A Arte de Escutar

     

Image par Gerd Altmann de Pixabay

   Quando for grande, vou querer ser ou psicóloga ou psiquiatra. Gosto de cuidar das pessoas, de tentar entender o que se passa na cabeça delas. Gosto de ouvir o que as pessoas estão a pensar e não só pensar em mim mesma. 

    É bom, às vezes, saber que sou capaz de ter paciência para ouvir as pessoas;  em vez de pensar só na minha opinião porque não pensar na dos outros?

    Normalmente não tenho paciência para estar a ouvir as outras pessoas: sinto, às vezes, aquelas coisas que vêm à cabeça, de as pessoas poderem ficar “chatas”, de parecer que quando vou falar com elas, o que elas vão dizer não será importante, mas depois, porque não pensar positivo e pensar mais na opinião das outras pessoas?

    Tentar pensar o positivo daquela situação e não estar a pensar o negativo, como, por exemplo, em vez de só entender o meu lado, tentar entender o lado das pessoas e ter paciência para o fazer, já que ter paciência é muito importante e eu sei que toda a gente o pode conseguir.

    Ainda estou a tentar ter mais paciência do que já tenho, mas eu sei que um dia vou conseguir lá chegar. 

(Em parte escrito, em parte gravado e transcrito.)

SS7C

Valores em nossas Vidas

Image par Monsterkoi de Pixabay 

Qualidades Admiráveis

         D.S. –  Admiro o P.G. Ele tem muitas qualidades, como educação, amizade e saúde.

P.G. – Admiro o meu Pai. Como ele cuida dos filhos,  como ele tenta deixar felizes os outros e como ajuda os outros.

P.C. – Admiro os meus avós, pois eles procuram sempre arranjar tempo para estarem connosco e são muito amigáveis.

Lições de Vida

D. S. –  Choquei contra o banco do carro e aprendi a usar o cinto aos 5 anos. 

P. G. –  Quando eu era pequeno, eu sujava todo o lugar; depois a minha mãe deu um banho de água fria e umas palmadas, até chorar…

P. C. –  Os pais são sempre rígidos com as regras, por isso cada regra que eles dizem, eu aprendo logo para não levar com um “estalo”: olhar para os dois lados da estrada, não pintar as paredes…

Image par mohamed Hassan de Pixabay

 Tornar-se uma pessoa melhor

D. S. – Estudar mais e estar menos à frente do computador e  brincar mais com os irmãos.

 P. G. –  Tornar-me mais inteligente, mas tenho que estudar mais.

P. C. –  Focar-me mais nos estudos para tirar boas notas e passar mais tempo com a minha família.

PG8B, DS8B, PC8B

Educação Positiva – Reflexão a três mãos, orientada por questões de Maurice Elias

Admirar, Aprender e Transformar-se

Image par Owantana de Pixabay 

SS – Eu admiro muito a C. porque ela é uma pessoa muito amorosa, fofa, simpática… sabe desabafar comigo e confia em mim para falar o que precisa. Saber ouvir é preciso e, principalmente, quando percebo que ela precisa de alguém, eu vou lá e tento ouvir o máximo que consigo; ela é uma pessoa calma, então eu consigo ser paciente.

CM – Eu admiro a S. porque ela está sempre lá para mim, dá as melhores dicas, uma pessoa pode sempre contar com ela para tudo e é uma pessoa que não muda por nada nem ninguém.

Image par Owantana de Pixabay 

S.S. – No início do covide, eu não estava muito habituada a usar máscara, então eu tirava algumas vezes, até porque no início eu não estava habituada, então não se respirava muito bem! Mas à medida que o tempo ia passando, eu ia-me apercebendo que havia pessoas que morriam por causa do covide, comecei a descobrir que pessoas por volta da minha idade ficavam doentes ou até faleciam… Então agora só tiro a máscara para coisas mesmo necessárias.

Image par Owantana de Pixabay 

S.S. –  Eu sou muito impulsiva! E eu não me portava nada se eu mudasse isso em mim, porque isso só me prejudica. Outra coisa as pessoas dizem que eu não mudo por ninguém ou que pelo menos parece mas na verdade eu mudo! E não é pouco.

