O Cavalo Corajoso

cavalo castanho pinturaImage par Vinson Tan ( 楊 祖 武 ) de Pixabay 

     Era uma vez um cavalo muito corajoso; chamava-se Erva. Ele vivia num campo, com muitos outros cavalos e era o líder.

  Um dia, estava tudo normal, mas, de repente, uns homens começaram a laçar os cavalos com cordas. Levaram imensos cavalos para os estábulos de uma quinta próxima.

   No dia seguinte, o Erva e mais alguns cavalos tiveram a ideia de os ir salvar; então eles foram, durante noite, silenciosamente, até aos estábulos. 

   Quando entraram, encontraram logo os outros cavalos. Depois, abriram os portões.

   Entretanto, os ladrões de cavalos, na casa da quinta, viram o que estava a acontecer e foram atrás dos cavalos. Estes começaram a fugir a galope seguindo o Erva.

   Quando os cavalos chegaram ao campo, esconderam-se atrás de arbustos e, quando os ladrões passaram, não os viram. Então, seguiram em frente.

   Quando o Erva já não os via, chamou os companheiros; eles saíram dos arbustos e foram ter com a sua manada selvagem que vivia livremente nas encostas das montanhas rochosas. 

CA8A 

Quando o Tempo Para e o Ladrão Rouba

ladrão ao luarImage par mohamed Hassan de Pixabay

     Há 6 anos, em 2014, havia um homem chamado “Batata Italiana”. Então, por ter esse nome, todos gozavam com ele; mas também não era só por isso, era porque ele também era muito desastrado.

     Houve uma vez em que ele estava no Karaté e ia dar o seu maior pontapé, mas não deu balanço suficiente… Então, lá foi ele bater com a cabeça no chão!

    Hoje em dia, esse homem continua a ser desastrado. Só que ele começou a roubar; mas não a uma hora qualquer, nem num lugar qualquer.

     Ele ia sempre roubar à meia-noite, na cidade de Oz. Ora, a cidade de Oz era mágica. Então, à meia-noite, o tempo parava …

anúncio do capítulo 2

MF5B

Um Conselho de Amigo

   

Image by ArtTower from Pixabay 

       Era uma vez um menino que se chamava Zé e ele gostava de jogar Rugby: um dia gostou desse desporto e começou a jogar  com os seus amigos. 

      Um dia em que foi jogar com os seus amigos, magoou-se, mas levantou-se logo e começou a jogar. 

      Houve um dia em que o Zé foi para a escola e foi ter com um amigo que estava sozinho a treinar Rugby. Depois, esse amigo ficou a olhar para os outros que também estavam a jogar. O Zé foi ter com ele e ficou imenso tempo com ele. 

      No dia seguinte, o Zé estava a jogar com ele e disse-lhe:

     – Tu tens imenso jeito para jogar Rugby! Por que é que não vais para um clube profissional? 

      E o menino respondeu: 

       – Não é preciso, mas obrigada por me elogiares.

       O Zé interrompeu-o: 

     – Mas eu estou a falar a sério.

    O  menino continuou a jogar com o Zé e ficaram  os melhores amigos a partir desse dia.

     15 anos depois, esse menino estava numa Equipa Profissional de Rugby. Chamava-se Salvador. Ele tinha seguido o conselho do Zé. 

      E foram “agressivos” para sempre.

ZG7C

A Garagem das Motas

moto com rodinhas

Motorcycle Team Zündapp Ks 750 Max Pixel. CCO 1.0

     Era uma vez um Senhor chamado Alberto e ele gostava muito de andar de mota.

     Num belo dia, Alberto recebeu um clente que se chamava Zé. Mas o Zé, quando chegou lá, viu o Alberto muito triste. Então tentou ajudá-lo, mas o Alberto estava sempre a esconder alguma coisa.

     O Zé perguntou-lhe:

    – Alberto, estás bem?

     E Alberto respondeu:

     – Não, não estou! É que, tu sabes que eu já fui um grande corredor de motas! E como agora estou velho, fico muito triste de estar a vender as minhas motas, porque… andar de mota é a minha vida.

