O Super Herói Frederico

Image par petruchino80 de Pixabay 

     Um dia, os guardiões chamaram o F e disseram: 

    Vós sois o escolhido para testar a  vossa coragem e enfrentar as trevas do mal e vós tendes de escolher um de nós.

      Apareceu um feixe de luz e entrou na casa dos guardiões.

     O Frederico disse  – Uau! Isto é tão fixe!

     Os Guardiões disseram:

      – Vós tendes de escolher um Guardiâo: o rato, o cão, a girafa, o camaleão…

     – Já escolhi. – Disse ele.

     – Mas nós ainda não acabamos de dizer os animais… Qual é que vós escolhestes? 

     – Foi o Guardião Camaleão.

     – Qual é o seu poder? – Perguntou o Guardião Camaleão.

      – O meu poder é a superforça; e o seu poder é… 

    – O meu poder é camuflagem. 

   – Embora, vamos lá lutar – desafiou o Frederico.

   – Bora lá – concordou o Guardião Camaleão.

    Começou a luta. Batalharam e o Guardião disse:

    – Você não me vai ver.

    Até que o Frederico ganhou e os Guardiões exclamaram: 

    – Estás pronto para lutar contra o mal!

    Um dia, os Guardiões e o Frederico estavam dentro da base e o sinalizador dos inimigos apitou. O Frederico foi ter à cidade, na avenida principal com um salto superforte e encontrou um robô gigante infetado com a escuridão, que trazia um remoinho relâmpago na mão e dirigiu-se para o Frederico.

     Só que o Frederico pôs toda a sua energia na palma da mão e o robô foi para trás; mas era resistente e teve de levar outra vez com o seu próprio poder e o poder do Frederico.

(Continua)

FV5B

A Cidade da Savana – III

      Commons Wikimedia.org Creative Commons 4.0Share Alik

     O fotógrafo encontrou as 10 moedas de ouro e o tigre deixou-o passar. Quando ele chegou ao outro lado do rio, encontrou um castelo feito de pedras cinzentas escuras, que tinha mudas a crescer por todo o lado.

     Ele atravessou a ponte levadiça e, quando entrou no castelo, encontrou um tigre que lhe disse: 

    – Eu sou o mago deste castelo. Para ir ver o rei, tu vais ter de passar por mim e pelos meus truques mágicos!

     E ele fez um feitiço com o seu cajado e fez o fotógrafo voar acima do chão, e depois cair outra vez. 

    – Tu nunca irás conseguir passar por mim! – exclamou o mago e começou a lançar feitiços para parar o fotógrafo.

     Então, o mago lançou um feitiço em si mesmo, que o fez ficar muito grande! 

    – Desiste, fotógrafo! Nunca irás conseguir passar por mim!

     Mas, para a salvação do fotógrafo, apareceu do nada, no castelo, o macaco que lhe tinha dado indicações inicialmente! 

    – Toma isto. – Disse o macaco. E deu-lhe uns sapatos com molas. – Eu sou sapateiro, e estes sapatos são a minha especialidade!

    O fotógrafo deu um salto por cima do mago e foi até à sala do trono falar com o Rei Simba. O Rei foi até ele e disse-lhe: 

    – Parabéns, fotógrafo! A maioria das pessoas que passa por aqui não consegue passar pelo mago! Como foste corajoso, posso fazer-te um favor. 

    – Então, rei Simba, eu gostava de voltar para o meu mundo! – Pediu o fotógrafo. – Tudo bem, se é isso que desejas, esse desejo será concedido! – respondeu o Rei Simba.

    Quando o fotógrafo deu por si, estava outra vez  na savana, ao pé da fonte! Ele resolveu colocar uma placa ao pé da fonte, a dizer:

Image par 8982496 de Pixabay 

 Depois disso, ele voltou para sua casa e ficou em segurança.

