Sondando o Futuro

     cartaz deanimais primitivos

     Wikimedia Commons Atribuição CCO Autor Adolphe Millot

     Gostei muito das Quartas Feiras: saíamos mais cedo e a mochila não é muito pesada; à 2ª feira é muito pesada.

     A minha disciplina favorita é Ciências, porque gosto de animais, da água… é mais divertido.

      Também gosto muito de HGP, porque fala da História, da pré-História, do Futuro… do Futuro nem tanto. 

     Cada vez mais os glaciares estão a derreter: então, algum dia, pode haver quase nada de terra e nós, no futuro, podemos ficar apertados.

      A África pode ficar inundada; pode haver cada vez mais animais aquáticos e cada vez menos animais terrestres.

      Sem as abelhas não vamos ter cenouras, laranjas, até maçãs – só teremos as frutas que não são polinizadas pelas abelhas.

      Vários outros animais estão em perigo, como os cupins, vão precisar muito de ervas, mas como vamos ficar muito apertados, vamos cortar a relva.

      No Futuro, também podemos ficar extintos: cada vez mais pessoas pode levar à superpopulação. E como é que as pessoas vão viver sem a terra? Depois, vão ser extintas.

      Se for assim, pode parar a poluição, as calotes polares podem recongelar de novo, pode haver mais terra e os peixes podem evoluir para animais terrestres.

     Antigamente havia uns peixes com as barbatanas fortes; houve uma extinção em massa e aqueles que sobreviveram foram para as partes mais rasas, mais perto das praias.

      Eles conseguiram evoluir para a terra. Os primeiros mais conhecidos foram uma espécie de lagartos; depois evoluíram para animais maiores.

      O primeiro maior era uma espécie de lagarto com escamas bem duras e a cauda bem grande.

Conversas na Oficina HZ5D

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.