     Então o Zé foi para casa e não conseguia parar de pensar no Alberto; teve uma grande ideia e ficou uma noite inteira a fazer essa ideia genial!

      Num dia lindo de morrer, o Zé foi ter com o Alberto e deu-lhe essa ideia genial. Sabem o que era?

      Uma mota com rodinhas! Alberto chorou imenso por aquela mota e foi radical para sempre!

ZG7C

Aventuras de Onze Amigos – III

III

A Força das Armadilhas

templo em ruínasPixabay License Image parMystic Art Design de Pixabay 

      Os amigos entraram no Templo e pensaram: 

      – Oh, Não! Armadilhas!

     Os amigos ficaram um pouco assustados com as armadilhas e desataram a correr. Esquivaram-se muito bem das flechas, que eram a primeira armadilha. A segunda eram cobras, mas os amigos conseguiram passar; a terceira armadilha eram bichos venenosos; a quarta era um compasso gigante, e eles gritaram:

     – Oh, um compasso gigante!

     A quinta armadilha era um detetor matemático.

   Até que encontraram uma porta grande, e, atrás dela, estavam as 11 Jóias da Imaginação! Cada um pegou na sua. Mas quando cada um já tinha a sua jóia, o Breakfirst surgiu, apanhou-as e fugiu com elas!

      – Vamos atrás dele! – Gritaram os amigos.

     E lá foram apanhar o Breakfirst. Entretanto, a meio do caminho, o Sebastião propôs:

     – Não vamos conseguir apanhá-lo, mas podemos fazer uma armadilha. 

      – Mas como é que vamos passar para a frente dele? – Perguntou o Martim. 

     – Provavelmente ele quer destruir o avião, mas eu sei um atalho – disse o Sebastião.

      Foram pelo atalho do Sebastião e fizeram uma armadilha. Os amigos ficaram muito tempo à espera, até que apareceu o Breakfirst e caiu na armadilha como um patinho.

      Os amigos apanharam as jóias e foram para casa.  Há noite, o Breakfirst foi para o seu castelo assombrado.

17 – 18 TF5B

Aventuras de Onze Amigos – II

II

As 11 Joias da Imaginação

as onze joias da imaginaçãoPixabay License Image parOpenClipart-Vectors de Pixabay

     Os onze amigos ficaram superfelizes por estarem todos juntos na Selva!

     Passados alguns dias, quando o Tiago estava a passear, viu  um Templo antigo e muito grande e foi  contar aos outros.

     Quando contou aos outros, eles não acreditaram; então o Tiago disse:

      – Olhem, vão ver o Templo antigo!

      Eles pensaram, pensaram e começaram a seguir o Tiago até ao Templo. Ao longo do caminho, repararam num animal que parecia inofensivo, mas, quando olharam bem, era um homem negro, chamado Breakfirst, que disse:

     – Eu vou apanhar as jóias da imaginação, para torná-las negras.

     – Não! Tu não vais apanhar as nossas jóias preciosas!  – exclamaram os amigos.

     Depois, o Breakfirst começou a correr muito rápido para apanhar as 11 jóias da imaginação.

     – Oh, Não! Ele vai fugir! Vamos atrás dele! – Gritou o Tiago.

     – Claro, que bela ideia! E os amigos seguiram em frente atrás do malvado homem Breakfirst.

17 – 18 TF5B

Plano De Viagem

mala de viagem

Imagem de Thanks for your Like • donations welcome por Pixabay

I

Plano de Viagem 

  • Tipo de Viagem (solidária; científica; cultural; espiritual; aventura)
  • Finalidade da Viagem
  1. Duração da Viagem? Tempo/Etapas
  2. Para onde?
  3. Rota de Navegação;
  4. Fazer o quê? – Finalidade da Viagem;
  5. Com Quem? Pessoas/Animais/Tripulantes;
  6. O que preciso levar? – Preparação da Viagem.  