LR5B

Aventura no Mar

Imagem: Oficina de Escrita

     No dia 11 de Agosto de 2020, estava um dia lindo de sol sem uma nuvem à vista. Havia seis crianças aborrecidas, quando uma se lembrou de que havia umas pranchas para alugar e foi a partir desse momento que a Aventura começou.

     Os seis amigos foram com as pranchas de Paddle, para muito longe da costa, jogar verdade ou consequência, no meio do mar.

      O jogo começou: a Bi desafiou o Vasco a ir até ao máximo fundo que conseguisse e ele aceitou. Ficou lá 20 segundos e, quando voltou, disse que tinha visto peixes, mas ninguém acreditou quando alguma coisa bateu contra a prancha.

     Os amigos ignoraram, mas aconteceu uma e outra vez, até que percebemos que eram mesmo peixes!

(Continua)

MA6A

O Nome do Leão – I

   

Image by Silvio Zimmermann from Pixabay

    Um dia,  um leão forte e corajoso que tinha uma família de que gostava muito. Ele nunca tinha sabido o seu nome, mas tinha um bando de leões que lhe chamavam “Chefe” ou “Sandapo”. 

    Gostava também do seu bando de Leões; a sua vida era assim: brincava com os seus leõezinhos, ia á caça, apanhava flores com a sua mulher… a vida dele era espetacular; até ia à noite ver a Floresta das árvores luminosas e, às vezes, saía com amigos.

    Um dia ele decidiu procurar a sua Família para, finalmente, saber o seu nome. Foi ver se encontrava os seus pais.

    Teve de atravessar o Oceano Gancolhavid, o Oceano Lompo e o Oceano Cango. Atravessou os Ocenaos a voar, porque ele era um reio muito corajoso e muito simpático.

(Continua)

EM5B

Baby Setler – I

 

Image by David Mark from Pixabay 

  I

O Assalto

     Era uma vez uma Família de seis pessoas, constituída por três crianças, um cão e dois adultos.

      O cão chamava-se Thor, a Mãe chamava-se Violeta, o Pai chamava-se J.P. e os Filhos eram Noah, que tinha 11, Alice, que tinha 10 e Lua, que tinha 3 anos.

       Eram uma Família feliz e normal, até que uma noite. Alice e Noah foram dormir, e, por volta da meia-noite, bateu alguém à porta, mas ninguém estava lá.

        À uma da manhã, bateram à porta outra vez; só que desta vez apareceu um ladrão que empurrou Violeta e deu um tiro em J.P.. Mss J.P. defendeu-se e a bala foi contra um armário metálico que refletiu a bala contra o ladrão.

     Lua acordo e veio para a cozinha, onde viu tudo.

      Lua começou a gritar; o cão acordara e desatou a ladrar…

(Continua)

LS6B

Os Hamburguers Desaparecidos

Image par Comfreak de Pixabay 

     Era uma vez, um senhor Frederico, que era alto e moreno, com bigode castanho, era cozinheiro e detetive nas horas vagas.

 A sua missão era ir à procura dos Hamburguers desaparecidos. Uma reportagem avisou: 

    Frederico viajou para os outros países á procura dos Hamburguers, perguntando:

  – Onde estão?

  – Nós não sabemos! – Disseram todos.

   Depois foi para um hotel, onde cheirou os hamburguers. Perguntou aos cozinheiros se sabiam onde estavam os hamburgures. 

     – Não sabemos ! – Disseram todos.

     Seguiu o cheiro e foi ver a uma fábrica abandonada. Ela estava a funcionar, mas estava abandonada. Entrou e viu uma pessoa, de costas, a cozinhar hamburguers só para ele. Perguntou: 

    – Porque tem os hamburguers só para si?

    – Porque gosto de hamburguers – respondeu ele. Explicou que tinha um “hamburguer-íman”, que tinha ido por todos os países buscá-los e que aquele lugar era uma fábrica de fogos de artifício.

      Naquela hora, foi para lá fogo e aquilo tudo explodiu. Frederico salvou-o e o homem dos hamburguers agradeceu.