 Eu mudo até conseguir agradar os outros, mas depois eu apercebo-me de algo muito importante que é: toda gente tem gostos diferentes; então eu devo aprender a ser eu mesma, mas é tão difícil, porque a opinião dos outros me afeta imenso e sempre foi importante para mim, infelizmente.

C.M. Eu rebaixo-me muito pelo que as pessoas dizem e eu importo-me muito com a opinião das outras pessoas e às vezes fico em baixo. 

Então tenho de pensar pelo lado positivo e ver pontos positivos em mim.

[ OE – Vamos investigar e partilhar exercícios da psicologia positiva próprios para aumentar a autoestima.]

S.S. Eu gosto de pessoas simpáticas, compreensivas e acolhedoras. Quando uma pessoa não sabe ser compreensiva comigo, eu fico irritada. A pessoa até pode continuar a achar que tem razão! Mas pelo menos, deve saber ouvir-me e tentar compreender o meu lado. Admiro muito pessoas assim.

Quando digo que gosto de pessoas acolhedoras, eu falo daquelas que metem sempre um sorriso na cara da outra independentemente de tudo, aquela pessoa que ajuda e nos acolhe de forma a nos sentir-mos bem.

Partilha final em Google Docs – SS7C e CM7C Texto a 2 mãos segundo um Questionário de Maurice Elias. Aprendizagem Sócio-Emocional.

Viver os Valores

Image par Gordon Johnson de Pixabay 

Apreciação dos Pais 

D. S. Dou valor ao Pai por fazer muitos bolos bons e à Mãe por deixar ir à praia e deixar fazer coisas que às vezes antes ela não deixava, como por exemplo, ficar até às 21:30 a jogar com amigos. 

P. G. –  No meu Pai, dou valor a  ele ser polícia e eu admiro-o muito; na minha mãe, o sempre estar preocupada  com os filhos.

P. C. –  Eu valorizo muito o meu pai, porque ele trabalha muito para manter a minha família em pé (a mãe também) e também faz comida muito boa para nós.

   Os meus amigos também são muito bons, porque, quando não tenho nada para fazer, eles chamam-me para ir jogar com eles e, quando eu estou triste, eles vêm ter comigo para ver o que se passa.

D.S. – O Pai e a Mãe foram a influência mais importante. O pai, para transmitir o valor de não desistir dos meus sonhos. A mãe, para transmitir o valor de nos portarmos bem e sermos educados.

P. G. – A minha família que sempre está aqui, para ajudar e me transmite amizade, o deixar-me feliz e a lealdade.

P. C. – Os nossos pais estão sempre em cima de nós para não falharmos na vida e estão sempre a dar-nos apoio, portanto acho que a família transmite amizade, cooperação e generosidade.

Image par Please Don’t sell My Artwork AS IS de Pixabay 

Transmitir o Tesouro aos próprios Filhos futuros

P. C. – Dar sempre valor ao que temos, porque pode haver pessoas que nem um pão para comer têm; aproveitar cada momento em que vivem com um bom amigo ou familiar; ser sempre educados e respeitar a opinião de cada um.

P. G. – Aprender a dar valor ao que têm, aprender o que é educação e gostar do que fazem.

D. S. –  Sê educado; nunca desistirás do teu sonho; tenta vir a ser o que tu querias quando eras pequeno.

12019 in Pixabay

Uma Regra de ouro a Orientar a Vida

P. C. –  Ser feliz e trabalhar sempre ao máximo para cumprir os nossos objetivos.

P.G. –  Quando levei um recado e mostrei à minha mãe  ela levou a bem, mas se levasse o segundo, vinha “a chinela”. Este acontecimento fez-me criar uma regra para orientar a vida: ser educado nas aulas.

D. S. – A regra é ser bem educado com as pessoas, e, se uma pessoa precisar de ajuda, eu vou ajudá-la.

 Num mundo perfeito…

P. C. – Acho que não haveria brigas, guerras ou bullying.

P. G. –  Não haveria racismo por se ser negro, de outro pais, por se ser pessoa com deficiências e etc… 

D.S. –  Não sei por que é que as pessoas fazem mal…

Se essas pessoas vivessem num mundo perfeito elas só faziam o bem. 

