Surfando com Orcas

Flickr.com e Wikimedia.com

     Nas minhas férias, estive em Peniche, com o meu Pai. Ficamos na carrinha, no parque de acampamento; estivemos a surfar em montes de lugares e foi bem BOM!

   E uma vez, quando estava a surfar, na praia da Mota, ao longe, eu vi uma coisa a atirar água para o ar. Mesmo assim, eu fui Surfar e só depois é que reparei que eram ORCAS! E depois disso, “fogo-meu-Deus”!

    E ter surfado por cima de calhaus? A sensação não é tão boa, é como se não pudesse cair e dá medo de fazer uma “batida” ou uma “rasgada”…

Verão 2021 – Momentos Únicos – FT5D

A Família Inumerável…

Image par Lustoza de Pixabay 

     Nas férias deste ano fui a vários sítios, mas vou começar a contar a companhia que tivemos nas férias em Lagos.

     Nessas férias foram

    • A minha tia Graça, que é irmã da minha Avó;
    • A minha tia Marta, que tem dois filhos bebés: o Francisco e a Assunção, mas eu trato-os por Quico e Tatão;
    • Foi o pai deles que é o tio João;
    • Também foi a minha tia Madalena que tem três filhos: a Pilar, o Salvador e a bebé Vitória que estava na barriga e o pai deles, o Tio Manuel;
    • Também foi a minha tia Mariana, que também tem dois filhos: A Alice e o Vasco – mas trato-os por Cici e Mano;
    • Também foi a minha tia…

Verão 2021 – Pessoas Únicas – CF5D

Amigos em Despedida

Image par Jeon Sang-O de Pixabay 

Verão Aventuroso: Desejo e Recordação

DB – Gostava de ir ao Algarve, que o Covid acabasse, de ir à praia, ir até Espanha – é perto, posso ir com a minha Avó.

MP – Eu gostava de jogar Fortnite e de ir à praia do Guincho. No Algarve tive um problema: saltei numa onde em que me enrolei e saí da água quase desmaiado. 

DB – E eu estava a fazer Surf e caí. A prancha voou para cima e quando eu vim ao de cima, levei com a prancha na cabeça.

Para uma Escola mais Viva

DB – Alguns Colegas devem ter mais respeito por todos.

MP – Em relação ao Covid, eles tiram as máscaras e não nos ouvem. ” – Cala-te! Queres que eu morra?” – Dizem que não conseguem respirar.

Momentos Únicos no 5º Ano

MP – Os recreios e as aulas de EF são os melhores momentos! No recreio, posso brincar com os meus Amigos, posso fazer novos Amigos, podemos jogar aos jogos de que gostamos…

DB – Podemos andar por todo o lado do Colégio!

Pessoas Felizes

DB As Pessoas são felizes quando são respeitadas. Também termos uma Casa, Amigos e Família.

MP – As Pessoas são felizes mostrando respeito pelo que são, a mostrar o seu valor, a amar os que amam ele próprio.

Valores a Transmitir à próxima Geração

DB – Ter Carácter, Coragem e Solidariedade.

MP – Coragem, mostrar a eles o que é o Amor, o que são os Amigos, ensinar como se fazem as coisas, como se derrubam todos os “Trinturantes”  – os malvados.

Conversas na Oficina – DB5A e MP5A

Ao Sabor da Conversa…

Image par 愚木混株 Cdd20 de Pixabay 

LR – Vi na netflix um vírus que infetava as pessoas e, se tivessem filhos, eram metade animais, metade seres humanos.

FV – A propósito dos Habitats, isto são conhecimentos que o meu Pai me transmitiu. Como viverias se fosses outra pessoa?

LR – Não sabia quem era a pessoa. Depende das circunstâncias. Seria mais agressiva. Faria o que os rapazes fazem. Não gosto de bolas. 

FV – Se eu fosse outra pessoa, teria melhores condições de vida.

LR – Se pudesses ser um animal, qual serias?