EPÍLOGO

     Passados dez anos, o Frederico demitiu-se da profissão de Agente Secreto. Passou a sua vida todo fleiz a cozinhar com o seu amigo!

FV5B

CAD em Isolamento – A Casa Abandonada

   

Image par Layers de Pixabay 

    Era uma vez dois amigos chamados Diogo e Manel, que já se conheciam há algum tempo; para matar as saudades foram fazer um piquenique na floresta.

   Era uma floresta aterradora, mas ao mesmo tempo sabia-se que havia lá um tesouro. Dizia-se que as árvores falavam, eram antigas, de troncos retorcidos, com muitas folhas verdes e lá viviam também coelhos e raposas.

   Aí encontraram uma casa misteriosa, que estava no meio de um lago; acharam tão curioso que quiseram lá entrar; dizia-se que essa casa tinha um tesouro.

 Por isso, eles tentaram tudo para lá entrar. E, finalmente conseguiram. E, finalmente, conseguiram.

  Afinal descobriram que a casa não era abandonada, mas vivia lá uma velhota. Quando soube que os dois rapazes entraram na casa, ficou muito assustada, pois podiam saber o tesouro que estava lá.

     Os rapazes perguntaram à Srª Drummond se ela vivia ali há algum tempo, se já tinha ouvido falar de alguma história sobre a casa ser assombrada ou haver lá um tesouro.

       Ela ficou muito incomodada com as perguntas, mas disse que nunca tinha ouvido falar de nada.

    Os rapazes ficaram muito desconfiados, mas disseram à velhota que iam embora, e que, no dia seguinte, voltavam para descobrir alguma coisa.

     Diogo e Manel não aguentaram e, quando viram que a velhota tinha saído, aproveitaram a oportunidade para entrar. 

     Enquanto estavam a vasculhar, não encontraram nada. Foram-se embora a pensar no assunto; será que não havia mesmo um tesouro e a Srª Drummond estava a dizer a verdade?

MC9C

CAD Em Isolamento – A Avalanche -II

 avalanche iiWikimedia Commons Author: Loutherbourg    

     – Eu chamo-me Érika Jasmina Tordil Laurin Blotsk. Mas pode chamar-me apenas Érika.

     – Então, Érika, o que te traz junto de nós, os Nebs?

    – Eu estava a subir a montanha para esquiar, e subitamente, vi uma avalanche vir em minha direção. Felizmente, eu abriguei-me atrás de uma grande rocha e fiquei lá por longas e duradouras nove horas. 

     – Nove Horas?! – exclamou Gobir muito espantado.

     – Sim, sim, nove horas. Eu mal me conseguia mexer; sentia o frio nos meus ossos, ou melhor nem sentia os ossos. Até que apareceu um Grupo de seres que me trouxeram até aqui.

     – E como te sentes agora? 

     – Estou melhor.

     – Que bom ouvir isso! Sabes como voltar para casa? 

    – Eu nem sei como vim aqui parar!

    – Não te preocupes. Irás ficar aqui até conseguirmos mandar-te de volta. Um dos meus guardas irá levar-te até a casa onde vais dormir. 

      Gobir murmura ao ouvido do guarda: 

      – Fica de olho nela e garanto-te que ela não pertence aos Vebs.

      Os Vebs são inimigos mortais dos Nebs e estão em guerra com eles. 

     O Guarda acompanhou Érika até uma casa que mais parecia as casas dos esquimós, mas só se conseguia ver a entrada, em forma de tubo branco de um diâmetro adaptado á altura dos Nebs mas que a iria obrigar a curvar-se para entrar.

     Érika perguntou ao guarda: 

     – É aqui que vou dormir? 

     – Sim – Respondeu o guarda, sério e sem expressar emoção.

     Quando Érika estava a falar com o guarda, um porta redonda  abriu-se na casa de gelo e saiu de lá uma Nebs muito surpreendida. Ela tinha cabelos brancos, olhos azuis, pele clara e parecia ter doze ano. 

     – Olá Senhor Guarda, a que devo esta visita?  – perguntou a jovem Nebs. 

