“Caminhos de Encontro”

Cadescrita.org

     Sob o signo da Fraternidade se estreia o novo Ano Letivo para a nossa Comunidade.

   O primeiro pórtico que transpomos pretende abrir para  caminhos incomuns, sob a aparente banalidade da sua qualificação: com efeito, estes caminhos que podem abrir-se para nós, são todos “de encontro”, o que nos pode parecer familiar, e onde nos sentimos com alguma competência, pela experiência acumulada de partilha viva.

    Mas que “caminhos” são estes? E a que “encontro” nos conduzem?

     Estes “caminhos” são livres, isto é, podemos não seguir por eles; só se tornam acessíveis se os quisermos seguir; de outro modo permanecem ocultos no  entrançado dos labirintos quotidianos em que nos cruzamos constantemente sem nos ver, e que, afinal, não são “caminhos” e onde, afinal, não acontece “encontro”.

     Estes “caminhos” são múltiplos, isto é, variados, diferentes, plurais. Vias distintas por onde circulam companheiros de viagem, mas todos irmanados na viagem comum. 

     Ah, dissemos “companheiros”. Aqui, sim, o “encontro”: a presença irrecusável dos outros que povoam estes  caminhos prometidos, a transbordar de movimento e vida, de desafio e encanto.

    Encontro único de “Fraternidade” através de caminhos multiplicados: o capítulo sétimo da Carta do Papa fala da “formação de uma sociedade” inteiramente “nova”; afirma que “o valor de estarmos juntos” como pessoas “é superior” a qualquer outro laço humano; que “os processos da paz” são o somatório de pequenas “transformações artesanais” que cada pessoa improvisa no seu quotidiano; e ainda que, quando “se trata de recomeçar”, tem de ser sempre “a partir dos últimos”.

    Cada um de nós está, assim, confiado às surpresas inventivas da boa-vontade dos outros; cada um de nós fica, deste modo, desafiado a criar iniciativas de transformação ou a corresponder com uma retribuição inesperada, numa troca de atos de bondade e de coragem, todos eles “artesanais”.

     Tais pequenos atos generosos e atrevidos, que passam pela lentidão da escuta, da firmeza paciente do diálogo,  que geram o sentido da pertença mútua e nos surpreendem no seu alcance poderoso para desarmar inimizades,  serão os que a nossa fraterna fantasia imaginar e que o nosso  incansável  palmilhar de “caminhos” há-de tornar reais.

OE – Partilha de Inspirações  

Um comentário em ““Caminhos de Encontro””

  1. Esta partilha remete-nos para o que somos e para o que podemos vir a ser….
    “iniciativas de transformação” foram o grande DOM do Padre Usera, expresso na sua vida de: sacerdote, missionário, pedagogo, humanista, contemplativo, “sulcador” de caminhos de fraternidade.
    Hoje, somos nós os criadores de novas sendas.
    Obrigada pelo desafio!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.