Os Meus Cães Fabulosos!

     

Image par cocoparisienne de Pixabay

    As minhas cadelas são Labradoras; o meu cão é um Pug chamado Scone.

      A Kika tem um ano, o pelo branco, meio beige; a Juju tem 10 anos e o pelo preto.

     A Kika tem uns olhos amarelados cor de mel, com uma expressão maluca, não se pode dar um brinquedo, que ela destrói tudo, e a comida, engole em dois segundos.

    A Juju tem os olhos castanhos escuros, está sempre a pedir miminhos; quando a Kika era pequenina, podia estar na cozinha; uma vez a minha Mãe estava a limpar a casa e deixou a porta aberta. Quando foi ver, estava a Kika na sala, no meio dos peluches.

    A Juju é muito querida, não quer brincar, só quer festinhas: receber e dar.

  Nos primeiros tempos, vomitava muito, teve de ir para o hospital e passou o Natal connosco, quando tinha 2 meses.

   Também tive a Camila, uma Rotweiler, esteve um bocadinho em casa, mas era muito nervosa, atacava a Juju e foi bom dar. A quem nós demos tinha outro Rotweiler, o Fox, e tiveram bebés.

  Quando era pequenina, a Juju vinha à janela, lambia o vidro do lado de fora e eu lambia o vidro do lado de dentro.

  O meu sonho é ter um Golden Retrivier; acho que são muito lindos e fofinhos. Queria um para estar aqui dentro de casa comigo.

MC5C

As Minhas Férias de Verão Inesquecíveis

     

       Flickr.com Autor: Vítor Oliveira

      Eu, o meu pai, o meu amigo e os dois cães, partimos dia 27 de Junho. 

     Eu e o meu Pai já planeamos algumas atividades: por exemplo, vamos com duas redes apanhar caranguejos, mas bem cedo.

    Depois de os apanharmos, devolvemo-los ao mar, mas antes de os devolvermos à lagoa, nós pegamos no balde onde estão, despejamos na areia, eles começam a correr e nós fazemos apostas a ver quem chega primeiro ao mar, mas os cães acabam por torturar os caranguejos: ou pisam-nos com as patas ou agarram-nos com a boca e atiram-nos para onde eles quiserem.

    Também vai haver Praia, todos os dias, muito cedo de manhã, vamos para a praia; para não apanharmos muita gente, instalamo-nos nas dunas com as nossas coisas: toalhas, guarda-sol, etc.

    O meu Pai vai levar só um dos cães de cada vez para a praia, enquanto eu e o meu amigo vamos apanhar ondas nas nossas pranchas de bodyboard.

   Vão ser momentos muito divertidos e inesquecíveis, porque, quando estamos dentro da onda, não nos apetece sair de lá, pois é calmo.

     Quando acabarmos, vamos relaxar para a piscina com as nossas boias, a apanhar sol; também vamos jogar golfe e vai ser formidável, porque já não jogamos há muito tempo.

     Vamos andar de Buggy pelo jardim inteiro da casa que é enorme, com relva, algumas palmeiras e figueiras; vou apanhar figos para a minha Mãe.

     Mais à noite, cansados, vamos ver filmes na Netflix, de terror, de aventura e ação, de comédia, com os cães deitados ao pé do sofá.

    E o melhor de tudo, vamos dormir com os nossos cães nos nossos quartos! Vamos usá-los como peluches; o Jungle, que é o pastor alemão, tem mais cara de ir dormir ao nosso lado, enquanto o Stark, tem cara de ir refastelar-se em cima de nós e mexe-se imenso até adormecer!

TB6A

CAD em Isolamento – O Rapto do Dono do Panqueca II

cão e gato

Flickr.com   IgRVV

     O Panqueca foi à delegacia mais próxima e começou a latir para os polícias e a apontar com a cabeça na direção do Armazém.  

    O polícia percebeu que o Panqueca queria dizer algo, o Panqueca começou a correr para o Armazém e o Polícia foi atrás dele.

   Quando o Panqueca e o Polícia chegaram ao Armazém, estava em chamas e dava para ouvir miados fracos que vinham do Armazém 21.