FV – Seria um camaleão, se viessem os predadores, eu camuflava-me. Ou seria um pássaro migratório para ver as paisagens de todo o mundo.

LR – Adoro ver aquelas coisas na rua, tipo cartoons, nos grafitis, com muitas cores, um desenho abstrato, mas com muitas cores. Eu desenhava um grafiti, onde escondia uma mensagem, para as pessoas poderem encontrar um tesouro.

FV – Eu fazia um desenho com uma mensagem lá dentro; desenhava  o símbolo da Paz e escrevia uma frase: 

“Paz no mundo inteiro” 

FV – Se fosses um animal, que animal serias?

LR – Uma coruja…mas há muitos animais que gostaria de ser. Posso voar, acordo à noite e durmo de dia, algo de diferente… As pessoas que vêem o mundo de outra forma, são assim;  as corujas têm ar de mistério, de sabedoria, têm olhos grandes, parece que são muito sábias.

OE – A coruja é precisamente o animal que simboliza o curso de Filosofia. Ela abre os olhos à noite, isto é, tem a sua reflexão garantida para depois da ação.

LR – Eu fazia Filosofia muito bem. Penso assim quando está muito tranquilo: algo de mal está para a contecer, tens que estar sempre alerta.

FV – O meu Pai tirou um curso “Liberta a tua Mente”. O Pai, nesse curso, ensinou-me coisas que só ele e o professor dele é que sabiam, para ver o mundo de outra forma. Depois fez outro curso em que põe as mãos num ponto dorido do corpo, o calor vai descendo e tira as dores.

LR – É uma Meditação. O meu Pai diz para eu fazer respiração devagar, mas eu não gosto de ficar quieta, gosto de ter ideias. Não consigo fazer o “Bip” muito bem. Isto foi quando eu estava estressada, para a minha idade.

FV – Quando vou para casa dos meus Avós, fico até tarde com eles; tomo um medicamento “metinib” para um problema que tenho: “fibromatose”.

LR – Tenho ascendência indígena. O meu Pai viveu em França.

FV – Eu tenho costelas canadianas, o meu Pai deu-se muito bem com o Inglês.

LR – O meu Pai é bom a Inglês e a Tic.

FV – Ver o mundo de outra forma: o meu Pai ensina coisas boas, às vezes, em casa, faz coisas malucas.

Conversas na Oficina – LR5B e FV5B

“Uma Visão Outra do Mundo”

Image par 愚木混株 Cdd20 de Pixabay 

O que torna as pessoas Felizes?

FV – O que torna as pessoas felizes é fazerem o que gostam.

L. R. – A Família e os Amigos tornam as pessoas Felizes.

Quem nos influencia? Como?

F.V. –  Quem mais me influencia é a minha Mãe e o meu Pai. Transmitem-me, conhecimentos de massagens, como se tratam as águas que vão para os rios, a ser educado, a ter um visão outra do mundo. Como estou a aprender música, todas as noites tenho uma pulsação: binário, ternário e quaternário. 

L.R. – Quem mais me influenciou foi a minha Mãe. Transmite-me inteligência, conhecimentos que eu não tinha, ser educada, paciente…

3 Valores a Transmitir aos Futuros Filhos

F.V. – Nunca desistir das coisas, ver como é o mundo por fora, ter conhecimentos, ser criativo.

L.R. – Ser criativo, ajudar os outros, ser amoroso.

Se vivêssemos num mundo perfeito…

LR As pessoas não seriam racistas, não poluiriam o planeta.

FV – As pessoas não seriam mal educadas, quando temos alguma doença pelo mundo, no habitat de todos os animais e nos nossos: estes conhecimentos todos são do meu Pai.

Conversas na Oficina – Educação Positiva – LR5B e FV5B

Felicidade e Admiração

Image par Anne-marie Ridderhof de Pixabay 

      C.R. Estar com os Amigos e com a Família faz-me sentir feliz e viva. Quando estou feliz sinto Paz, Saúde…sinto-me forte. Fico com energia, força e isso faz-me ser uma boa pessoa.

