As Melhores Amigas

Image par Cheryl Holt de Pixabay

    Era uma vez uma menina chamada Mérida; ela adorava brincar. Certo dia, a Menina ia para a sua escola. Mérida estava muito animada.

    Mérida chegou à Escola e tentou arranjar algum amigo. Na hora de Mérida ir embora, a sua mãe deu-lhe um Kinder (ovo de chocolate).

   Mas sua Mãe notou que Mérida estava triste e perguntou o que se passava. Mérida disse que não tinha feito amigos e que estavam a gozar muito com ela.

    A Mãe decidiu fazer queixas à Diretora, mas Mérida implorou a sua Máe para não dizer. A Mãe disse que estava bem.

    No dia seguinte, Mérida foi para a Escola e, quando chegou, viu uma menina a ser gozada. Mérida decidiu ir ajudar a Menina e ajudou-a, dizendo:

    – Parem de gozar! E gostavam que acontecesse isso com vocês, não?

    Mérida e a menina e a menina, chamada Inês, foram as melhores amigas para sempre (BFF).

    O Ano foi passando, elas só brincavam e riam.

CR5B

À Conquista do Espaço

   

 Image par WikiImages de Pixabay 

   Acho esta enciclopédia muito gira e ensinou-me muito. Recomendo a pessoas que gostam de aprender sobre o Espaço.

  Gosto do Espaço porque  pensava coisas muito diferentes sobre ele e é divertido. Por exemplo, eu pensava que as estrelas não morriam e não sabia como eram as casas de banho da nave espacial.

   A estrela “Olho de Gato” está a morrer e forma um buraco negro no meio.

   O livro trata de como o foguetão é por dentro, como comiam e se sentavam em cadeiras e como dormiam, como eram as suas camas.

  “Daqui fala Vasco, de uma nave espacial; é a minha primeira viagem.

   As naves mudaram, agora são muito menos prováveis de ter problemas. Andam milhares de kilómetros!

Image par Ondřej Šponiar de Pixabay

   Agora estou a ir para Júpiter, estou com um amigo chamado João; ele está a desviar-nos dos milhares de luas de Júpiter. O João está muito feliz. O nosso treino foi muito rigoroso. Júpiter tem de raio 71.492.

   A casa de banho tem pegas onde os Astronautas se agarram ao assento; tem ar para aspirar os objetos através de tubos e tubos para sugar a urina.

  Agora estamos a passar a grande tempestade de Júpiter. Está difícil, tenho muito medo de que possa entrar algo para o turbo, que  faça parar a nave. Vêm milhares de pessoas a seguir a nós, porque assim começamos as construções da Estação Espacial.

VL5C

#STAY HOME – SAVE LIFES

 

     Image par Capri23auto de Pixabay

      Hipótese para refletir:

  Mãe e filho são “muito agarradinhos”, não conseguem não dar abraços;  o filho pode ter covid e ser assintomático; nesse caso,  põe em perigo a Mãe se ela for de risco. Para onde ir então?

   Fica com máscara dentro de casa. Mas se estão a comer, ele tira a máscara, fala e pronto, já está: a Mãe e o resto da Família ficam infetados. Se entrarem em contacto com outras pessoas, pode dar-se um fenómeno de infeções em cadeia!

     Na Escola, muitos colegas dele podem ficar infetados e iria a turma para casa. Ele iria então para casa já sabendo que era portador assintomático.

       A minha Mãe é uma pessoa de risco; para evitar que ela passe por tudo o que indiquei acima, seria melhor eu não ir à Escola e ter aulas online.

LR7D

Aventura no Mar

Imagem: Oficina de Escrita

     No dia 11 de Agosto de 2020, estava um dia lindo de sol sem uma nuvem à vista. Havia seis crianças aborrecidas, quando uma se lembrou de que havia umas pranchas para alugar e foi a partir desse momento que a Aventura começou.

     Os seis amigos foram com as pranchas de Paddle, para muito longe da costa, jogar verdade ou consequência, no meio do mar.