      – Recebemos uma hóspede e o Chefe pediu se lhe podia dar alojamento.

       – Sim. mas é claro. A minha mãe tem um quarto amoroso e com certeza que não se irá importar. – respondeu a Nebs com um sorriso no rosto. 

        O Guarda deixou Érika e, sem se despedir, foi-se embora. 

IM8B

CAD em Isolamento – Aventura no Deserto

Image by Patricia Alexandre from Pixabay 

     Eles viviam no Deserto e as suas casas eram de palha; eram o Omar e o Zeid.

     Desejavam um sítio melhor para viver e já há anos que o procuravam.

    Até que um dia, encontraram alguém que se chamava Ruby: era uma cachorra esperta, mas não conseguia falar. Ficaram com ela e levaram-na.

     Outro dia, encontraram uma miragem, pois estavam cheios de calor!

    Aí, encontraram um rato do deserto escondido numa toca de areia, mas veio uma tempestade de areia que os fez flutuar até uma floresta cheia de mamíferos.

    Um morcego gigante e carinhoso levou-os até ao Iraque cheio de guerra, mas encontraram  uma Senhora muito simpática que os levou a um sítio muito seguro, sem guerra.

    Ficaram a viver naquele sítio pacífico para sempre.

OA5B

CAD Em Isolamento – A Lenda da Espada – III

a lenda da espada

     Imagem: Wikipedia

     Nesse momento, Artur esqueceu-se que receberia as suas memórias se usasse as duas mãos e matou toda a gente em quatro segundos.

     Assim, a discípula do Merlin conseguiu viver.

     Entretanto, um dos seus colegas mais próximos tinha ficado ferido. Foram andando para o esconderijo ao pé dos barcos. O colega que estava ferido ficou ali a descansar. Pediu para levarem o seu filho com eles.

     Quando saíram para entrarem no barco, o seu filho voltou para trás para ajudar o pai, mas o Rei entrou no esconderijo e viu que o colega estava ferido. Nesse momento, o filho entrou também. Então o Rei disse-lhe se não se importava de tirar uma orelha ao que estava ferido.

     O filho, que era inteligente,  sabia que se ele dissesse que se importava, o Rei tirava mesmo a orelha. O Rei avançou e o filho disse para ele parar. Mas o Rei era malvado. Então riu-se e cortou-lhe a orelha.

     Pegou na orelha e perguntou:

    – Onde é que eles vão?

     Mas o homem ferido não respondeu. Então ia massacrar o filho, para ele falar.

    De seguida, o Artur pegou na criança e levou-a para que o Rei não a apanhasse.

    O Rei sabia que não ia conseguir o que queria e então matou o ferido.

    A criança gritou, a dizer:

    – NÃO!

    Foram então para uma ilha pequena. A criança estava muito triste por o Pai ter morrido.

    O Rei Artur também estava triste, mas levantou a cabeça e preparou-se para a Guerra.

   Ele foi treinar e lavar-se.

   Enquanto isso, o Rei pegou na magia e usou-a.

   Nessa magia, falou pela cabeça do Rei Artur a dizer que ele, Rei, estaria na torre do castelo às sete horas da noite.

   Antes disso, tinha estado na sala do trono. Enquanto isso, a criança foi levada e então o Rei disse:

 – Se queres que eu poupe a criança, dá-me a espada e entrega-te.

Reconto Oral de Filme – LB5A

CAD em Isolamento – O Rapto do Dono do Panqueca II

cão e gato

Flickr.com   IgRVV

     O Panqueca foi à delegacia mais próxima e começou a latir para os polícias e a apontar com a cabeça na direção do Armazém.  

    O polícia percebeu que o Panqueca queria dizer algo, o Panqueca começou a correr para o Armazém e o Polícia foi atrás dele.

   Quando o Panqueca e o Polícia chegaram ao Armazém, estava em chamas e dava para ouvir miados fracos que vinham do Armazém 21.