PG8B, DS8B, PC8B

Educação Positiva – Reflexão a três mãos, orientada por questões de Maurice Elias

Variações sobre a Felicidade – 1

Image par efes de Pixabay

 A.B. – Eu acho que quando uma pessoa se sente feliz se está a sentir preenchido  nas melhores partes da sua vida. É como comer chocolate depois de um pote de sal: sabe bem e depois queremos sempre mais. A felicidade também é sentirmos-nos na nossa zona de conforto e segurança 

M.F. – Quando uma pessoa está feliz, esquece-se de tudo à sua volta e aproveita. Esquece-se das coisas más ou “chatas” e aproveita o momento. Quando nos sentimos felizes, sentimo-nos nós mesmos sem medo do que poderá acontecer depois. O que me torna feliz é estar com os meus amigos, fazer projetos para ajudar os outros e fazer o que mais gosto.

C.T. – Quando uma pessoa está feliz, sentimos que os problemas se vão embora e só a felicidade está conosco e que nada nos poderá fazer tristes. O que nos faz felizes não é só o ambiente à nossa volta, mas também as pessoas.

T.B. – Mesmo se quiseres desistir, pensa “ Não vou desistir porque eles contam comigo”. Deles vem a felicidade.

 Partilha Final em Google Docs – AB7D, CT7B, TB7C, MF7C

Uma Salva de Agradecimentos

Image par Oberholster Venita de Pixabay 

A.B. – Agradeço por conseguir estar numa escola privada e os amigos que eu consegui fazer, e também aos meus pais que me foram fazendo trabalhar para conseguir passar estes anos todos e todas a pessoas que me ajudaram a preencher esta parte da minha vida.  

L.R. –  Agradeço estar numa boa escola.

T.B. Eu quero agradecer à comunidade educativa do CAD por tornar possíveis os meus sonhos de realizar projetos solidários. Quero dizer obrigado aos meus amigos e família que, nos maus momentos, estiveram sempre comigo, e quero agradecer a mim mesmo que, nos dias mais sombrios da minha vida, nunca desisti. 

         M.F.  Obrigada aos meus amigos por fazerem a minha vida feliz e divertida e à minha família porque sempre me apoiaram. 

       C.T.  Obrigada aos meus amigos por estarem   sempre presentes, por serem sempre aquela presença que não falha, quando eu preciso. Aos professores sempre a ajudar-me. À minha família, por estar lá nos momentos mais difíceis.

         M.A.  Agradeço aos meus amigos, por estarem sempre presentes,  para ajudar em tudo o que for preciso e que me fazem  sempre feliz . À minha família que sempre me apoia  e que me torna uma pessoa melhor.

Partilha Final em Google Docs – T.B.7C, M.A.7C, C.T.7B, A.B.7D, LR7D

Memórias e Projetos

Image par Bessi de Pixabay 

Um Momento Único

A.B. – Podemos sentir que estamos a crescer e sentimo-nos de certa forma mais velhos, porque temos menos restrições do que os mais novos.

M.F.  – O meu momento melhor foi o primeiro dia de aulas porque comecei uma nova etapa da minha vida, conheci novas pessoas e porque comecei a levar a escola mais a sério.

C.T. – Eu preferi o primeiro dia de aulas, porque conheci pessoas novas. 

T.B. Um momento bom foi quando os projetos começaram a tornarem-se reais.

M.A. –  O meu momento preferido foi quando conheci novas pessoas e tornei-me mais amiga de outras pessoas e também melhorei as minhas notas.

Projetos Ousados

A.B. –  Podemos ter faltas ilimitadas, 2ª, 3ª, 4ª e 6ª termos tempo livre a partir das 12:30/13:30, porque se pode sair numa dessas horas, a não ser à 13:30, em que as aulas acabam, começarmos as aulas às 9:30/10h, as aulas durarem menos tempo, podermos ser livres durante os intervalos, ter professores que não se “chateiem”  facilmente.  

T.B. –  Eu acho que a escola poderia implementar clubes para as pessoas fazerem o que gostam, mas nós até estamos a criar um clube cá no colégio que está a correr muito bem. O clube de teatro faz com que as pessoas não só desenvolvam a criatividade, como também ajuda a desenvolver competências sociais. No clube também dá para as pessoas que não se sentem confortáveis para representar, poderem fazer os cenários, maquilhagem, figurinos, etc. Neste momento, somos 7 professores e contamos com a ajuda da professora Carla Trindade e com a direção do colégio.

M.F. – Gostava de fazer um projeto de voluntariado na escola.

