.

     Continuaremos muito tempo juntos e até mesmo para o resto da vida!

LM5B

Querido Eu – V

Querido Eu, 

duas jovens dão as mãos e inclinam-se para trás segurando-se mutuamentePixaBay PixaBay License

          Há tanto tempo que caminhas comigo na Aventura da Vida!

     Mas hoje é diferente, porque queria agradecer-te pela companhia nos momentos mais difíceis, por me pores as ideias mais malucas na cabeça, por passares as maiores vergonhas da minha vida, sempre solidária comigo…

     Obrigada pela companhia, por poder contar contigo para guardares os meus segredos mais profundos e pelas paixões loucas que partilhamos.

     Eu admiro-te por estares presente nos momentos mais difíceis, por estares sempre preocupada comigo…

IM7B

Mapa para um Texto Futuro

astros, planeta, homem sobre fund onegro

PixaBay PixaBay License

Em Busca da Verdade sobre o Mundo

      Os humanos sobrevivem para a morte, mas não vai servir de nada, pois com  certeza irão morrer ao fim de um tempo.

     Um dia, um amigo meu perguntou ao Pai:

     – Porque nascemos para depois morrer?

     E o Pai dele respondeu com uma pergunta:

    – Porque te dou de comer, se vais morrer?

mapa de ideias sobre a origem de todos os serescontnuação  do mapa remontando até antes do bib bangImagens: Oficina de Escrita Autor RF7D

RF7D

Casa-Família e Casa-Escola

casinha de madeira na relva

PixaBay PixBay License

Inspirados no livro “Ecologia Emocional para Crianças” de Mercé Conangla, tentamos relacionar as “4 Casas” que habitamos: a Casa-Família, a Casa-Escola, a Casa-Planeta e a Casa-Invisível, onde se esconde o nosso verdadeiro “Eu”, por todas as outras nutrido e desafiado.

1.   O que aprecias mais na tua Casa primeira?

R – Aqui aprecio os meus Pais me apoiarem: quanto tenho uma nota má, eles dizem que depois consigo melhorar. Os meus Pais alimentam-me, fazem por mim tanto, só que não se consegue descrever ao limite.

Não apenas me apoiam mas também me mostram como vou ser em grande, como a vida é. Eles abrem-me as portas para quando eu for maior poder formar a minha nova “Casa-Família”.

2 – O que Aprecias mais na Casa-Escola?

      MM – Aprecio os professores me ajudarem,  quando necessito. Gosto de Inglês porque os meus Pais, tanto a Mãe como o Pai, me transmitem o que é, e assim aprendo que, quando um dia necessitar do Inglês, aprendi que, se nós soubermos, até é divertido.

     Gosto de Matemática porque gosto de puxar por mim, mas, por outro lado, também é algo que às vezes, se não estou muito concentrada, também não posso ser a melhor, porque leva muito estudo.

     E, às vezes, acontece na Matemática, pode parecer que sei tudo, mas às vezes, nas vésperas dos testes, eu penso que só preciso de estudar aí e então, depois, devia aprender que devia estudar todos os dias.

    Não todos, mas pelo menos alguns dias antes, e por etapas. Ainda por cima tenho uma festa de anos na véspera deste teste!

(Continua)

MM5A – Conversas na Oficina

Família e Fraternidade

menina acolhendo pomba contra fundo azul

PixaBay PixaBay License

Partilha informal sobre os temas para o Teste de EMRC

BL – Família, é uma palavra de origem latina.  Para mim, significa o amor aos Pais, aos Irmãos e, um dia, aos Filhos, quando os tivermos.

CM – Família é a nossa primeira companhia, é onde nasce a vida. Família é mãe que nos dá vida.

BL – Tem a ver com a Arte de Amar, que inclui a confiança, o respeito e a responsabilidade.