    O Panqueca foi com o Polícia atrás dos miados; quando chegaram a Batatinha desmaiou com a fumaça tóxica. O Polícia chamou os bombeiros e mais reforço.

       Conseguiram salvar a Batatinha e apagaram o incêndio.

     O Panqueca foi às cegas farejar os três meliantes, que estavam a ser comandados pela Milk, e os reforços chegaram!

    Prenderam os três meliantes e a Milk foi para um veterinário. O Dono, que tinha estado amarrado a uma cadeira, foi solto pela Polícia e  foi ao encontro do Panqueca e abraçou-o!

     A Batatinha recuperou-se rapidamente. O Dono regressou à sua Família com o Panqueca.

     Com a colaboração do Panqueca conseguiram encontrar os 3 meliantes, o Dono e a Milk! 

    O Panqueca agradeceu muito a ajuda da Batatinha. O Panqueca entrou para o corpo da Polícia.

    Todos os amigos celebraram o grande final desta Aventura!

ZH6D

CAD em Isolamento – O Rapto do Dono do Panqueca -I

     cão e gato

Flickr.com   IgRVV

    Um dia, o dono do cão chamado Panqueca, foi roubado por três meliantes, quando passeava no Parque. O primeiro era barbudo e forte, e o segundo era o mais fraco e mais inteligente e o terceiro era mais – ágil e magro.

   Os três meliantes roubaram e sequestraram o dono do Panqueca e pediram uma enorme quantia de dinheiro:  1 trilião de euros!

  Mas a família do dono do Panqueca era bem pobre. Então, o Panqueca foi à procura do dono.

   Tentou pedir ajuda, mas as pessoas não entendem a linguagem nativa do Panqueca que era “cãonês” do Sul.

      O Panqueca teve a ideia de chamar os seus antigos amigos, mas descobriu que cinco dos sete amigos tinham morrido.

   O Coki morreu por overdose de chocolate;   o Caramelo, o mais velho,  morreu com 16 anos de idade, foi por causas naturais;

   A amiga Milk foi abandonada e nunca mais foi vista e a irmã dela, foi numa expedição à procura da sua irmã e nunca mais retornou.

O rato Riki tinha morrido pelos humanos, por causa de uma praga

    A Iguana Jorge tinha sido afetada por um infeção grave (1).

    E a única amiga que restou foi a gata mais corajosa, a  “Batatinha”. Ah, mas nem todos se reuniram…O primeiro foi ao sítio onde aconteceu o sequestro do dono.

     Encontraram uma luva de lã com o mesmo cheiro do primeiro meliante.

    O Panqueca usou o seu grande olfato e foi até um imenso armazém abandonado, onde encontrou os três meliantes à espera do dinheiro!

    Os três meliantes aperceberam-se dos dois. A Batatinha foi confrontá-los a fim de arranjar tempo para o Panqueca pedir ajuda.

(Fim da I Parte)

 (1) – Quando as iguanas mudam de pele, se não trocarem totalmente, os resíduos de pele podem acumular bactérias que vão fazer uma infeção grave que obriga a ser amputada; senão vai consumindo o corpo da Iguana e de outros répteis. 

CAD em Isolamento – ZH6D 

CAD em Isolamento – A Lenda da Espada – II

    a lenda da espada

     Imagem Wikipedia

     Como o Artur era inteligente, sabia que o Rei ia sair do Mar, vindo de barco, naquela altura.

     Assim, ele pediu ao seu melhor atirador para matar o Rei, quando ele saísse do barco.

     O Rei também era inteligente, então pôs uma pessoa para o substituir, enquanto o Rei ficou no barco, à espera.

     O atirador era esperto e reconheceu o senhor, mas lembrou-se que tinha de ajustar contas com ele; então matou-o.

     Depois, claro, houve pânico, os amigos e o Artur saíram duma casa secreta onde estavam escondidos para matar o Rei.

    Quando atiraram uma flecha, saíram a correr, pois os cavaleiros do Rei tinham mais ou menos uma pistola que deitava fumo, e dispararam para o ar, para marcar o sítio de onde o atirador tinha assassinado.