    V.G. – O que me torna feliz é montar, estar com os amigos, estar com o meu cão. Quando estou feliz sinto nervos,  entusiasmo e energia. 

    C.R.  – Admiro muito a minha Mãe. Ela conseguiu ter 5 Filhos, com dor e muito mais. Só que ela não desistiu. Mesmo quando ela está zangada ainda faz comidas ótimas e tudo o que ela faz, ela faz no seu máximo!

    V.G. – Admiro a minha Irmã, porque ela é esperta, tem muitos amigos e, principalmente, ensina-me muito. É muito Amiga e uma ótima Irmã.

C. R. – Aos meus filhos, quero passar-lhes um bom futuro, uma Boa vida, Amor, Força e Paz.

Educação Positiva – VG5B e CR5B

A Família Mais Unida

   

Image par Michal Jarmoluk de Pixabay 

    Somos a Família B. família essa constituída por 4 pessoas, eu, a mminha irmã, a minha Mãe  e o meu Pai. 

     Depois, tenho os meus avós paternos e os meus avós maternos, os meus tios, os meus bisavós e o meu querido primo Miguel.

     Adoro a minha família tal como é, muito unida.

    Gostava de ter mais uma irmã, mas os meus Pais dizem que, por agora, é complicado.

    Gostaria de ser bióloga, assim faria o que gostava, sentia-me realizada e conseguia a minha independência financeira.

     Diariamente, tenho o privilégio de ter os meus dois pais, irmã e avós junto a mim.

   Gostaria de casar e ter filhos, confesso que uma filha faria as minhas delícias…

     A Família é tudo para mim, sem ela jamais conseguiria viver.

    A minha Família é a mais unida do mundo.

71 anos CAD – 2007 – MB5C

 

A Galope, Passamos pelas Flores…

Image par JuergenPM de Pixabay 

    A Natureza, para mim, é algo que me ajuda a refletir.

    Vivo intensamente a Natureza, quando vou à quinta do meu avô. Aí posso passear, andar de bicicleta.

  Passo por muitas árvores – ao sol é muito alegre – também pomares, campos, que aprecio na Primavera e no Verão.

    Com tempo nublado e com chuva, aquilo fica um bocadinho triste. Às vezes aparecem coelhos e gatos e ouvem-se cantar os pássaros.

     Para desenvolver a Natureza, não se pode deitar lixo, papéis, pois assim a Natureza fica limpa.

      Há flores que estão a ser ameaçadas.

   Quando vamos passear a galope nos campos, passamos pelas flores…

JM5A

Momentos Felizes

Image par Prawny de Pixabay 

    A Felicidade… os momentos em que estamos felizes… não a sei descrever… talvez quando estou sem stress, 100 por cento relaxada. 

   O que nos torna felizes são as coisas boas, como quando trabalho,  – é uma maneira de dizer -, quando me esforço por alguma coisa e consigo concretizá-la, quando consigo concretizar os meus objetivos. 

   Em Filosofia foi o que me aconteceu, eu falo rápido e os meus pensamentos são o dobro da velocidade, por isso não consigo escrever o que estou a pensar… no teste final, os meus pensamentos estavam a mil e a minha escrita estava a cinco. Eu só falo rápido quando estou stressada, ainda não desanuviei cem por cento. 

   Quando estava em Tróia, falava tão lentamente, estava totalmente relaxada. Não devia ir à escola, porque faz mal à saúde. Antes dos testes, nas duas últimas semanas, tinha Físico-Química e Matemática: tinha imensas insónias…

   Por exemplo, estou feliz a partir do momento em que não tenho mais testes, mas só o sentiria se os resultados tivessem sido bons, como foram, por isso estou feliz, senão estaria “semifeliz”. 