M.A. – Tornar as aulas menos teóricas. 

C.T. 7B, M.A.7C, A.B.7D, T.B.7C, MF7C

 

Espaços de Liberdade

Image par Pexels de Pixabay 

Libertar Espaços na Escola

   Podemos colocar um espaço reservado para as bicicletas. Neste momento elas ficam demasiado amontoadas e formam um monte desarrumado;  por vezes, há Alunos que querem sair mais cedo e a bicicleta ficou por baixo do monte…

   A Entrada para a Escola podia passar a ser no portão grande, para podermos ir ao Jardim, pois quem não tem cartão de saída, não pode ir ao jardim. Ou então podia-se acrescentar no cartão de saída normal: “poder ir ao Jardim”…

Um Projeto para este Verão

   Este Verão quero ter um computador novo, pode trazer ideias novas; por exemplo, começar a montar uma salinha numa aplicação 3D, montar uma salinha para mim. 

  Esta época de Covid é terrível para combinar algo com os meus amigos mais chegados. Os que vivem aqui perto de mim, um a 150 metros, outro perto do ALDI, outro que ainda…é como se estivessem tão longe…

Felicidade e Gratidão 

    Sinto-me grato por ser Feliz… O que nos torna felizes é podermos dar e a alegria. Ter um objetivo final na vida que nos traga tranquilidade e compaixão.

Conversas na Oficina, LJ8A

Uma Galinha na Floresta

Image par dovena de Pixabay   e  Image par ilonawinter de Pixabay 

     Era uma vez uma ave. Ela tinha crescido com as outras aves a dizer-lhe:

    – Não vás lá para fora do muro da aldeia.

    Saltou o muro e lá foi ela, ainda com medo de encontrar raposas, lobos ou até pássaros maiores que ela e que a quisessem comer. Afinal ela era só uma pequena galinha que nunca tinha saído para além do muro da aldeia!

     Ela parou um bocado para descansar e percebeu que tinha chegado a uma floresta. Decidiu tentar fazer um ninho ali mesmo. Apanhou uns galhos e passou a noite bem quietinha no seu ninho.

      Acordou com uma voz a cumprimentá-la: 

      – Olá – disse a voz.

      Ela gritou de susto, porque viu que se tratava de um lobo! 

     – Calma, não te vou comer, sou vegetariano!

     – Ok, Ok! – respondeu a galinha, ainda assustada.  – Olha lobo, tu sabes onde é que há legumes fantásticos, com muitas coisas para ver?

      – Eu conheço um lugar maravilhoso; é só tu ires em frente e virares à direita no cogumelo vermelho.   

      – Obrigada, Lobo! Vemo-nos por aí.

     – Adeus, Galinha!

     A galinha foi pela direção que o lobo lhe tinha dito e, quando chegou ao tal lugar, percebeu que era uma árvore muito bonita, com uma porta, e decidiu entrar.

     Quando entrou, estavam lá dentro um lagarto, uma joaninha e uma raposa, a fazer um lanche. 

     – O-olá – gaguejou a galinha, muito assustada.   

    – Calma – exclamou a raposa – não tenhas medo!

     – Calma, Galinha – interrompeu o lobo, que tinha acabado de chegar.  – Esta é a minha amiga Raposa! 

    – Não precisas de ter medo de mim, Galinha – sossegou a raposa. – Senta-te aqui e toma um copo de leite.

     A galinha lanchou e foi para casa.

   – Como é que foi a tua viagem?  – Perguntaram as outras galinhas. 

     – Foi uma viagem e tanto! – respondeu a galinha.

Composição em Teste de Português  – LR5B

Projetos para um Verão Vivo

   

Image par Denis Azarenko de Pixabay

    Quero ir à praia do Guincho com a minha família, mas também com os amigos. O Guincho é a praia mais perto de minha casa, às vezes vou lá a pé ou de bicicleta.

    Estou a remodelar o meu quarto; a minha Mãe sugeriu que ficava giro eu fazer umas pinturas de aguarela para colocarmos em quadros e pendurarmos na parede.

   Estou a começar a ler um livro: “1984”. É sobre como era suposto ser o mundo, como o autor imaginava o futuro. A Mãe sugeriu que eu lesse, pois o autor avisou-nos de como  no futuro poderia não haver  liberdade de expressão. 