     O Artur sabia que, se usasse as duas mãos na espada, teria um poder imenso, capaz de praticamente estalar os dedos e Camelot desapareceria.

     O Artur, se usasse as duas mãos, lembrar-se-ia de quando o seu Pai tinha morrido.

     Então, enquanto estavam a fugir para ir para o barco, um dos seus colegas levou com uma flecha na barriga e foi mais difícil.

    No momento em que iam saltar o muro para chegar ao esconderijo, o cavaleiro que estava ferido olhou para trás e viu imensos cavaleiros a avançar. Queria que os seus companheiros vivessem,  então sacrificou-se para eles conseguirem sair.

     Eles conseguiram chegar ao esconderijo. Só que o Rei pediu para os cavaleiros seguirem o Artur e os seus colegas.

     A discípula do Merlin também estava aí, a ajudar o Artur.

     Os cavaleiros dispararam um tiro para o ar, para marcar o local e os cavaleiros irem todos para ali.

     Conseguiram abrir a porta, mas toda a gente, basicamente, estava decidida a morrer. O Rei Artur abriu as portas e começou a matar os cavaleiros com a sua Espada.

     Os cavaleiros também retribuíam o favor e começaram a matar os outros.

     O Artur olhou para trás e viu que a discípula do Merlin estava quase a morrer…

(Fim da II Parte)

CAD em Isolamento – Reconto Oral de Filme LB5A

A Lenda da Espada – I

a lenda da espadaImagem: Wikipedia

     Há muito, muito tempo, havia um Reino chamado Camelot; nesse Reino havia um Rei chamado Rei Artur.

     A Lenda da Espada do Rei Artur conta que o Merlin pôs magia na Espada e disse que só o sucessor de Merlin a podia tirar da pedra.

     Isso ou a pessoa com o coração mais puro de sempre.

    Depois, passados quinhentos anos, houve 300 cavaleiros que tentaram tirar a Espada da pedra, mas ninguém conseguiu.

     Porém, o Rei disse para todos pedirem ao povo para tentar tirar a Espada.

   Depois, houve um menino que tentou e conseguiu tirar a Espada!

  Por isso, a Lenda diz que a Espada é dele.

     O Rei vai prendê-lo e tentar tirar-lhe a Espada. Mas, de uma Floresta, uma discípula do Merlin foi ajudar o Artur. Ela tinha os poderes de controlar os animais com a sua mente.

     Mas o Rei também tinha um feiticeiro, que não lhe facilitava a vida, porque tinha um preço: ter de dar a vida de uma pessoa próxima.

    O Artur não sabia, mas o Rei era seu tio, pois o seu pai Uhartur, tinha morrido por causa do Rei de Camelot.

     Antes de morrer, ele atirou a Espada ao ar e cravou-a em si próprio, para que o Rei de Camelot não conseguisse ter a Espada.

      O Rei sabia que o poder de Artur ia crescer. Por isso, ele teve de entregar a sua filha, matando-a, para receber magia do feiticeiro.

     Então, Artur foi para a Floresta com o seu grupo de amigos para os treinar para a grande Guerra.

(Fim da I Parte)

CAD em Isolamento – Reconto Oral de um Filme – LB5A

O Autocarro da Aventura

busImage par Peggy und Marco Lachmann-Anke de Pixabay 

    recado do Pedro

   Image par ChrisFiedler de Pixabay 

     Assim, o Pedro saiu da Escola e foi para a paragem de Autocarro. Ficou à espera: esperou 10 minutos, e chegou o Autocarro. Agora, como alguns são grátis, podia sentar-se.

    Algum tempo depois, o Autocarro bateu contra uma árvore.

   O Pedro não sabia onde estava e não tinha telemóvel, por isso perguntou a um Senhor onde estavam. O Senhor não disse nada. Então, o Pedro perguntou a todas as pessoas que tinham vindo com ele, mas ninguém respondeu.