II

RETORNO

  • Concretizei aquilo que me propus? Alcancei a minha Finalidade?
  1. O que trouxe desta Aventura?
  2. Que tesouros trouxe, que experiência ganhei?
  3. Como posso partilhar com os outros esta Viagem? – relato oral; escrita, livro, vídeo (animação), expressão plástica…

Prof Paula X. e Prof Paula V. Para o 6º B e 6º C

Aventuras de Onze Amigos – I

    a floresta húmida e sombria

    Image parSasin Tipchai de Pixabay 

     Num belo dia de sol, os onze amigos – Tiago, Martins, Martins 2, Sebastião, Filipe, Duarte, Tomás, Francisco, Laura, Teresa, Miguel – iam para o aeroporto apanhar o avião para dar a volta ao mundo.

     Esta viagem custou ao todo 900.00 euros. Quando os 11 amigos estavam já no avião, o piloto quis ir à casa de banho, mas esqueceu-se de pôr o piloto automático.

    O Tiago teve um pressentimento estranho e foi ver o que se passava com o copiloto. Mas não estava ninguém na cabine. Então gritou:

    – Piloto estúpido!

     Enquanto o avião estava a cair, o Tiago e o Martim continuavam a gritar. Passados uns momentos, o piloto decidiu aterrar na água e todos ficaram traumatizados.

    Quando o Martim e o Tiago souberam desta notícia, como eles estavam histéricos, gritaram:

     – Ooooohhh!

       E desataram a saltar e a sair do avião.

     Na selva onde caíram, havia seres maravilhosos, como por exemplo:

       Um riacho com peixes raros, umas cascatas limpinhas, animais incríveis e outras estranhas criaturas…

     Na selva passeavam animais fabulosos, como, por exemplo, um leão, uma chita, muitos antílopes.

     Os onze amigos ficaram superfelizes por estarem todos juntos na selva.

(Fim da I Parte)

TF5B

O Amigo Imaginário

janela de fantasia e personagem minúscula empunhando uma espadaPixaBay License Image parStefan Keller dPixabay

        – Filho, Filho, estás a brincar com quem? – perguntou o Pai assustado.

        Pai, eu estou a brincar com o meu Amigo Imaginário – respondeu-lhe o Filho.

     – Como é que ele é?  – Perguntou o Pai muito curioso.

     Ele explicou:

     – Pai, ele é verde, com o cabelo vermelho, com uma coroa bem dourada, cheia de pedras preciosas.

     O seu rosto tem um olho azul e o outro dourado alaranjado. Tem o nariz pequeno e uma boca sorridente.

     Dentro da sua casa tudo é estranho, as portas estão sempre a mudar de sítio e as escadas também.  Cada porta é diferente.

     No terraço, há uma piscina de águas muito azuis e uma cascata. Também tem uma macieira dourada que, quando há maçãs, consegues obter um poder ao acaso.

      Por exemplo: Voar, dar saltos gigantes, conseguir ter a força de mil milhões de pessoas, conseguir correr super rapidamente, falar com os animais e – o meu favorito – conseguir parar o tempo!

      Ao ouvi-lo, o Pai exclamou:

      – Filho, também posso brincar?

TF5B 

Que Rica Vida!

arranha céus fantasiaPixaBay PixaBay License

     Era uma vez uma menina chamada Maria, que era órfã, que vivia na parte mais pobre do Brasil. Um dia, ela e uns amigos foram dar um passeio pelas redondezas, mas Maria perdeu-se já numa zona que não conhecia.

     Reparou que ali só havia mansões grandiosas. Subitamente, do nada, abriu-se uma janela, ouviu-se um tiro. Ela sentiu uma dor aguda no pé direito e perdeu os sentidos.

     Algum tempo depois, acordou numa cama confortável. Abriu-se a porta do quarto: entrou um homem vestido a rigor que lhe disse que ela iria viajar, para um sítio espantoso, e que a partir de agora, ela iria ter dignidade humana perante a sua própria pessoa, iria ter uma vida melhor.

    Maria escutou e adormeceu novamente.

    Passado um dia, vestiu-se, e foi a caminho do Aeroporto, numa Limusina, a caminho da grande cidade que o homem tinha referido.

     Passadas quatro horas, olhou pela janela do Avião e logo viu que se tratava de Dubai. Mal saiu do jato privado, viu 12 seguranças e dois carros do Exército, um à frente e outro atrás, a Limusine no meio. Foi para um hotel de 7 estrelas, para descansar um pouco e para melhorar o pé que ainda estava ferido, embora já tratado.