  Gosto de passar tempo com a minha cadela: deixá-la correr, à volta do jardim, trazer a bolinha na boca; eu tento agarrar a bola, só que ela não deixa. Ela pede festas, deita-se de barriga para cima na relva…

C. A. 9A

Momentos Únicos

Momentos Únicos do 7º ano

Image par peter_pyw de Pixabay     

   Os meus momentos únicos do 7º ano  foram quando, por exemplo, uma colega minha apanhou covid e tivemos de ir para casa. Adorei poder acordar mais tarde, comer mais, não ter de ir a pé para casa e não ter de apanhar confusão para a fila do almoço, embora eu prefira ter as aulas em presença. Mas, por outro lado, também não pude jogar futebol por causa do covid …

    Também  houve notas que subi mais do  que estava à espera. A disciplina que subi foi a matemática. Eu acho que subi –  antes tinha 3 e passei a ter 4 – porque acho que a matéria era mais fácil.

   O estudo mais interessante foi o das Ciências: quase tudo tinha a ver com as rochas, como os fósseis e os vulcões. 

Image par Bruno /Germany de Pixabay

   Em alguns trabalhos do campo aprofundei a minha experiência, como por exemplo, em dar comida ao gado; o gado gosta de comer ração, mas também dou erva e palha; eles bebem uma água normal, num bebedouro em que podem beber sempre e nunca se gasta, só quando se fecha a torneira, pois está ligada a um furo.

   Estive também na vinha da minha Tia, a esparrar…

Mãe do T. – Esparrar é retirar as parras que estão a fazer sombra ao sol; elas estão a mais e não deixam a luz entrar para os cachos.

Image par Dimitris Vetsikas de Pixabay

 Gosto de ir à praia do Guincho, com as suas dunas e as marés. Gosto de nadar nas ondas… houve uma vez em que um Senhor nos deu uma prancha de bodyboard e, agora, espero que venha uma onda e depois lanço-me!

   Gosto de jogar Minecraft; jogo com o Daniel e com um amigo, Niels é o nome dele. No Manycrafts pode-se jogar e construir várias coisas; são “Farms”, uma espécie de coisas automáticas, onde basta carregar num botão e vai dar vários itens; numa “Farm”, é como se estivesse a “dropar”. 

   Há uma “Farm de Ferro” – feita com “carbolands” feitas com ferro para proteger os aldeões. É uma das mais úteis, porque dropa muito ferro; posso fazer blocos, “whikens”, com a estrela de “Whikens”…

(Em parte ditado) T. S. 7A 

Partilha em Tertúlia

Research Gate CC

 Momentos Preciosos do 8º ano

P.G. –  Quando os professores fazem coisas diferentes tipo pôr música, fazer um trabalho diferenciado,  e se também somos nós a escolher o grupo.

D. S. – Gostei das atividades no laboratório, da poeira que é iman.

Transformando a Escola

Image par serenaring de Pixabay 

P. G. –  No refeitório, os colegas que comem de casa poderem ir comer com os colegas que comem do refeitório.

D. S. – Darmos menos matéria e termos mais atividades escolares, com menos trabalhos e testes.  

  Projetos para um Verão Único

Image par Couleur de Pixabay 

P. G. – Quero ir para a praia, porque eu estou a descansar com a minha família e também quero estar com a minha família porque estou feliz a ver como estão.

D. S. – Trabalhar nos meus  Avós e receber ordenado. Os trabalhos que posso fazer são, em casa da tia, tratar do gado, ir à vinha, fazer a vindima, ir ao eucaliptal e ajudar a Prima nas tarefas de casa e a Avó também.

 Três “Obrigados”

Image par Gerhard G. de Pixabay

P. G.  – Obrigado “Stora”, as melhoras e tenha umas férias felizes.

D. S. Obrigado, “Stora” :).

“Stora”   Obrigado aos dois amigos, P. e D. pelo excelente espírito de companheirismo, persistência e boa-vontade para os trabalhos difíceis e sempre com uma inspiração de bom humor inconfundível. 

Quando há Felicidade? 

Image par Gerd Altmann de Pixabay 

P. G. –  A felicidade é quando nós sentimos quando temos ou vemos  uma “coisa” especial.

Sentimo-nos felizes também quando queremos dizer ou mostrar o que sentimos para uma pessoa especial.

