A Flor que se Transformava

jovem entre flores brancas e folhas verdes

     PixaBay Pixabay License

    Era uma vez uma jovem chamada Beatriz, que tinha cabelos loiros que pareciam estrelas de tanto brilhar e os seus olhos eram tão verdes que era uma sorte.

     Beatriz era uma menina que tinha muitos segredos; sempre que saía de casa, era misteriosa, pois saía de noite, com um vestido rodado, muito leve.

     Todos ficavam surpreendidos.

    Só que, uma vez, um rapaz chamado João, que fazia parte do seu grupo de amigos, viu uma pessoa a transformar-se. João foi dizer aos amigos que tinha visto algo muito estranho.

     Depois, viu de novo algo a a acontecer e disse aos companheiros que era uma rapariga com o cabelo louro, mas não lhe tinha visto o rosto. 

    Beatriz ficou muito assustada quando soube que alguém a tinha visto. 

     João contou que a jovem se tinha transformado numa flor. Então, Beatriz contou a verdade aos companheiros do seu grupo: ela não era uma pessoa humana mas sim uma flor.

     Era uma flor vermelha, de pétalas longas e curvas, aveludadas, e só um colibri lhe retirava o pólen.

     A Flor transformava-se numa jovem pois tinha uma Missão na Terra. Ela devia transformar-se pois se soubessem que uma Flor falava, seria um pouco estranho.

     A sua Missão era recolher todas as flores da Terra como convidadas para um banquete no País das Verdadeiras Pétalas.

MC8C

Os Pássaros Azuis e a Bola de Fogo

dois ovos azuis no ninho

     Photo by Landon Martin on Unsplash

     Logo ao amanhecer, no início da Primavera, os pequenos ovos estremeciam no seu ninho fofo.

     A Mãe estava deslumbrada e esperava, com impaciência, que as estreitas fendas se alargassem, dando aqui e ali, suaves bicadas, nas cascas sarapintadas.

     Por fim nasceram! E, no preciso instante em que as três cabecinhas azuis se esticaram para fora dos seus ovos quebrados, lá longe,  no horizonte rosado, a maravilha do Sol inundou o horizonte com a sua luz vivíssima.

      A Mãe saudou os seus filhinhos recém-nascidos com um trinado maravilhoso e eles voltaram as cabecinhas penugentas para ela.

    Abriam os bicos pequeninos, a imitá-la, descobrindo, pela primeira vez, que podiam ouvir e criar sons.

      Na sua intuição, ela entendeu que a saudavam com alegria e que estavam espantados com aquele irmão distante, a Bola de Fogo que nascera ao mesmo tempo. 

Com CC8B e MS8B, Partilha de Inspirações – OE

A Estrela que Caiu do Céu

     PixaBay PixaBay License

     Era uma vez uma estrela chamada Pingo. Ela vivia lá no Céu muito, muito alto, com o seu pai e com a sua amiga, a Violeta.

     A casa dela era ao pé de uma cintura de meteoritos. De noite, elas vinham brincar cá para fora e o pai da Pingo dizia para se afastarem dos meteoritos.

     Uma vez, em que já era de noite, a Pingo e a Violeta vieram brincar lá para fora. Estavam a brincar à apanhada e, de repente, a Pingo aproximou-se muito de um meteorito e…BUM!

     Ela começou a cair para a Terra, muito rapidamente e, de repente, um menino chamado João, apanhou-a e perguntou:

     – Quem és tu?

     Muito confusa, respondeu:

     – Eu sou uma estrela lá dos Céus. Chamo-me Pingo. E tu, como te chamas? 

     – Eu chamo-me João. Passadas umas semanas, eles eram os melhores amigos.

     A Pingo adorava Matemática, então ajudava-o nos seus testes de Matemática. Entretanto, o pai da Pingo e a sua amiga Violeta andavam a procurá-la na Terra.

     Num dia muito chuvoso, a Violeta viu a Pingo na janela e gritou:

    – Pingo, Pingo! Tio, é a Pingo!