    Do terraço do Hotel, embarcou para uma viagem deslumbrante, contornando os píncaros dos arranha-céus.

    Passadas algumas horas, voltou para o seu hotel. De seguida, pediu aos guardas que ligassem ao seu patrão, porque queria ter uma conversa a sós com ele.

     Depois da conversa, Maria ficou uns dias, a conhecer esta nova cidade.

     Numa bela tarde, recebeu uma chamada inesperada, para se dirigir ao Quartel General do Exército de Dubai.

(Continua)

SG5B

Os Quatro Amigos – III

 os quatro elementos do Universo
   V
    Um aluno bem conhecido de todos,  mas que tinha uma espécie de identidade falsa, mostrou ao Rodrigo e ao Salvador um compartimento que ficava num café abandonado ao pé da escola. Era acessível a partir de uma conduta. 
 
     Esse aluno confidenciou-lhes que queria conquistar o Mundo e fazer deles os seus companheiros e, do resto do Mundo, os seus escravos. 
    
     Mas tinha um inimigo e precisava deles para o derrotar. 
 
    Explicou-lhes como se tinham tornado possuidores dos seus poderes.
     
      O Salvador, quando tocou naquela bola, ganhou o poder do fogo. Ela tinha sido criada por uma ancião sábio. Depois, ele escondeu-a na sua própria casa que,  a partir da sua morte , ficou abandonada, para não se tornar perigosa.
   
     Passados anos, foi encontrada por acaso, por um explorador que a considerou como uma relíquia de família ou um objeto decorativo. Decidiu levá-la ao mercado para a vender. 
     
     Foi no mercado que o Salvador a tocou, e, nesse momento, o espírito de fogo que lá estava contido, entrou dentro dele, tirando o poder à bola. 
    O pai do Rodrigo, antes de se casar, tinha colocado no dedo um anel poderoso que transformou o seu poder de procriar: assim, o filho nasceu com o poder do Vento.
(Continua)
MM7A

O Poder Secreto

porta secreta rodeada de estantes de livrosImage parReinhardi de Pixabay PixaBay License

      Era uma vez um rapaz de 10 anos chamado Jack. Tinha os olhos castanhos, cabelo preto e peso normal para a sua idade.

      O seu irmão mais velho irritava-o constantemente.

      Numa tarde solarenga, o seu irmão começou a desafiá-lo: pôs-se a partir os jogos e brinquedos que ele mais gostava.

      Jack passou-se completamente e, de repente, para espanto dos dois, os objetos preferidos do irmão começaram a rebentar.

     Jack começou a sentir-se diferente: o seu olho direito começou a brilhar e a mudar de cor. Imediatamente, o seu irmão exclamou:

     – O que está a acontecer? Porquê?

    – Chama-se “karma”, meu irmão. – Respondeu Jack com uma voz severa e irritada. 

      – Pai, Mãe! – Gritou o irmão, muito assustado.

     Quando os Pais  chegaram, também ficaram surpreendidos. Jack parou a sua transformação e voltou à normalidade.

     A Mãe foi ao escritório, trouxe de lá o seu Diário antigo e mostrou a Jack um código que permitia abrir uma porta escondida por baixo da sua Escola.

(Continua)

TF5B

A Invasão dos Aliens

invasão de naves espaciaisXavier Rodriguez Pixabay – PixaBay License

     Um dia de semana, numa quinta-feira, estava eu na Escola a brincar com o meu amigo Tiago, quando começou a ficar tudo escuro.

    Então, eu e o Tiago escondemo-nos dentro de um carro.                  Passados uns minutos, já não víamos ninguém.

   Decidimos sair e começou a loucura: pegamos em armas para nos defendermos, e eu, de tão entusiasmado, peguei no carro e comecei a atropelar os Aliens.

   Eles tinham 50 olhos, eram alaranjados e com duas bocas que davam um som de duas colunas. Tinham um ar assustador e sombrio e vinham para dominar toda a Galáxia, inclusive a Terra e o Sol. Vinham de outra dimensão desconhecida dos humanos.