      O jogo começou: a Bi desafiou o Vasco a ir até ao máximo fundo que conseguisse e ele aceitou. Ficou lá 20 segundos e, quando voltou, disse que tinha visto peixes, mas ninguém acreditou quando alguma coisa bateu contra a prancha.

     Os amigos ignoraram, mas aconteceu uma e outra vez, até que percebemos que eram mesmo peixes!

(Continua)

MA6A

Wakeboard, o 1º Campeonato

   

    O Wakeboard é um desporto muito divertido para mim. Primeiro, desde os três anos, eu andava com o meu Pai.

    No primeiro dia em que aprendi, estava com medo, mas depois já não fiquei: caí muitas vezes, mas depois de algum tempo consegui.

    Alguns anos depois, fui para um campeonato, tinha 7 anos; eu era muito pequeno e competi contra meninos de 12 anos e fiquei com algum medo.

     Quando comecei, a onda do barco era maior do que eu. Mas, no final, fiquei em 3º lugar. 

GE5A

A Roda da Vida -I

     

Gentileza da Autora

    Quais as referências de vida mais importantes? Elas são, em primeiro lugar, a Família; em segundo, os Amigos; em terceiro, Eu própria.

      A Família é a melhor “coisa” que se pode ter; a Família está sempre ao nosso lado, quando precisamos de ajuda ou quando estamos mais em baixo; às vezes, há conflitos entre irmãos e os pais estão lá para ajudar. O que eu gostava de melhorar nesta parte é a minha relação com os meus irmãos, especialmente com o mais velho.

      Os amigos são quem nos pode ajudar nas dúvidas do Colégio e também nos podem ajudar noutros aspetos;podemos combinar com eles o que quisermos, mas nem sempre as nossas relações são a 100%. Há amigos de quem gostamos mais e amigos com quem nos damos menos, e eu gostava de ter uma melhor relação com eles.

     Os nossos Amigos, normalmente, são os nossos colegas, mas há quem não saiba que a Família também é. Os nossos colegas são quem nos ajuda na parte escolar, e a Família, na parte pessoal. Há quem não admita que a Família é a nossa melhor amiga e, em 2º lugar, os colegas.

     Eu: eu própria – todos nós temos que ter o nosso espaço pessoal, precisamos de tempo para nós; hoje em dia, as pessoas fazem os seus deveres de uma forma apressada e esquecemo-nos de nós; as pessoas fazem os trabalhos que têm de fazer e esquecem-se do que realmente gostam; todos gostmos de estar um tempo sozinhos, desligar de tudo o resto que nos rodeia, fazer aquilo de que mais gostamos, sem ninguém nos interromper, ouvir música e descansar, sem termos de estar a trabalhar.

BB6C

A Sensação de Sermos Livres…

WikieCommons.org  Creative Commons

     Adoro fazer motocross, brincar, saltar, correr,  brincar com o skate de dedos, conversar.

   Algumas manobras com o miniskate:Flip, Doubles, Quickflip; temos de ter uma pista com escadas, rampas, corrimão, muros…

      Conversar com amigos é divertido, emocionante: trocar ideias, temas novos, falarmos de assuntos giros, inventarmos brincadeiras…

      Comecei a gostar de Arte graças a Van Gogh. Gosto de desenhar coisas que criei. Até estou a criar o desenho de uma jarra mágica. O que quero dizer é que, na jarra mágica eu vou desenhar todas as coisas de que gosto no mundo.

      Quando ainda estou a desenhar estas coisas que estou a criar, é como se estivesse a desenhar todas as coisas de que gosto no mundo e que gostaria que o mundo respeitasse.

    A minha professora do 4ºB contou-nos a vida de Van Gogh no Zoom, eu achei que ele era muito importante para a vida da Arte no mundo e senti-me admirado perante os quadros dele.

    Quando desenho, a sensação é de que somos livres de fazer tudo aquilo que nós quisermos.

SR5A

O Nome do Leão – I

   

Image by Silvio Zimmermann from Pixabay

    Um dia,  um leão forte e corajoso que tinha uma família de que gostava muito. Ele nunca tinha sabido o seu nome, mas tinha um bando de leões que lhe chamavam “Chefe” ou “Sandapo”. 

