70 ANOS – CAD – “O Meu Quarto Acolhedor” – 1992

   

 Photo by Vidar Nordli-Mathisen on Unsplash

     Quando se entra, o nosso olhar é logo atingido pelos pequenos ramos de flores estampados no branco limpo do papel que forra as paredes, tornando o meu quarto confortável e acolhedor.

     Logo depois, a nossa atenção é chamada pelo leve tic-tac que vem da mesa de cabeceira, onde um pequeno e antigo despertador verde dá um ar misterioso ao quarto, fazendo-nos pensar que este está a meditar.

    Também nesta mesinha está um pequeno naperon que, com suas cores claras condiz perfeitamente com um pequeno candeeiro de pé de madeira que à noite ilumina uma imagem de Nossa Senhora, que, tão simples, mas tão bela, parece incendiar-se com a luz.

     No meio do quarto, uma mesa de madeira muito lisa e brilhante, faz-nos convencer que pertence a um grande armário, onde, do lado direito, bonecos diferentes parecem representar uma peça de teatro.

     Em cima da cómoda estão vários livros, uns em cima dos outros, prontos para serem lidos e cujos títulos variados despertam curiosidade.

    A grande janela, que dá para uma pequena varanda, alegra muito o quarto, principalmente quando os cortinados estão fechados e a luz passa através do amarelo vivo destes.

    Tudo isto serve para sonhar e talvez, em toda as gavetas e até atrás dos ponteiros do antigo despertador, estejam pequenos sonhos à espera de serem realizados.

C R 6º, 1992

70 ANOS do CAD

(Texto escolhido para a Prova Global de 1992)

70 ANOs – CAD – “Um Poder Novo” – 2010

lerPhoto by Nong Vang on Unsplash

      O meu livro preferido são as “Aventuras de Teodora” e gosto muito de o ler, porque é muito entusiasmante e desperta-nos a atenção, o que nos faz ficar agarrados ao livro.

     Eu adoro ler, é uma das minhas atividadesfavoritas. Faz-me aprender, mas não sei explicar porque gosto de ler, só digo que adoro, porque é mesmo.

     Os meus tipos preferidos de livros são os de aventura e mistério. O livro que eu li e de que não gostei nada foi “A Bruxinha Lili e a Cidade Submersa”, pois não me despertou muito a atenção, não era bem o meu género de livro e tinha palavras demasiado fáceis, pouco implícitas e eu gosto muito de explorar livros com palavras difíceis, pois é um desafio para mim.

     O primeiro livro que eu li foi um livro para pequeninos, mas o meu primeiro livro a sério foi no final do primeiro ano, “Geronimo Stilton e o grande Segredo do Conde”.

      Quando eu não sabia ler, antes de ir para a cama, obrigava os meus Pais ou a minha Avó a ler, nem que fosse só uma página. Desde pequenina que aprecio muito lerem para mim e ler também sozinha. Quando comecei a ler, senti um poder novo, um poder de viver aventuras sentada ou deitada, a ver letras a passar.

IB5A – nº18 – 2010

70 ANOS – CAD

Imagem: Oficina de Escrita    

     O nosso amado Colégio faz 70 anos. À exceção do pequeno oásis das Irmãs, a situação inédita que vivemos parece ter reduzido a nossa segunda casa a uma casca vazia: corredores escuros, salas desertas, janelas fechadas.

     Mas não é assim: tal como a Igreja não é formada pelos seus templos, mas pelas “pedras vivas” que são as Pessoas, assim também o verdadeiro Colégio não é o edifício sito na Avenida de Sintra, mas a Comunidade Viva que formam as nossas Irmãs, os nossos Alunos, as nossas Assistentes Educativas, os nossos Pais, os nossos Professores.