     Eu assustei-me quando eles saltaram para a Nave. Corremos para mansões seguras, para nos protegermos. Entramos numa mansão e, logo que pusemos os pés no chão, caímos numa sala secreta cheia de tecnologia de ponta.

     O Tiago entusiasmou-se e clicou num dos botões: surgiu um círculo que nos protegia de tudo à face da Terra.

  (Continua)

SG5B

Os Quatro Amigos – II

os quatro elementos do Universo

Flickr.comAtribution: 2.0Generic

III

      Nicolau era um jovem que sentia medo em muitas situações. Mas quando queria tornava-se um bom conselheiro para os amigos que se sentiam em baixo.

      Estava muito vento e, com um simples gesto, ele parou o vento.

IV

      O Rodrigo era arrogante, tinha o seu Grupinho e achava-se superior a todos. Ainda por cima era bilionário.

     Um dia, ele estava no seu jato particular, e, ao aterrarem, aconteceu um sismo.  Assim que aterrou, o sismo parou.

V

     Por acaso, todos eram da mesma escola. Um dia em que estavam no recreio, um colega desconhecido, surgiu diante do David e do Nicolau e disse:

     – Venham comigo e mostro-vos um segredo.

     Nicolau e David ficaram um bocadinho surpreendidos, mas concordaram.

      Ele levou-os até a uma parte do Colégio em que nunca ninguém tinha reparado.

       Abriu uma porta e os dois amigos ficaram fascinados ao verem a alta tecnologia que enchia a sala.

       Guiou-os para lhes mostrar as outras salas. Apresentou-se e disse que o seu nome era X. Explicou o que tinha acontecido a ambos durante aqueles eventos estranhos.

      A mãe do David pertencia a uma espécie Atlanta, que era meio humana meio peixe; tinha casado com o seu pai e o filho resultou ser um humano com os poderes da água.

      O Nicolau, quando era bebé, tinha caído num balde com uma poção mágica que lhe transmitiu os poderes do ar.

      O  colega desconhecido acrescentou que tinha o poder do Espaço e, juntos, tinham de salvar o Mundo da maior ameaça que o mundo já tinha visto.

      Ficaram petrificados de espanto, os amigos, quando se  aperceberam que tinham de salvar o Mundo.

(Continua)

(Em parte ditado) MM7A

Os Quatro Amigos

os quatro elementos do UniversoFlickr.com  Atribution: Non-Commercial 2.0 Generic

I

      Era uma vez o David, que era introvertido e tinha poucos amigos. No entanto, era criativo e um prodígio nas notas : só tinha 100 e era cuidadoso.

      O David, antes de nascer, perdera a Mãe, sem conhecer nem um bocadinho da sua vida. Um dia, foi sozinho ao mercado e, quando foi à praia lá perto, mergulhou…e, conseguiu respirar!

      – Como é que eu respiro e falo debaixo de água? É incrível. Oh não, uma onda!
        Mergulhei e não senti a onda. Extraordinário!
       Já que consigo respirar debaixo de água, vou explorar. 

II

      O seu melhor amigo, o Salvador era extrovertido, aventureiro, ágil e astuto. No entanto, não era tão esperto nem tão cuidadoso.

     Salvador foi a uma feira popular, com muitas barraquinhas. Aí viu uma espécie de bola, como há nos filmes, em que têm algo de sombrio, são feitas de vidro, mas dentro algo está a mexer.

    Quando tocou na superfície da bola, lisa, cálida e obscura, sentiu um estranho arrepio e não conseguiu perceber essa reação.

    Assim que se aproximou da lareira de uma barraquinha de pão, sentiu que estava frio, em contraste com a sua proximidade da lareira.

(Continua)

MM7A

Diário de uma Fotógrafa

cavalo selvagem cor  de caramelo elevado sobre as patas

Pixabay Pixabay License

22-01-2019

     Querido Diário,

    Ontem tirei fotografias de montanhas, vales, animais e muito mais maravilhas.

     Amanhã quero fotografar florestas e cavalos. Desta vez quero ir acompanhada de um amigo, o Daniel!