D.S. – A Felicidade é o que está na nossa cara quando estamos muito felizes. Por exemplo:quando alguém dá uma coisa que nós queríamos e não estávamos à espera daquele presente.

(Texto a Duas Mãos) PG e DS

Sobre a Essência da Felicidade

Um Ótimo Momento do 7º Ano 

Image par Denis Azarenko de Pixabay

B. F. – Ter amigos e professores simpáticos, pois os amigos são importantes e os professores são carinhosos e amigáveis.   

M. T.  –  Ter a experiência de cair de bicicleta, porque eu gosto de cair, pois assim não tenho medo.

Uma vez estava a andar de mota e em vez de desacelerar, acelerei: parti a mota! 

 A Escola como um lugar de Aventura

Image par asderknaster de Pixabay 

B. F. – Podemos ter uma piscina em vez do campo de cimento, porque já temos um campo exterior, pois a piscina interior é quente.

Podemos utilizar um tablet em vez de cadernos, pois é muito caro comprar cadernos novos, lápis e canetas, e não haver testes a partir da antepenúltima semana de aulas. 

PS: MATEMÁTICA.

M. T. – Podemos retirar o campo de ténis e construir uma pista de motas.

Podemos ter menos dias de aulas e mais dias de férias.

E ainda melhorar a comida; para ser melhor, o arroz, que às vezes parece uma pedra ou uma papa, deve ser mais solto e leve. 

 Projetos inventivos para o Verão

Image par renategranade0 de Pixabay

M.T. – Ir para a prainha e ir para o Alentejo andar de mota!

Dois “Obrigados”, como um Brinde

Image par OpenClipart-Vectors de Pixabay

M. T. – Ao meu Tio, por ter ajudado a estudar Matemática e à minha Mãe por ter me oferecido uma bicicleta de campo – azul e laranja fluorescente.

B. F. – Aos Professores e aos Amigos, pela simpatia, amizade, a sabedoria que me ensinaram e o carinho que me deram e a ajuda que me ofereceram.

Uma Felicidade Viva? 

Image par Jill Wellington de Pixabay 

M. T.  – A Felicidade é eu divertir-me; por exemplo, andar de mota, fazer surf, andar de bicicleta…

Também é estar com a família: pais, primos, tios, amigos, estar com a minha prima de 3 anos que está na Austrália e o meu primo de 5 meses que está também na Austrália.

B. F. – Uma pessoa age simpaticamente, alegremente, e demonstra a sua amizade, quando está feliz.  

A Felicidade é muito importante, pois não há vida sem Ela!!!

(Texto a duas mãos) B. F. e M. T. 7C

A Cor dos Sonhos

Image by jiao tang from Pixabay 

    Quando eu era pequena, eu dizia que a minha cor favorita era roxo, porque era a mistura de preto e rosa, uma mistura super estranha! Na fase dos ganchinhos, eu gostava mais de rosa; na fase mais gótica, gostava mais de preto e o roxo é a mistura dos dois: então, era o roxo, o meio termo.

   A minha mãe, quando eu era pequenina, deu-me uma saia violeta cheia de folhos,  linda; uma vez, eu tive um sonho com essa saia, na salinha da pré-escolar, no tapete dos pequeninos que parece água, ao pé do poste, que tem uma almofada para os pequeninos não baterem com a cabeça.

     Eu acho que só me lembro de certos sonhos ou de parte deles, quando eu começo ou continuo a sonhar, quando já estou meio consciente e o meu corpo já quer acordar, mas eu, como sou curiosa, faço aquela tentativa de apanhar o desfecho do sonho.

  Mas quem é que não quer ficar a dormir para acabar o sonho ou até um pesadelo, se gostares de filmes de terror?

  Eu tento ter um mecanismo de não ter sonhos interessantes nos dias de semana, porque eu fico sempre a meio e nunca consigo terminá-los.

  Ninguém quer ter um sonho cheio de ação, em que estás na Floresta a lutar contra vilões ou a galopar num cavalo e, de repente, teres de parar! Ou ter um sonho de uma história romântica, mas não ficas o tempo suficiente para descobrir se as personagens ficam juntas no final.

   Se calhar, todos os sonhos que eu tenho nos dias da semana têm o mesmo final, que é alguém a dizer:

     – Acordem, já são horas de ir para a escola !