CM – Um exemplo de confiança é o facto de podermos contar segredos à Família. Um exemplo de respeito é o facto de falarmos bem com os Pais; um exemplo de responsabilidade é ajudarmos os irmãos mais novos a apertar os sapatos ou a secar o cabelo. Também podemos ajudar os Pais: pomos a mesa, arrumamos o quarto dos Pais quando eles estão doentes…

BL – A Escola é uma segunda casa para nós, onde até passamos mais tempo do que em casa.

CM – A Escola é onde aprendemos factos. Aprendemos a conviver com pessoas que não são da Família e é onde encontramos as grandes Amizades.

CM – Os Avós têm um papel importante na Família: primeiro, foram eles que criaram os nossos Pais; segundo, eles dão-nos sempre doces, amor e carinho.

BL – O meu Avô está sempre a ir almoçar fora connosco: leva-nos às Pizzas.

CM – As Avós ensinam-nos a tricotar.

BL – A Avó da Luísa ensinou-a a costurar. Ontem ela comprou um Slime e é alérgica. Perguntei se era mesmo e era, mas ela disse que tinha comprado para dar aos meninos que não têm.  Ela está a fazer pulseiras para angariar dinheiro para os outros que precisam. É só no 5º D.

BL – Somos Irmãos: uma Fraternidade, porque temos uma origem comum – Deus. Eu sempre me perguntei para onde vão as pessoas que morrem.

CM – Como é haver um “Lá”?

BL – Desde que era da Pré, sempre quis ser uma chita quando morresse. Ou então um búfalo: seria o símbolo de estar alerta, sempre pronta para ajudar os outros, mesmo que fosse ameaçada por leões, porque se o meu amigo está a morrer, eu vou sempre ajudar. As chitas não têm família: as mães vão embora muito cedo, as crias ficam sozinhas.  Eu pensava que assim podia mostrar aos outros que elas não têm que ficar sozinhas e também queria ser uma chita porque gosto de correr.

CM – Na Festa do Pijama, em casa da Luísa, a Mãe disse que depois de morrermos, talvez fôssemos para um sítio onde pudéssemos corrigir algo que na nossa vida não estivesse bem, antes de mergulharmos no Amor.

BL – Há o Porco Havaiano da Moana – no filme: a Avó da Moana morreu dizendo que ia ser uma raia e havia de acompanhar a neta até ao mar para salvar o mundo, porque havia alguém mau que ameaçava o mundo. Ela trazia ao pescoço a pedra da Deusa Natureza: sem a pedra, tudo se tornaria escuridão.  A Avó morreu, mas deu a pedra à neta e a neta é que salvou o mundo.

CM – Há o que nos aproxima e o que nos separa. O que nos aproxima é o amor, a amizade, a paz, a alegria, o estudo, o trabalho, termos projetos em comum.

BL – O que nos separa é a falta de camaradagem, porem-nos de parte, quando não servimos, fazerem troça das nossas fraquezas.

CM – A dignidade humana é que todos somos capazes de amar, pensar e ser livres.

Conversas na Oficina  – BL e CM

Aquecimento Global e Alternativas Criativas

gráfico do aumento gradual da temperatura no planetaEarth Observatory NASA

Introdução de CA7A

     Nos últimos cem anos, a média das temperaturas tem sido cada vez mais alta. Como sintoma, as espécies que só sobrevivem em climas mais frios, começam a extinguir-se. Zonas já muito quentes, começam a tornar-se desérticas, com risco para a flora e a fauna.

mapa da vegetação segundo o observatório da Nasa

Earth Observatory NASA

Desenvolvimento de AF7B

     O Aquecimento Global está a causar problemas no dia a dia  de todos nós. Mas se pensarmos bem, porque há estes problemas e por que é que nós sofremos com eles?

     Em primeiro lugar, os problemas acontecem pois o gasóleo, a gasolina, de que os carros fazem a combustão, podem levar à subida do nível da água do mar.

     Como? Estes gases vão destruir parte da camada de ozono permitindo passagem de mais luz solar. Isto, por sua vez, vai levar a derreterem-se os glaciares.