   Quando me sinto feliz, depende da causa de estar feliz; se estou triste sorrio, estou sempre a sorrir e estou sempre a rir. Fico mais excitada, mas entusiasmada, fiquei mesmo chateada porque ia ter o segundo Ida de Matemática e o professor disse que eu tinha tido 14, 4! Não me importaria de fazer outra vez, porque eu compreendia essa matéria. Fico com vontade de voltar a fazer essas coisas, quando as faço bem.

   Os testes que tenho mais prazer em fazer são os de Português. Tenho muita sorte com os Profes. Na quarta estava mesmo cansada: ” – Eia, duas horas de Português!” –  Mas eu estava mesmo feliz. 

“ – Tenho pena que sejam só duas horas!”

   Na primeira hora, senti-me cansada, não me apetecia estar duas horas a falar do Camões. Na segunda hora fomos ao jardim: estava calorzinho, sabia-me mesmo bem estar ali a fazer exercícios. As aulas deviam ser todas ali. Até ficava a falar de Camões tranquilamente.

Conversas na Oficina, MB10

Viver os Valores

Image par Gordon Johnson de Pixabay 

Apreciação dos Pais 

D. S. Dou valor ao Pai por fazer muitos bolos bons e à Mãe por deixar ir à praia e deixar fazer coisas que às vezes antes ela não deixava, como por exemplo, ficar até às 21:30 a jogar com amigos. 

P. G. –  No meu Pai, dou valor a  ele ser polícia e eu admiro-o muito; na minha mãe, o sempre estar preocupada  com os filhos.

P. C. –  Eu valorizo muito o meu pai, porque ele trabalha muito para manter a minha família em pé (a mãe também) e também faz comida muito boa para nós.

   Os meus amigos também são muito bons, porque, quando não tenho nada para fazer, eles chamam-me para ir jogar com eles e, quando eu estou triste, eles vêm ter comigo para ver o que se passa.

D.S. – O Pai e a Mãe foram a influência mais importante. O pai, para transmitir o valor de não desistir dos meus sonhos. A mãe, para transmitir o valor de nos portarmos bem e sermos educados.

P. G. – A minha família que sempre está aqui, para ajudar e me transmite amizade, o deixar-me feliz e a lealdade.

P. C. – Os nossos pais estão sempre em cima de nós para não falharmos na vida e estão sempre a dar-nos apoio, portanto acho que a família transmite amizade, cooperação e generosidade.

Image par Please Don’t sell My Artwork AS IS de Pixabay 

Transmitir o Tesouro aos próprios Filhos futuros

P. C. – Dar sempre valor ao que temos, porque pode haver pessoas que nem um pão para comer têm; aproveitar cada momento em que vivem com um bom amigo ou familiar; ser sempre educados e respeitar a opinião de cada um.

P. G. – Aprender a dar valor ao que têm, aprender o que é educação e gostar do que fazem.

D. S. –  Sê educado; nunca desistirás do teu sonho; tenta vir a ser o que tu querias quando eras pequeno.

12019 in Pixabay

Uma Regra de ouro a Orientar a Vida

P. C. –  Ser feliz e trabalhar sempre ao máximo para cumprir os nossos objetivos.

P.G. –  Quando levei um recado e mostrei à minha mãe  ela levou a bem, mas se levasse o segundo, vinha “a chinela”. Este acontecimento fez-me criar uma regra para orientar a vida: ser educado nas aulas.

D. S. – A regra é ser bem educado com as pessoas, e, se uma pessoa precisar de ajuda, eu vou ajudá-la.

 Num mundo perfeito…

P. C. – Acho que não haveria brigas, guerras ou bullying.

P. G. –  Não haveria racismo por se ser negro, de outro pais, por se ser pessoa com deficiências e etc… 

D.S. –  Não sei por que é que as pessoas fazem mal…

Se essas pessoas vivessem num mundo perfeito elas só faziam o bem. 

PG8B, DS8B, PC8B

Educação Positiva – Reflexão a três mãos, orientada por questões de Maurice Elias

Memórias e Projetos

Image par Bessi de Pixabay 

Um Momento Único

A.B. – Podemos sentir que estamos a crescer e sentimo-nos de certa forma mais velhos, porque temos menos restrições do que os mais novos.