    O Colégio Amor de Deus é também, como cada Pessoa, a totalidade da sua História. O Colégio inclui o trajeto completo, de comunhão vivida entre tantos,  desde a remota origem no Monte Estoril, em 1950, depois o percurso pela  espessura dos seus 70 anos de vida partilhada, e ainda a clareira iluminada do nosso “Hoje” em que celebramos o caminho andado.

    O Colégio Amor de Deus está ainda misteriosamente voltado para a abertura de um Futuro desconhecido, que faz parte da sua essência e que – aconteça o que acontecer – sabemos estar “destinado à lei do Amor”, nas palavras do nosso Padre Usera.

   A Oficina de Escrita une-se à celebração de todos estes elementos que pulsam no coração da Escola, passando a publicar algumas vozes juvenis do passado, que conservam a frescura e a energia da primeira manhã.

     São as vozes preciosas dos nossos inesquecíveis Alunos, que com tantos outros, foram tecendo, passo a passo, na interminável paciência do trabalho vivido nas aulas, a alma vibrante do nosso Colégio.

70 Anos – CAD  OE

A Vida com Salazar

mãos, arame farpadoImage par Gerd Altmann de Pixabay 

Salazar e o Estado Novo

Quem era? Um professor de economia que participava ativamente na vida política. 

Óscar Carmona – convidou-o para ministro das Finanças, em 1928. 

Milagre Financeiro – Reduziu os gastos, e aumentou os lucros.

1932 – Convidado para Presidente do Conselho ou 1º Ministro. Imitava a imagem de heróis nacionais.

Medidas para equilibrar a balança: 

        • Reduziu as despesas com a saúde e educação e os apoios sociais.
        • Aumentou os impostos e as taxas das alfândegas. 

Condições de vida do Povo: não melhoraram.

Cofres do Banco de Portugal: reservas de ouro, aumentou a riqueza nacional.

Dívida Pública: os empréstimos ao estrangeiro foram pagos. 

O que foi o Estado Novo?

    Segundo a Constituição de 1933, o poder executivo é mais forte do que os poderes legislativo e judicial.

    O poder do Presidente do Conselho e seus Ministros era maior do que o do Presidente da República.

    Este, passou a ser escolhido por um Colégio Eleitoral que era nomeado pelo Presidente do Conselho.

Difusão dos Ideais do Estado Novo 

      • Difundiam os Ideais do Regime e impediam ideias contrárias nos Manuais Escolares;
      • Os rapazes e raparigas dos 7 aos 14 frequentavam a Mocidade Portuguesa.

 Meios de Repressão

  • Imprensa, Rádio, Televisão, Cinema e Teatros eram usados para transmitir os valores do Regime.
  • Eram controlados pela Censura prévia que cortava tudo o que fosse contra o Regime.
  • União Nacional era o partido único que vencia sempre as eleições. Salazar era quem escolhia o único candidato. Em caso de eleições não havia liberdade de escolha. 

Cad em Isolamento – Tertúlia de HGPSS6D

O Bom e o Mau do Coronavírus?

parque

     Image par Ana Gic de Pixabay 

     Quais são aspetos bons e maus do Coronavírus para mim?

    O lado bom pode ser que eu posso ficar de quarentena em casa e assim posso até ter mais tempo para descansar e brincar.

    O lado muito mau é que eu vou fazer anos durante a Quarentena e, por isso, não posso fazer como nos outros anos, em que convidava a minha Família mesmo no dia do meu Aniversário para a minha Festa.

    Assim, vou ter de passar o dia do meu Aniversário fechada em casa, fazendo as mesmas coisas que nos dias normais de Quarentena.

     Nos meus anos, eu queria ver um filme com a minha Mãe, Pai e Irmão. Mas, se não estivesses de Quarentena, gostava de ir ao cinema muto mais radical, comer fora, ao meu sítio favorito – o Mac Donalds ou Burguer King, ir ao Parque em Tires, em que se pode andar nuns carros em que nós pedalamos e eles andam.

      Desejo que fiquem todos bem e, se acontecer algo, sejam fortes e tenham paciência vai correr tudo bem no final das contas.