     E quem faz isto e quem é que sofre?

     Somos nós que sofremos e alguns sofrem, mas acham que não acontece nada. E quem faz com que nós soframos? Somos nós que estamos a causar estes problemas e sabemos disso. Mas a questão é que nos estamos “nas tintas” para o assunto, quer dizer, alguns de nós.

     Mas há uma vantagem, e, felizmente, alguns de nós já olham para ela: é que podemos mudar isto. A pergunta é: COMO?

     De várias maneiras: em primeiro lugar, arranjarmos outros modos naturais de pormos carros a andar. Consumimos demasiada carne de vaca e isso dá motivo a haver cada vez mais vacas. Elas também poluem com as emissões de metano que atacam o ozono.

     Por isso devíamos comer mais peixe, embora isso possa levar a um risco de extinção de algumas espécies de peixe.

     Mas estas maneiras de ajudar já são muito boas.

Colaboração da Oficina de Escrita

círculo nos círculos de kandinsky

   Wassily Kandinsky Fonte: Wikipedia Commons Public Domain

     Aproximamo-nos de um momento crucial na vida da Humanidade; melhor dizendo, já o atingimos.

    Segundo os autores do Instituto Momentum alcançamos o fim da “Era do Antropoceno”, isto é, conseguimos sair de uma época em que o ser humano dominou o planeta e o seu ambiente envolvente e vital como se de mero objeto manipulável se tratasse.

     Agora, face ao afundamento das estruturas que suportavam o mundo conhecido, os desafios lancinantes que se colocam às novas gerações pedem a todos nós o melhor da nossa solidariedade e espírito inovador.

Texto de AF7B

com duas colaboradoras

Lutar pela Justiça no Mundo

silhueta de menina e cavalo contra fundo de poentePixaBay PixaBay License

     Margarida era de estatura média, de gestos harmoniosos; os seus cabelos loiros e ondulados caíam pelas costas; os seus lábios eram sorridentes, o nariz fino e direito; os olhos azuis-esverdeados, com uma expressão viva e alegre.

    Ela era corajosa, amável e muito aventureira. A sua actividade favorita era andar de cavalo ao ar livre no prado verde, admirar as nuvens e o céu limpo. Enquanto galopava, sentia-se livre.

     Ela tinha milhares de amigos: uma fada e os seus amigos de escola. Mas os seus amigos não conseguiam ter essa visão. É preciso ter uma fortíssima imaginação para ver esse lado do Universo.

     E quando fosse grande, queria ser cavaleira: lutar pela Justiça no mundo!

MM5A

Viver a Natureza

     rosto de jovem encostado a rosto de cavalo

     Photo by Seth Macey on Unsplash

      Olá,

     Hoje vou falar sobre Animais. Sem eles não haveria companhia nem aquela Felicidade  próprias que eles nos transmitem.

     O meu animal favorito é o cavalo, porque ele é muito bonito e por ter várias espécies: Lusitano, Puro Sangue Inglês, Puro Sangue Árabe, Pusheron, Póney…

     O meu desejo ardente é viver a vida com os cavalos, em comunhão, em paz e, o principal, a treinar com eles, a montar. Galopar livremente pelos campos é viver a VERDADEIRA NATUREZA.

       Eu creio que os cavalos existem para que possamos ser mais humanos.

CM5C

Natureza, que Palavra Linda!

nascente

     Photo by frank mckenna on Unsplash

     A Natureza é um novo mundo para nós, onde podemos escutar os pássaros, ver as árvores a mexer e, por vezes, meninos a brincar. 

     Temos de começar a criar e a desenvolver a Natureza.

     Na minha sala, estão dois sacos, um azul e um amarelo, para colocarmos , no saco azul, o papel e no saco amarelo, o plástico.

     Eu amo ver o sol a nascer, é tão bom… O céu começa a ficar clarinho e as nuvens rosadas e lilases.