M.F.  – O meu momento melhor foi o primeiro dia de aulas porque comecei uma nova etapa da minha vida, conheci novas pessoas e porque comecei a levar a escola mais a sério.

C.T. – Eu preferi o primeiro dia de aulas, porque conheci pessoas novas. 

T.B. Um momento bom foi quando os projetos começaram a tornarem-se reais.

M.A. –  O meu momento preferido foi quando conheci novas pessoas e tornei-me mais amiga de outras pessoas e também melhorei as minhas notas.

Projetos Ousados

A.B. –  Podemos ter faltas ilimitadas, 2ª, 3ª, 4ª e 6ª termos tempo livre a partir das 12:30/13:30, porque se pode sair numa dessas horas, a não ser à 13:30, em que as aulas acabam, começarmos as aulas às 9:30/10h, as aulas durarem menos tempo, podermos ser livres durante os intervalos, ter professores que não se “chateiem”  facilmente.  

T.B. –  Eu acho que a escola poderia implementar clubes para as pessoas fazerem o que gostam, mas nós até estamos a criar um clube cá no colégio que está a correr muito bem. O clube de teatro faz com que as pessoas não só desenvolvam a criatividade, como também ajuda a desenvolver competências sociais. No clube também dá para as pessoas que não se sentem confortáveis para representar, poderem fazer os cenários, maquilhagem, figurinos, etc. Neste momento, somos 7 professores e contamos com a ajuda da professora Carla Trindade e com a direção do colégio.

M.F. – Gostava de fazer um projeto de voluntariado na escola.

M.A. – Tornar as aulas menos teóricas. 

C.T. 7B, M.A.7C, A.B.7D, T.B.7C, MF7C

 

Projetos para um Verão Vivo

   

Image par Denis Azarenko de Pixabay

    Quero ir à praia do Guincho com a minha família, mas também com os amigos. O Guincho é a praia mais perto de minha casa, às vezes vou lá a pé ou de bicicleta.

    Estou a remodelar o meu quarto; a minha Mãe sugeriu que ficava giro eu fazer umas pinturas de aguarela para colocarmos em quadros e pendurarmos na parede.

   Estou a começar a ler um livro: “1984”. É sobre como era suposto ser o mundo, como o autor imaginava o futuro. A Mãe sugeriu que eu lesse, pois o autor avisou-nos de como  no futuro poderia não haver  liberdade de expressão. 

  Gosto de passar tempo com a minha cadela: deixá-la correr, à volta do jardim, trazer a bolinha na boca; eu tento agarrar a bola, só que ela não deixa. Ela pede festas, deita-se de barriga para cima na relva…

C. A. 9A

Momentos Únicos

Momentos Únicos do 7º ano

Image par peter_pyw de Pixabay     

   Os meus momentos únicos do 7º ano  foram quando, por exemplo, uma colega minha apanhou covid e tivemos de ir para casa. Adorei poder acordar mais tarde, comer mais, não ter de ir a pé para casa e não ter de apanhar confusão para a fila do almoço, embora eu prefira ter as aulas em presença. Mas, por outro lado, também não pude jogar futebol por causa do covid …

    Também  houve notas que subi mais do  que estava à espera. A disciplina que subi foi a matemática. Eu acho que subi –  antes tinha 3 e passei a ter 4 – porque acho que a matéria era mais fácil.

   O estudo mais interessante foi o das Ciências: quase tudo tinha a ver com as rochas, como os fósseis e os vulcões. 

Image par Bruno /Germany de Pixabay

   Em alguns trabalhos do campo aprofundei a minha experiência, como por exemplo, em dar comida ao gado; o gado gosta de comer ração, mas também dou erva e palha; eles bebem uma água normal, num bebedouro em que podem beber sempre e nunca se gasta, só quando se fecha a torneira, pois está ligada a um furo.