    – Pingo, Pingo! – juntou-se o Pai à Violeta, a gritar. (Continua)

CA7A

Três Lições para uma Cantora

rouxinol, canário e piriquito sobre fundo verde

     Rossignol PixaBay Perruche PixaBay Canari PixaBay Pixabay License

     Era uma vez uma menina que se chamava Carlota. O seu cabelo era louro como o Sol, os olhos azuis, a boca rosa, o nariz perfeito. Era imensamente simpática e muito bonita.

     A Carlota era sempre fiel, mas irritava-se um bocadinho algumas vezes. Gostava muito de tocar viola. Tinha um sonho desde pequenina: ser cantora.

     A Carlota tinha muitos amigos, mas tinha três melhores amigos: o Piriquito Piu, o Rouxinol Kai e o Canário Vé.

    A Carlota pediu aos amigos para lhe darem aulas de canto para realizar o seu sonho.

      O Piu ensinou-lhe as notas mais graves, as agudas, as curtas e as longas. O Kai ensinou-lhe o “Hino da Alegria” e o “Olha para Mim”, duas canções clássicas, uma em clave de sol e a outra em clave de fá.

     Todos os dias ela ia para três árvores diferentes, pois adorava trepar.

      O Piu ensinava-a no carvalho: subiam até lá acima para verem o pôr do sol.

    O Kai brincava no Pinheiro Manso, porque desde pequeno brincava ali e queria partilhar.

     O Vé gostava muito de ir para os sobreiros, porque tinham bolotas lindíssimas.

       Assim, a Carlota tornou-se numa maravilhosa cantora.

CT5A

O Cavalo Voador

  cavalo voador em pintura

      PixaBay  PixaBay License

     Era uma vez uma menina chamada Ana que desejava ter um cavalo com os olhos azuis e crina com as cores do arco-íris.

     A mãe perguntou à filha que tipo de cavalo queria.

     A Ana disse que queria um que voasse, só que era muito difícil de arranjar neste mundo conhecido.

    Ela, profundamente desiludida, insistiu com a Mãe para lhe dar um cavalo voador.

     A Mãe foi procurar se havia numa quinta de criação de cavalos. Todos disseram que não havia, só num mundo mágico.

     Então, a sua Mãe conseguiu mudar de mundo, até encontrar um cavalo com essas características. Ana ficou entusiasmada com o cavalo, porque o seu sonho mais apaixonante era cavalgar um cavalo voador!

     O cavalo estava disponível no mundo mágico, mas, para se entrar, tinha-se que responder a 3 perguntas. Ana respondeu e acertou.

      O seu cavalo de sonho avançou, os seus olhares cruzaram-se e os dois sentiram um aperto no peito: era uma felicidade sem limites, infinita e perfeita!

MC8C

O Enigma

casa assombradaPixaBay PixaBay License

     Era uma vez dois meninos que se chamavam João e José.

     Um dia, com outros amigos que eram muito malucos, decididram todos ir a uma casa assombrada. 

     Resolveram entrar na cave e encontraram um mapa. Esse mapa mostrava a casa assombrada onde estavam; viram uma cruz no mapa; carregaram na cruz e caíram por um alçapão. Foram dar a um sítio que continha vários enigmas e emboscadas.

     Eles passaram por muitas armadilhas. Viram sereias que os encantavam, cães com 3 cabeças e um feiticeiro mau. Até que já estavam muito cansados e o último enigma era… um Ciclope!

    Demoraram 10 anos para derrotar o Ciclope! Derrotaram-no finalmente e voltaram para casa.

     Os seus pais estavam muito preocupados com eles porque tinham demorado dez anos naquela casa assombrada. Nem os estavam a reconhecer porque eles estavam com barba!

      E viveram barbudos para sempre.

ZG6B

A Menina que Escavava Túneis

túnel de luz

     PixaBay PixaBay License

     Era uma vez uma menina que, em todas as férias de Verão, escavava buracos: um no seu quarto e outros espalhados pelo quintal e pela cidade.

     Essas escavações eram todas ligadas por túneis subterrâneos.