    O Panqueca foi com o Polícia atrás dos miados; quando chegaram a Batatinha desmaiou com a fumaça tóxica. O Polícia chamou os bombeiros e mais reforço.

       Conseguiram salvar a Batatinha e apagaram o incêndio.

     O Panqueca foi às cegas farejar os três meliantes, que estavam a ser comandados pela Milk, e os reforços chegaram!

    Prenderam os três meliantes e a Milk foi para um veterinário. O Dono, que tinha estado amarrado a uma cadeira, foi solto pela Polícia e  foi ao encontro do Panqueca e abraçou-o!

     A Batatinha recuperou-se rapidamente. O Dono regressou à sua Família com o Panqueca.

     Com a colaboração do Panqueca conseguiram encontrar os 3 meliantes, o Dono e a Milk! 

    O Panqueca agradeceu muito a ajuda da Batatinha. O Panqueca entrou para o corpo da Polícia.

    Todos os amigos celebraram o grande final desta Aventura!

ZH6D

CAD em Isolamento – A Quarentena Feliz

Foto de Pikist

    Eu estava todos os dias aborrecido em casa até chegar a Ruby.

   Na Escola em tempo normal, os professores dão  mais coisas, para fazer em casa e para estudar. A Escola online não manda imensos trabalhos. Faço exercício físico que os professores mandam.

     Eu acabo sempre cedo, mas às vezes demoro mais tempo.

    Quando não tenho nada para fazer, brinco com o meu irmão de quatro anos.

     Estar na Escola é muito melhor.

    Contato com os amigos, vejo-os nas aulas online.

    Estou a ler o “Príncipe Nabo”. “A Vida Mágica da Sementinha” era muito difícil.

    Só fui duas vezes ao Parque. A primeira vez que fui, pude brincar, mas na segunda vez só dei uma volta de trotinete e voltei para casa. Agora saio de casa só dentro do Condomínio porque a Ruby ainda precisa de levar a segunda vacina.

    A minha Mãe diz que se não tocarmos em nada, só na trotinete, podemos brincar um pouco.

    Quando saímos, a minha Mãe diz que, se não tocarmos em nada, a não ser na trotinete, podemos brincar um pouco.

   Na garagem há um sítio de jogos – por exemplo, matraquilhos –  onde ando de  trotinete com o meu Irmão, mas agora não, porque  arriscamo-nos a apanhar um coronavírus nas rodas. A minha Mãe avisa quando é preciso lavar as mãos.

    Tenho um novo cão de água Português, chamada Ruby. Ela gosta muito de brincar comigo e com o meu irmão. Ainda é bebé. A sua atividade favorita é correr. Atiramos a bola e ela vai a correr buscar.

    Ela fica numa enorme caixa de grades que parece uma prisão, onde come, bebe e dorme.

CAD em Isolamento – Conversas na Oficina – OA5B

Às vezes ponho Música Baixinho…

retriever brancoImage par JacLou DL de Pixabay 

     Os meus projetos a curto prazo são terminar de fazer uma surpresa sobre a qual ainda não posso falar.

    Vou estar estes dias no meu quintal, com a minha cadela Triksei – o nome é o da namorada do Pilot Speed Racer ; ela é  uma Golden Retriever muito branquinha; na rua, as pessoas perguntam se é um Labrador.

    O meu sítio especial é a Garagem, porque tem imensas coisas antigas como os nossos cadernos e dossiers antigos.

     Encontrei lá um minitapete com um ursinho felpudo do tempo da minha Infantil, que a minha Mãe vai coser numa almofada para mim.

    É tão fixe ter um minicantinho! Quando tenho tempo para ler, sento-me com a minha girafa gigante que recebi no Natal: ela faz de poltrona, tem os olhos brilhantes; sento-me e é como se ela me estivesse a abraçar.

    Não tenho músicas preferidas; vou pondo “gosto” nas músicas que aprecio. Às vezes ponho música baixinho, de Mozart ou violino e leio.

     Li agora um livro muito antigo, da minha Mãe – ela disse logo que eu ia gostar; temos imensos livros; no escritório há imensos livros antigos da minha Mãe. Ela foi buscar “O Diário Secreto de Adrian Mole”.