   Estive também na vinha da minha Tia, a esparrar…

Mãe do T. – Esparrar é retirar as parras que estão a fazer sombra ao sol; elas estão a mais e não deixam a luz entrar para os cachos.

Image par Dimitris Vetsikas de Pixabay

 Gosto de ir à praia do Guincho, com as suas dunas e as marés. Gosto de nadar nas ondas… houve uma vez em que um Senhor nos deu uma prancha de bodyboard e, agora, espero que venha uma onda e depois lanço-me!

   Gosto de jogar Minecraft; jogo com o Daniel e com um amigo, Niels é o nome dele. No Manycrafts pode-se jogar e construir várias coisas; são “Farms”, uma espécie de coisas automáticas, onde basta carregar num botão e vai dar vários itens; numa “Farm”, é como se estivesse a “dropar”. 

   Há uma “Farm de Ferro” – feita com “carbolands” feitas com ferro para proteger os aldeões. É uma das mais úteis, porque dropa muito ferro; posso fazer blocos, “whikens”, com a estrela de “Whikens”…

(Em parte ditado) T. S. 7A 

Partilha em Tertúlia

Research Gate CC

 Momentos Preciosos do 8º ano

P.G. –  Quando os professores fazem coisas diferentes tipo pôr música, fazer um trabalho diferenciado,  e se também somos nós a escolher o grupo.

D. S. – Gostei das atividades no laboratório, da poeira que é iman.

Transformando a Escola

Image par serenaring de Pixabay 

P. G. –  No refeitório, os colegas que comem de casa poderem ir comer com os colegas que comem do refeitório.

D. S. – Darmos menos matéria e termos mais atividades escolares, com menos trabalhos e testes.  

  Projetos para um Verão Único

Image par Couleur de Pixabay 

P. G. – Quero ir para a praia, porque eu estou a descansar com a minha família e também quero estar com a minha família porque estou feliz a ver como estão.

D. S. – Trabalhar nos meus  Avós e receber ordenado. Os trabalhos que posso fazer são, em casa da tia, tratar do gado, ir à vinha, fazer a vindima, ir ao eucaliptal e ajudar a Prima nas tarefas de casa e a Avó também.

 Três “Obrigados”

Image par Gerhard G. de Pixabay

P. G.  – Obrigado “Stora”, as melhoras e tenha umas férias felizes.

D. S. Obrigado, “Stora” :).

“Stora”   Obrigado aos dois amigos, P. e D. pelo excelente espírito de companheirismo, persistência e boa-vontade para os trabalhos difíceis e sempre com uma inspiração de bom humor inconfundível. 

Quando há Felicidade? 

Image par Gerd Altmann de Pixabay 

P. G. –  A felicidade é quando nós sentimos quando temos ou vemos  uma “coisa” especial.

Sentimo-nos felizes também quando queremos dizer ou mostrar o que sentimos para uma pessoa especial.

D.S. – A Felicidade é o que está na nossa cara quando estamos muito felizes. Por exemplo:quando alguém dá uma coisa que nós queríamos e não estávamos à espera daquele presente.

(Texto a Duas Mãos) PG e DS

Sobre a Essência da Felicidade

Um Ótimo Momento do 7º Ano 

Image par Denis Azarenko de Pixabay

B. F. – Ter amigos e professores simpáticos, pois os amigos são importantes e os professores são carinhosos e amigáveis.   

M. T.  –  Ter a experiência de cair de bicicleta, porque eu gosto de cair, pois assim não tenho medo.

Uma vez estava a andar de mota e em vez de desacelerar, acelerei: parti a mota! 

 A Escola como um lugar de Aventura

Image par asderknaster de Pixabay 

B. F. – Podemos ter uma piscina em vez do campo de cimento, porque já temos um campo exterior, pois a piscina interior é quente.

Podemos utilizar um tablet em vez de cadernos, pois é muito caro comprar cadernos novos, lápis e canetas, e não haver testes a partir da antepenúltima semana de aulas. 