Em Isolamento – SS6D

Um Crepitar de Luz

     pássaro em ramo florido

Image par dewdrop157 de Pixabay 

     As nossas mãos teceram a interminável tapeçaria do Dia, que vem sendo trabalhada por inúmeras mãos no desenrolar dos tempos.

   Um trabalho fraterno, a perder de vista, uma comunhão ativa de vida que configura a Família mesmo de quem não a tem e torna a Humanidade do presente mais real.

   Um passarinho explorou o labirinto dos ramos num incansável saltitar de curiosidade.

   Ele foi o grande companheiro na manhã dos salmos, o silencioso ouvinte de um crepitar de luz que eles acendiam.

Em isolamento, com o CAD – Partilha de Inspirações  – OE

O Dom da Paixão

       casal em bicicleta

  Image par Pexels de Pixabay 

      A Paixão é um sentimento e um sentimento não pode ser forçado.

     Algumas paixões desaparecem, porque, na realidade, nunca chegaram a ser paixões profundas; se tivessem sido, nunca teriam desaparecido, mas sim, aumentado.

     Uma paixão pode começar com um simples “Olá”, mas como tudo o que é importante, a Paixão tem de ser alimentada e trabalhada. 

    A  Paixão deve-se desenvolver, caso contrário essa Paixão nunca se vai transformar em Amor.

   Assim, devem- se aproveitar os pontos comuns um do outro; por exemplo, se ambos gostarem de andar de bicicleta, podem criar uma rotina de criar uma rotina de andar de bicileta todas as semanas.

   Isto cria não só bons momentos, como também razões para continuarem juntos.

IM7B

Vida de Todos

     telhados abstração lírica

   Image par Denis Azarenko de Pixabay 

    “A Minha Vida” é uma expressão traiçoeira, pois a Vida real de cada um abre, em ângulo único, sobre a Vida de todos.

    Só esse prodígio, pelo qual Deus infiltrou secretamente todas as Vidas na Vida de cada um, já é uma expressão da Sua escrita criativa.

    Ela sobrenada o caos das linhas entrecruzadas: no que nos surge emaranhado e obscuro, Deus despista, num relance, o entremeado de todos os percursos que revela a inquebrantável união.

   Ele é não só o Criador das livres criaturas, como ainda permanece nos trajetos que elas desenham no tempo, mais íntimo a elas que elas próprias.

     Em Isolamento, com o CAD – Partilha de Inspirações – OE

Rumo ao Mar

barquinhos no marImage par Raheel Shakeel de Pixabay

     A Vida, humilde e soberana, irrompe e cumpre-se, diz-se e dá-se; é, não em si, mas em nós, a quem nutre e deixa ser.

   Quando nos aproximarmos do Mar, seremos já braços de Delta entrelaçados, cada um dando a vez a todos os outros.

   Aproximar-se é deixar ultrapassar, é refletir a luz que transforma e, por isso, permite aproximar.

    Distância infinita que a comitiva fraterna encurta.

Em Isolamento, Com o CAD,  – Partilha de Inspirações – OE

O Que Me Faz Voar – 3

     guitarra

Image par Daniel Wanke de Pixabay     

     A última vez que joguei ao Cluedo com a minha Família por acaso até estava lá a minha Avó – lembro-me que eu, a minha Mãe e a minha Avó estávamos a beber chá enquanto jogávamos; estávamos a jogar na sala de jantar à volta da mesa e distribuímos as personagens por cada um – eu era a Scarlett.

    Este jogo ajuda o João a ter mais paciência e eu gosto deste jogo porque convivemos e estamos todos juntos.

    Normalmente jogo Minecraft na X-Box: é um jogo giro, que desenvolve a criatividade:  vamos construir casas e temos de ter imaginação para as construir. Eu crio cães, gatos, pássaros, raposas e alimento-os para ficarem comigo.