   Também estou a ler o”22 Mistérios da História” – é tão interessante! Fala de conspirações, como o triângulo das Bermudas e a Área 51.

Conversas na Oficina – CA5A

Um Cão na Neve

cão na neve          Image par may-jeanp de Pixabay   

   Num país distante, onde sempre nevava, vivia uma menina chamada Ana, que estava sempre a ler. Mas ela estava a sentir-se sozinha, pesquisou como é que ela se podia sentir menos sozinha, encontrou várias imagens de pessoas com cães.

   No dia seguinte, a Ana foi buscar no canil, olhou e olhou, já estava a pensar que não ia encontrar, mas, quando saiu, ouviu um cão. Foi atrás do som, encontrou um cão na neve. Rapidamente foi a oveterinário, que disse:

    – O cão está bem, até está com as vacinas, já devia ter sido de uma pessoa.

   O cão era preto e nervoso, psicologicamente parecideo com a Ana, mas a Ana tinha cabelo castanho e olhos azuis.

   Ela foi comprar comida e muitos cobertores e uma casinha, até comprou roupas, escova e biscoitos para ele comer.

  Ela aproveitou e pagou a um amigo que treinava cães. O seu amigo chamava-se Alex, tinha cabelo preto, olhos verdes brilhantes. O Alex disse:

   – O cão já tem nome?

   A menina disse que ainda não tinha pensado, mas que podia ser “Biscoito”, e assim foi. A Ana explicou que as aulas começavam no Sábado e o Alex aceitou.

   No Sábado o cão portou-se bem, saíram á rua, passou um vento que vinha com um papel para inscrições num concurso para cães. A Ana inscreveu o cão e o Biscoito ganhou!

Trabalho de Português –   LF5B

Flippy, o Campeão

cão a nadarImagem de Prachya Singhto por Pixabay 

     Era uma vez um cão chamado Flippy, de raça pastor alemão, que era muito fofo e tinha um dono muito simpático.

     O Flippy sofria de uns problemas nos ossos e o dono queria ajudá-lo. 

     Um dia, ele encontrou um lago verde, onde viviam pequenos peixes. Desde esse dia, o dono ajudou sempre o seu cão a ir para a água, para o cão relaxar e os seus problemas passarem.

     Com todo este treino dentro de água, o cão tornou-se um grande nadador.

     Então, quando ele já estava bem, o dono quis inscrever o Flippy na natação.

     Mais tarde, ele chegou a ser chamado para as Aqualimpíadas. E aí, entre os melhores cães nadadores do mundo, ganhou um honroso primeiro lugar!

DJ5D

Os Cães Nunca Mentem…

flamingos no lagoPhoto by Msh Foto on Unsplash

      O meu animal preferido é o cão. Porque o cão, para mim, é o melhor amigo do homem.

     O cão é muito divertido, porque é brincalhão: quando te lambe, te faz cócegas, e quando nós estamos sozinhos, ele vem ajudar.

     O animal mais bonito é o flamingo, porque tem cores muito bonitas em tons de rosa. Mas os cães têm muito amor e há uma frase que comprova isso:

“Os cães nunca mentem quando falam de amor.”

EM6B

Ce que J’Aime Bien

adro da Igreja onde o Alex brinca com os amigos em frança

     Google Maps – photos Baptiste Dailhé Atribution: Conditions de Google Maps

       Gosto de imensas coisas! Por exemplo:

    Jogar futebol com o meu irmão, jogar pingue pongue, jogar videojogos, como Fortnite.

    Dou passeios com o meu avô pelos olivais no Alentejo. Passeio os cãe: um é branco com pintas castanhas, o outro é um bulldog francês e ainda há um beagle muito maluco que cada vez que sai, foge. Já ficou desaparecido 3 dias.

    O meu bulldog francês sabe sentar-se, fazer de morto, e até se deixa revistar, com as patas da frente apoiadas na parede.

    As minhas impressões de Portugal são boas, gosto de viver aqui. As pessoas são simpáticas. Cá descobri novas coisas, como por exemplo, novas refeições, novas terras…

    Para o 3º período gostava de ter melhores notas a Português, sobretudo em gramática, educação literária e escrita.