     O Pedro esperou, mas o Autocarro não andava; percebeu que não estava a funcionar e saiu. Começou a chover; o Pedro não sabia o que fazer, por isso rezou uma Ave Maria, numa rua ao lado de um café.

    Foi andando para onde Deus lhe dizia com o sinal de uma pomba. Seguiu a pomba até que chegou ao Lidl.

    O Pedro entrou e perguntou onde era o Cascais Shopping. O Senhor deu-lhe um mapa a dizer onde ficava. O Pedro tinha uma bússola, saiu do Lidl e foi para o Cascais Shopping; então o Pedro reconheceu o caminho de casa e dirigiu-se para lá.

   A meio do caminho estava com fome, mas tinha um suminho e umas bolachas. Quando o Pedro acabou de comer, parou de chover, e disse:

     – Aleluia! Finalmente parou a chuva!

     Pedro continuou o caminho. De repente, um cão mordeu-o na perna e foi-se embora.

      Pedro magoou-se na perna, mas ele já estava habituado porque o seu cão já o tinha arranhado nas pernas; estava a doer-lhe muito, mas, corajosamente, continuou.

    Ao chegar a casa, viu a Mãe a chorar. Pedro chegou, deu um grande abraço à Mãe e disse:

  – Vês, Mãe, como sei andar de Autocarro?

PM7B

Um Sonho dentro de uma Fantasia

cama floridaImage par SilviaP_Design de Pixabay 

     Era uma vez uma menina chamada Joana; tinha o cabelo loiro, os olhos verdes e vestia uma saia azul e uma t-shirt com uma boneca estampada.

    Joana  tinha um mapa debaixo da cama. Ela estava a brincar com bonecas e viu uma luz debaixo da cama. Foi ver o que era, mas, de repente, entrou no mapa e caiu.

     Ela não sabia o que estava a acontecer: viu um monstro que estava a chorar, aproximou-se e começaram a falar; depois tornaram-se amigos e, enquanto falavam, iam andando; o monstro explicou-lhe o porquê de estar a chorar.

     A Joana e o monstro foram para a cidade dele: estava toda destruída, porque uns estranhos tinham destruído a cidade para  terem todo o ouro que ali havia.

     Passado uns dias, eles conseguiram construir tudo de novo. A Joana saiu da cidade e subiu a uma montanha, onde  – ela não sabia – mas viviam lá os estranhos.

      Ela gritou e um dos estranhos foi ver o que se passava: viu-a e queria agarrá-la. Enquanto o estranho tentava agarrá-la, alguém disse: 

     – Maria, acorda, senão vais-te atrasar!

       Então ela reparou que tudo aquilo tinha sido um simples sonho.

SD8D

A Organização do Olho Secreto

o olho secretoImage par janjf93 de Pixabay 

      Era uma vez uma rapaz chamado João que não fazia nada. 

     Um dia, deitou-se na cama e começou a pensar; enquanto estava assim, viu um olho desenhado na parede.

     – E se eu pudesse fazer uma organização Secreta com este símbolo?

    O João ligou aos amigos a perguntar se era uma boa ideia; eles aceitaram, mas perguntaram o porquê de fazer tal essa organização. Conversaram todos entre si e decidiram que iriam fundá-la para apagar os incêndios. Todos eles fizeram a tatuagem de um olho na perna.

    Passaram nove anos, já estavam mais velhos e, quando repararam, havia cada vez mais incêndios. E porquê? Eles não sabiam; só um elemento do Grupo sabia, porque quem os tinha causado era ele.

    Estava farto da Organização. Usava uma lanterna especial que todos tinham para detetar incêndios. O Sol apontava para o vidro da lanterna e ele provocava o fogo. O João começou a desconfiar dele.

    Numa noite, foi a casa dele e perguntou à Mãe onde ele estava.  – Saiu de casa, foi ter com uns amigos.

   Perguntou então à Mãe se podia entrar no quarto dele para ir buscar um livro. Viu, na secretária, o Mapa onde estavam marcados os locais onde tinha havido incêndios e onde iriam haver.