     Gosto muito dele, porque é o único rapaz da minha Turma que não faz “porcaria”; ele é muito bondoso, engraçado e respeita as Meninas.

 24-01-2019

     Querido Diário,

     Ontem foi um dia incrível: eu e o Daniel tiramos fotos fantásticas à manada de cavalos a correr, ouvimos o som dos pássaros a cantar…

     O Daniel conseguiu chamar a atenção do chefe da manada: os seus olhos eram brilhantes, a crina a esvoaçar, a sua cor parecia caramelo…

     Foi um dia genial e a minha melhor fotografia!

BL5C

A Estrela que Caiu do Céu

     PixaBay PixaBay License

     Era uma vez uma estrela chamada Pingo. Ela vivia lá no Céu muito, muito alto, com o seu pai e com a sua amiga, a Violeta.

     A casa dela era ao pé de uma cintura de meteoritos. De noite, elas vinham brincar cá para fora e o pai da Pingo dizia para se afastarem dos meteoritos.

     Uma vez, em que já era de noite, a Pingo e a Violeta vieram brincar lá para fora. Estavam a brincar à apanhada e, de repente, a Pingo aproximou-se muito de um meteorito e…BUM!

     Ela começou a cair para a Terra, muito rapidamente e, de repente, um menino chamado João, apanhou-a e perguntou:

     – Quem és tu?

     Muito confusa, respondeu:

     – Eu sou uma estrela lá dos Céus. Chamo-me Pingo. E tu, como te chamas? 

     – Eu chamo-me João. Passadas umas semanas, eles eram os melhores amigos.

     A Pingo adorava Matemática, então ajudava-o nos seus testes de Matemática. Entretanto, o pai da Pingo e a sua amiga Violeta andavam a procurá-la na Terra.

     Num dia muito chuvoso, a Violeta viu a Pingo na janela e gritou:

    – Pingo, Pingo! Tio, é a Pingo!

    – Pingo, Pingo! – juntou-se o Pai à Violeta, a gritar. (Continua)

CA7A

O Enigma

casa assombradaPixaBay PixaBay License

     Era uma vez dois meninos que se chamavam João e José.

     Um dia, com outros amigos que eram muito malucos, decididram todos ir a uma casa assombrada. 

     Resolveram entrar na cave e encontraram um mapa. Esse mapa mostrava a casa assombrada onde estavam; viram uma cruz no mapa; carregaram na cruz e caíram por um alçapão. Foram dar a um sítio que continha vários enigmas e emboscadas.

     Eles passaram por muitas armadilhas. Viram sereias que os encantavam, cães com 3 cabeças e um feiticeiro mau. Até que já estavam muito cansados e o último enigma era… um Ciclope!

    Demoraram 10 anos para derrotar o Ciclope! Derrotaram-no finalmente e voltaram para casa.

     Os seus pais estavam muito preocupados com eles porque tinham demorado dez anos naquela casa assombrada. Nem os estavam a reconhecer porque eles estavam com barba!

      E viveram barbudos para sempre.

ZG6B

A Menina que Escavava Túneis

túnel de luz

     PixaBay PixaBay License

     Era uma vez uma menina que, em todas as férias de Verão, escavava buracos: um no seu quarto e outros espalhados pelo quintal e pela cidade.

     Essas escavações eram todas ligadas por túneis subterrâneos.

    Ela tinha sempre de tapar os buracos com um pano e, por cima, pôr os diferentes tipos de chão, para que ninguém pudesse entrar nos túneis, mas só ela, pois sabia onde cada abertura ficava.

    Passados muitos anos, conseguiu terminar o seu trabalho duro.

    Para celebrar, convidou algumas das suas próximas e confiáveis amigas, para não haver nem um risco de alguém desconhecido entrar na sua obra-prima.

     Os túneis eram muito compridos: passavam por toda a cidade, por baixo da terra e, para as amigas não se perderem, punham pedras no caminho, para voltarem.

    Todos os dias, depois da escola, a menina, chamada Inês, e as suas amigas entravam num dos buracos da cidade e encontravam-se para estudar, trocar ideias e brincar só com jogos de tabuleiro ou jogos do género, pois o espaço era muito pequeno e nem dava para ficar em pé.