    Nas férias grandes penso ir a França  – no Domingo, ao fim da tarde, os meus amigos e eu jogávamos futebol, andávamos de bicicleta, de trotineta e de patins, no adro da Igreja. Eu morava na rua Gbh la Folie. Quero voltar a vê-los e voltar a fazer isso.

      Na Páscoa vou para o Alentejo e Açores ou Algarve.

AS5C

Semba, “o Fofo”

yorkshire terrier numa rede verde

     Photo by Gabriel Yuji on Unsplash

     O meu cão chama-se Semba e é da raça Yorkshire. Tem o pelo loiro na cabeça e nas patas, cinzento no pescoço e é preto no resto do corpo. Tem estatura pequena e pesa dois quilos. Os olhos são pretos e fofos.

     Um dia, ele sofreu muito: engoliu um clip e teve de ser operado à barriga. Ainda hoje, quando se vira para lhe darmos festas – porque é muito fofo – vê-se a cicatriz.

     Tem uma roupinha azul e branca, com desenhos de flocos de neve e fica muito fofo com ela.

     O Semba  tem andado muito cansado. Quando eu vou para o sofá ele salta para o meu colo e adormece.

MI5C

Peter Pan, um Destino Feliz

pintura de rosto de caozinho amareladoPixaBay PixaBay License

     Era uma vez um cãozinho que estava na rua  sem coleira.

    Vieram os homens do Canil e levaram o cãozinho para uma Associação de Animais Abandonados.

    Mais tarde, apareceu uma pessoa que estava hesitante na escolha entre o gato e o cãozinho. Finalmente, a pessoa escolheu o cãozinho para levar para sua casa, pois este era mais meigo e não deitava coisas ao chão.

     Era pequenino, de pelo amarelado, as orelhas caídas e olhar suave. Passou a chamar-lhe Peter Pan. O cãozinho gostou muito da casa nova e da sua Família humana.

    Depois de vários anos, ele chegou a aprender a andar de skate e a fazer de DJ com o dono, nas festas de Cães que davam na garagem!

OUF, OUF!

DS6B

Ela Traz, à minha Vida, Amor e Felicidade

    golden retrivier

     Photo by Daniel Cano on Unsplash

     A minha cadela é a Xica; é uma Golden Retrivier de tamanho médio, com o pelo dourado e macio. As orelhas são caídas e tem olhos castanhos, brilhantes.

     Quando ela me vê a chegar, à porta de casa, vem a correr, salta de alegria e começa a lamber-me.

     A minha cadela entrou na minha vida quando eu, com sete anos, estava sempre a fazer favores aos meus pais e eles, então, deram-me a Xica: dentro de uma caixinha, veio mesmo bebé para mim.

      Quando a Xica for velhota, eu vou estar sempre ao lado dela, tal como ela, sempre que estive doente, permaneceu ao meu lado.

     A Xica traz à mnha vida Amor e Felicidade.

CR6A

Querido Óscar

pintura de golden retrivier bebé

PixaBay PixaBay License

Cascais, 10 de Outubro de 2030

       Querido Óscar,

       Estou a escrever-te para te dar os meus Parabéns.

      Muitos Parabéns, espero que tenhas um dia ótimo.

    Lembro-me, como se fosse ontem, que penteava o teu pelo macio.

     Eras um Golden muito pequenino e, quando eu chegava da Escola, vinhas a correr atrás de mim.

     Contigo ao pé, não dava para dobrar as meias, porque tu começavas a correr, enquanto roías as meias.

     Tu eras muito obediente, porque quando nós dizíamos “não”, tu sentavas-te.

     Lembro-me que fizeste chichi no tapete preferido da minha Mãe e ficaste de castigo na garagem.

      Quando fores mais velho, vais viver para minha casa, eu prometo.

     Quando vieste para casa dos meus Pais, ela ficou muito mais alegre.

      Adeus ao melhor cão do mundo.

L

LP6C 

 

Lua, a Cadela Maior do Mundo

cão setter com flor rosa na bocaPhoto by Celine Sayuri Tagami on Unsplash

     Era uma vez uma cadela que se chamava Lua; ela era muito grande, a cadela maior do mundo, e o seu dono chamava-se Zé.