    Gostava também do seu bando de Leões; a sua vida era assim: brincava com os seus leõezinhos, ia á caça, apanhava flores com a sua mulher… a vida dele era espetacular; até ia à noite ver a Floresta das árvores luminosas e, às vezes, saía com amigos.

    Um dia ele decidiu procurar a sua Família para, finalmente, saber o seu nome. Foi ver se encontrava os seus pais.

    Teve de atravessar o Oceano Gancolhavid, o Oceano Lompo e o Oceano Cango. Atravessou os Ocenaos a voar, porque ele era um reio muito corajoso e muito simpático.

(Continua)

EM5B

Baby Setler – I

 

Image by David Mark from Pixabay 

  I

O Assalto

     Era uma vez uma Família de seis pessoas, constituída por três crianças, um cão e dois adultos.

      O cão chamava-se Thor, a Mãe chamava-se Violeta, o Pai chamava-se J.P. e os Filhos eram Noah, que tinha 11, Alice, que tinha 10 e Lua, que tinha 3 anos.

       Eram uma Família feliz e normal, até que uma noite. Alice e Noah foram dormir, e, por volta da meia-noite, bateu alguém à porta, mas ninguém estava lá.

        À uma da manhã, bateram à porta outra vez; só que desta vez apareceu um ladrão que empurrou Violeta e deu um tiro em J.P.. Mss J.P. defendeu-se e a bala foi contra um armário metálico que refletiu a bala contra o ladrão.

     Lua acordo e veio para a cozinha, onde viu tudo.

      Lua começou a gritar; o cão acordara e desatou a ladrar…

(Continua)

LS6B

A Cidade da Savana – I

   Commons Wikimedia.org Creative Commons 4.0Share Alike

       Era uma vez uma Savana com muitos tipos de animais. Havia leões, girafas, macacos, zebras…

     Um dia, chegou um fotógrafo de vida selvagem para tirar fotos aos animais e colocar as fotos num livro.

     Ele parou numa fonte de água para encher a sua garrafa, mas quando bebeu a água foi mandado para um mundo em que todos os animais que existiam naquela Savana vestiam roupas, estavam de pé e falavam!

     O chapéu do fotógrafo até caiu da sua cabeça, de tão espantado que ele ficou!

           Ele chegou perto de um macaco e perguntou:

     – Desculpe, Senhor Macaco, o Senhor sabe onde estamos… como eu cheguei aqui… e…. mais importante, como é que eu saio daqui? 

    – Nós estamos na Cidade da Savana, e a única forma de sair daqui, é falando com o Siimba, o rei dos animais. – Respondeu o Macaco. 

     – E onde é que esse tal rei mora? – Perguntou o fotógrafo.

     – Ele mora na Floresta das Árvores Sagradas. – Respondeu o Macaco.

     O fotógrafo seguiu em frente, em direção à Montanha das Árvores Sagradas, como o Macaco lhe tinha dito.

      No caminho, encontrou uma girafa e uma zebra, que lhe disseram que ele tinha de atravessar um rio.

(Continua)

LR5B

O Estábulo POCABELA

 

     Image by Uki_71 from Pixabay

     Era uma vez uma menina que passava a vida toda a pensar em póneis e em que um dia os ia conhecer.

    Então, quando ela já tinha 9 anos, decidiu ir à procura. A Bela já estava à procura há muito tempo, até que, um dia, parou.

    Quando já era de noite, seus pais foram dormir, mas a Bela começou a ouvir barulhos a vir do seu jardim. À primeira, estava muito assustada, mas de repente, começou a ouvir barulhos de cavalos. Resolveu ir ver.

     A menina viu um pónei e, cheia de lágrimas de felicidade, ela foi a correr e deu-lhe um abraço. A menina foi logo pegar cenouras e ervas para lhe dar, mas também lhe fez um cantinho para o pónei ficar. O pónei ficou aconchegado.