CA6A

Um Pai Brincalhão

Image by Please Don’t sell My Artwork AS IS from Pixabay 

Pai, admiro em ti seres um bom atleta desportista: gostas de andar de bicicleta, jogar padel, jogar ténis…

Lembras-te quando me levavas às cavalitas? Tenho aquela fotografia de quando fomos à Disney e eu era pequenina…

Gosto muito de jogar contigo futebol, padel, ténis…dar passeios contigo no paredão…

Um dia, mais tarde, gostava que me ensinasses a conduzir um carro voador.

Pai, Obrigada por…seres brincalhão, 

Obrigada por…

Feliz Dia do Pai!!!

MC5B

A Natureza é Alegria


Image par Christo Anestev de Pixabay 

   Para mim a Natureza é Alegria, árvores, paisagens.

   Vivo mais a Natureza quando, por exemplo andei nas aulas de ski, quando era muito pequenina, tinha 4 ou 5 anos. Lembro-me da neve nas montanhas. Ou num hotel nos EUA, em Miami, o hotel tinha o mar, na própria praia do hotel e o mar era muito quentinho.

  Podemos apoiar a Natureza não destruindo as árvores; não destruindo a relva; não deitando lixo para o chão, regando as plantas, as árvores…

  Em Ciências, gostei de aprender sobre as formas dos animais: podem ser achatadas!

   Gosto normalmente de ir ao Algarve, ir à praia, e ficar lá desde manhã; às vezes até fazemos um picnic na praia, com cachorros quentes, e ficamos até ao por do Sol!

Criação Oral de Texto CAD -2º ConfinamentoMC5B

Natureza Maravilhosa e Vida Animal

Wikimedia Commons

   A Natureza para mim é um lar, a vida e uma casa.

   Vivo intensamente a Natureza ao passear na floresta de bicicleta.

   Podemos desenvolver a Natureza protegendo-a  das  pessoas que fazem fogueiras ; não deitar lixo para o chão;  estar sempre a protegê-la para as muitas espécies de vida não desaparecerem.

   Em Ciências, aprendemos  para  proteger a NATUREZA,  para nós a protegermos com a nossa vida.

   Acho muito interessante os animais e as formas de vida que têm. Existem debaixo de água, na superfície e no ar.

    Eu gosto especialmente do LINCE IBÉRICO, pois, parece um gato e  tem a ver com o país e com a PENÍNSULA.

   Aprecio o LOBO IBERICO pelas mesmas razões, salvo que se parece com um cão.

    EU amo a paisagem do pôr do sol e da vis ta para o mar.

CAD – 2º Confinamento – FV5B

Entre a Dança e o Sonho

   

Image par Brigitte is always pleased to get a coffee de Pixabay 

      Era uma vez uma menina chamada Madalena; ela era linda: era alta, de cabelos castanhos, longos e brilhantes. Os seus olhos castanhos, que se iam tornando cada vez mais verdes, expressavam esperança.

     Era uma pessoa ágil, nunca parava de dançar; era querida, sempre, para as suas cadelas, principalmente para a mais velhota; era meiga: sempre a ajudar todos de forma a que eles ficassem bem.

    Todos os dias, ela adorava dançar; fazia piruetas e muitos passos de dança; ia ao hip hop e ao Jazz duas vezes por semana.

    Ela sonhava ser professora de Dança: Hip hop, Jazz, Ballet, Barra no Cháo e Ginástica Acrobática e ter centenas de Alunos.

CAD – 2º Confinamento – M5C

O ET DESENHADOR


Image par Clker-Free-Vector-Images de Pixabay

     Era uma vez, uma personagem em que a internet estava sempre a cair. Ela desconfiou que fosse porque mais alguém estava a partilhar a tela sem ela saber.

   Era um extraterrestre, pequenino, azul,  um azul muito vivo e clarinho. Não tinha antenas, era diferente te, mas uma cabeça gigante, com um sorriso de orelha a orelha.

   Ele vinha à Terra e entrava na net dos miúdos que estavam a desenhar, porque sentia-se envergonhado de não saber desenhar e queria aprender.

   Um dia, Bugado conseguiu ganhar confiança para contatar a Maria, que adorava desenhar na net. Ela conseguiu ensiná-lo a desenhar o que ele mais gostaria: um macaco que estava a comer uma banana em cima de uma árvore.

MC5B