Sonetos de Florbela

     máscara de florbela espanca

     Wikimedia.org Atribuição: Creative Commons 2.0 Generic

  Tal como o meu colega disse ao apresentar este livro de Florbela Espanca, eu também sou uma pessoa que não consegue ver tudo perdido.

    A Autora vê a vida de uma forma impressionantemente negativa, mas não faz disso uma queixa, mesmo sendo ela justificada.

    Para mim, a vida não lhe correu nada bem e ela continuou a esforçar-se até que realizou que não ia encontrar um sentido de felicidade. Como não encontrou a felicidade cá, foi ver o que encontrava “lá”.

  Florbela Espanca nasceu e morreu a 8 de Dezembro, suicidando-se aos 35 anos, após 3 casamentos em que não encontrou a felicidade.

      A sua obra poética é marcada pela exaltação passional, tal como a de António Nobre e Sá Carneiro, por exemplo.

     O primeiro soneto apresenta o seu próprio livro como um repositório de vivências profundamente tristes que a autora deseja partilhar com todos aqueles a quem a vida transformou pelo sofrimento.

     A Poetisa interpela os seus leitores, considera-os como formando uma fraternidade de seres sofredores que podem encontrar, nos seus poemas, refrigério e conforto para a sua própria dor.

     “Este livro é para vós, abençoados, os que o sentirem, sem ser bom, nem belo!”

     No poema “Neurastenia”, entrelaça a sua íntima vivência de sofrimento e dor com os elementos da paisagem, que a tornam de certo modo hostil, mas espelhando fielmente o que a própria escritora sente.

    A chuva, o vento e a neve personificam toda a amargura e miséria espiritual que a poetisa sofre.

MF11

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.