    Levou o Mapa consigo, ligou aos outros elementos de todo o Grupo a dizer que tinha encontrado quem causava os incêndios. Como viram no Mapa qual o incêndio seguinte, foram lá ter, mas o rapaz não estava.

     Então o João e os amigos voltaram para casa. Na manhã seguinte, todos se juntaram e falaram com ele para sair da Organização. […]

   A Organização do Olho Secreto permaneceu durante anos e anos.

SD8D

As Férias Incríveis do Piano Sonhador – I

piano mágicoImage par MasterTux de Pixabay 

     Num mundo misterioso, vivia um piano; pela sua cidade era conhecido como “Piano Sonhador”, pois estava sempre a sonhar com várias ideias, algumas até reais. 

   Um dia, o seu Pai disse-lhe: 

   – Filho, amanhã vamos de Férias.

    Sem saber o que se passava, perguntou-lhe: 

    – Vamos de Férias? Para onde?

    – Para uma casa que aluguei. Fica na praia e tem piscina. Quando soube da notícia, ficou muito feliz e começou logo a fazer as malas.

    No dia seguinte, eles foram de Férias para uma casa lá na sua cidade, quando lá chegaram, começou a explorar e depois foi o jantar. Depois de jantar, o seu Pai mostrou-lhe o quarto…

  Enquanto dormia, sentiu alguma coisa no quarto. Decidiu investigar e encontrou uma Máquina do Tempo.

(Continua)

FM5C

O Túnel Secreto

     túnel secreto

     Image par Prettysleepy de Pixabay

     Um túnel secreto é um sítio escondido e muito longo. Este túnel situava-se numa casa cheia de catos e ligava a velha biblioteca a uma outra diensão.

     O homem que construiu uo túnel foi o DT. MRS queria ler um livro sobre “Como ser um bom Presidente”. Então, foi a casa do seu amigo que tinha a velha Biblioteca.

     Dirigiu-se a uma estante com livros sobre animais, e puxou de um livro de capa vermelha da coleção “Rei Leão”. Nesse mesmo momento, a estante abriu-se, deslizou e ele caiu num alçapão e foi parar ao túnel secreto.

     Então passou para outra dimensão, onde as pessoas eram como fantasmas, sem matéria.

    Ali, ele ficou a ajudar o DT a proteger a cidade dos fantasmas que estava em perigo de ser destruída por caçadores-fantasmas. MRS tentou fugir, mas não conseguiu.

     Foi aí o Presidente da cidade que o deixou, pois já tinha cumprido a sua missão, vencendo os caçadores.

     Ele regressou à Biblioteca e pensou que tinha estado a sonhar.

OA5B

O Cavalo Corajoso

cavalo castanho pinturaImage par Vinson Tan ( 楊 祖 武 ) de Pixabay 

     Era uma vez um cavalo muito corajoso; chamava-se Erva. Ele vivia num campo, com muitos outros cavalos e era o líder.

  Um dia, estava tudo normal, mas, de repente, uns homens começaram a laçar os cavalos com cordas. Levaram imensos cavalos para os estábulos de uma quinta próxima.

   No dia seguinte, o Erva e mais alguns cavalos tiveram a ideia de os ir salvar; então eles foram, durante noite, silenciosamente, até aos estábulos. 

   Quando entraram, encontraram logo os outros cavalos. Depois, abriram os portões.

   Entretanto, os ladrões de cavalos, na casa da quinta, viram o que estava a acontecer e foram atrás dos cavalos. Estes começaram a fugir a galope seguindo o Erva.

   Quando os cavalos chegaram ao campo, esconderam-se atrás de arbustos e, quando os ladrões passaram, não os viram. Então, seguiram em frente.

   Quando o Erva já não os via, chamou os companheiros; eles saíram dos arbustos e foram ter com a sua manada selvagem que vivia livremente nas encostas das montanhas rochosas. 

CA8A