     No dia seguinte, Bela foi logo ver o pónei, mas ele já não estava lá. Bela ficou muito triste. Começou a poupar para uma casinha, comida e acessórios, tudo só de póneis.

    Assim que Bela conseguiu ter dinheiro, comprou tudo e, quando era noite, o pónei já estava lá. Então Bela fez-lhe uma pergunta; a pergunta era: “Queres ficar comigo?”

    O pónei abanou a cabeça para cima e para baixo. Bela ficou muito feliz; todos os dias brincava e fazia muito mais diversões.

     Certo dia, o pónei morreu. Bela ficou muito triste. Quando chegou aos 21 anos, decidiu comprar um estábulo; comprou-o e também póneis e cavalos, foi muito giro!

    Bela queria mostrar ao mundo que cavalos e póneis não são perigosos. O seu estábulo “Pocabela”  ficou muito famoso e Bela ficou muito feliz.

CR5B

Os Hamburguers Desaparecidos

Image par Comfreak de Pixabay 

     Era uma vez, um senhor Frederico, que era alto e moreno, com bigode castanho, era cozinheiro e detetive nas horas vagas.

 A sua missão era ir à procura dos Hamburguers desaparecidos. Uma reportagem avisou: 

    Frederico viajou para os outros países á procura dos Hamburguers, perguntando:

  – Onde estão?

  – Nós não sabemos! – Disseram todos.

   Depois foi para um hotel, onde cheirou os hamburguers. Perguntou aos cozinheiros se sabiam onde estavam os hamburgures. 

     – Não sabemos ! – Disseram todos.

     Seguiu o cheiro e foi ver a uma fábrica abandonada. Ela estava a funcionar, mas estava abandonada. Entrou e viu uma pessoa, de costas, a cozinhar hamburguers só para ele. Perguntou: 

    – Porque tem os hamburguers só para si?

    – Porque gosto de hamburguers – respondeu ele. Explicou que tinha um “hamburguer-íman”, que tinha ido por todos os países buscá-los e que aquele lugar era uma fábrica de fogos de artifício.

      Naquela hora, foi para lá fogo e aquilo tudo explodiu. Frederico salvou-o e o homem dos hamburguers agradeceu.

EPÍLOGO

     Passados dez anos, o Frederico demitiu-se da profissão de Agente Secreto. Passou a sua vida todo fleiz a cozinhar com o seu amigo!

FV5B

Um Mistério no Halloween

Image by OpenClipart-Vectors from Pixab

I

      Na cidade de Troron, era Halloween, a época mais assustadora.

    Havia 9 pessoas, eram adolescentes quebradoras de regras que se juntaram na casa da Violeta. Para dormir comer e beber cocacola e cerveja.

     Os primeiros a chegar foram a Catarina, o António e o João; o resto do grupo chegou às nove. A Violeta e a Samanta tinham uma paixão secreta pelo António.

      Depois, havia o grupo das 4 inseparáveis: a Clara, a Catarina, a Samanta e a Diana; e o grupo dos 4 rapazes inseparáveis: o António, o João, o Mário o Jacob.

     Depois da comida, a Violeta e a Samanta tiveram a ideia genial de eles irem até ao hospital abandonado.

(Continua)

MF6B

Que Sementes? Em que Terra?

     

Image par anncapictures de Pixabay

     

     Poluir menos, usar menos plástico e não deitar lixo para o chão.

   Sala com quadro, com ampulhetas para contar o tempo. Tira-se um papel com algo escrito para desenhar e desenha-se até o parceiro adivinhar, com um minuto a contar.

      Fazer o jantar com a minha irmã e, para ela, a surpresa seria dar-lhe umas batatas fritas, porque estou sempre a comer as dela.

     Fazer uma caixa com doces, fotos, etc. Quando se abre a caixa, as partes de lado caem para baixo; fazer várias caixas mais pequeninas assim e ir abrindo até acabar.

VG5B

Nas Ondas da Nazaré

Image par Julian Hacker de Pixaba

    Hoje vou fazer Surf à Nazaré: vão estar ondas de 30 metros; e como 30 metros é isso, é gigante, tive de treinar ontem com as ondas de 15 metros.

