Vivemos Vulneráveis Como Em Pátria Nossa

blue nightImage by Noel Bauza from Pixabay 

     Solidão que se interpreta como ausência: o caminhar de uma expectativa onde as perguntas lacerantes são acolhidas.

     A presença oculta da morte incontornável confere a cada passo o cunho do que é autêntico.

     Vivemos vulneráveis como em Pátria nossa; fazemos do que permanece aberto por incompletude o impulso para a demanda.

      A Solidão é então espessura em movimento e torna-se navegável.

    A dor de ser acrisolado é a de caminhar por dentro, para dentro, até onde se pode livremente abrir uma exterioridade absoluta, “mais íntima a mim que eu próprio”.

     Não há prestígio, poder, olhar alheio, autoconsciência, saber de si. O ser despiu-se, porque se apostou e já não se detém a si próprio, desincluiu-se de si.

Partilha de Inspirações – “Dilatados Horizontes” – Agenda CAD – OE

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.