     Um certo dia, Inês estava no túnel e viu uma sua amiga e algumas crianças a entrar por um buraco ao pé da escola.

     A Inês ficou muito aborrecida com a amiga, pois achava que podia confiar nela, mas afinal não era o que parecia.

     No dia seguinte, Inês foi falar com a amiga sobre o que tinha acontecido no dia anterior, mas nem conseguiu dar um passo com a quantidade de Jornalistas a perguntarem sobre o túnel.

      Inês começou a correr e foi para casa. Ligou a televisão e estava a dar uma entrevista com a amiga: estava a dizer que ela é que tinha feito o túnel.

      Inês ficou tão triste com ela e foi chorar para o túnel. Aí viu um guia e turistas, como se aquilo fosse um museu ou assim…

     Inês arranjou uma maneira de impedir a amiga, chamando as Autoridades e dizendo que a amiga estava a mentir.

     As Autoridades não acreditaram á primeira, mas depois de ela ter mostrado a planta dos túneis e ter indicado todo o caminho subterrâneo, os polícias acreditaram.

     A partir daí, as pessoas começaram a pagar uma visita aos túneis. Ela conseguiu ajudar a Mãe a pagar as contas.

       A amiga arrependeu-se, a Inês perdoou-a e ficaram felizes para sempre!

CC8B

A Gruta Secreta

rapaz explorando caverna imensa com uma simples tocha

   Photo by Jeremy Bishop on Unsplash

     Luí era um ser imaginário, com poderes fascinantes, que vivia numa Floresta Encantada, rodeado de amigos fiéis.

     Luí era muito alto e magro; o seu cabelo era louro como o sol, os olhos castanhos como as folhas de Outono. E o seu maior sonho era vir a ser um belo aventureiro como a sua Família. 

     A Floresta era espessa mas salpicada de clareiras. As copas das árvores permaneciam verdejantes todo o ano, e deixavam passar uma luz alegre que inundava os trilhos estreitinhos, onde cresciam  violetas bravas.

     Todos os animais colaboravam para o desenvolvimento daquele habitat singular.

     Havia esconderijos que pareciam tocas de raposa e que comunicavam uns com os outros através de túneis cuidadosamente escavados por toupeiras.

       No lago, os castores erguiam diques precisamente onde desaguavam os ribeiros que nasciam no coração da floresta.

        Um dia, um beija-flor foi falar com o Luí e disse-lhe que, na floresta, havia um tesouro. Como é que ele soube o que o pássaro disse? O Luí tinha o poder de falar  com os animais. Então foi logo a correr para a Floresta…

     Luí convocou uma assembleia de emergência na clareira central; acorreram todos: o chefe dos veados, com a sua manada de gazelas; o guia da alcateia com os seus lobos cinzentos; a velha raposa, com as mais jovens e suas crias; as lebres saltitantes; as perdizes esvoaçando; os esquilos aos saltos.

     Luí explicou aos amigos a extraordinária notícia do Colibri e pediu que todos agissem como batedores, palmilhando a floresta em busca da Gruta secreta. 

      A Gruta ficava numa pequena colina entre os carvalhos. Dos seus ramos retorcidos pendiam heras sempre verdes do lado em que o sol batia, mas uma capa de musgo cobria os troncos do lado mais sombrio.

    Mal se percebia a entrada, entre as raízes dos carvalhos, mas elas formavam logo um túnel que se alargava e descia quase a pique para as entranhas da Terra.

      Durante semanas, nenhum ser vivo teve sossego, até que encontraram o tesouro.

    Mas havia um problema: como iam levar aquela enorme riqueza e como iam gastar o dinheiro da venda de tanta preciosidade?

     Então chamaram os javalis e os veados para transportarem o tesouro até às portas da cidade, em carroças rústicas, feitas de troncos da Floresta.

      E já sabiam onde gastar o dinheiro do lucro: num Instituto de Caridade que estava a ser construído – AFE – Associação da Floresta Encantada.

Texto construído em comum além de ser a Duas Mãos.

AV6A e OE