     Natureza, que palavra linda!

CM5C

Guigo, um Grande Amigo

ursinho de peluche sentado num banquinho rodeado de relva

      PixaBay PixaBay License

     Eu tenho muitos peluches, mas o meu preferido e um peluche ao qual eu dei o nome de Guigo.  ele é de cor creme, com a barriga acastanhada.

    O Guigo tem as orelhas como dois meios círculos, os olhos redondinhos e o pelo muito macio.

     O peluche foi-me oferecido pelo meu Pai quando eu era bebé. Ele chama-se “Guigo” porque eu chamo ao meu Pai de “Pai-Guigo”; dei esse nome ao peluche para não me esquecer que foi ele que mo deu quando era pequena.

      Quando eu for adulta, eu vou dar o peluche aos meus filhos e espero que eles façam o mesmo.

     O Guigo é o meu melhor amigo, pois posso contar-lhe tudo e eu sei que ele não me vai trair.

BF6A

O Mundo dos Peluches

peluches lendo uma história ilustrada sobre brinquedos animados

   Peluches a Ler . Imagem da Oficina

      Os meus peluches preferidos são três:

  • Choubaka: é castanho, de olhos castanho e muito corajoso.
  • Riscas: é um gato branco com riscas pretas. Tem os olhos azuis.
  • Por fim, o Kikos: um cão muito peludo e fofo, branco, com os olhos verdes. 

      Eu gosto de tê-los no canto do meu beliche, porque me sinto mais confortável. Sem os meus peluches, não sei  o que seria de mim.

     Teria sempre, todos os dias, pesadelos atrás de pesadelos e não  conseguiria dormir, estaria todas as noites acordada e não descansava.

     Quando for adulta, vou dar os meus bebés aos meus filhos, ou, se não tivesse filhos, dava aos meus sobrinhos.  Eu iria ficar muito feliz, porque eu só ia fazer o bem.

     O sentido de haver Peluches é para aconchegar as crianças e para nos sentirmos sem medo durante a noite.

CT5A  

Na Última Semana de Vida

jovem de costas que contempla um poente dourado e intensoPixaBay PixBay License

      Se eu soubesse que já só tinha uma semana de vida, iria passá-la com os meus melhores Amigos, com o meu Namorado e Família, pois são as pessoas mais importantes na minha vida.

      Já me apeguei tanto a eles que, se agora me separasse deles, tudo ia mudar: a minha vida já não seria a mesma.

       Eles são as pessoas que me apoiam. Quer eu faça ou não a escolha certa, eles dizem que a escolha que fiz me deixa feliz, eles ficam felizes por mim.

     Isso é ótimo, porque sei que vou sempre ter alguém para me apoiar quando mais preciso.   

      Nesta última semana, o que mais gostaria de fazer era longos passeios pela praia, enquanto conversávamos e contemplar o por do sol. Fazer um filme de comédia e de terror.

      Gostaria também de dar um passeio em Família e, no fim, para me despedir, organizaria uma Festa em que ia dançar, cantar e rir até cair.

       Nas longas conversas, entre os assuntos de que mais falaria seriam os momentos únicos que vivemos juntos.

       Não pensar em partir como se fosse algo mau, pois poderíamos manter contacto nos nossos corações.

          E depois de tanto tempo sem estarmos junto das pessoas que amamos, é incrível o reencontro.

      Depois de tanto tempo sem nos vermos, íamos ter tanta conversa para pôr em dia que as próprias conversas iriam parecer uma Eternidade. 

MB8C

       

O Melhor Peluche do Mundo

      patinho de peluche amarelo espreitando e sorrindo

   Pixabay PixaBay License

     O meu peluche é o melhor do mundo.

     É amarelo, grande, fofo e muito simpático. Há pessoas que dizem que os peluches são só um brinquedo, mas não, um peluche é um amigo a quem nós podemos  contar tudo e nunca nos vai trair.