PS: MATEMÁTICA.

M. T. – Podemos retirar o campo de ténis e construir uma pista de motas.

Podemos ter menos dias de aulas e mais dias de férias.

E ainda melhorar a comida; para ser melhor, o arroz, que às vezes parece uma pedra ou uma papa, deve ser mais solto e leve. 

 Projetos inventivos para o Verão

Image par renategranade0 de Pixabay

M.T. – Ir para a prainha e ir para o Alentejo andar de mota!

Dois “Obrigados”, como um Brinde

Image par OpenClipart-Vectors de Pixabay

M. T. – Ao meu Tio, por ter ajudado a estudar Matemática e à minha Mãe por ter me oferecido uma bicicleta de campo – azul e laranja fluorescente.

B. F. – Aos Professores e aos Amigos, pela simpatia, amizade, a sabedoria que me ensinaram e o carinho que me deram e a ajuda que me ofereceram.

Uma Felicidade Viva? 

Image par Jill Wellington de Pixabay 

M. T.  – A Felicidade é eu divertir-me; por exemplo, andar de mota, fazer surf, andar de bicicleta…

Também é estar com a família: pais, primos, tios, amigos, estar com a minha prima de 3 anos que está na Austrália e o meu primo de 5 meses que está também na Austrália.

B. F. – Uma pessoa age simpaticamente, alegremente, e demonstra a sua amizade, quando está feliz.  

A Felicidade é muito importante, pois não há vida sem Ela!!!

(Texto a duas mãos) B. F. e M. T. 7C

A Cor dos Sonhos

Image by jiao tang from Pixabay 

    Quando eu era pequena, eu dizia que a minha cor favorita era roxo, porque era a mistura de preto e rosa, uma mistura super estranha! Na fase dos ganchinhos, eu gostava mais de rosa; na fase mais gótica, gostava mais de preto e o roxo é a mistura dos dois: então, era o roxo, o meio termo.

   A minha mãe, quando eu era pequenina, deu-me uma saia violeta cheia de folhos,  linda; uma vez, eu tive um sonho com essa saia, na salinha da pré-escolar, no tapete dos pequeninos que parece água, ao pé do poste, que tem uma almofada para os pequeninos não baterem com a cabeça.

     Eu acho que só me lembro de certos sonhos ou de parte deles, quando eu começo ou continuo a sonhar, quando já estou meio consciente e o meu corpo já quer acordar, mas eu, como sou curiosa, faço aquela tentativa de apanhar o desfecho do sonho.

  Mas quem é que não quer ficar a dormir para acabar o sonho ou até um pesadelo, se gostares de filmes de terror?

  Eu tento ter um mecanismo de não ter sonhos interessantes nos dias de semana, porque eu fico sempre a meio e nunca consigo terminá-los.

  Ninguém quer ter um sonho cheio de ação, em que estás na Floresta a lutar contra vilões ou a galopar num cavalo e, de repente, teres de parar! Ou ter um sonho de uma história romântica, mas não ficas o tempo suficiente para descobrir se as personagens ficam juntas no final.

   Se calhar, todos os sonhos que eu tenho nos dias da semana têm o mesmo final, que é alguém a dizer:

     – Acordem, já são horas de ir para a escola !

CA6A

Entre a Dança e o Sonho

   

Image par Brigitte is always pleased to get a coffee de Pixabay 

      Era uma vez uma menina chamada Madalena; ela era linda: era alta, de cabelos castanhos, longos e brilhantes. Os seus olhos castanhos, que se iam tornando cada vez mais verdes, expressavam esperança.

     Era uma pessoa ágil, nunca parava de dançar; era querida, sempre, para as suas cadelas, principalmente para a mais velhota; era meiga: sempre a ajudar todos de forma a que eles ficassem bem.

    Todos os dias, ela adorava dançar; fazia piruetas e muitos passos de dança; ia ao hip hop e ao Jazz duas vezes por semana.