     O Zé adorava ser como ela, porque era pequenino e a Lua era grande e o Zé gostava de ser imenso.

     Um dia, mesmo à tarde, o Zé desejou intensamente ser como ela.

      No dia seguinte, Zé apercebeu-se de que tinha patas enormes, viu-se ao espelho e assustou-se, mas, ao mesmo tempo, sorriu.

     Quando foi lá para fora, viu a Lua a brincar muito com ele e ficou muito assustado, porque nunca tinha visto a sua cadela tão brincalhona. Ela nunca tinha tido amigos e ficava só, a dormir sozinha.

      A partir desse dia, a Lua ficou muito mais brincalhona do que o normal.

    Entretanto, Zé apercebeu-se de que não podia ser um cão e, para a Lua não ficar sozinha, comprou-lhe um cão igual a ela. Viveram os dois felizes para sempre e fizeram uma criação de cachorrinhos.

ZG6B

A Mana, a Flee e a Suki

cão e gato minúsculos a cair em copo de gelado

     Photo by Bundo Kim on Unsplash

     Os meus animais favoritos são o gato e o cão, porque são os animais  que eu tenho em casa.

      A minha gata chama-se Flee, tem 11 anos, o seu pelo é cinzento e branco, ela está sempre a olhar alegremente e gosta muito de brincar.

       A minha cadela chama-se Suki; ela está sempre com um olhar assustado; o seu pelo é branco e um bocadinho áspero, tem os olhos castanhos e tem, 11 anos também.

       Elas brincam à apanhada, às escondidas, gostam muito de se esconderem na cozinha.

     A minha cadela e a minha gata fazem muita diferença na minha vida, porque, sem elas, muitas vezes não teria nada para fazer.

     Sem os meus animais estaria sempre só a brincar com a minha irmã e estar sempre a brincar com a mesma pessoa não é assim tão giro.

      Com ela brinco às professoras, às aulas de dança, às vezes uma inventa uma história e a outra escreve!

     Com a Flee e a Suki eu brinco com o Laser, com bolas e muito mais jogos, como ao dos biscoitos, que inventei com a minha Mana.

CT5A

A Minha Julieta

bebé tshih-tzu

     Pexels.com Atribuição: Pexels License

     A minha cadela é linda e muito fofa. Ela tem 2 anos, o pelo branco e é uma Shih-Tzu.

      Eu amo a minha Julieta.

     Acho muito engraçado quando ela tenta ver, através do muro, as galinhas do meu vizinho. Às vezes, quando acho que ela quer ver as galinhas, chamo-a, ela salta para cima de mim e eu mostro-lhas.

     A minha cadela não pode ir para o sofá, mas, às vezes, sorrateiramente, vai encostar-se a mim e adormece.

      Eu vi a minha cadela pela primeira vez, quando tive de sair da Equitação e o meu Pai me disse:

      – Eu sei que tu gostavas muito de ter um cão e, já que saíste da Equitação e gostas tanto de animais, compro-te um cão.

      Quando vi a ninhada de cães, houve um que me veio cheirar e eu disse: 

      – Pai, é esta cadelinha que eu quero.

      Peguei nela, fomos para casa e nunca mais a vou esquecer.

MM5A

“Jumbo” – Um conto de Natal

labrador velhinho deitado vendo-se só a cabeçaPixabay Atribuição CC0

     No Natal de há dois anos, o meu Avô salvou um cão que estava atropelado ao pé do Jumbo: por isso lhe chamou “Jumbo”. Levou-o para casa, mas como tinha muita idade, deixou-o no canil.

    Os meus Pais queriam fazer-me uma surpresa e foram buscá-lo ao canil. Mas eu, ao vê-lo tão grande, tive medo. Fui-me habituando a ele a pouco e pouco.

     No dia de Natal, fomos buscar o meu Avô que o tinha salvo. O cão foi para a sala e os dois reconheceram-se!

     A data de nascimento, como não a sabíamos, registamos no meu dia de anos, a 4 de Março.

     Mas ele já era muito velhinho e coxo: morreu em Janeiro, muito bem cuidado e cheio de Paz.

BL5C