    Quando acabo de tratar da mochila e de escolher a roupa, vou às escondidas para o meu quarto tocar guitarra. Como toco baixinho, os meus irmãos não ouvem e, por isso, nunca ninguém sabe quando é que eu estou a tocar guitarra.

     Toco com acordes, por exemplo, “O Frango e a Galinha”, que implica mexer mais os dedos; quando toco flauta, como o “Big, Big  World”, sei as notas de cor, não preciso de pauta.

  Normalmente desenho animais – também faço isto às escondidas – porque gosto muito de animais, especialmente gatos. Yoda serve-me de modelo; ele vai sempre ter comigo, então, é mais fácil.

BB5C 

Desporto, História e Xadrez

                              Wikimedia Commons

     Era uma vez um menino chamado LB; ele gostava muito de desporto, como o futebol, o basket e ainda um desporto  – que não se sabe se é mesmo um desporto – o Xadrez. 

    Apesar de ele ser interessado por História, a sua grande paixão é o Xadrez. Neste, o que ele mais apreciava era a concentração: é como se fosse magia, é o silêncio grande para o público e os jogadores. Ele – não num sentido literal – é apaixonado pelo Xadrez. 

     Ele também era muito fã de História, porque os seus familiares eram descendentes dos Reis de Portugal. Um antepassado foi D. João de Castro: na sua crise foi preso para o resto da sua vida.

    Antes de acontecer esta crise, também D. Afonso Henriques conseguiu realizar os desejos de seu Pai, D. Henrique, de tornar o Condado num País. Quando conseguiu, ainda demorou 37 anos, até que o Papa o reconheceu como Rei Cristão. 

LB5A

Nunca à Deriva – 1

jovemImage par JL G de Pixabay 

Balanço do I Semestre

     A melhor nota foi a Inglês: 93,5%! Foi no teste de Listening; adoro ouvir e ver coisas em Inglês. O que mais tenho apreciado no 5º ano foi ter encontrado “aquela pessoa”. Para estudar Matemática, um bom método é o jogo da Barra, porque temos de fazer contas de cabeça.

Objetivos para o II Semestre

      Os meus Objetivos para o 2º semestre são subir a Matemática, a HGP e a Inglês. Sem ser de Escola, os meus Objetivos são educar mais os meus irmãos: um de 7 anos, que anda no 2º ano e outra de 1 que já corre!

     A nível pessoal, os meus Objetivos continuam a ser o Canto – continuo a querer ir ao “The Voice; a Dança – espero que a dança Criativa abra outra vez; quero também escrever um livro como o meu Pai.

Quem sai aos Seus…

    Ele escreveu uma história para crianças quando tinha a minha idade; o meu Pai pediu para eu, o meu irmão e a minha Mãe encadernarmos e fazermos desenhos, como se fosse um livro, até dia 4 de Junho que são os anos dele.

    O meu Avô escreveu três livros para crianças e vai pedir à Diretora para os apresentar.

Conversas na Oficina – LS5B

Carta de Mota aos 13 Anos?

mota saindo da águaImage par Sarah Richter de Pixabay 

         Será possível, em certos casos, tirar a carta de mota 13 anos?

     Em primeiro lugar, há jovens e adolescentes que aprendem muito com os pais sobre a condução de motas. Por exemplo, o meu Pai já me ensinou a fazer égua na mota.

     Seguidamente, alguns rapazes, aos 13 anos, já sabem controlar uma verdadeira máquina. Por exemplo, há rapazes, na Índia, que fazem recados em motas velhas.

     Além disso, hoje em dia, já existem motas com muita segurança, capacetes à prova de chão, casacos cheios de proteções. Por exemplo, o meu Pai usava um casaco muito protegido com imensos plásticos.

    Por fim, podemos concluir que, em certos casos, é possível os miúdos de 13 anos poderem conduzir motas.

LM6B

Limites de Tempo Online

consola de x-boxImage par InspiredImages de Pixabay

      Será que se deve jogar online mais de uma hora por dia?