    Ela sonhava ser professora de Dança: Hip hop, Jazz, Ballet, Barra no Cháo e Ginástica Acrobática e ter centenas de Alunos.

CAD – 2º Confinamento – M5C

Os Meios da Liberdade

     

Image par Patou Ricard de Pixaba

     Os Tempos livres significam, para mim,  a Liberdade do Galope, a liberdade do Cavalo e só estamos Eu e o Cavalo!

      Jogar Ténis e bater com a máxima força na bola: a prática do ténis ajuda-nos psicologicamente; ganhamos paciência…capacidade de manter a concentração quando se está a perder, treinamos também a boa educação – às vezes há jogadores que se irritam e partem a raquete!

   Na bicicleta, pedalamos com muita velocidade! Estamos ao ar livre, a sentir o  vento quente a bater-nos na cara.

    Na equitação, já estou a saltar no picadeiro grande, com a Quimera, que é uma égua russa e branca,  maior que o XS e muito mansinha.

    Vou começar a montar o Artista, mas também vou continuar com o XS. Vou ter muita adrenalina com o Artista, um cavalo russo, branco, com muitas pintinhas pretas, de estatura média, crinas brancas e curtas de focinho macio.

    Ele é vivo, um pouco assustadiço, mas já melhorou a sua mania de dar coices no volteio e de dar camgochas nos saltos; o Artista é um cavalo forte e encorpado, que salta muito alto.

     O Artista é um cavalo fino, a quem não se pode dar muito com o esporim, senão ele zanga-se connosco. É rápido, tem uns andamentos bonitos, levanta o casco ao andar e galopar. É um cavalo que esconde a verdadeira idade, pois tem muita energia.

CAD – 2º Confinamento – JM5A

Vivências de Equitação

     

Image par ArtTower de Pixabay 

   Desde bebé, eu tenho uma paixão por cavalos. Fui para a escola da Charneca, porque a minha Mãe tinha lá dois cavalos: o Quebec e o Jaguar. 

    Comecei a dar passeios com a Mini, uma pónei de pelo escuro, muito pequenina. Aos seis anos, comecei a fazer volteio com a Garrana; aos nove, fui para a quinta das Cabanas, depois voltei aos dez anos, para a Charneca.

     Fiz volteio com a Quimera e a Formiga. Passado um mês, no redondel, montei solto, na Quimera, no Luxo e na Formiga.

     Em 2 de Outubro, comecei a ter aulas de grupo com a Formiga e depois com o Luxo, muitas vezes. Ainda montei uma vez no XS em ensino. Em seguida, montei o Luxo e saltei com o XS.

Amanhã vou saltar com o XS.

     Os cavalos são bonitos, elegantes, fortes; podem relacionar-se com as pessoas; alguns são meigos e outros são bravos.

    O cavalo à carga é um símbolo de liberdade, pois quando o cavalo dispara ao máximo e nós sentimos o vento a vir para nós, estamos sozinhos e ninguém nos pode impedir, estamos só nós e o cavalo!

JM5A

Uma Amizade À Distância

Image par Luisella Planeta Leoni de Pixabay

     A Amizade acontece por uma simples conversa em comum ou até entre pessoas próximas.

    A Amizade é muito importante para o resto das nossas vidas, mas tem de haver confiança entre duas ou mais pessoas.

    Podemos até apresentar o nosso amigo para alguns dos nossos familiaires, mostramos um ato de confiança.

    Uma vez, fui de férias para Alter do Chão e, passado mais ou menos 3 anos, fiz uma amizade através de uma outra amiga que eu tenho;  esta amizade que eu fiz foi com uma menina chamada Bia, mas ainda não a vi na vida real, pois nunca tivemos oportunidade. Mas houve um momento em que eu descobri que a Bia morava em Alter do Chão.

    Estamos a tentar encontrar-nos dia 7 de Janeiro, no meu aniversário. Eu vou abraçá-la com tanta força que vou cair no chão de tanto amor.

CM7C