      Quando recebi o meu peluche, não lhe liguei muito, mas quando tinha um pesadelo, agarrava-me sempre a ele.

recado ao seu amigo

       Imagem: Oficina de Escrita

O Amante do Oceano Esplendoroso

ondas em rebentaçãoPixaBay PixaBay License

(Dedicado a PC7B)

     À beira de um Oceano esplendoroso é que o sonho se distendia nele, abria-lhe o coração até ao infinito e e mergulhava-o na fonte da Alegria.

     Não lhe faltavam amigos, mesmo sendo pobre e vivendo ao acaso pelas praias.

     Tinham chegado a considerá-lo “o animal mais fofo do mundo” devido à sua aparência ternurenta e um pouco sonhadora, o longo pelo cinzento sempre limpo, pois mergulhava entre as ondas a  cada 5 minutos, na sua paixão impaciente por nadar.

      Colecionava sandes que os turistas partilhavam generosamente, cativados pelo seu jeito meigo de se aproximar. Alimentava-se assim, do acaso, ora de largas folhas de alface, rodelas de tomate entremeadas com bocadinhos de atum, ora deliciava-se com um cachinho de uvas e pão escuroo recheado de chouriço. 

     Durante o dia recolhia pedacinhos de plástico e papéis amarrotados que encontrava na areia e ia levá-los ao Nadador-Salvador que se tinha tornado um grande amigo.

    Ao anoitecer, aninhava-se entre as rochas, embrulhado numa mantinha de retalhos e ficava a trocar piscadelas com as estrelas cintilantes no infinito.

                Com BF6A, CR6A e LP6C – Inspirações para Escrever OE

O Peluche Encantado Que Reviveu

Ursinho de peluche e coraçãoPixaBay PixaBay License

       Era uma vez uma menina que tinha o sonho de ganhar um peluche. Ela viu o Peluche de Toysrus. Ele era brilhante, encantador… Ai, nem sei explicar… era um ursinho com pelo branco, olhos azuis e muito gordinho. Ai, era tão fofinho!

      Ela tinha-o pedido aos pais no Natal e, ainda para mais, o Peluche era maior do que a menina! No dia 24 à meia-noite, com a Família da menina reunida, ela tinha-se sentado no sofá, à espera da sua vez para abrir os presentes.

       Chegou a vez de a menina abrir os presentes. O Pai disse-lhe:

      – Filha, abre o teu presente.

       Ela respondeu:

       – Ah, Pai, isto é tão grande! – Abriu o presente e viu que era o ursinho que tanto queria, e caíram-lhe muitas lágrimas de tanta alegria. Ela só disse “muito obrigado” e só tinha olhado para cima e para baixo, com o espanto: “- Isto é verdade?” 

       No dia seguinte, ela ia passear e não o deixava para lado nenhum que ia.

       Agora que tem onze anos e ainda nunca o deixou, os pais dela a cada dia que passa, ficam ainda mais espantados. E dizem:

     – Como é possível ela ainda não ter deitado fora o ursinho?

CG6B     

Um Obrigada Infinito!

pássaro em tons de verde e amarelo em ramo de árvore japonesa rosa vivo

Photo by Boris Smokrovic on Unsplash

De: Amor de Filha

Data: Válida para Sempre

      Querida Mãe, 

      Um Obrigada Infinito!

   O que aprecio mais em ti é a tua maneira de estar, que é sempre feliz, amorosa e apaixonada por tudo o que fazemos.

      Uma vez fiz um desenho de ti com uma rosa no cabelo.

      E ainda me lembro quando me deste aquela raposa cor de rosa que tem uma coroa e um colar com uma estrela grande.

      O que nós passamos juntas é o nosso jardim: deitamo-nos juntas na relva, a sentir o vento no rosto e os nossos cabelos lisos a esvoaçarem, a ouvirmos os passarinhos a cantarem nos nossos ouvidos: eles cantam músicas lindas.

CR6A