     Para começar, acho que não devemos jogar mais de uma hora por dia, pois o esforço de focar o écran durante o jogo estraga os olhos. Por exemplo, entre os estudantes com as melhores notas do mundo há uma grande percentagem de míopes.

    Seguidamente, as pessoas começam a isolar-se e, em vez de terem amigos verdadeiros, têm amigos virtuais. Por exemplo, nos Estados Unidos, está a aumentar o número de pré-adolescentes isolados.

       Além disso, quando nós ficamos muito tempo imóveis, começamos a perder músculos e a ganhar gordura. A este respeito, a OMS dá indicações sobre a quantidade de calorias e as horas de atividade física para um bom crescimento.

     Por todas estas razões é que apoio a ideia de jogar pelo menos não mais do que uma hora por dia.

AS6C

O Autocarro da Aventura

busImage par Peggy und Marco Lachmann-Anke de Pixabay 

    recado do Pedro

   Image par ChrisFiedler de Pixabay 

     Assim, o Pedro saiu da Escola e foi para a paragem de Autocarro. Ficou à espera: esperou 10 minutos, e chegou o Autocarro. Agora, como alguns são grátis, podia sentar-se.

    Algum tempo depois, o Autocarro bateu contra uma árvore.

   O Pedro não sabia onde estava e não tinha telemóvel, por isso perguntou a um Senhor onde estavam. O Senhor não disse nada. Então, o Pedro perguntou a todas as pessoas que tinham vindo com ele, mas ninguém respondeu.

     O Pedro esperou, mas o Autocarro não andava; percebeu que não estava a funcionar e saiu. Começou a chover; o Pedro não sabia o que fazer, por isso rezou uma Ave Maria, numa rua ao lado de um café.

    Foi andando para onde Deus lhe dizia com o sinal de uma pomba. Seguiu a pomba até que chegou ao Lidl.

    O Pedro entrou e perguntou onde era o Cascais Shopping. O Senhor deu-lhe um mapa a dizer onde ficava. O Pedro tinha uma bússola, saiu do Lidl e foi para o Cascais Shopping; então o Pedro reconheceu o caminho de casa e dirigiu-se para lá.

   A meio do caminho estava com fome, mas tinha um suminho e umas bolachas. Quando o Pedro acabou de comer, parou de chover, e disse:

     – Aleluia! Finalmente parou a chuva!

     Pedro continuou o caminho. De repente, um cão mordeu-o na perna e foi-se embora.

      Pedro magoou-se na perna, mas ele já estava habituado porque o seu cão já o tinha arranhado nas pernas; estava a doer-lhe muito, mas, corajosamente, continuou.

    Ao chegar a casa, viu a Mãe a chorar. Pedro chegou, deu um grande abraço à Mãe e disse:

  – Vês, Mãe, como sei andar de Autocarro?

PM7C

Às vezes ponho Música Baixinho…

retriever brancoImage par JacLou DL de Pixabay 

     Os meus projetos a curto prazo são terminar de fazer uma surpresa sobre a qual ainda não posso falar.

    Vou estar estes dias no meu quintal, com a minha cadela Triksei – o nome é o da namorada do Pilot Speed Racer ; ela é  uma Golden Retriever muito branquinha; na rua, as pessoas perguntam se é um Labrador.

    O meu sítio especial é a Garagem, porque tem imensas coisas antigas como os nossos cadernos e dossiers antigos.

     Encontrei lá um minitapete com um ursinho felpudo do tempo da minha Infantil, que a minha Mãe vai coser numa almofada para mim.

    É tão fixe ter um minicantinho! Quando tenho tempo para ler, sento-me com a minha girafa gigante que recebi no Natal: ela faz de poltrona, tem os olhos brilhantes; sento-me e é como se ela me estivesse a abraçar.

