CAD em Isolamento – Uma Questão Por Trás da Beleza

belezaImage par bianca-stock-photos de Pixabay

    A Beleza está presente em toda a parte: nos olhos dos amigos, na voz dos que nos amam, na nervura das folhas do jardim.

    A Beleza torna a nossa vida melhor, mais plena. Já pensaram o que seria a Vida sem Beleza?

    A vida sem Beleza não é concebível, como se nós, seres humanos, tivéssemos sido apetrechados, de raiz, para contemplar e saborear a Beleza.

    A Beleza existe nos seres e ações mais pequenos e, tantas vezes, nos mais insignificantes.

     Como nas antigas catedrais, o rendilhado da pedra no píncaro das torres não podia ser alcançado pela visão humana,  assim também, permanece oculta a Beleza em filigrana dos atos generosos de que ninguém se apercebeu.

     A Beleza é, para muitos, o que nos faz levantar da cama: como para Paul Klee, que dizia “A cor está viva em mim, sou pintor!” assim também a música está viva em compositores e o rosto do ser amado no coração do seu apaixonado.

Cad em Isolamento – Texto a 2 Mãos IM8B e OE

O Natal a Bater à Porta…

      noite de neve

Image by Angeles Balaguer from Pixabay      

     O Natal também é uma forma diferente de olhar para os outros. 

     No Natal eu vou querer juntar a minha Família toda em minha casa! Quero que vão a minha Mãe, o meu Pai, o meu irmão, as minhas avós e o namorado da minha avó.

     As pessoas que estão sós sentem-se acompanhadas: ouvem música no silêncio.

     As pessoas têm de estar todas juntas e todas as pessoas têm que receber um presente. 

    Os presentes também são um sorriso que avisa: os amigos estão perto daqui.

   Em Família nos entretemos numa conversa doce e falamos de sonhos difíceis para desabafar ou de sonhos bons para concretizar. 

      O Natal está aí a bater à porta… Podes ir lá e atender? 

Texto a duas mãos – SS6D e OE

Momentos de Adrenalina

surfista no túnel da onda

     Photo by Jeremy Bishop on Unsplash

      Um momento em que me enchi de Adrenalina foi há três semanas, na Praia de Carcavelos.

     O mar estava de um azul intenso, com ondas perfeitas, de crista branca. O céu limpo e o ar saturado de maresia enchiam-nos os pulmões como uma apelo à aventura. O tamanho e a força massiva das ondas, além de um “agueiro” – corrente em sentido contrário, que nos puxa para trás – eram as três forças adversas.

      Neste desafio ultrapassei os meus limites: levei com uma onda gigante com quase dois metros e meio que me enrolou debaixo de água durante muito tempo.

       Ia quase desmaiando. Sentia tristeza e desespero, porque não tinha ninguém que me ajudasse.

      Na praia, já com o meu Instrutor e os amigos á volta, invadiu-me um alívio e a sensação vitoriosa de ter sobrevivido como num milagre!

Texto a duas Mãos, PC7B e OE