    Ela tinha sempre de tapar os buracos com um pano e, por cima, pôr os diferentes tipos de chão, para que ninguém pudesse entrar nos túneis, mas só ela, pois sabia onde cada abertura ficava.

    Passados muitos anos, conseguiu terminar o seu trabalho duro.

    Para celebrar, convidou algumas das suas próximas e confiáveis amigas, para não haver nem um risco de alguém desconhecido entrar na sua obra-prima.

     Os túneis eram muito compridos: passavam por toda a cidade, por baixo da terra e, para as amigas não se perderem, punham pedras no caminho, para voltarem.

    Todos os dias, depois da escola, a menina, chamada Inês, e as suas amigas entravam num dos buracos da cidade e encontravam-se para estudar, trocar ideias e brincar só com jogos de tabuleiro ou jogos do género, pois o espaço era muito pequeno e nem dava para ficar em pé.

     Um certo dia, Inês estava no túnel e viu uma sua amiga e algumas crianças a entrar por um buraco ao pé da escola.

     A Inês ficou muito aborrecida com a amiga, pois achava que podia confiar nela, mas afinal não era o que parecia.

     No dia seguinte, Inês foi falar com a amiga sobre o que tinha acontecido no dia anterior, mas nem conseguiu dar um passo com a quantidade de Jornalistas a perguntarem sobre o túnel.

      Inês começou a correr e foi para casa. Ligou a televisão e estava a dar uma entrevista com a amiga: estava a dizer que ela é que tinha feito o túnel.

      Inês ficou tão triste com ela e foi chorar para o túnel. Aí viu um guia e turistas, como se aquilo fosse um museu ou assim…

     Inês arranjou uma maneira de impedir a amiga, chamando as Autoridades e dizendo que a amiga estava a mentir.

     As Autoridades não acreditaram á primeira, mas depois de ela ter mostrado a planta dos túneis e ter indicado todo o caminho subterrâneo, os polícias acreditaram.

     A partir daí, as pessoas começaram a pagar uma visita aos túneis. Ela conseguiu ajudar a Mãe a pagar as contas.

       A amiga arrependeu-se, a Inês perdoou-a e ficaram felizes para sempre!

CC8B

A História dos Bambis – I

PixaBay Pixabay License

      Numa cidade grande e com muita população, habitava uma menina do campo que não estava habituada à poluição, aos carros, às tecnologias e até mesmo ao pensamento das pessoas.

       A menina, chamada Flor, ia à Escola, mas não conseguia acompanhar as conversas das meninas da cidade! Então, Flor era uma menina muito reservada e falava com uma só amiga, a Fada chamada “Asas de Mel”, que era imaginária e vivia na sua fantasia.

     As recordações de infância da Flor passavam-se todas no campo a brincar na relva, o que era muito diferente das meninas da cidade que passavam o tempo todo nas redes sociais.

      Flor, para relembrar os velhos tempos, um dia em que saía da Escola, em vez de ir para casa, foi a uma Floresta onde havia relva e assim poderia brincar como dantes. Pelo menos foi o que ela pensou.

      Caminhou,  correu e brincou  com as Asas de Mel, até que viu a Árvore maior da sua vida! Ficou espantada por ter encontrado uma Árvore tão invulgar e única como aquela na cidade. Espreitou, observou e até tentou escalar a Obra de Arte da Natureza.

      E reparou… Reparou que a Árvore mais bela do mundo tinha um buraco que se abria em túnel numa das suas diversas raízes, e com um olhar de aventureira, Flor olhou para “Asas de Mel” e entraram no túnel.

      Depois de alguns minutos a escorregar no túnel, Flor e Asas de Mel puseram os pés no chão, estava coberto de folhas secas e começaram a explorar as paredes de madeira e o ambiente escuro e sombrio.

     Ouviram o barulho e… viram uma mini-explosão de cor vermelha e depois dessa, mini-bombinhas, uma de cada cor, rebentaram!

     Flor, assustada, começou a gritar, olhou para o lado e Asas de Mel já não estava lá. Viu-se em perigo, e o único que conseguiu fazer foi fechar os olhos e permanecer imóvel…

(Continua)

CR8B