      Vou para a praia às duas da tarde. Vai correr bem? Ou vai correr mal?

      São duas da tarde, tenho que ir. Cheguei agora, vou para o museu da Nazaré, que, apesar de ser um museu, tem uma parte que é para os Surfistas se equiparem e o equipamento é uma Bomba.

      O que é uma Bomba? É uma máquina que está no corpo dos Surfistas e, quando eles estão a mergulhar nas ondas, à espera da mota de água e têm de passar as ondas, mas como as ondas são muito fortes, eles até ficam sem saber onde é o cimo da água.

(Continua)

AM5C

Tu Vais Conseguir!

Image by RitaE from Pixabay 

    O que me dá asas é a minha confiança; é não deitarmos abaixo as pessoas nem deixar que nos deitem abaixo e sermos simpáticos para toda a gente.

     Primeiro, tens de confiar em ti e lutares para o que queres e não deixares de acreditar, porque tu vais conseguir. Nada nem ninguém pode fazer com que nós deixemos de acreditar porque, se nós queremos os nossos sonhos, temos de lutar até ao final.

      Mesmo se te disserem que não podes fazer aquilo, tu consegues tudo, se quiseres!

     Os mais belos projetos para este Outono são não apanhar Covid festejar os anos da minha Irmã e estudar com as Amigas por vídeo-chamada.

Image by RitaE from Pixabay

JV7C

No Perigo, Invencíveis

Image by 272447 from Pixabay 

    Vimos de muito longe, até  onde brotam as fontes de Água Viva.

   Compomos canções pelo caminho, como quem colhe flores bravas, para oferecer à chegada.

  Treinamo-nos para a liberdade futura, tratando-nos, desde já, como livres.

    Por isso o vento do nosso deserto arrasta consigo um perfume de maçãs e espalha adiante de nós trinados de rouxinol.

Com MA6A e SS6A  – Partilha de Inspirações – OE

As Palavras Cintilam

   Image by WikiImages from Pixabay

    Voltar é reconhecer o caminho e recordar a Aventura da partida.

   Voltar é reconhecer-se grato; e recordar – trazer de volta ao coração – é  retomar o fôlego da Aventura interminável. 

   A úlitma Aventura: a que já não se avista daqui, mas se adivinha no fugidio brilho das palavras.

   As palavras cintilam, como as estrelas.

  Como os olhos das crianças, as palavras – deslumbrantes – perseguem-nos, orientam-nos.

   Estrelas-Guia, as palavras rodopiam no céu noturno do coração e seduzem-nos a dobrar o mais longínquo. 

     As palavras abrem espaço que não havia antes, para respirarmos o desafio que sopra do infinito e se aninha no estreito abrigo vazio que é o amor de escrever.

Com IF9D – Partilha de Inspirações – OE 

Tudo Converge para a Melhor Pessoa do Mundo

Image par Gerd Altmann de Pixabay 

   Não estou a ter muita possibilidade de ficar em casa no meu conforto, a brincar com os meus amigos no computador, porque a Escola em presença não está a deixar.

  Se fosse Escola em vídeo-aula, havia TPC que nos mandavam nesse horário, em Tarefas, e nós ficávamos preparados e fazíamos logo.

    Quando estamos na Escola, nós trabalhamos, mas quando chegamos a casa, temos um monte de TPCs! Antes, nós ficávamos mais responsáveis com as Tarefas. Eu fiquei mais responsável quando tinha aulas por videoconferência.

   Estou a ouvir uma música de TikTok em que as pessoas dançam; A música abre-me os sentimentos; gosto muito de uma pessoa, ainda não lhe pedi namoro, mas estou preparado.

   Eu gostava de uma música que foi filmada por uma Amiga minha com a pessoa de quem eu gosto e outras amigas. Esta Amiga filmou de propósito, é uma música que me põe triste; ela mandou-me esta música só para eu poder ver este Alguém tão especial.

Criação Oral de Texto

LR7D