    Não tenho músicas preferidas; vou pondo “gosto” nas músicas que aprecio. Às vezes ponho música baixinho, de Mozart ou violino e leio.

     Li agora um livro muito antigo, da minha Mãe – ela disse logo que eu ia gostar; temos imensos livros; no escritório há imensos livros antigos da minha Mãe. Ela foi buscar “O Diário Secreto de Adrian Mole”.

   Também estou a ler o”22 Mistérios da História” – é tão interessante! Fala de conspirações, como o triângulo das Bermudas e a Área 51.

Conversas na Oficina – CA5A

Bullying: o que é e como combatê-lo.

bullyingImage par Wokandapix de Pixabay 

     O Bullying é uma forma de relação que não é adequada.

    Pode acontecer que algumas pessoas se juntem todas e batam  num rapaz ou podem chamar nomes não adequados ou deixam a pessoa de lado.

     Na minha opinião, o bullying pode começar de várias maneiras: por exemplo, um rapaz – o líder do grupo – diz a outro:

     – Faz-me já os trabalhos de casa, senão, amanhã, eu vingo-me!

     Podemos ajudar um rapaz mais novo a proteger-se ou então a fazer justiça pelas próprias mãos e enfrentá-los.

    Outra possibilidade é recorrer aos Adultos, como por exemplo, o Professor de Matemática ou a Diretora de Turma.

LR6A

Carnaval: Festejar a Imaginação

carnavalImage par growupmidiadigital de Pixabay 

    O que é o Carnaval para vocês?

   Para mim é uma época muito gira em que se festeja a Imaginação.

    Toda a gente vem disfarçada, ou, pelo menos, algumas pessoas.

    No Carnaval, acho que não faz sentido as pessoas não virem mascaradas, porque um dos supostos é fazerem-se passar por uma pessoa que não são e isso, às vezes, torna-se muito engraçado!

     O Carnaval é uma espécie de brincadeira em que toda a gente deve participar, para se divertir.

    Para mim, uma das minhas épocas festivas favoritas é o Carnaval. O Carnaval deixa o clima muito alegre e eu gosto muito de ALEGRIA.

SS6D

Benefícios do Sapateado

     step dance        Image par Dieter_G de Pixabay 

       O Sapateado será aconselhável para os jovens?

      Em primeiro lugar, o Sapateado é aconselhável para os jovens, porque faz bem aos ossos das pernas; na verdade, a partir  dos 30 anos, começamos a perder cálcio e o sapateado ajuda a perder menos.

     Em segundo lugar, o sapateado dá-nos saúde: como diz a OMS, “o desporto faz bem e ajuda a crescer.

    Em terceiro lugar, esta Arte faz gastar as nossas energias, porque nós, adolescentes, precisamos de nos expressar.

    Por todas estas razões, podemos concluir que a prática do Sapateado é altamente aconselhável para os jovens.

SS6D

Celebrar todos os Estilos de Pessoas

Carnaval, balõesImage par Pixaline de Pixabay 

     No Carnaval, celebramos todos os estilos de pessoas e aprendemos a ser outros, mas com o mesmo gosto.

    Aprendemos a ser outras pessoas, mas, ao mesmo tempo, somos nós; então, os nossos amigos, os familiares, os que nos rodeiam, veem-nos com outra aparência, mas gostam à mesma de nós.

     Apreciei umas raparigas que vieram mascaradas de Bebé, um rapaz mais velho que veio disfarçado de Corona Vírus; outro veio de lutador de Sumo; um rapaz que veio de enfermeira com soutien de esferovite e uma peruca loura. Foram estes em que eu senti mais valor, eram bastante originais.

     Escolhi o disfarce de Gótica, porque a minha Mãe é sempre uma inspiração para mim; ela é um bocadinho Gótica, não é assim tanto como eu vim, mas eu gosto imenso do estilo dela; pedi-lhe e ela achou uma boa ideia, até me emprestou a sua roupa e maquilhou-me.

CA5A